Representação e intervenção em saúde pública: vírus, mosquitos e especialistas da Fundação Rockefeller no Brasil

Representing and intervening in public health: viruses, mosquitoes and Rockefeller Foundation experts in Brazil

As tentativas feitas pelos especialistas da Fundação Rockefeller de erradicar a febre amarela no Brasil foram prejudicadas pela baixa visibilidade desta patologia. Os casos eram, em sua maioria, atípicos e se confundiam facilmente com outras febres. Na década de 1920, os especialistas dependiam de observações clínicas para avaliar a incidência da febre amarela. Na década seguinte, porém, conceberam métodos indiretos para visualizar a presença de seu agente. A viscerotomia revelava a presença de casos agudos e o teste de proteção em camundongos, contatos passados com o vírus da doença. Conjuntamente, estes testes permitiram aos especialistas da Rockefeller confeccionar mapas indicando a presença de zonas de endemicidade da doença. Puderam, então, direcionar campanhas específicas contra a febre amarela baseadas na eliminação seletiva de seu vetor, o mosquito Aedes aegypti. Na saúde pública, tal como nas ciências, as práticas de representação modelam a intervenção.

febre amarela; Fundação Rockefeller; saúde pública


Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Av. Brasil, 4365 - Prédio do Relógio, 21040-900 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel./Fax: (55 21) 3865-2208/2195/2196 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: hscience@coc.fiocruz.br