Accessibility / Report Error

Hyphomycetes sobre o folhedo de Caesalpinia echinata Lam. com duas novas citações para o Brasil

Hyphomycetes on leaf litter of Caesalpinia echinata Lam. with two new records from Brazil

Resumos

Hyphomycetes são freqüentemente isolados de material vegetal em decomposição participando ativamente da degradação de folhas. Folíolos de Caesalpinia echinata foram coletados em duas áreas no Estado de São Paulo: Parque Municipal do Ibirapuera e Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, de fevereiro de 2005 a fevereiro de 2006. Os folíolos foram tratados pela técnica de lavagem sucessiva de substratos, colocados em câmaras-úmidas e deixados a temperatura ambiente. Trinta e dois Hyphomycetes foram isolados. Destes, quatro espécies são descritas pela primeira vez no Brasil, sete são novas para o Estado de São Paulo e dezessete são novas ocorrências nesse substrato.

diversidade; fungos anamorfos; pau-brasil


Hyphomycetes were abundant on plant debris and play a part on decomposition of these substrates. Samples of Caesalpinia echinata leaf litter were collected in two areas of State of São Paulo, at "Parque Municipal do Ibirapuera" and "Reserva Biológica de Mogi-Guaçu", from February 2005 to February 2006. The leaves were prepared by washing with serial changes of sterile distilled water and incubated in moist chambers at environment temperature. Third-two Hyphomycetes were isolated. Of these, four species are described for the first time to Brazil, seven are new records to São Paulo State and seventeen are cited for the first time to Brazil-wood leaf litter.

anamorphic fungi; Brazil-wood; diversity


Hyphomycetes sobre o folhedo de Caesalpinia echinata Lam. com duas novas citações para o Brasil

Hyphomycetes on leaf litter of Caesalpinia echinata Lam. with two new records from Brazil

Priscila da Silva* * Autor para correspondência: silva_pri@yahoo.com.br ; Rosely Ana Piccolo Grandi

Instituto de Botânica, Caixa Postal 3005, 01061-970 São Paulo, SP, Brasil

RESUMO

Hyphomycetes são freqüentemente isolados de material vegetal em decomposição participando ativamente da degradação de folhas. Folíolos de Caesalpinia echinata foram coletados em duas áreas no Estado de São Paulo: Parque Municipal do Ibirapuera e Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, de fevereiro de 2005 a fevereiro de 2006. Os folíolos foram tratados pela técnica de lavagem sucessiva de substratos, colocados em câmaras-úmidas e deixados a temperatura ambiente. Trinta e dois Hyphomycetes foram isolados. Destes, quatro espécies são descritas pela primeira vez no Brasil, sete são novas para o Estado de São Paulo e dezessete são novas ocorrências nesse substrato.

Palavras-chave: diversidade, fungos anamorfos, pau-brasil

ABSTRACT

Hyphomycetes were abundant on plant debris and play a part on decomposition of these substrates. Samples of Caesalpinia echinata leaf litter were collected in two areas of State of São Paulo, at "Parque Municipal do Ibirapuera" and "Reserva Biológica de Mogi-Guaçu", from February 2005 to February 2006. The leaves were prepared by washing with serial changes of sterile distilled water and incubated in moist chambers at environment temperature. Third-two Hyphomycetes were isolated. Of these, four species are described for the first time to Brazil, seven are new records to São Paulo State and seventeen are cited for the first time to Brazil-wood leaf litter.

Key words: anamorphic fungi, Brazil-wood, diversity

Introdução

No Brasil, estudos sobre a diversidade dos Hyphomycetes sobre vegetais em decomposição iniciaram-se com coletas esporádicas (Sutton & Hodges Junior 1975a, b, 1976a, b, c, 1977, 1978, 1981, Muchovej 1980, Katz 1981). Ao final da década de 70 e nas de 80 e 90, trabalhos de levantamento e sucessão de fungos demonstraram a diversidade do grupo, com coletas em áreas definidas (Booth 1979, Maia 1983, Grandi 1985, 1990, 1991a, b, 1992, Schoenlein-Crusius & Milanez 1989, 1990, Schoenlein-Crusius et al. 1990). Ainda na década de 90, trabalhos utilizando a mesma técnica do presente estudo contribuíram com o aumento do conhecimento da diversidade de Hyphomycetes em folhedo de plantas determinadas, principalmente de Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll. Arg. (Grandi & Attili 1996, Grandi 1998), Cedrela fissilis Vell. (Grandi & Gusmão 1995, Grandi et al. 1995, Gusmão & Grandi 1996, 1997), Euterpe edulis Mart. (Grandi 1999), Miconia cabussu Hoehne (Gusmão et al. 2000, Gusmão 2001, Gusmão et al. 2001) e Tibouchina pulchra Cogn. (Grandi & Gusmão 2002).

Pesquisa relacionada com a associação desses fungos ao folhedo de Caesalpinia echinata Lam. teve início em 2002, com resultados publicados por Grandi & Silva (2003, 2006), nos quais foram apresentados 43 Hyphomycetes e três Coelomycetes. Até o momento, apenas esses dois artigos tratam da diversidade de Hyphomycetes decompositores dessa planta.

Este trabalho faz parte da dissertação de mestrado do primeiro autor e visa contribuir para o aumento do conhecimento dos Hyphomycetes decompositores do folhedo de C. echinata.

Material e métodos

Foram realizadas sete coletas bimestrais, de fevereiro de 2005 a fevereiro de 2006, as quais consistiram em recolher amostras de folíolos de C. echinata, com auxílio de pinça, colocando-os em sacos plásticos de 20 × 10 cm preenchidos até ¾ da capacidade. Foram escolhidas como áreas de coleta: o Parque Municipal do Ibirapuera, de coordenadas 23º35'32,04"S e 46º39'48,66"W (Secretaria do Meio Ambiente 1988) e a Reserva Biológica de Mogi-Guaçu (Fazenda Campininha), de coordenadas 22º 15'02,4"S e 47º09'28,9"W (Giudice Neto et al. 2005), ambas localizadas no Estado de São Paulo. As amostras foram levadas ao laboratório onde aplicou-se a técnica de lavagem sucessiva de substratos, originalmente descrita por Harley & Waid (1955) e adaptada por Grandi & Gusmão (1998).

Os fungos foram isolados sob microscópio estereoscópico diretamente dos detritos com auxílio de estiletes e colocados em lâminas permanentes, com meio de montagem contendo álcool polivinílico, fenol ou glicerina, acrescido de azul de algodão. Após a secagem das lâminas as estruturas de importância taxonómica, para cada gênero, foram observadas e mensuradas. Os fungos foram identificados sob microscópio óptico e registrados com os equipamentos Axioskop 40, AxioCam MR e AxioVision Software for Microscopy, todos da Carl Zeiss. Lâminas permanentes foram depositadas no Herbário SP, do Instituto de Botânica. Os táxons obtidos e as ilustrações estão citados em ordem alfabética.

Resultados e Discussão

Trinta e duas espécies foram obtidas. As duas novas citações para o Brasil (Sporidesmium flagelliforme Matsush. e Uberispora heteroseptata R.F. Castañeda, Guarro & Cano) e os táxons Gyrothrix ramosa Zucconi & Onofri e Triposporium deviatum (Subram.) R.F. Castañeda, têm descrições completas, comentários e ilustrações. Nas demais há indicações para esses itens.

Beltraniopsis ramosa

R.F. Castañeda, Revta. Jardín bot. Nac. 6: 53. 1985.

Descrições e ilustrações: Castañeda-Ruiz & Arnold (1985a), Gusmão & Grandi (1996).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 8-VI-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381927).

Os espécimes apresentaram comprimento maior dos conidióforos (202,8-670,8 × 3,7-5µm) do que os descritos originalmente por Castañeda-Ruiz & Arnold (1985a). No entanto, assemelharam-se muito quando comparados ao material isolado por Gusmão & Grandi (1996). Células de separação são mencionadas na descrição original (Castaneda-Ruiz & Arnold 1985a) mas não foram observadas aqui. Espécie descrita de Cuba e isolada no Brasil (Castaneda-Ruiz & Arnold 1985a, Gusmão & Grandi 1996), nos Estados do Paraná, São Paulo e Bahia (Gusmão & Grandi 1996, Gusmão et al. 2001, Marques 2007).

Camposporium pellucidum

(Grove) S. Hughes, Mycol. Pap. 36: 9. 1951 ≡

Bactrodesmium caulincola

(Corda) Grove var.

pellucidum

Grove, J. Bot., London 24: 200. 1886.

Descrições e ilustrações: Ellis (1971 a), Matsushima (1971).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-IV-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392703).

A espécie apresentou conidióforos 56,2-65 × 5-6,2µm e conídios 10-11 septados transversalmente, 65-100 × 7-10µm, concordante com Ellis (1971a) e Matsushima (1971). Esta espécie possui conídios com um apêndice apical delicado e, muitas vezes, quebramse ou não se preservam. Camposporium pellucidum está largamente distribuído e ocorre tanto em ambiente terrestre como aquático (Kirk 1981, Bhat & Chien 1990, Hyde 1997). No Brasil, a espécie foi isolada apenas no Estado de São Paulo (Schoenlein-Crusius & Milanez 1990).

Chaetopsina fulva

Rambelli, Atti Accad. Sci. Ist. Bologna, Cl. Sci. Fis. Rediconti 3: 5. 1956.

Descrições e ilustrações: Ellis (1971a), Onofri & Zucconi (1991).

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 3-VI-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381928); idem, 16-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381929).

A espécie apresentou conidióforos 158,7-244,9 × 5,3-9,7 µm e conídios com variação de 6,3-10,4 × 1-2 µm, comprimento um pouco menor do que o descrito por Onofri & Zucconi (1991). A espécie está amplamente distribuída (Matsushima 1971, 1975, 1980, 1993a, Kirk 1992). No Brasil, já foi isolada para os Estados do Amazonas, São Paulo e Bahia (Katz 1981, Gusmão et al. 2001, 2005).

Chaetopsina splendida

B. Sutton & Hodges, Nova Hedwigia 27: 346. 1976.

Descrições e ilustrações: Sutton & Hodges Junior (1976b), Heredia et al. (2004).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 10-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381930).

Os espécimes isolados apresentaram conidióforos 80-139,2 × 5,8-7,7 µm e conídios 3,5-4,7 × 1,2-1,5 µm, muito semelhante às descrições de Sutton & Hodges Junior (1976b) e Heredia et al. (2004). Chaetopsina splendida foi isolada originalmente de folhas em decomposição de Eucalyptus sp. no Brasil e até agora os registros são de regiões tropicais e subtropicais (Sutton & Hodges Junior 1976b, Kirk & Sutton 1985, Heredia et al. 2004). Até o momento sua ocorrência restringe-se apenas ao Estado de São Paulo (Sutton & Hodges Junior 1976b, Gusmão et al. 2001).

Cryptophiale minor

M.L. Farr, Mycotaxon 11: 177. 1980.

Descrições e ilustrações: Farr (1980), Castaneda-Ruiz et al. (1998).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 16-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381933).

Observou-se, no material obtido, conidióforos com variação de 70-101,7 × 3-5,6 µm, um pouco menor do que na descrição original (até 200 µm) de Farr (1980). Dentre as espécies do gênero, C. minor é raramente isolada. Foi descrita do Estado do Amazonas por Farr (1980) e este é o primeiro registro da espécie no Estado de São Paulo.

Cryptophiale udagawae

Piroz. & Ichinoe, Can. J. Bot. 46: 1126. 1968.

Descrições e ilustrações: Pirozynski (1968), Matsushima (1971), Grandi & Atilli (1996).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 3-VI-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381932).

Esta espécie possui uma placa de células estéreis junto ao conidióforo setiforme que apresentou variação de 30-62,4 × 11,8-16,6 µm, um pouco menor que na descrição de Pirozynski (1968), Matsushima (1971) e Grandi & Atilli (1996). Espécie comum na serapilheira em regiões tropicais e subtropicais (Matsushima 1971, 1975, 1980, 1993a, Heredia 1994, Mercado-Sierra et al. 1997), mas também isolada de folhas vivas (Heredia 1994). No Brasil foi encontrada apenas no Estado de São Paulo (Grandi & Attili 1996, Grandi 1998, 1999, 2004, Grandi & Gusmão 2002, Schoenlein-Crusius et al. 2006).

Gonytrichum macrocladum

(Sacc.) S. Hughes, Trans. Br. Mycol. Soc. 34: 565. 1951 ≡

Chaetopsis macroclada

Sacc., Michelia 1: 79. 1877.

Descrições e ilustrações: Hughes (1951a), Ellis (1971a), Batista & Upadhyay (1965).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 16-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381931).

O material isolado apresentou conidióforos 168,5-361 × 5-6,2 µm e células conidiogênicas 10-31,2 × 2,5-5 µm, estas um pouco menores do que as descritas por Hughes (1951a). A espécie possui um conjunto de três ramificações verticiladas apicais (Hughes 1951a), mas o espécime isolado apresentou apenas uma, variação considerada normal (Ellis 1971a). Gonytrichum macrocladum é considerado cosmopolita (Farrow 1954, Morris 1956, Goos 1963, Ellis 1971a, Matsushima 1971, 1975, 1980, 1989, 1993a, b, Gams & Holubová-Jechová 1976, Holubová-Jechová & Mercado-Sierra 1984, Heredia et al. 1995). No Brasil, foi isolado nos Estados da Paraíba, Maranhão, Pará e Bahia (Batista & Upadhyay 1965, Pfenning 1993, Silva & Minter 1995, Marques 2007) e está sendo referida pela primeira vez para o Estado de São Paulo.

Gyrothrix ramosa

Zucconi & Onofri, Mycol. Res. 92: 380. 1989.

Figura 1


 




Setas com ramificações verticiladas, septadas, com 2-3 pontos de ramificações primárias, 81,2-125 × 2,5-3,7 µm; ramificações secundárias partindo das ramificações primárias e dispostas paralelamente em relação ao eixo principal das setas, 31,2-47,5 × 1,2-2 µm; último verticilo com até 4 ramificações; ápice das ramificações 1,2 µm larg. Setas castanhas, translúcidas, hialinas nas extremidades apicais; lisas quando preparadas em meio de montagem com resina (PVL e/ou PVLG), mas verrucosas quando observadas em água destilada. Conidióforos inconspícuos. Células conidiogênicas piriformes, percorrentes, poliblásticas, solitárias, localizadas na base junto às setas, lisas, hialinas, 5-10 × 2,5-3,7 µm. Conídios fusiformes, com as extremidades ligeiramente recurvadas, unicelulares, lisos, solitários, hialinos, 12-18,7 × 2-2,5 µm.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 11-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381633).

Distribuição geográfica: Brasil (Scholenlein-Crusius et al. 2006) e Itália (Zucconi & Onofri 1989).

Os espécimes isolados concordaram com a descrição original apresentada por Zucconi & Onofri (1989) sobre folhas em decomposição de Bauhinia sp. No entanto, o material isolado apresentou até quatro ramificações no último verticilo, enquanto que a descrição original fornece apenas três (Zucconi & Onofri 1989). A ornamentação foi discretamente perceptível somente no ponto de surgimento das ramificações primárias, concordante com Zucconi & Onofri (1989). Assim como as outras espécies do gênero, Gyrothrix ramosa apresenta setas com ramificações muito características, o que a distingue das demais. Gyrothrix ramosa assemelha-se a G. hughesi Piroz., mas esta apresenta setas mais longas, flexuosas e ápice filiforme; também assemelha-se a G. inops (Berlese) Piroz., mas distingue-se desta nas dimensões e morfologia das ramificações das setas (Pirozynski 1962, Zucconi & Onofri 1989). No Brasil foi referida pela primeira vez por Schoenlein-Crusius et al. (2006), no Estado de São Paulo. Os autores não apresentaram descrição taxonómica sendo, portanto, caracterizada no presente trabalho.

Mariannaea elegans

(Corda) Samson, Stud. Mycol. 6: 75. 1974.

Descrições e ilustrações: Samson (1974), Domsch et al. (1993).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 21-II-2006, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392705).

O táxon apresentou conidióforos extensos, 390-730 × 7,5-15 µm e cadeias conidiais imbricadas características, concordante com a descrição de Samson (1974). A espécie possui três sinónimos: Paecilomyces elegans (Corda) E.W. Mason & S. Hughes, Penicillium elegans Corda e Spicaria elegans (Corda) Harz (Samson 1974), sendo considerada cosmopolita (Samson 1974, Matsushima 1989, 1993b, Domsch et al. 1993). No Brasil, a espécie foi isolada como Paecilomyces elegans para os Estados do Maranhão e Pará (Batista & Maciel 1967, Batista et al. 1967) e como M. elegans, também no Pará, por Pfenning (1993). Primeiro registro da espécie no Estado de São Paulo.

Periconia minutissima

Corda, Icon. Fung. 1: 19. 1837.

Descrições e ilustrações: Ellis (1971a), Heredia et al. (1997).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 11-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392706).

A espécie possui conídios esféricos e apresentou variação de 4,7-5,9 µm de diâmetro para esta estrutura, concordante com Ellis (1971a). Espécie amplamente distribuída (Ellis 1971a, Heredia et al. 1997). No Brasil foi isolada nos Estados do Maranhão e Pernambuco (Silva & Minter 1995, Maia et al. 2002). Primeiro registro da espécie no Estado de São Paulo.

Pithomyces maydicus

(Sacc.) M.B. Ellis, Mycol. Pap. 76: 15. 1960 ≡

Clasterosporium maydicum

Sacc. Nuovo Giorn. Bot. Ital. 23: 213. 1916.

Descrições e ilustrações: Matsushima (1975), Heredia et al. (1995).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-X2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392707).

Observaram-se conídios tipicamente ornamentados, com 1-2 septos transversais e 1 longitudinal na célula central, 9,5-16,3 × (4,6-) 5,1-9,9 µm. Pithomyces maydicus é muito semelhante a P. chartarum, mas este tem conídios maiores e três septos transversais (Ellis 1971a, Heredia et al. 1995). Domsch et al. (1993) adotaram Pithomyces maydicus como sinônimo de P. chartarum; porém as espécies continuam separadas (Kirk 2008). Espécie amplamente distribuída, principalmente nos trópicos (Ellis 1971a, Matsushima 1975, 1980, 1981, 1989, 1993a). No Brasil há registros da espécie nos Estados de Pernambuco e São Paulo (Grandi 2004, Grandi & Silva 2006).

Sporidesmium flagelliforme

Matsush., Icones Microfungorum a Matsushima Lectorum p. 137. 1975.

Figuras 2-3

Conidióforos eretos ou flexuosos, distinto das hifas, 3-5 septados, simples, originados de célula basal alargada, parede espessa e lisa, solitários ou em pequenos grupos, castanhos, 33,7-106,2 × 3,7µm na base e 2,5 (-3,1)µm no ápice. Células conidiogênicas cilíndricas, percorrentes, monoblásticas, integradas, terminais, parede espessa e lisa, castanhas a castanho-claras, 15-21,2 × 3,7-5 µm, com 1-7 (maioria 1) proliferações. Conídios obclavados, fusiformes, obturbinados, retos ou ligeiramente curvos, rostrados (com longo apêndice apical em forma de flagelo, hialino), truncados na base, 8-13(17) pseudoseptados, parede espessa e lisa, solitários, castanho-claros ou castanho-amarelados. Conídios com lúmem reduzido e cicatriz basal evidente, 50-101,2 × 6,2-7,5 µm.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 1-XII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392711).

Distribuição geográfica: Cuba (Holubová-Jechová & Mercado-Sierra 1989), Japão (Matsushima 1975). Primeira referência da espécie para o Brasil.

A espécie apresenta conídios com longos apêndices filiformes que ficam mal preservados ou muitas vezes quebrados no isolamento. Matsushima (1975) não apresenta medidas para essa estrutura. Sporidesmium flagelliforme é morfologicamente muito semelhante a S. filirostratum Cabello, Cazau & Aramb., mas difere por este possuir até oito pseudoseptos (Cabello et al. 1990). Até o momento, Sporidesmium flagelliforme foi isolado apenas de solo de floresta no Japão e sobre tronco em decomposição de Euphorbia sp., em Cuba (Matsushima 1975, Holubová-Jechová & Mercado-Sierra 1989).

Thozetella havanensis

R.F. Castañeda, Revta. Jardín bot. Nac. 5: 69. 1984.

Descrições e ilustrações: Castañeda-Ruiz (1984), Grandi et al. (1995).

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 11-VIII-2005 R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381590); idem, 1-XII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381591).

Conidiomas típicos em sinema foram observados com 74,9-343,2 × 37,4-124,8 µm na base e 78-280 µmno ápice e células estéreis ("microawns") sigmóides ou recurvadas e ornamentadas, caracterizando a espécie. Apresenta distribuição restrita, apenas no Brasil, Cuba e Nigéria (Castañeda-Ruiz 1984, Grandi et al. 1995, Mercado-Sierra et al. 1997, Calduch et al. 2002). No Brasil, há registro apenas para o Estado de São Paulo (Grandi et al. 1995).

Triposporium deviatum

(Subram.) R.F. Castañeda, Mycotaxon 60: 278. 1996 ≡

Ceratosporella deviata

Subram., Proc. Indian. Acad. Sci., Sect. B, 46: 327. 1957.

Figura 4

Conidióforos eretos ou flexuosos, distinto das hifas, 5-12 septados, simples, originados de célula basal alargada ou lobada, parede espessa e lisa, solitários, castanhos a castanho-escuros, 71,8-277,7 × 3,7-5 (-5,6)µm. Células conidiogênicas subuladas, cilíndricas, truncadas no ápice, percorrentes, monobláticas, integradas, terminais, lisas, castanho-claras. Conídios estrelados, 2-3 ramificados, septados, terminais, solitários, lisos, castanhos. Célula basal do conídio obpiriforme, truncada, unicelular, castanha, 10-15 × 5-7,5µm; base truncada 1,2-3,5µm larg. Ramificações subuladas, divergentes, 2-6-septadas, levemente constritas nos septos, ápice arredondado, castanho-amareladas, castanho-claras e às vezes quase hialinas no ápice, 20-58,7 × 4,3-6,9 (-7,2) µm.

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 3-VI-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381935); idem, 10-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381936).

Distribuição geográfica: Argentina (Romero 1983), Brasil (Schoenlein-Crusius et al. 2006, como Ceratosporella deviata Subram.), Índia (Ellis 1971b), Itália (Lunghini & Quadraccia 1990), Japão (Ichinoe 1972, Matsushima 1975), México (Heredia et al. 1995).

Ichinoe (1972) citou a similaridade entre Ceratosporella Höhn. e Triposporium Corda. Entretanto, Ceratosporella apresenta, na maioria das vezes, conídios com ramificações densamente agrupadas e apêndices apicais envoltos por mucilagem, enquanto que em Triposporium as ramificações dos conídios são divergentes. Além disso, a morfologia da célula basal dos conídios desses gêneros é distinta. De acordo com estas características Castañeda-Ruiz et al. (1996b) propuseram a nova combinação para Ceratosporella deviata Subram.

Triposporium deviatum assemelha-se muito a T. elegans Corda, principalmente com relação à morfologia dos conídios, mas este possui ramificações mais largas na base e número maior de septos (Ellis 1971a, Castañeda-Ruiz et al. 1996b). Apesar de poucos registros a espécie pode ser encontrada tanto em regiões tropicais como temperadas, proveniente de material vegetal em decomposição (Ellis 1971b, Ichinoe 1972, Romero 1983, Lunghini & Quadraccia 1990, Heredia et al. 1995). No Brasil, Schoenlein-Crusius et al. (2006) relataram a espécie para o Estado de São Paulo, como Ceratosporella deviata Subram., sem descrição taxonómica. Apresentamos, pois, sua descrição neste trabalho.

Uberispora heteroseptata

R.F. Castañeda, Guarro & Cano, Mycotaxon 59: 461. 1996.

Figuras 5-7

Conidióforos eretos, cilíndricos, distinto das hifas, flexuosos, 4-8 septados, com ligeiras constrições, simples, parede espessa, lisos, solitários, castanhos, originados de célula basal lobada castanho-escura, 121,7-374,4 × 5-7,5 µm. Células conidiogênicas integradas, terminais, doliformes, percorrentes, com até 31 proliferações, parede espessa e lisa, castanho-claras. Conídios estrelados, muriformes, lisos, solitários, terminais, castanhos, 10-18,7 × 16,2-21,2µm. Célula central angular, parede espessa, lisa, castanho-escura, 10-12,5 × (8,7-) 10-12,5 µm, sustentando três conjuntos de células laterais. Cada conjunto é constituído por duas células, com a célula apical cónica, arredondada ou obtusa e a célula basal cilíndrica, ambas com parede delicada, lisas, presença de cicatriz circular na célula apical, castanhoclaras, (5-) 6,2-7,5 × 6,2-7,5 µm (medidas incluindo ambas as células). Células apicais dos conjuntos funcionam como células conidiogênicas produzindo microconídios baciliformes, lisos, unicelulares, hialinos, menores que 1 µm de comprimento e largura. Célula basal do conídio cónico-truncada, parede espessa, lisa, castanho-clara, 3,7-6,2 × 5-7,5 µm e cicatriz 1,8-2,5 (-3,1) µm.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Moji-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu (Fazenda Campininha), sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 30-XI-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381594).

Distribuição geográfica: China (Ho et al. 2002), Cuba (Castañeda-Ruiz et al. 1996a). Primeira referência da espécie para o Brasil.

A morfologia observada nos espécimes obtidos está de acordo com as de Castaneda-Ruiz et al. (1996a) mas diferiu na mensuração dos microconídios, descritos originalmente com 3 × 0,5 µm. Além disso, a descrição original relata conídios com até cinco lobos laterais, o que não foi observado no material obtido, nem nas ilustrações originais de Castaneda-Ruiz et al. (1996a). No entanto, os conídios do gênero Uberispora Piroz. & Hodges são muito característicos e em U. hetroseptata o conjunto das células laterais, referidas também como lobos laterais, tem duas células, o que caracteriza essa espécie e a diferencia das outras publicadas (Kirk 1985, Castaneda-Ruiz et al. 1996a). Portanto, mantivemos a identificação como U. heteroseptata, interpretando essas diferenças como variações dentro da espécie.

Volutella minima

Höhn., Sber. Akad. Wiss. Wien., Math.-naturw. Kl., Abt. 1 118: 1543. 1909.

Descrições e ilustrações: Matsushima (1993a), Gusmão & Grandi (1997).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 11-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381585).

A espécie apresentou conidioma tanto em esporodóquio como em sinema. Setas verrucosas e hialinas observadas, 168,5-433,6 × 5-7,5 µm. Nas descrições dessa espécie há menção para setas lisas (Gusmão & Grandi 1997), verrucosas (Gusmão 2003) ou sem informação quanto a verrucosidade (Matsushima 1993a, Pfenning 1993). Todas as outras características morfológicas concordaram com as descrições da espécie (Matsushima 1993a, Pfenning 1993, Gusmão & Grandi 1997, Domsch et al. 1993). Volutella minima apresenta ampla distribuição (Samuels & Dumont 1982, Matsushima 1993a, Pfenning 1993, Hyde 1997, Tokumasu & Aoiki 2002). No Brasil, há registros nos Estados da Bahia, Pará, Paraná e São Paulo (Pfenning 1993, Gusmão & Grandi 1997, Gusmão et al. 2001, Grandi 2004, Gusmão et al. 2005).

Zygosporium echinosporum

Bunting & E.W. Mason, Mycol. Pap. 5: 135. 1941.

Descrições e ilustrações: Hughes (1951b), Ellis (1971a).

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392712).

O táxon apresentou conidióforos 76,6-198,6 × 2,1-3,1 µm, vesículas castanho-escuras ao longo de seu eixo e conídios esféricos, 5,8-9,5µm diâm., concordante com Hughes (1951b). Espécie amplamente distribuída (Hughes 1951b, Wang & Baker 1967, Ellis 1971a, Matsushima 1980, 1993a, Kirk 1983, Castaneda-Ruiz & Arnold 1985b, Heredia et al. 1997, Mercado-Sierra et al. 1997a, Yanna et al. 2001). No Brasil há registros para os Estados da Bahia e São Paulo (Gusmão et al. 2001, Gusmão 2003).

As espécies relacionadas a seguir já foram isoladas por Grandi & Silva (2003, 2006) sobre o folhedo de C. echinata, mas são aqui citadas por fazerem parte deste estudo e originarem-se de locais diferentes.

Alternaria alternata

(Fr.) Keissl., Beih. Bot. Zbl. 29: 434. 1912 ≡

Torula alternata

Fr., Syst. Mycol. 3: 500. 1832.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP380734).

Beltrania rhombica

Penz., Nuovo G. bot. ital. 14: 72. 1882.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 15-II-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381635).

Beltraniella portoricensis

(F. Stevens) Piroz. & S.D. Patil, Can. J. Bot. 48: 575. 1970 ≡

Ellisiella portoricensis

F. Stevens, Trans. III. Acad. Sci. 10: 203. 1917.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 1-XII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381636).

Camposporium antennatum

Harkn., Bull. Calif. Acad. Sci. 1: 37. 1884.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP380734).

Circinotrichum olivaceum

(Speg.) Piroz., Mycol. Pap. 84: 6. 1962 ≡

Helicotrichum olivaceum

Speg., Bol. Acad. Cienc. Córdoba 11: 613. 1889.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 16-VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392704).

Epicoccum nigrum

Link, Mag. Ges. naturf. Fr. Berl. 7: 32. 1815.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 8-VI2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381587).

Gyrothrix circinata

(Berk. & M.A. Curtis) S. Hughes, Can. J. Bot. 36: 771. 1958 ≡

Campsotrichum circinatum

Berk. & M.A. Curtis, Grevillea 3: 146. 1875.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381632).

Gyrothrix microsperma

(Höhn.) Piroz., Mycol. Pap. 84: 14. 1962 ≡

Circinotrichum microspermum

Höhn., S.B. Akad. Wiss. Wien 118: 411. 1909.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: Mogi-Guaçu, Reserva Biológica de Mogi-Guaçu, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 10-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381634).

Pseudodictyosporium wauense

Matsush., Bull. natn. Sci. Mus., Tokyo 14: 473. 1971.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381934).

Repetophragma filiferum

(Piroz.) R.F. Castañeda, Gusmão & Heredia, Mycotaxon 95: 269. 2006 =

Sporidesmium filiferum

Piroz., Mycol. Pap. 129: 55. 1972.

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 6-IV-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392708); idem, 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392709).

Speiropsis scopiformes

Kuthub. & Nawawi, Trans. Br. Mycol. Soc. 89: 584. 1987.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 11-VIII2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP392710).

Thozetella cristata

Piroz. & Hodges, Can. J. Bot. 51: 168. 1973.

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 11VIII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381592); idem, 1-XII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381593).

Thozetella cubensis

R.F. Castañeda & G.R.W. Arnold, Revta Jardín bot. Nac. 6: 51. 1985.

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 15II-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381588); idem, 6-X-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381589).

Vermiculariopsiella immersa

(Desm.) Bender, Mycologia, 24: 412. 1932 ≡

Excipula immersa

Desm., Bull. Soc. Bot. Fr. 4: 911. 1857.

Material selecionado: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 10-XI-2004, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381586).

Wiesneriomyces laurinus

(Tassi) P.M. Kirk, Trans. Br. Mycol. Soc. 82: 748. 1984 ≡

Volutellaria laurina

Tassi, Atti R. Accad. Fisiocr. Siena, ser. 4, 8: 551. 1897.

Materiais selecionados: BRASIL. SÃO PAULO: São Paulo, Parque Municipal do Ibirapuera, sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam., 1-XII-2005, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381583); idem, 1-II-2006, R.A.P. Grandi & P. Silva s.n. (SP381584).

Pelo levantamento efetuado foram obtidos 25 gêneros de Hyphomycetes totalizando 32 táxons. Das espécies verificadas, 17 são constatadas pela primeira vez como decompositoras do folhedo de Caesalpinia echinata, a saber: Beltraniopsis ramosa, Pithomyces maydicus, Sporidesmium flagelliforme, Thozetella havanensis, Triposporium deviatum, Uberispora heteroseptata, Volutella minima, Zygosporium echinosporum. Portanto, adicionando estas espécies às referidas por Grandi & Silva (2006) temos 63 táxons de fungos conidiais associados ao folhedo de C. echinata. Assim, esse grupo, especialmente os Hyphomycetes, é o mais bem conhecido em associação a essa planta.

Agradecimentos

À FAPESP pela bolsa de mestrado à primeira autora (processo nº. 05/51732-5) e à Dra. Marina Capelari pela utilização dos equipamentos de microscopia.

Literatura citada

Recebido: 13.03.2008; aceito: 18.09.2008

  • Batista, A.C. & Upadhyay, H.P. 1965. Soil fungi from northeast Brazil - I. Atas do Instituto de Micologia, Universidade Federal de Pernambuco 2:319-350.
  • Batista, A.C. & Maciel, M.J.P. 1967. Paecilomyces Bain. - Duas espécies freqüentes nos solos do Nordeste do Estado do Maranhão. Atas do Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco 4:205-209.
  • Batista, A.C., Silva, J.O., Maciel, M.J.P. & Almeida, M.G. 1967. Aspergillaceae dos solos das zonas fisiográficas de Bragança e do Baixo Amazonas - Estado do Pará. Atas do Instituto de Micologia da Universidade Federal de Pernambuco 4:185-189.
  • Bhat, D.J. & Chien, C.-Y. 1990. Water-borne Hyphomycetes found in Ethiopia. Transactions of Mycological Society of Japan 31:147-157.
  • Booth, T. 1979. Strategies for study of fungi in marine and marine influenced ecosystems. Revista de Microbiologia (São Paulo) 10:123-138.
  • Cabello, M., Cazau, C. & Arambarri, A. 1990. New Hyphomycetes from Santiago River. III. (Buenos Aires Province, Argentina). Mycotaxon 38:15-19.
  • Calduch, M., Gené, J., Guarro, J., Mercado-Sierra, A. & Castaneda-Ruiz, R.F. 2002. Hyphomycetes from Nigerian rain forests. Mycologia 94:127-135.
  • Castaneda-Ruiz, R.F. 1984. Nuevos taxones de Deuteromycotina: Arnoldiella robusta gen. et sp. nov., Roigiella lignicola gen. et sp. nov., Sporidesmium pseudolmediae sp. nov. y Thozetella havanensis sp. nov. Revista del Jardín Botánico Nacional 5:57-87.
  • Castañeda-Ruiz, R.F. & Arnold, G.R.W. 1985a. Deuteromycotina de Cuba. I. Hyphomycetes. Revista del Jardín Botánico Nacional 6:47-67.
  • Castañeda-Ruiz, R.F. & Arnold, G.R.W. 1985b. Algunos hongos nuevos para Cuba. Revista del Jardín Botánico Nacional 6:55-56.
  • Castañeda-Ruiz, R.F., Guarro, J. & Cano, J. 1996a. Notes on conidial fungi. IX. A new species of Uberispora from Cuba. Mycotaxon 59:461-465.
  • Castañeda-Ruiz, R.F., Guarro, J. & Cano, J. 1996b. Notes on conidial fungi. X. A new species of Ceratosporella and some new combinations. Mycotaxon 60:275-281.
  • Castañeda-Ruiz, R.F., Guarro, J., Mayayo, E. & Decock, C. 1998. Notes on conidial fungi. XVI. A new species of Dendryphiosphaera and some new records from Cuba. Mycotaxon 67:9-19.
  • Domsch, K.H., Gams, W. & Traute-Heidi, A. 1993. Compendium of soil fungi. IHW - Verlag, Eching.
  • Ellis, M.B. 1971a. Dematiaceous Hyphomycetes. Commonwealth Mycological Institute, London.
  • Ellis, M.B. 1971b. Dematiaceous Hyphomycetes. X. Mycological Papers 125:1-30.
  • Farr, M.L. 1980. A new species of Cryptophiale from Amazonas. Mycotaxon 11:177-181.
  • Farrow, W.M. 1954. Tropical soil fungi. Mycologia 46:632-646.
  • Gams, W. & Holubová-Jechová, V. 1976. Chloridium and some other Dematiaceous Hyphomycetes growing on decaying wood. Studies in Mycology 13:77-90.
  • Giudice Neto, J., Sebbenn, A.M. & Kageyama, P.Y. 2005 Sistema de reprodução em Caesalpinia echinata Lam. implantada em arboreto experimental. Revista Brasileira de Botânica 28:409-418.
  • Goos, R.D. 1963. Futher observations on soil fungi in Honduras. Mycologia 55:142-150.
  • Grandi, R.A.P. 1985. Hyphomycetes do Estado de São Paulo. 1. Espécies do cerrado da Reserva Biológica de Moji-Guaçu. Rickia 12:125-145.
  • Grandi, R.A.P. 1990. Hyphomycetes decompositores 1. Espécies associadas às raízes de Calathea stromata (Horticultural). Revista Brasileira de Biologia 50:123-132.
  • Grandi, R.A.P. 1991a. Hyphomycetes decompositores 2. Táxons associados às raízes de Maranta bicolor Ker. Revista Brasileira de Biologia 51:133-141.
  • Grandi, R.A.P. 1991b. Hyphomycetes decompositores 4. Espécies associadas às raízes de Ctenanthe oppenheimiana Sond. Acta Botanica Brasilica 5:13-23.
  • Grandi, R.A.P. 1992. Hyphomycetes decompositores 3. Espécies associadas às raízes de Stromanthe sanguínea Sond. Revista Brasileira de Biologia 52:275-282.
  • Grandi, R.A.P. 1998. Hyphomycetes decompositores do folhedo de Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll. Arg. Hoehnea 25:133-148.
  • Grandi, R.A.P. 1999. Hifomicetos decompositores do folhedo de Euterpe edulis Mart. Hoehnea 26:87-101.
  • Grandi, R.A.P. 2004. Anamorfos da serapilheira nos Vales dos Rios Moji e Pilões, município de Cubatão, São Paulo, Brasil. Hoehnea 31:225-238.
  • Grandi, R.A.P. & Attili, D.S. 1996. Hyphomycetes on Alchornea triplinervia (Spreng.) Müell. Arg. leaf litter from the Ecological Reserve Juréia-Itatins, State of São Paulo, Brazil. Mycotaxon 60:373-386.
  • Grandi, R.A.P. & Gusmão, L.F.P. 1995. Espécies de Gyrothrix (Hyphomycetes) no folhedo de Cedrella fissilis Vell., em Maringá, PR, Brasil. Hoehnea 22:191-196.
  • Grandi, R.A.P. & Gusmão, L.F.P. 1998. A técnica de lavagem sucessiva de substratos de plantas como subsídio para estudos da associação fungo/substrato e diversidade de Hyphomycetes nos ecossistemas. In: S. Watanabe (ed.). Anais do IV Simpósio de Ecossistemas Brasileiros. ACIESP, São Paulo, v. 3, pp. 80-90.
  • Grandi, R.A.P. & Gusmão, L.F.P. 2002. Hyphomycetes decompositores do folhedo de Tibouchina pulcra Cogn. Revista Brasileira de Botânica 25:79-87.
  • Grandi, R.A.P., Grandi, A.C. & Delitti, W.B.C. 1995. Hyphomycetes sobre folhas em decomposição de Cedrela fissilis Vell. Hoehnea 22:27-37.
  • Grandi, R.A.P. & Silva, T.V. 2003. Hyphomycetes sobre folhas em decomposição de Caesalpinia echinata Lam.: ocorrências novas para o Brasil. Revista Brasileira de Botânica 26:489-493.
  • Grandi, R.A.P. & Silva, T.V. 2006. Fungos Anamorfos decompositores do folhedo de Caesalpinia echinata Lam. Revista Brasileira de Botânica 29:275-287.
  • Gusmão, L.F.P. 2001. Espécies de Cylindrocladium (Fungi-Hyphomycetes) associadas a folhas de Miconia cabussu Hoehne. Sitientibus, série Ciências Biológicas 1:116-120.
  • Gusmão, L.F.P. 2003. Microfungos associados a folhas em decomposição de plantas nativas de Campos Rupestres do Estado da Bahia, Brasil. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.
  • Gusmão, L.F.P. & Grandi, R.A.P. 1996. Espécies do grupo Beltrania (Hyphomycetes) associadas a folhas de Cedrella fissilis Vell. (Meliaceae), em Maringá, PR, Brasil. Hoehnea 23:91-102.
  • Gusmão, L.F.P. & Grandi, R.A.P. 1997. Hyphomycetes com conidiomas dos tipos esporodóquio e sinema associados a folhas de Cedrela fissilis (Meliaceae), em Maringá, PR, Brasil. Acta Botanica Brasilica 11:123-134.
  • Gusmão, L.F.P., Grandi, R.A.P. & Milanez, A.I. 2000. A new species of Beltraniopsis from Brazil, with a key to the known species. Mycological Research 104:251-253.
  • Gusmão, L.F.P., Grandi, R.A.P. & Milanez, A.I. 2001. Hyphomycetes from leaf litter of Miconia cabussu in the Brazilian Atlantic Rain Forest. Mycotaxon 79:201-213.
  • Gusmão, L.F.P., Góes Neto, A. & Cruz, A.C.R. 2005. Fungos. In: A.F. Juncá, L. Funch & W. Rocha (orgs.). Biodiversidade e Conservação da Chapada Diamantina. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, pp. 227-236.
  • Harley, J.L. & Waid, J.S. 1955. A method of studying active mycelia on living roots and other surfaces in the soil. Transactions of the British Mycological Society 38:104-118.
  • Heredia, G. 1994. Hifomicetes Dematiaceos en Bosque Mesofilo de Montaña. Registros nuevos para Mexico. Acta Botánica Mexicana 27:15-32.
  • Heredia, G., Mercado-Sierra, A. & Mena-Portales, J. 1995. Conidial fungi from leaf litter in a mesophilic cloud forest of Veracruz, Mexico. Mycotaxon 55:473-490.
  • Heredia, G., Mena-Portales, J., Mercado-Sierra, A. & Estebanez, M.R. 1997. Tropical Hyphomycetes of Mexico. II. Some species from the Tropical Biology Station "Los Tuxtlas", Veracruz, Mexico. Mycotaxon 64:203-223.
  • Heredia, G., Estebanez, M.R., Mota, R.M.A., Mena-Portales, J. & Mercado-Sierra, A. 2004. Adiciones al conocimento de la diversidad de los hongos conidiales del bosque mesófilo de montaña del Estado de Veracruz. Acta Botánica Mexicana 66:1-22.
  • Holubová-Jechová, V. & Mercado-Sierra, A. 1984. Studies on Hyphomycetes from Cuba II. Hyphomycetes from the Isla de la Juventud. Ceská Mikologie 38:96-120.
  • Holubová-Jechová, V. & Mercado-Sierra, A. 1989. Hyphomycetes from Loma de la Coca and some localities of La Habana and Matanzas provinces, Cuba. Acta Botanica Cubana 76:1-15.
  • Ho, W.H., Yanna, Hyde, K.D. & Hodgkiss, I.J. 2002. Seasonality and sequential occurrence of fungi on wood submerged in Tai Po Kau Forest Stream, Hong Kong. Fungal Diversity 10:21-43.
  • Hughes, S.J. 1951a. Stachylidium, Gonytrichum, Mesobotrys, Chaetopsis and Chaetopsella. Transactions of the British Mycological Society 34:551-576.
  • Hughes, S.J. 1951b. Studies on micro-fungi. X. Zygosporium. Mycological Papers 44:1-18.
  • Hyde, K.D. (ed.). 1997. Biodiversity of Tropical Microfungi. Hong Kong University Press, Hong Kong.
  • Ichinoe, M. 1972. Japanese Hyphomycetes notes V. Transactions of Mycological Society of Japan 13:57-65.
  • Katz, B. 1981. Preliminary results of leaf litter-decomposing microfungi survey. Acta Amazônica 11:410-411.
  • Kirk, P.M. 1981. New or interesting microfungi III. A preliminar account of microfungi colonizing Laurus nobilis leaf litter. Transactions of the British Mycological Society 77:457-473.
  • Kirk, P.M. 1983. New or interesting microfungi X. Hyphomycetes on Laurus nobilis leaf litter. Mycotaxon 18:259-298.
  • Kirk, P.M. 1985. New or interesting microfungi XIV. Dematiaceous Hyphomycetes from Mt. Kenya. Mycotaxon 23:305-352.
  • Kirk, P.M. 1992. New or interesting microfungi XVI. Hyphomycetes from the Britsh Isles. Mycotaxon 43:231-236.
  • Kirk, P.M. 2008. Index Fungorum. http://www.indexfungorum.org/Names/Names.asp (acesso em 31.01.2008).
  • Kirk, P.M. & Sutton, B.C. 1985. A reassessment of the anamorph genus Chaetopsina (Hyphomycetes). Transactions of the British Mycological Society 85:709-717.
  • Lunghini, D. & Quadraccia, L. 1990. Contributto alla conoscenza degli ifomiceti demaziacei della Tenuta Presidenzialle di Castelporziano (Micoflora Del Lazio III). Academia Nazionale dei Lincei 264:121-132.
  • Maia, L.C.N. 1983. Sucessão de fungos em folhedo de floresta tropical úmida. Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
  • Maia, L.C., Yano-Melo, A.M. & Cavalcanti, M.A. 2002. Diversidade de Fungos no Estado de Pernambuco. In: M. Tabarelli & L.M.C. Silva (orgs.). Diagnóstico da Biodiversidade de Pernambuco. v.1. Editora Massangana, Recife, pp. 15-20.
  • Marques, M.F.O. 2007. Fungos conidiais associados à decomposição de substratos vegetais em fragmento de Mata Atlântica, Serra da Jibóia, Bahia. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.
  • Matsushima, T. 1971. Microfungi of the Solomon Islands and Papua-New Guinea. Takashi Matsushima, Kobe.
  • Matsushima, T. 1975. Icones Microfungorum a Matsushima Lectorum. Takashi Matsushima, Kobe.
  • Matsushima, T. 1980. Saprophytic Microfungi from Taiwan. Part 1. Hyphomycetes. Matsushima Mycological Memoirs nş 1. Matsushima Fungus Collection, Kobe.
  • Matsushima, T. 1981. Matsushima Mycological Memoirs nş 2. Matsushima Fungus Collection, Kobe.
  • Matsushima, T. 1989. Matsushima Mycological Memoirs nş 6. Matsushima Fungus Collection, Kobe.
  • Matsushima, T. 1993a. Matsushima Mycological Memoirs nş 7. Matsushima Fungus Collection, Kobe.
  • Matsushima, T. 1993b. List of Microfungi from Pakistan soils. Cryptogamic Flora of Pakistan 2:43-63.
  • Mercado-Sierra, A., Holubová-Jechová, V. & Mena-Portales, J. 1997. Hifomicetes demaciáceos de Cuba. Enteroblásticos. Museo Regionale di Scienze Naturali, Torino.
  • Morris, E.F. 1956. Tropical Fungi Imperfecti. Mycologia 48:728-737.
  • Muchovej, J.J. 1980. A new species of Acroconidiella from Brazil. Mycologia 72:1045-1047.
  • Onofri, S. & Zucconi, L. 1991. Scanning electron microscopy of conidiophore development and conidiogenesis in Chaetopsina fulva. Mycotaxon 41:451-457.
  • Pfenning, L. 1993. Mikroskopische Bodenpilze des ostamazonischen Regenwaldes (Brasilien). PhD Dissertation, Universität Tübingen, Tübingen.
  • Pirozynski, K.A. 1962. Circinotrichum and Gyrothrix. Mycological Papers 84:1-28.
  • Pirozynski, K.A. 1968. Cryptophiale, a new genus of Hyphomycetes. Canadian Journal of Botany 46:1123-1127.
  • Romero, A.I. 1983. Contribuicion al estúdio de los hongos xilofilos de la Argentina. I. Deuteromycotina en Eucalyptus viminalis (Myrtaceae). Boletin de la Sociedad Argentina de Botanica 22:57-79.
  • Samuels, G.J. & Dumont, K.P. 1982. The genus Nectria (Hypocreaceae) in Panama. Caldasia 13:379-423.
  • Samson, R.A. 1974. Paecilomyces and some allied Hyphomycetes. Studies in Mycology 6:1-119.
  • Schoenlein-Crusius, I.H. & Milanez, A.I. 1989. Sucessão fúngica em folhas de Ficus microcarpa L.f. submersas no lago frontal situado no Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP. Revista de Microbiologia 20:95-101.
  • Schoenlein-Crusius, I.H. & Milanez, A.I. 1990. Hyphomycetes aquáticos no Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 13:61-68.
  • Schoenlein-Crusius, I.H., Pires-Zotarelli, C.L.A. & Milanez, A.I. 1990. Sucessão fúngica em folhas de Quercus robur L. (carvalho) submersas em um lago situado no município de Itapecerica da Serra, SP. Revista de Microbiologia (São Paulo) 21:61-67.
  • Schoenlein-Crusius, I.H., Milanez, A.I., Trufem, S.F.B., Pires-Zottarelli, C.L.A., Grandi, R.A.P., Santos, M.L. & Giustra, K.C. 2006. Microscopic fungi in the Atlantic Rainforest in Cubatão, São Paulo, Brazil. Brazilian Journal of Microbiology 37:267-275.
  • Secretaria do Meio Ambiente. 1988. Vegetação significativa do município de São Paulo. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Secretaria Municipal de Planejamento, São Paulo.
  • Silva, M. & Minter, D.W. 1995. Fungi from Brazil. CAB International, Wallingford.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1975a. Eucalyptus microfungi: Codinaea and Zanclospora species from Brazil. Nova Hedwigia 26:517-525.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1975b. Eucalyptus microfungi: two new Hyphomycetes genera from Brazil. Nova Hedwigia 26:527-533.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1976a. Eucalyptus microfungi: Microdochium and Phaeoisaria species from Brazil. Nova Hedwigia 27:215-222.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1976b. Eucalyptus microfungi: some setose Hyphomycetes with phialides. Nova Hedwigia 27:343-352.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1976c. Eucalyptus microfungi: Mycoleptodiscus species and Psedotracylla gen. nov. Nova Hedwigia 27:693-700.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1977. Eucalyptus microfungi: Miscellaneous Hyphomycetes. Nova Hedwigia 28:487-498.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1978. Eucalyptus microfungi: Chaetendophragmiopsis gen. nov. and other Hyphomycetes. Nova Hedwigia 29:593-607.
  • Sutton, B.C. & Hodges Junior, C.S. 1981. Eucalyptus microfungi: Cercosperma arnaudii gen et sp. nov. and Ceratophorum mauiense sp. nov. Nova Hedwigia 35:793-803.
  • Tokumasu, S. & Aoiki, T. 2002. A new approach to studying microfungal succession on decaying pine needles in an oceanic subtropical region in Japan. Fungal Diversity 10:167-183.
  • Wang, C.J.K. & Baker, G.E. 1967. Zygosporium mansonii and Z. echinosporum from Hawaii. Canadian Journal of Botany 45:1945-1952.
  • Yanna, Ho, W.H., Hyde, K.D. & Go, T.K.. 2001. Occurrence of fungi on tissues of Livistona chinensis. Fungal Diversity 6:167-180.
  • Zucconi, L. & Onofri, S. 1989. Gyrothrix ramosa sp. nov. and notes on G. citricola. Mycological Research 92:380-382.
  • *
    Autor para correspondência:
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      13 Maio 2013
    • Data do Fascículo
      2008

    Histórico

    • Aceito
      18 Set 2008
    • Recebido
      13 Mar 2008
    Instituto de Pesquisas Ambientais Av. Miguel Stefano, 3687 , 04301-902 São Paulo – SP / Brasil, Tel.: 55 11 5067-6057, Fax; 55 11 5073-3678 - São Paulo - SP - Brazil
    E-mail: hoehneaibt@gmail.com