Incultura e criminalidade: estereótipos sobre a educação da criança, do jovem e do camponês no século XIX

Lack of culture and criminality: stereotypes about child, youth and peasant education in the 19th century

José Ernesto Pimentel Filho Sobre o autor

Este artigo trata das estratégias de combate ao crime no século XIX, demonstrando que elas se ligavam a práticas e discursos morais que estereotipavam diferentes personagens sociais. Vê-se que figuras como o camponês, o jovem e a criança apareciam numa imagem inversa da civilidade dominante. O tema da educação e da formação era perpassado por preocupações com a boa moral e a recusa às práticas desviantes da norma. A abordagem cruza exemplos pertencentes a diferentes países no Ocidente, sobretudo o Brasil e a França. Entre as fontes, estão: obras de caráter ficcional, trabalhos monográficos, relatórios e bibliografia especializada. A metodologia visa pôr em evidência os aspectos da história das sensibilidades e do imaginário social ligados à formação da criança e do jovem. Objetiva-se tanto recuperar dimensões alternativas do processo histórico, quanto colocar em questão as bases de nossos mecanismos de controle da emoção.

História da Violência; Século XIX; Educação


Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Faculdade de Ciências e Letras, UNESP, Campus de Assis, 19 806-900 - Assis - São Paulo - Brasil, Tel: (55 18) 3302-5861, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, UNESP, Campus de Franca, 14409-160 - Franca - São Paulo - Brasil, Tel: (55 16) 3706-8700 - Assis/Franca - SP - Brazil
E-mail: revistahistoria@unesp.br