Malária como doença e perspectiva cultural nas viagens de Carlos Chagas e Mário de Andrade à Amazônia

Nísia Trindade Lima André Botelho Sobre os autores

Trata de duas viagens importantes para o pensamento social sobre a Amazônia: a de Carlos Chagas, realizada de 1912 a 1913, e a de Mário de Andrade, em 1927. Para discutir o papel dessas experiências nas interpretações desses autores, analisam-se as relações propostas entre malária e o projeto de constituir uma civilização nos trópicos. Nos textos de Chagas, estranhamento é a categoria que organiza a percepção a respeito da Amazônia, evidenciada na ideia de patologia dos trópicos a desafiar o conhecimento estabelecido sobre a doença. Empatia, por outro lado, é a categoria-chave para compreender a perspectiva crítica de Mário de Andrade, que valoriza as formas de sociabilidade, crenças e expressões populares da região, inclusive as relativas à malária.

Amazônia; Carlos Chagas (1878-1934); Mário de Andrade (1893-1945); malária; modernismo


Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz Av. Brasil, 4365 - Prédio do Relógio, 21040-900 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel./Fax: (55 21) 3865-2208/2195/2196 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: hscience@coc.fiocruz.br