O gênero Catasetum Rich. ex Kunth (Orchidaceae, Catasetinae) no Estado do Paraná, Brasil

The genus Catasetum Rich. ex Kunth (Orchidaceae, Catasetinae) in Paraná State, Brazil

Miguel Machnicki-Reis Mathias Erich Engels Adarilda Petini-Benelli Eric de Camargo Smidt Sobre os autores

Resumos

Catasetum possui cerca de 170 espécies terrícolas e epífitas com distribuição neotropical, sendo o gênero reconhecido pelos pseudobulbos possuindo vários entrenós, pelas flores unissexuais (raro hermafroditas) e polinário com estipe, caudículo e viscídio. O objetivo deste trabalho foi realizar o estudo taxonômico de Catasetum no Estado do Paraná, apresentando descrições, ilustrações, mapa de distribuição, chave de identificação, status de conservação e comentários para cada espécie. O gênero está presente predominantemente na Floresta Ombrófila Densa (Catasetum atratum, C. socco e C. triodon) e na Floresta Ombrófila Mista (C. fimbriatum) do Estado. De acordo com os critérios da IUCN, C. atratum enquadra-se como espécie criticamente em perigo, C. fimbriatum e C. triodon, enquadram-se como uma espécie em perigo e C. socco enquadra-se como espécie vulnerável no Estado do Paraná.

Biodiversidade; Flora do Paraná; IUCN; Mata Atlântica


Catasetum has about 170 terrestrial and epiphytes species with neotropical distribution and could be recognized by having several internodes per pseudobulb, the unisexual flowers (rare hermaphrodites), and pollinarium with stipe, caudicle, and viscidium. The aim of this study was to do the taxonomic treatment of Catasetum in Paraná State, presenting the descriptions, illustrations, distribution map, identification key, conservation status, and comments for each species. The genus occurs predominantly in the Floresta Ombrófila Densa (Catasetum atratum, C. socco, and C. triodon) and the Floresta Ombrófila Mista (C. fimbriatum) in the state. According to the IUCN criteria, C. atratum can be currently considered a critically endangered species, C. fimbriatum and C. triodon endangered species, and C. socco a vulnerable species in the Parana State.

Atlantic Forest; Biodiversity; IUCN; Paraná flora


Introdução

Orchidaceae Juss. é uma família de monocotiledôneas pertencente à ordem Asparagales Bromhead (APG III 2009). Trata-se de uma das maiores famílias dentre as Angiospermas, com 24.500 espécies e distribuição cosmopolita (Dressler 2005Dressler, R.L. 1993. Phylogeny and classification of the orchid family. Cambridge University Press, Melbourne.). Cinco subfamílias são reconhecidas: Apostasioideae Garay, Vanilloideae Szlach., Cypripedioideae Garay, Orchidoideae Lindl. e Epidendroideae Lindl. (Chase et al. 2003Chase, M.W., Cameron, K.M., Barrett, R.L., Freudenstein, J.V. 2003. DNA data and Orchidaceae systematics: A new phylogenetic classification. In : K.W. Dixon, S.P. Kell, S.P. Barrett, P.J. Cribb (eds.). Orchid conservation. Natural History Publications, Kota Kinabalu, Sabah, pp. 69-89.). De acordo com Barros et al. (2014), existem no Brasil cerca de 239 gêneros e 2.449 espécies de orquídeas. No Estado do Paraná, Orchidaceae é a família mais diversa dentre as monocotiledôneas, com cerca de 128 gêneros e 651 espécies (Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
).

O gênero Catasetum Rich. ex Kunth pertence à subfamília Epidendroideae, tribo Cymbidieae, subtribo Catasetinae (Pridgeon et al. 2009Pridgeon, A.M., Cribb, P.J., Chase, M.W. & Rasmussen, F.N. 2009. Genera orchidacearum v. 5. Epidendroideae (Part II). Oxford University Press Inc., Oxford.); foi proposto por Kunth (1822)Kunth, C.S. 1822. Synopsis Plantarum 1: 330-331., baseado em informações de Louis-Claude Marie Richard, sendo Catasetum macrocarpum Rich. exKunth a espécie tipo.

O gênero se destaca dos demais grupos na família por diversos fatores, dentre eles o dimorfismo sexual e o mecanismo de disparo do polinário (Romero 1992Romero, G.A. 1992. Non-functional flowers in Catasetumorchids (Catasetinae, Orchidaceae). Botanical Journal of Linnean Society 109: 305-313.). Este último, um dos mais impressionantes sistemas de polinização conhecido, exaustivamente estudado e descrito (Darwin 1877Darwin, C. 1877. The various contrivances by which orchids are fertilized by insects. 2 ed. D. Appleton, New York., Hoehne 1933Hoehne, F.C. 1933. Contribuição para o conhecimento do gênero Catasetum Rich. e especialmente o hermafroditismo e trimorphismo das suas flores. Boletim de Agricultura. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio do estado de São Paulo, pp. 3-66.). Devido ao dimorfismo, a polinização em Catasetum é necessariamente cruzada, exceto nos raros casos de hermafroditismo ocasional encontrado em algumas espécies. O inseto polinizador, geralmente abelhas Euglossini machos, ao tocar nas antenas (prolongamentos filamentosos) da base da coluna de uma flor estaminada, provoca o desprendimento do retináculo e este é projetado para frente com a força da torção do caudículo, atingindo frequentemente o dorso do inseto e aí se fixando pelo viscídio (Dodson 1962Dodson, C.H. 1962. Pollination and variation in the subtribe Catasetinae (Orchidaceae). Annals of the Missouri Botanical Garden 49: 35-56., Hoehne 1933Hoehne, F.C. 1933. Contribuição para o conhecimento do gênero Catasetum Rich. e especialmente o hermafroditismo e trimorphismo das suas flores. Boletim de Agricultura. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio do estado de São Paulo, pp. 3-66., 1942Hoehne, F.C. 1942. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 1-218.). Ao buscar recursos em uma flor feminina, o inseto inadvertidamente deposita no estigma o polinário que carrega em seu dorso, realizando a polinização (Hoehne 1933Hoehne, F.C. 1933. Contribuição para o conhecimento do gênero Catasetum Rich. e especialmente o hermafroditismo e trimorphismo das suas flores. Boletim de Agricultura. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio do estado de São Paulo, pp. 3-66.).

Atualmente, são reconhecidas cerca de 170 espécies, além de vários híbridos naturais, distribuídas desde o México até o norte da Argentina (Pabst & Dungs 1975, Pridgeon et al. 2009Pridgeon, A.M., Cribb, P.J., Chase, M.W. & Rasmussen, F.N. 2009. Genera orchidacearum v. 5. Epidendroideae (Part II). Oxford University Press Inc., Oxford., Govaerts et al. 2013Govaerts, R., Bernet, P., Kratochvil, K., Gerlach, G., Carr, G., Alrich, P., Pridgeon, A.M., Pfahl, J., Campacci, M.A., Baptista, D. H., Tigges, H., Shaw, J., Cribb, P., George, A., Kreuz, K., Wood, J. 2014. World Checklist of Orchidaceae. Facilitated by the Royal Botanic Gardens, Kew. Published on the internet. Disponível em http://apps.kew.org/wcsp/ (acesso em 23-XI-2014).
http://apps.kew.org/wcsp/...
). Destas, cerca de 100 espécies de Catasetum são registradas para a flora brasileira, e cinco a seis espécies, são apontadas na literatura para o Estado do Paraná: C. atratum Lindl., C. cernuum (Lindl.) Rchb.f., C. fimbriatum (Morren) Lindl. & Paxton, C. micranthum Barb. Rodr., C. socco (Vell.) Hoehne e C. triodon Rchb.f. (Kersten & Silva 2001Kersten, R.A. & Silva, S.M. 2001. Composição florística e estrutura do componente epifítico vascular em floresta da planície litorânea na Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 24: 213-226., Barros et al.2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
).

A necessidade de estabelecer um mapa real da representatividade do gênero Catasetum no Estado do Paraná direcionou o presente estudo, o qual apresenta descrições, chave de identificação e ilustrações para as espécies levantadas para o Estado, além de dados sobre a distribuição geográfica, habitat e o estado de conservação das espécies.

Materiais e métodos

O Estado do Paraná situa-se na região Sul do Brasil, ocupa uma área de aproximadamente 200 mil km2, localiza-se entre as latitudes 22°29'30" na cachoeira Saran Grande no rio Paranapanema e 26°42'59" nas nascentes do rio Jangada, numa extensão superior a 468 quilômetros em direção norte sul; e entre as longitudes a oeste de Greenwich de 48°02'24" no rio Ararapira e 54°37'38" na Foz do Iguaçu, ultrapassando 674 quilômetros em direção leste-oeste (Maack 2012Maack, R. 2012. Geografia física do Estado do Paraná. Editora UEPG, Ponta Grossa.).

Baseando o estudo nas cinco zonas ou regiões de paisagens naturais reconhecidas para o Estado do Paraná por Maack (1968)Maack, R . 1968. Geografia física do Paraná. BADEP -Universidade Federal do Paraná, Curitiba., são descritos e classificados os habitats ocupados pelas espécies, sendo estas o Litoral, Serra do Mar, Primeiro, Segundo e Terceiro Planaltos. No Litoral e Serra do Mar é encontrado ambiente característico de Floresta Ombrófila Densa, com subdivisões em Altomontana, Montana, Submontana, e de Terras baixas, respectivamente, com altitudes acima de 1.000 metros, 400 a 1.000 metros, 30 a 400 metros, e a ultima limitante até 30 metros, comportando também refúgios ou campos de altitude, restinga e manguezais. Há também a Floresta Ombrófila Mista, nas regiões de maior altitude localizadas ao sul da superfície de planalto; Campos Gerais (Estepe Ombrófila) de mesma localidade; Floresta Estacional Semidecidual Subxérica, localizadas ao norte e oeste do segundo e terceiro planalto; e o Cerrado (Savana Estacional Subxérica), presente no nordeste do Estado. Essas divisões seguem os critérios adotados por Veloso et al. (1991)Veloso, H.P., Rangel Filho, A.L.R. & Lima, J.C.A. 1991. IBGE: Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro..

Análises morfológicas foram feitas a partir de exsicatas obtidas dos herbários paranaenses HCF, MBM, HUPG, UPCB, além dos herbários CESJ, ESA, FLOR, FURB, HB, ICN, MG, SJRP, SP, R, RB, RBR e UFMT; acrônimos segundo Thiers (continously updated), e complementadas com materiais coletados em campo. A terminologia morfológica adotada foi baseada em Hoehne (1933)Hoehne, F.C. 1933. Contribuição para o conhecimento do gênero Catasetum Rich. e especialmente o hermafroditismo e trimorphismo das suas flores. Boletim de Agricultura. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio do estado de São Paulo, pp. 3-66., Dressler (1993)Dressler, R.L. 1993. Phylogeny and classification of the orchid family. Cambridge University Press, Melbourne., Harris & Harris (1994)Harris, J.G. & Harris, M.W. 1994. Plant identification terminology: an illustrated glossary. Spring Lake Publishing, Spring Lake. e Stern (2004)Stern, W.T. 2004. Botanical latin. Timber Press, Portland.. A abreviação dos autores de cada táxon está de acordo com Brummitt & Powell (1992)Brummitt, R.K. & Powell, C.E. 1992. Authors of plants names. Royal Botanic Gardens, Kew.. As exsicatas foram analisadas no Laboratório de Sistemática de Fanerógamas da UFPR, obtendo-se as medidas por meio de paquímetro e microscópio estereoscópico. Quase todas as amostras obtidas foram de espécimes com flores estaminadas, sendo apenas uma com flores pistiladas. Por esse motivo, foram descritas apenas as flores estaminadas das espécies, assim como a chave de identificação é baseada também nas flores estaminadas. As ilustrações das espécies foram elaboradas com a utilização de estereomicroscópio com câmara clara Motic K700. A distribuição geográfica do gênero no Estado do Paraná foi plotada sobre mapa delimitado por quadrículas de 1° × 1° utilizando o programa DIVA-GIS (Hijmans et al. 2005Hijmans, R.J., Cameron, S.E., Parra, J.L., Jones, P.G. & Jarvis, A.2005. Very high resolution interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology 25: 1965-1978.). Para avaliação do status de conservação das espécies foram adotados os critérios estipulados pela União Internacional de Conservação da Natureza (IUCN 2009IUCN Standards and Petitions Working Group. 2009. Guidelines for using the IUCN Red List: categories and criteria. Versão 7.0. Disponível em http://intranet.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf. (acesso em 02-II-2014).
http://intranet.iucn.org/webfiles/doc/SS...
); a extensão de ocorrência (EOO) e a área de ocupação (AOO) para as espécies tratadas para o Estado do Paraná, foram definidas pela utilização do programa GeoCAT (Bachman et al.2011Bachman, S., Moat, J., Hill, A., de la Torre, J. & Scott, B. 2011. Supporting Red List threat assessments with GeoCAT: Geospatial Conservation Assessment Tool. Zookeys 150:117-126.).

Resultados e Discussão

No Estado do Paraná ocorrem quatro espécies de Catasetum: C. atratum, C. fimbriatum, C. socco e C. triodon. Esses dados foram obtidos a partir da análise de 47 exsicatas, as quais registram o gênero em 14 municípios paranaenses, em diversas fitofisionomias. Adicionalmente, incluímos 28 materiais como material adicional examinado, a fim de confirmar a distribuição destas espécies com o que foi apresentado por Barros et al. (2014)Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
.

Em comparação com outros levantamentos realizados com o gênero Catasetum no Brasil (Petini-Benelli et al. 2007Petini-Benelli, A., Fernandes, E.R. & Macedo, M. 2007. O gênero Catasetum em Mato Grosso, Brasil. Orchidstudium 2: 22-35., Bastos & van den Berg 2012Bastos, C.A. & van den Berg, C. 2012. Flora da Bahia: Catasetum (Orchidaceae). Sitientibus, 12: 83-89., Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
), o número de espécies de Catasetumocorrentes no Estado do Paraná e nos outros Estados do sul do Brasil é baixo quando comparado aos Estados da região norte. A exclusão de C. micranthumBarb. Rodr. para o Estado do Paraná, citada por Barros et al. (2014)Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
, faz com que a distribuição desta espécie seja restrita aos Estados da Bahia e Espírito Santo, tornando sua área de ocorrência contígua e sem disjunções. Catasetum cernuum (Lindl.) Rchb.f. foi anteriormente atribuída ao Estado do Paraná por Kersten & Silva (2001)Kersten, R.A. & Silva, S.M. 2001. Composição florística e estrutura do componente epifítico vascular em floresta da planície litorânea na Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 24: 213-226., porém a reanálise do material citado indicou que na verdade se trata de C. fimbriatum.

Tanto os sinônimos genéricos quanto das espécies podem ser obtidos em Barros et al. (2014)Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
, não sendo incluídos no texto.

Catasetum Rich. ex Kunth, Syn. Pl. (Kunth) 1: 330. 1822. Tipo: Catasetum macrocarpum Rich. ex Kunth.

Plantas perenes, geralmente epífitas ou terrícolas; pseudobulbos com 1-6 entrenós, fusiformes, eretos, atenuados, com bainhas. Folhas planas, membranáceas, lanceoladas a ovaladas, atenuadas na base e acuminadas ou agudas no ápice. Inflorescência lateral, emergindo da base do pseudobulbo, racemiformes, eretas, patentes, pendentes ou curvadas em arco, pauci a multiflora. Flores estaminadas ressupinadas ou não, cor variável; sépalas e pétalas membranáceas, lanceoladas a ovaladas; labelo geralmente côncavo ou plano, trilobado ou com lobos indefinidos, margem denticulada, fimbriada, com ou sem calosidades; coluna ereta ou curva, alongada, com duas antenas paralelas ou cruzadas; polinário com duas polínias, viscídio e caudículo desenvolvido. Flores pistiladas não ressupinadas, menos vistosas em relação às estaminadas, sépalas e pétalas membranáceas a carnosas, oblongas a lanceoladas; labelo rijo, côncavo, margem inteira; coluna curta; antenas ausentes (rudimentares a longas nas flores hermafroditas); antera atrofiada e caduca.

Chave de identificação para as espécies do gênero Catasetum no Estado do Paraná baseada nas flores estaminadas

  1. 1. Labelo com calo no lobo terminal, pétalas com margem denticulada

    1. 2. Labelo trilobado, fimbriado nas margens, calo coniforme, pétalas com máculas avermelhadas evidentes .............................................................................. 2. Catasetum fimbriatum

    2. 2. Labelo sub-quadrangular, longamente ciliado nas margens, calo triangular curvoconiforme tridentado no lobo terminal, pétalas com máculas tênues ou ausentes .................................................... 4. Catasetum triodon

  2. 1. Labelo sem calo no lobo terminal, pétalas com margem inteira

    1. 3. Labelo retangular, levemente denticulado em suas margens, lobo terminal com a superfície irregular plana, pétalas ocasionalmente com pequenas máculas avermelhadas .................... 1. Catasetum atratum

    2. 3. Labelo cordado, levemente ciliado em suas margens, lobo terminal com superfície deflexa na parte terminal do labelo, pétalas ocasionalmente com máculas castanhas na base ................................... 3. Catasetum socco

1. Catasetum atratum Lindl., Edwards's Bot. Reg. 24 (Misc.): 61, t63 1838. Figuras 1a-c, 2, 3a

Figura 1
Espécies de Catasetum ocorrentes no Estado do Paraná, Brasil. a-c. C. atratum. a. Peças florais: Sépala dorsal, pétala, sépala lateral; b. Labelo em vista ventral; c. labelo em corte sagital (Hatschbach 20978). d-g. C. fimbriatum. d. Peças florais: Sépala dorsal, pétala, sépala lateral; e. Labelo em vista ventral evidenciando as fimbrias; f. Variação das fimbrias na espécie; g. Labelo em corte sagital (Buttura 778). h-k. C. socco. h. Habito; i. Peças florais: sépala dorsal, pétala, sépala lateral; j. Labelo em vista ventral; k. Labelo em corte sagital (Engels 333). l-o. C. triodon. l. Peças florais: sépala dorsal, pétala, sépala lateral, m. Labelo em vista ventral; n. Labelo em corte sagital; o. Coluna em destaque (Engels 1392).

Figure 1. Species of Catasetum occurring in Paraná State, Brazil. a-c. C. atratum. a. Floral parts: dorsal sepal, petal, lateral sepal; b. Lip in ventral view; c. Lip in sagittal section (Hatschbach 20978). d-g. C. fimbriatum. d. Floral parts: dorsal sepal, petal, lateral sepal; e. Lip in ventral view showing the fimbriae; f. Variation of fimbriae; g. Lip in sagittal section (Buttura 778). h- k. C. socco. h. Habit; i. Floral parts: dorsal sepal, petal, lateral sepal; j. Lip in ventral view; k. Lip in sagittal section (Engels 333). l-o. C. triodon. l. Floral parts: dorsal sepal, petal, lateral sepal, lip; m. Lip in ventral view; n. Lip in sagittal section; o. Column highlighted (Engels 1392).

Figura 2
Mapa de distribuição das espécies do gênero Catasetum Rich. ex Kunth. registradas para o Estado do Paraná, Brasil

Figure 2: Distribution map of Catasetum Rich. exKunth. species in Paraná State, Brazil

Figure 3
Flores estaminadas das espécies de Catasetum Rich. ex. Kunth. no Estado do Paraná, Brasil. a. Catasetum atratum. b. C. fimbriatum. c. C. socco. d. C. triodon. Barra das escalas = 2 cm.

Figure 3: Staminate flowers of Catasetum Rich. ex. Kunth. species in Paraná State, Brazil. a. Catasetum atratum. b. C. fimbriatum. c. C. socco. d. C. triodon. Bar = 2 cm.

Epífita. Pseudobulbos 10-15 × 4-8 cm, fusiformes a obovalados, eretos, base atenuada, ápice acuminado. Folhas 20,4-41,9 × 3-5,4 cm, lanceoladas, acuminadas, para a base atenuada em pseudo-pecíolo, com nervuras longitudinais. Inflorescência 20-60 cm compr., ascendente, curvada em arco na sua extremidade, 8-20 flores. Brácteas 1,5-2,1 cm compr., lanceolartriangulares. Sépala dorsal 2,9-3,5 × 0,9-1,5 cm, lanceolada, acuminada. Sépalas laterais 2,9-3,5 × 1,0-1,5 cm, oblanceolada, acuminadas, recurvadas. Pétalas 2,7-3,0 × 1-1,5 cm, oblongas, acuminadas, recurvadas. Labelo 1,6-2,5 × 1,5-2,4 cm, não-ressupinado, levemente denticulado em suas margens, rijo carnoso, retangular na base, ao longo cordado, em seguida côncavo, com os lobos laterais eretos e salientados, o terminal 0,6-0,7 × 0,8-1 cm, com a superfície irregular e plana, reflexo na extremidade. Coluna 1,3-2,2 cm compr., obtusa, ereta, espessada na parte superior, ápice rostrado, antenas 1,7-2,3 cm compr., cruzadas.

Distribuição geográfica e habitat: Espécie endêmica do Brasil, ocorre nos Estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (Pabst & Dungs 1975Pabst, G.F.J. & Dungs, F. 1975. Orchidaceae brasiliensis, v.1. Kurt Schmersow, Hildesheim., Petini-Benelli 2012Petini-Benelli, A. 2012. Orquídeas de Mato Grosso, genus Catasetum L.C. Rich ex Kunth. PoD Editora, Rio de Janeiro., Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
). Catasetum atratum foi coletado em dois municípios no Estado do Paraná, ambos em Floresta Ombrófila Densa (Terras Baixas).

Estado de Conservação: Segundo os critérios da IUCN (2009)IUCN Standards and Petitions Working Group. 2009. Guidelines for using the IUCN Red List: categories and criteria. Versão 7.0. Disponível em http://intranet.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf. (acesso em 02-II-2014).
http://intranet.iucn.org/webfiles/doc/SS...
, Catasetum atratum se enquadra como uma espécie criticamente em perigo [CR B2b(i,ii,iii)] no Estado do Paraná, devido ao baixo número de localidades, degradação do habitat e o risco de coleta indiscriminada por seu valor ornamental.

Observações: Espécie de floração abundante e vistosa, com grande variação de colorido, sendo muito cultivada nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. Muito comum observar flores femininas entre as masculinas na mesma inflorescência (Hoehne 1942Hoehne, F.C. 1942. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 1-218.). Floresce entre os meses de novembro a maio.

Material selecionado: BRASIL. Paraná: Antonina, 2-II-1969, G. Hatschbach 20978 (MBM) (♂); Matinhos, 20-III-1936, F.C. Hoehne s.n. (SP 35115) (♂).

Material adicional examinado: BRASIL. Mato Grosso: São Luiz de Cáceres. I-1913, F.C. Hoehne 5873 (R) (♂). Minas Gerais: Coronel Pacheco. 4-X-1941, E.P. Heringer 773 (SP) (♂); Juiz de Fora. XII-2011, L. Menini-Neto 1066 (CESJ) (♂). rio Grande do sul: Torres. I-1929, Sturmhoefel, s.n. (ICN 15039) (♂); Osório, J. L. Waechter 2145 (ICN) (♂). santa Catarina: Brusque. 17-XI-2009, A. Stival-Santos 1234 (FURB) (♂); Florianópolis. 14-XII-1991, D. B. Falkenberg 5552 (FLOR) (♂); Laguna. 15-I-1932, F.C. Hoehne s.n. (SP 28699) (♂). são Paulo: Cerqueira César. 27-XII-1935 F.C. Hoehne s.n. (SP35112) (♂); São José do Rio Pardo. III-1897, A. Loefgren CGG3682 (SP) (♂).

2. Catasetum fimbriatum (C.Morren) Lindl. & Paxton, Paxton's Flow. Gard. 1: 124. 1850. Figuras 1d-g, 2, 3b

Epífita. Pseudobulbo 4-12 × 1,8-6 cm, robusto oblongo-fusiforme, base atenuada, ápice acuminado.

Folhas 17-45 × 2-10 cm, lanceoladas a oblanceoladas, agudas, na base atenuadas em pseudo-pecíolo canaliculado, com nervuras espessas. Inflorescência 25-55 cm compr., basal em arco, 7-25 flores. Brácteas 1,1-1,6 cm compr., triângulo-lanceoladas a obtruladas, apressas. Sépala dorsal 2,7-4,2 × 0,7-1,5 cm, lanceolada a estreito-elíptica, ereta, no ápice acuminada. Sépalas laterais 2,4-4,5 × 0,6-1,7 cm oval-lanceoladas, eretas, na base atenuadas e no ápice acuminadas. Pétalas 2,5-4 × 1-1,7 cm, lanceolar-obovaladas, base atenuada, no ápice acuminado, margens denticuladas da metade até o seu ápice. Labelo 1,5-3,4 × 1,5-4,3 cm, trilobado, profundamente saquiforme côncavo, lobos laterais oblongados a oblongo-elípticos, eretos, frequentemente ciliados ou denticulados, o lobo terminal agudo, na base apresentando calo com ápice agudo 0,3-0,7 × 0,3-0,8 cm, margens profundamente fimbriadas. Coluna 1,8-3,2 cm compr., ereta, com ondulações na margem da base ao seu ápice, rostelo alongado, antenas 1-1,4 cm compr., paralelas.

Distribuição geográfica e habitat: Catasetum fimbriatum não é endêmico do Brasil, sendo também citado para Argentina, Bolívia, Guiana, Paraguai, Uruguai e Venezuela (Hoehne 1942Hoehne, F.C. 1942. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 1-218., Pabst & Dungs 1975Pabst, G.F.J. & Dungs, F. 1975. Orchidaceae brasiliensis, v.1. Kurt Schmersow, Hildesheim., Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
). No Brasil, ocorre no Distrito Federal e nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (Hoehne 1942Hoehne, F.C. 1942. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 1-218., Hoehne & Kullmann 1951Hoehne, F.C. & Kulmann, J.G. 1951. Índice bibliográfico e numérico das plantas colhidas pela Comissão Rondon. Instituto de Botânica de São Paulo, Secretaria de Agricultura de São Paulo, São Paulo., Petini-Benelli 2012Petini-Benelli, A. 2012. Orquídeas de Mato Grosso, genus Catasetum L.C. Rich ex Kunth. PoD Editora, Rio de Janeiro., Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
). No Estado do Paraná, foi coletado em cinco municípios, em Floresta Ombrófila Mista, Gramíneo Lenhosa e Estacional Semidecidual.

Estado de Conservação: Segundo os critérios da IUCN (2009)IUCN Standards and Petitions Working Group. 2009. Guidelines for using the IUCN Red List: categories and criteria. Versão 7.0. Disponível em http://intranet.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf. (acesso em 02-II-2014).
http://intranet.iucn.org/webfiles/doc/SS...
, C. fimbriatum se enquadra como uma espécie localmente ameaçada, devendo ser incluída na categoria em perigo [EN B2a] no Estado do Paraná, devido ao baixo número de localidades e pela degradação do habitat.

Observações: Espécie muito variável morfologicamente o que lhe confere um grande número de sinônimos. Muito ornamental, de coloração também muito variável, sofre grande pressão de coleta ilegal, sendo este mais um risco a que está submetida. Há muitos relatos de flores masculinas e femininas na mesma inflorescência, bem como de flores hermafroditas, fato já registrado por Hoehne (1933Hoehne, F.C. 1933. Contribuição para o conhecimento do gênero Catasetum Rich. e especialmente o hermafroditismo e trimorphismo das suas flores. Boletim de Agricultura. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio do estado de São Paulo, pp. 3-66., 1942)Hoehne, F.C. 1942. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 1-218..

Material selecionado: BRASIL. Paraná: Campo Mourão, Parque Estadual Lagoa Azul -PELA. 4-I-2008. M.G. Caxambu 1.993 (HCF) (♂); Foz do Iguaçu, Parque Nacional, 8-XII-1969, G. Hatschbach 23177 (MBM) (♂); Guaíra, Salto das Sete Quedas, II-1961, M. G. Leinig 108 (HB) (♂); Luiziana, Estação Ecológica Luiziana, 4-V-2012, M.G. Caxambu & E. L. Siqueira 3944 (HCF) (♂); Pinhão, Fazenda Reserva, 6-III-1967, J. Lindeman & H. Haas 4664 (MBM) (♂).

Material adicional examinado: BRASIL. distrito Federal: Brasília. 20-V-1966, E. P. Heringer 11102 (HB) (♂). Goiás: Anápolis. 21-V-1964, E. P. Heringer 9675 (HB) (♂); Catalão. 06-IV-1978, A.S. Fonseca s.n. (HB 66964) (♂). Mato Grosso: Chapada dos Guimarães. 23-VII-1999, M. Macedo & E. Silva s.n. (UFMT 24245) (♂); Poconé. Pantanal. 19-III1998, A.M. Amaral s.n. (UFMT 18386) (♂); Várzea Grande. 11-XII-2013, A. Petini-Benelli ADA0563 (RB) (♂). Mato Grosso do sul: Corumbá. F. C. Hoehne 4953 (R) (♂). Minas Gerais: Ituiutaba. 13II-1949, A. Macedo 1672 (RB) (♂). Pará: Serra do Cachimbo. III-1958, H. Sick s.n. (HB 4867) (♂). rio de Janeiro: Petrópolis. 04-I-2013, A. Petini-Benelli ADA0002(UFMT) (♂). santa Catarina: Águas de Chapecó. 31-XII-1963, R. Reitz & Klein 16698 (RBR) (♂); Joinville. 22-XII-2012, A. Petini-Benelli ADA0001 (UFMT) (♂). são Paulo: Campinas, Rio Atibaia. 22-XII-1939, N.G. Bla nck 3570 (RB) (♂); Pedregulho. 28-II-2013, A. Petini-Benelli & E. Sanches ADA0560TESE (MG) (♂).

3. Catasetum socco (Vell.) Hoehne. Arq. Bot. Estado São Paulo nova ser. f. maior, 2: 146. 1952. Figuras 1h-k, 2, 3c

Epífita ou humícola. Pseudobulbos 5,5-9 × 1,7-5 cm, oblongo-fusiformes, eretos, base atenuada, ápice acuminado. Folhas 10-50 × 1,4-8,5 cm, oblongo-ligulares, acuminadas, na base atenuadas, bordas um tanto onduladas, nervuras longitudinais. Inflorescência 15-60 cm compr., arcada ou eretopatente com a extremidade tombada, 5-18 flores. Brácteas 0,6-1,50 cm compr., relativamente curtas com ápice arredondado a levemente acuminado. Sépala dorsal 2-2,7 × 0,4-1 cm, obovada, recurvada sobre a coluna. Sépalas laterais 1,9-2,7 × 0,5-1,1 cm, lanceolada a estreito-elíptica, côncavas a ponto de cobrir a margem do labelo. Pétalas 2,1-2,7 × 1-1,2 cm, lanceolada a oblanceolada, base atenuada, ápice acuminado. Labelo 1,5-2,5 × 2-2,9 cm, em forma de gamela rasa, ovalado em seu âmbito, aspecto cordado, trilobado, margem do lobo frontal deflexa quase tocando a parte inferior do labelo, lobos laterais levemente ciliados. Coluna 1,5-1,8 × 0,4-0,5 cm, ereta, triangular, antenas 1,2 cm compr., paralelas.

Distribuição geográfica de habitat: Catasetum socco é endêmica do Brasil, ocorrendo nos Estados do Paraná, Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina (Pabst & Dungs 1975Pabst, G.F.J. & Dungs, F. 1975. Orchidaceae brasiliensis, v.1. Kurt Schmersow, Hildesheim., Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
). No Estado do Paraná, foi coletado em sete municípios, ocorrendo na Floresta Ombrófila Densa (Terras Baixas) Montana e Submontana.

Estado de Conservação: Segundo os critérios da IUCN (2009)IUCN Standards and Petitions Working Group. 2009. Guidelines for using the IUCN Red List: categories and criteria. Versão 7.0. Disponível em http://intranet.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf. (acesso em 02-II-2014).
http://intranet.iucn.org/webfiles/doc/SS...
, C. socco se enquadra como uma espécie em perigo [VU Bb(i,ii,iii)] devido ao baixo numero de localidades e pela degradação do habitat, registrado em menos de 10 localidades no Estado do Paraná, porém presente em unidades da conservação.

Observação: Essa espécie apresenta grande variação de coloração desde o verde ao vinho, com nuances amareladas e brancas. Nas expedições a campo foi constatado que o hábito epifítico é o padrão, sendo exceção único caso em hábito humícola registrado em restinga arbórea. Muito florífera e ornamental, ainda é pouco reproduzida comercialmente e está ameaçada pela coleta ilegal. Floresce entre os meses de novembro a fevereiro.

Material selecionado: BRASIL. Paraná: Antonina. 11-IV-2011. M.E. Engels, 333. (HUPG) (♂); Guaraqueçaba, Baia do Paruquara, 23-I-1991 G. Hatschbach et al. 54902 (MBM) (♀) ; Guaraqueçaba, Ilha do Superagüi, 15-I-2014. M.E. Engels et al. 2334 (MBM) (♂); Guaratuba, Pedra Branca do Araraquara, M.E. Engels 2383 (UPCB) (♂); Matinhos, Parque Estadual Rio da Onça, 21-IV-2014, M.E. Engels 2404 (UPCB) (♂); Morretes, Col. Floresta. 23-I-1969, G. Hatschbach & G. Kokzicki 20867 (♂); Morretes, Col. Floresta, 12-II-1985. G. Hatschbach & F. Zelma 48908 (MBM) (♂); Morretes, Parque Nacional Saint Hilaire Langue, Trilha da Torre da Prata, 11-XII-2012. M.E. Engels et al. 591 (MBM) (♂); Morretes, Parque Nacional Saint Hilaire Langue, s.d. M.E. Engels 2382 (UPCB) (♂); Morretes, Rio Guanandi, 30-II-1977, G. Hatscbach 39921 (MBM) (♂); Morretes, IV-2014. M.E. Engels 2381 (UPCB) (♂); Paranaguá, Ilha do Mel, Parque Estadual Ilha do Mel, 5-I-2013. M.E. Engels 1396 (MBM) (♂); Paranaguá, Parque Nacional Saint Hilaire Langue - Trilha do Hotel, 27-XI-2012. M.E. Engels et al. 546 (MBM) (♂); Pontal do Paraná, Estrada Ecológica do Guaraguaçu, Sitio Ribeirão Preto. 9-II-2002. J. Carneiro 1.296 (MBM) (♀); Pontal do Paraná, Ilha do Mel, M.E. Engels 2384 (UPCB) (♂); Pontal do Paraná, Parque Estadual Floresta do Palmito, 1-II-2014, M. Machnicki-Reis & M.E. Engels 1 (UPCB) (♂); Pontal do Paraná, Restinga, II-2010. E.C. Smidt 982 (UPCB) (♂).

Material adicional examinado: BRASIL. rio de Janeiro: Distrito Federal, Sernambetiba. 1938, A.C. Brade s.n. (RB 84779) (♂); são Paulo: Pariquera-Açu. N.M. Ivanauskas 1097 (ESA) (♂); Ubatuba, Parque Est. Ilha Anchieta. 21-I-1999, E.C. Smidt 85 (SJRP) (♂).

4. Catasetum triodon Rchb.f. in Otto, Hamb. Gartenz. (1857) 313. Figuras 1l-o, 2, 3d

Epífita. Pseudobulbos 10-13 × 1,2-3 cm, oblongofusiformes a oblongo-cilíndricos, base atenuada, ápice abruptamente acuminado. Folhas 15,5-26 × 1,5-7 cm, oblongo-lanceoladas, base atenuada, ápice obtuso, nervuras longitudinais arcadas. Inflorescência 15-50 cm compr., robusta, recurvada a pendente, 8-16 flores. Brácteas florais 1,2-1,7 cm compr., triangulares. Sépala dorsal 3,2-3,7 × 0,5-1 cm, lanceolada, ápice agudo, ereta e curvada sobre a coluna. Sépalas laterais 3,3-3,5 × 0,7-1,1 cm, estreito-elíptica, deflexas. Pétalas 3-3,3 × 0,5-1,3 cm, lanceoladas, côncavas, margem tenuemente ciliadas. Labelo 1,5-2 × 2-2,7 cm, plano, sub-quadrangular, lobos laterais patentes, arredondados, margem longamente fimbriada, calo 0,5-1 × 0,3-0,6 cm triangular-coniforme próximo ao ápice, encurvado em vista lateral, ápice tridentado. Coluna 1,4-2,1 cm compr., ereta, antenas, 1,4-1,6 cm compr., paralelas.

Distribuição geográfica e habitat: Espécie endêmica do Brasil, ocorre somente nos Estados do Paraná e Santa Catarina (Barros et al. 2014Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/f...
). Catasetum triodon foi coletado em três municípios no Estado do Paraná, ocorrendo em Floresta Ombrófila Densa Montana e Submontana.

Estado de Conservação: Segundo os critérios da IUCN (2009)IUCN Standards and Petitions Working Group. 2009. Guidelines for using the IUCN Red List: categories and criteria. Versão 7.0. Disponível em http://intranet.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf. (acesso em 02-II-2014).
http://intranet.iucn.org/webfiles/doc/SS...
, C. triodon se enquadra na categoria em perigo [EN B1b(i, ii, iii)], por estar presente em apenas três localidades no Estado do Paraná, porém é registrado para área de proteção.

Observações: É uma das raras espécies de Catasetum que apresentaram caracteres morfológicos bem fixos, com raros híbridos artificiais e nenhum híbrido natural registrado até o momento. Espécie de clima temperado, bem tolerante a longos períodos com baixas temperaturas. Floresce entre os meses de outubro a janeiro.

Material selecionado: BRASIL. Paraná: Guaraqueçaba, Ilha do Superagüi, Parque Nacional do Superagui, 5-I-2013. M.E. Engels 1392 (MBM) (♂); Guaratuba, Serra do Araraquara. I-1964. G. Hatschbach 10891 (MBM) (♂); Morretes, Comunidade Condonga, Rio Sagrado, 8-X-2006, M.G. Caxambu 927(HCF) (♂).

Material adicional examinado: BRASIL. Santa Catarina: Joinville. 20-I-1936, F.C. Hoehne s.n. (SP 35116) (♂).

Agradecimentos

Aos curadores, pelo empréstimo do material; à CAPES (EDITAL PNADB (17/2009 - Proposta Botânica UFPR/IBT/Unicamp), pelo apoio financeiro; aos dois pareceristas anônimos que contribuíram para este trabalho; a Marcos Luiz Klingelfus, pela imagem de C. atratum.

Literatura citada

  • APG III. 2009. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161: 105-12.
  • Bachman, S., Moat, J., Hill, A., de la Torre, J. & Scott, B. 2011. Supporting Red List threat assessments with GeoCAT: Geospatial Conservation Assessment Tool. Zookeys 150:117-126.
  • Bastos, C.A. & van den Berg, C. 2012. Flora da Bahia: Catasetum (Orchidaceae). Sitientibus, 12: 83-89.
  • Barros, F., Vinhos, F., Rodrigues, V.T., Barberena, F.F.V.A., Fraga, C.N., Pessoa, E.M. & Foster, W. 2014. Orchidaceae. In: R.C. Forzza, J.R. Stehmann, M. Nadruz, A. Costa, A.A. Carvalho Jr., A.L. Peixoto, B.M.T. Walter, C. Bicudo, C.W.N. Moura, D. Zappi, D.P. da Costa, E. Lleras, G. Martinelli, H.C. Lima, J. Prado, J.F.A. Baumgratz, J.R. Pirani, L.S. Sylvestre, L.C. Maia, L.G. Lohmann, L. Paganucci, M.V.S. Alves, M. Silveira, M.C.H. Mamede, M.N.C. Bastos, M.P. Morim, M.R. Barbosa, M. Menezes, M. Hopkins, P.H.L. Evangelista, R. Goldenberg, R. Secco, R.S. Rodrigues, T. Cavalcanti & V.C. Souza (orgs.). Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/ floradobrasil/FB179 (acesso em 10-X-2014).
    » http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB179
  • Brummitt, R.K. & Powell, C.E. 1992. Authors of plants names. Royal Botanic Gardens, Kew.
  • Chase, M.W., Cameron, K.M., Barrett, R.L., Freudenstein, J.V. 2003. DNA data and Orchidaceae systematics: A new phylogenetic classification. In : K.W. Dixon, S.P. Kell, S.P. Barrett, P.J. Cribb (eds.). Orchid conservation. Natural History Publications, Kota Kinabalu, Sabah, pp. 69-89.
  • Darwin, C. 1877. The various contrivances by which orchids are fertilized by insects. 2 ed. D. Appleton, New York.
  • Dodson, C.H. 1962. Pollination and variation in the subtribe Catasetinae (Orchidaceae). Annals of the Missouri Botanical Garden 49: 35-56.
  • Dressler, R.L. 1993. Phylogeny and classification of the orchid family. Cambridge University Press, Melbourne.
  • Dressler, R.L. 2005. How many orchid species? Selbyana 26: 155-158.
  • Govaerts, R., Bernet, P., Kratochvil, K., Gerlach, G., Carr, G., Alrich, P., Pridgeon, A.M., Pfahl, J., Campacci, M.A., Baptista, D. H., Tigges, H., Shaw, J., Cribb, P., George, A., Kreuz, K., Wood, J. 2014. World Checklist of Orchidaceae. Facilitated by the Royal Botanic Gardens, Kew. Published on the internet. Disponível em http://apps.kew.org/wcsp/ (acesso em 23-XI-2014).
    » http://apps.kew.org/wcsp/
  • Harris, J.G. & Harris, M.W. 1994. Plant identification terminology: an illustrated glossary. Spring Lake Publishing, Spring Lake.
  • Hijmans, R.J., Cameron, S.E., Parra, J.L., Jones, P.G. & Jarvis, A.2005. Very high resolution interpolated climate surfaces for global land areas. International Journal of Climatology 25: 1965-1978.
  • Hoehne, F.C. 1933. Contribuição para o conhecimento do gênero Catasetum Rich. e especialmente o hermafroditismo e trimorphismo das suas flores. Boletim de Agricultura. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio do estado de São Paulo, pp. 3-66.
  • Hoehne, F.C. 1940. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 14-17.
  • Hoehne, F.C. 1942. Orchidaceas. In : F.C. Hoehne (ed.). Flora Brasilica. Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio de São Paulo. v. 12: 1-218.
  • Hoehne, F.C. & Kulmann, J.G. 1951. Índice bibliográfico e numérico das plantas colhidas pela Comissão Rondon. Instituto de Botânica de São Paulo, Secretaria de Agricultura de São Paulo, São Paulo.
  • IUCN Standards and Petitions Working Group 2009. Guidelines for using the IUCN Red List: categories and criteria. Versão 7.0. Disponível em http://intranet.iucn. org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf. (acesso em 02-II-2014).
    » http://intranet.iucn.org/webfiles/doc/SSC/RedList/RedListGuidelines.pdf
  • Kunth, C.S. 1822. Synopsis Plantarum 1: 330-331.
  • Kersten, R.A. & Silva, S.M. 2001. Composição florística e estrutura do componente epifítico vascular em floresta da planície litorânea na Ilha do Mel, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 24: 213-226.
  • Maack, R . 1968. Geografia física do Paraná. BADEP -Universidade Federal do Paraná, Curitiba.
  • Maack, R. 2012. Geografia física do Estado do Paraná. Editora UEPG, Ponta Grossa.
  • Pabst, G.F.J. & Dungs, F. 1975. Orchidaceae brasiliensis, v.1. Kurt Schmersow, Hildesheim.
  • Petini-Benelli, A. 2012. Orquídeas de Mato Grosso, genus Catasetum L.C. Rich ex Kunth. PoD Editora, Rio de Janeiro.
  • Petini-Benelli, A., Fernandes, E.R. & Macedo, M. 2007. O gênero Catasetum em Mato Grosso, Brasil. Orchidstudium 2: 22-35.
  • Pridgeon, A.M., Cribb, P.J., Chase, M.W. & Rasmussen, F.N. 2009. Genera orchidacearum v. 5. Epidendroideae (Part II). Oxford University Press Inc., Oxford.
  • Romero, G.A. 1992. Non-functional flowers in Catasetumorchids (Catasetinae, Orchidaceae). Botanical Journal of Linnean Society 109: 305-313.
  • Stern, W.T. 2004. Botanical latin. Timber Press, Portland.
  • Thiers, B. 2014 [continuously updated]. Index Herbariorum. Part I: The herbaria of the world. New York Botanical Garden. Disponível em http://sweetgum. nybg.org/ih/. (acesso em 10-VIII-2014).
    » http://sweetgum.nybg.org/ih/
  • Veloso, H.P., Rangel Filho, A.L.R. & Lima, J.C.A. 1991. IBGE: Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jan-Mar 2015

Histórico

  • Recebido
    29 Ago 2014
  • Aceito
    04 Dez 2014
Instituto de Pesquisas Ambientais Av. Miguel Stefano, 3687 , 04301-902 São Paulo – SP / Brasil, Tel.: 55 11 5067-6057, Fax; 55 11 5073-3678 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: hoehneaibt@gmail.com