Flora polínica da reserva do parque estadual das fontes do Ipiranga (São Paulo, SP, Brasil). Famílias: 141-Boraginaceae e 149-Gesneriaceae

Pollen flora of reserva do parque estadual das fontes do Ipiranga (São Paulo, São Paulo state, Brazil). Families: 141-Boraginaceae and 149-Gesneriaceae

Resumos

No presente estudo foram investigados os grãos de pólen de quatro espécies pertencentes à família Boraginaceae (Cordia sellowiana Cham., Heliotropium indicum L., Tournefortia breviflora DC., T. villosa Salzm. ex DC.) e de duas espécies de Gesneriaceae [Nematanthus villosus (Hanst.) Wiehler, Sinningia allagophylla (Mart.) Wiehler] ocorrentes na "Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga". São apresentadas descrições, ilustrações e observações para todas as espécies estudadas.

Boraginaceae; Gesneriaceae; morfologia polínica


Pollen grains of four species of Boraginaceae (Cordia sellowiana Cham., Heliotropium indicum L., Tournefortia breviflora DC., T. villosa Salzm. ex DC.) and of two species of Gesneriaceae [Nematanthus villosus (Hanst.) Wiehler, Sinningia allagophylla (Mart.) Wiehler] occurring in the Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga were examined in the present study. Descriptions, illustrations, and observations of all species studied are presented.

Boraginaceae; Gesneriaceae; pollen morphology


ARTIGOS

Flora polínica da reserva do parque estadual das fontes do Ipiranga (São Paulo, SP, Brasil). Famílias: 141-Boraginaceae e 149-Gesneriaceae

Pollen flora of reserva do parque estadual das fontes do Ipiranga (São Paulo, São Paulo state, Brazil). Families: 141-Boraginaceae and 149-Gesneriaceae

Eduardo Custódio GasparinoI, ** Autor para correspondência: ecgasparino@fcav.unesp.br; Cintia Neves de SouzaI; Maria Amélia Vitorino da Cruz-BarrosII

IUniversidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal, Departamento de Biologia aplicada à Agropecuária, Via de acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, 14.884-900 Jaboticabal, SP, Brasil

IIInstituto de Botânica, Caixa Postal 68041, 04045-972 São Paulo, SP, Brasil

RESUMO

No presente estudo foram investigados os grãos de pólen de quatro espécies pertencentes à família Boraginaceae (Cordia sellowiana Cham., Heliotropium indicum L., Tournefortia breviflora DC., T. villosa Salzm. ex DC.) e de duas espécies de Gesneriaceae [Nematanthus villosus (Hanst.) Wiehler, Sinningia allagophylla (Mart.) Wiehler] ocorrentes na "Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga". São apresentadas descrições, ilustrações e observações para todas as espécies estudadas.

Palavras chave: Boraginaceae, Gesneriaceae, morfologia polínica

ABSTRACT

Pollen grains of four species of Boraginaceae (Cordia sellowiana Cham., Heliotropium indicum L., Tournefortia breviflora DC., T. villosa Salzm. ex DC.) and of two species of Gesneriaceae [Nematanthus villosus (Hanst.) Wiehler, Sinningia allagophylla (Mart.) Wiehler] occurring in the Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga were examined in the present study. Descriptions, illustrations, and observations of all species studied are presented.

Keywords: Boraginaceae, Gesneriaceae, pollen morphology

Introdução

A família Boraginaceae está representada na Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga por quatro espécies distribuídas em três gêneros: Cordia L. (C. sellowiana Cham.), Heliotropium L. (H. indicum L.), Tournefortia L. (T. breviflora DC. e T. villosa Salzm. ex DC.), como descrito por Nagatani & Rossi (2000). Já Gesneriaceae, segundo Chautems (2000), apresenta na Reserva apenas duas espécies, uma de Nematanthus [N. vilossus (Hanst.) Wiehler] e uma de Sinningia [S. allagophylla (Mart.) Wiehler].

Segundo os principais trabalhos polínicos, Boraginaceae é uma família euripolínica e apresenta grãos de pólen em mônades, isopolares ou heteropolares, pequenos a médios, âmbito subcircular, circular, lobado a subtriangular, prolatos, subprolatos, prolato-esferoidais, oblato-esferoidais a suboblatos, 3-porados, 3(-4)5(-7-8)9(-11)-colporados, 3(-4)6 heterocolporados, endocingulados, colpos longos ou curtos, estreitos ou largos, endoaberturas lalongadas, lolongadas ou circulares, exina psilada, escabrada, perfurada, microrreticulada, reticulada, granulada, espinhosa, rugulada, verrugosa ou gemada (Erdtman 1952, Barth & Silva 1963, Marticorena 1968, Huang 1972, Nowicke & Ridgway 1973, Sahay 1973, Nowicke & Skvarla 1974, Clarke 1977, Clarke et al. 1979, Miranda et al. 1980, Diez 1984, Taroda 1984, Palácios-Chávez & Quiroz-Garcia 1985, Quiroz-Garcia & Palácios-Chávez 1985, Qureshi & Qaiser 1987, Moncada & Herrera 1988, Miranda & Andrade 1990, Nowicke & Miller 1990, Diez & Valdes 1991, Palácios-Chavez et al. 1991, Roubik & Moreno 1991, Ning et al. 1995, Perveen et al. 1995, Scheel & Barth 1995, Scheel et al. 1996, Quiroz-Garcia et al. 1997, Hargorve & Simpson 2003, Melhem et al. 2003, Melo et al. 2006, Maggi et al. 2008, Binzet & Orcan 2009, Gasparino & Cruz-Barros 2009, Binzet et al. 2010).

Para Gesneriaceae foram descritos grãos de pólen em mônades, isopolares, pequenos a grandes, âmbito subcircular, circular, circular-lobado a subtriangular, prolatos, subprolatos, prolato-esferoidais, oblato-esferoidais, suboblatos a oblatos, 3-colpados, (2-)3(-4)-colporados, colporoidados, colpos longos ou curtos, estreitos ou largos, endoaberturas lalongadas, lolongadas ou circulares, exina reticulada, microrreticulada, psilada, perfurada, rugulada, verrugosa ou fossulada (Erdtman 1952, Campos 1962, Melhem & Mauro 1973, Salgado-Labouriau 1973, Nowicke 1974, Howard 1975, Williams 1978, Felice et al. 1981, Fritze & Williams 1988, Roubik & Moreno 1991, Luegmayr 1993a, b, Yan et al. 1995, Xifreda 1996, Yan et al. 1997, Schlag-Edler & Kiehn 2001, Melhem et al. 2003, Palee et al. 2003, Weber 2004, Gasparino 2008, Fourny et al. 2010, Gasparino et al. 2011, 2013).

O objetivo deste trabalho foi descrever os grãos de pólen das espécies de Boraginaceae e Gesneriaceae ocorrentes na Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI).

Material e métodos

O presente estudo faz parte do projeto elaborado por Melhem et al. (1984), que visa a caracterização dos grãos de pólen das espécies ocorrentes nesta área complementando os estudos taxonômicos para as espécies nativas como planejado em Melhem et al. (1981). O formato atual da Flora Polínica da Reserva segue Cruz-Barros & Souza (2005).

Para a realização do presente estudo foram obtidos botões florais de exsicatas depositadas no Herbário Científico do Estado "Maria Eneyda P. Kauffman Fidalgo" (SP). Quando os materiais selecionados não apresentavam botões florais (estavam em frutos ou não apresentavam material polínico) optou-se por coletas provenientes de outras localidades.

Os grãos de pólen foram acetolisados segundo a técnica clássica de Erdtman (1960) acrescida das modificações propostas por Melhem et al. (2003). As ilustrações foram obtidas digitalmente com um sistema fotográfico Leica IM50 acoplado a um microscópio óptico.

As descrições polínicas e terminologia adotadas foram baseadas nos glossários de Barth & Melhem (1988) e Punt et al. (2007). A definição da largura das aberturas seguiu Gasparino et al. (2013). Foram utilizadas as seguintes abreviaturas: B: brevistila; ca.: cerca de; compr.: comprimento; diâm.: diâmetro; E: diâmetro equatorial em vista equatorial; L: longistila; larg.: largura; P: diâmetro polar em vista equatorial.

As lâminas utilizadas foram incorporadas à Palinoteca do Núcleo de Pesquisa em Palinologia do Instituto de Botânica, com duplicatas depositadas na Palinoteca do Departamento de Biologia Aplicada à Agropecuária da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal (FCAV), como material testemunho.

Resultados e Discussão

Família: 141-Boraginaceae

Cordia L.

1. Cordia sellowiana Cham.

Figuras 1-5

Forma: esferoidal, âmbito circular.

Aberturas: 3 cólporos, colpos longos, estreitos, sem margem e de extremidade afilada, membrana do colpo ornamentada, endoaberturas lalongadas.

Exina: espiculada.

Medidas (µm): F.C. Hoehne s.n, SP28776 (B): P = 37,6 ± 0,6; E = 36,3 ± 0,4; diâm. equatorial em vista polar = 40,5 ± 0,5; apocolpo ca. 12,2; cólporo compr. ca. 22,6, larg. ca. 2,8; endoabertura compr. ca. 5,4, larg. ca. 8,0; exina ca. 3,1, sexina ca. 2,2, teto ca. 0,5 e nexina ca. 0,9.

A.M.R. Cruz et al. 45 (B): P = 35,1; E = 41,3; diâm. equatorial em vista polar = 36,8.

M. Goes etal. s.n., SP204164 (B): P = 37,5; E = 44,4; diâm. equatorial em vista polar = 41,2.

N.A. Rosa & J.M. Pires 3746 (B): P = 38,7; E = 40,4; diâm. equatorial em vista polar = 37,7.

M.G.L. Wanderley et al. 113 (L): P = 34,6; E = 36,6; diâm. equatorial em vista polar = 36,7.

Observações: Os materiais da Reserva, P. Gonçalves & M. Kuhlmann 3177 (SP), M. Goes et al. s.n., SP2040064, S. Romaniuc Neto 165 (SP), M. Sugiyama et al. 515 (SP) e F. Barros 1858 (SP), citados por Nagatami & Rossi (2000), não foram estudados pela escassez de material polínico ou por possuírem apenas frutos. O gênero Cordia apresenta heterostilia em suas flores e por esse motivo os materiais foram identificados como apresentando flores brevistilas (B) ou longistilas (L). A espécie aqui analisada, foi anteriormente estudada nos trabalhos de Barth & Silva (1963), Taroda (1984), Scheel & Barth (1995), Scheel et al. (1996) e Gasparino & Cruz-Barros (2009); nos quais os dados referentes à ornamentação, número e tipo de abertura são similares aos aqui encontrados. Houve divergência somente com os dados de Taroda (1984) em relação à forma dos grãos de pólen, descrita pela autora como prolatoesferoidais. Gasparino & Cruz-Barros (2009) também encontraram valores de diâmetros ligeiramente maiores para os grãos de pólen de flores brevistilas em C. sellowiana, o que foi corroborado no presente estudo.

Material estudado: 15-XII-1976, A.M.R. Cruz et al. 45 (SP); 3-XI-1977, M. Goes et al. s.n. (SP204164); 26-I-1932, F.C. Hoehne s.n. (SP28776); 30-VI-1980, N.A. Rosa & J.M. Pires 3746 (SP); 17-XI-1977, M.G.L. Wanderley et al. 113 (SP).

Heliotropium L.

1. Heliotropium indicum L.

Figuras 6-9

Forma: prolata, âmbito circular.

Aberturas: 3 cólporos, colpos curtos, estreitos, sem margem e de extremidades arredondadas; endoaberturas lalongadas com extremidades arredondadas, apresentando fastígio inconspícuo.

Exina: microrreticulada, heterobrocada.

Medidas (µm): P = 45,5 ± 0,4; E = 32,3 ± 0,6; diâm. equatorial em vista polar = 33,1 ± 0,4; cólporo compr. 22,2, larg. ca. 3,1; endoabertura compr. ca. 4,5, larg. ca. 9,8; exina ca. 3,0, sexina ca. 2,3, teto ca. 0,7 e nexina ca. 0,7.

Observações: Os grãos de pólen de H. indicum foram anteriormente estudados por Palácios-Chavez et al. (1991), Roubik e Moreno (1991), Scheel et al. (1996), Quiroz-García et al. (1997) e Melo et al. (2006). Os dados aqui obtidos comparados com os trabalhos de Palácios-Chavez et al. (1991), Roubik e Moreno (1991) e Quiroz-García et al. (1997) discordam no que diz respeito ao comprimento dos cólporos, descrito pelos autores como longos, e à ornamentação da exina, descrita como escabrada. Melo et al. (2006) descreveu os grãos de pólen de H. indicum com âmbito triangular e fortemente fastigiados, características não observadas no presente estudo. Os trabalho de Scheel et al. (1996) e Melo et al. (2006) destacaram ainda que o gênero Heliotropium apresenta espécies com grãos de pólen heterocolpados e tricolpados, como os de H. indicum aqui analisados.

Material estudado: 17-X-1969, T. Sendulsky 831 (SP).

Tournefortia L.

Grãos de pólen com âmbito circular a circular-lobado; subprolato a prolato; heterocolpados, 3-colporados, 3-colpados; cólporos longos, largos a estreitos, sem margem e com extremidades arredondadas, intercalados por colpos longo, largos a estreitos, também sem margem e extremidades arredondadas; endoaberturas lalongadas, exina psilada; sexina mais espessa que a nexina.

1. Tournefortia breviflora DC.

Figuras 10-13

   

Forma: prolata, âmbito circular-lobado.

Aberturas: cólporos longos e estreitos; colpos longos e estreitos; endoaberturas lalongadas.

Exina: psilada.

Medidas (µm): P = 26,3 ± 0,5; E = 18,2 ± 0,6; diâm. equatorial em vista polar = 19,1 ± 0,5; apocolpo ca. 11,5; cólporo compr. ca. 22,1, larg. ca. 2,3; colpos compr. ca. 21,8, larg. ca. 3,0; endoabertura compr. ca. 2,6, larg. ca. 8,6; exina ca. 3,4, sexina ca. 2,5, teto ca. 0,5 e nexina ca. 0,9.

Observações: Ao estudar os grãos de pólen da espécie Scheel et al. (1996) os incluem dentro do tipo heterocolpado-psilado junto com as outras cinco espécies de Tournefortia estudadas pelos autores. Os dados polínicos descritos por Scheel et al. (1996) são similares aos aqui encontrados, quanto à forma, âmbito, tipo e número de abertura, valores de diâmetros e ornamentação da exina, no entanto os autores descrevem grãos de pólen com colpos estreitos e as camadas da exina com espessura similares, diferindo do presente estudo. Scheel et al. (1996) destacaram a presença de alguns grãos de pólen 4-colporados, 4-colpados para a espécie, o que não foi aqui observado.

Material estudado: 27-VII-1979, S.A. Corrêa et al. 19 (SP).

2. Tournefortia villosa Salzm. ex DC.

Figuras 14-16

Forma: subprolata, âmbito circular.

Aberturas: cólporos longos e estreitos; colpos longos e estreitos; endoaberturas lalongadas.

Exina: psilada.

Medidas (µm): P = 22,1 ± 0,3; E = 18,4 ± 0,5; diâm. equatorial em vista polar = 19,1 ± 0,5; apocolpo ca. 6,2; cólporo compr. ca. 16,3, larg. ca. 1,8; colpos compr. ca. 17,3, larg. ca. 1,9; endoabertura compr. ca. 2,3, larg. ca. 8,9; exina ca. 2,6, sexina ca. 1,8, teto ca. 0,5 e nexina ca. 0,8.

Observações: Os grãos de pólen de T. villosa foram analisados por Scheel et al. (1996) e são similares aos aqui estudados principalmente quanto à forma, as aberturas e a ornamentação da exina, no entanto, os autores observaram as camadas da exina com espessura similares e descreveram grãos de pólen com diâmetros ligeiramente maiores aos aqui mensurados. Assim como em T. breviflora, Scheel et al. (1996) observaram a variação no número de cólporos e colpos para os grãos de pólen de T. villosa, o que não foi encontrado no presente estudo.

Material estudado: 30-XI-1982, A.C. Maruffa et al. 71 (SP).

Chave para as espécies de Tournefortia

1. Grãos de pólen prolatos, âmbito circular-lobado ............................................................... T. breviflora

1. Grãos de pólen subprolatos, âmbito circular ......................................................................... T. villosa

Família: 149-Gesneriaceae

Nematanthus Schrad.

1. Nematanthus villosus (Hanst.) Wiehler

Figuras 17-21

Forma: subprolata, âmbito subtriangular.

Aberturas: 3 colpos longos, estreitos, com margem, extremidades afiladas.

Exina: reticulada, heterobrocada, muros retos, lumens menores no apocolpo.

Medidas (µm): P = 48,5 ± 0,9; E = 39,7 ± 0,7; diâm. equatorial em vista polar = 42,5 ± 0,9; apocolpia ca. 11,2; colpo compr. ca. 39,2, larg. ca. 3,1, margem ca. 2,0; exina ca. 1,9, sexina ca. 1,1, teto ca. 0,5 e nexina ca. 0,8.

Observações: Os grãos de pólen de Nematanthus villosus foram estudados anteriormente por Gasparino et al. (2013). Os dados descritos pelos autores são similares aos obtidos no presente estudo quanto à forma, âmbito, aberturas e ornamentação dos grãos de pólen, no entanto os valores de diâmetros aqui medidos são ligeiramente menores que no referido trabalho.

Material estudado: VII-1938, F.C. Hoehne (SP39654).

Sinningia Ness

1. Sinningia allagophylla (Mart.) Wiehler

Figuras 22-24

Forma: prolata, âmbito circular-lobado.

Aberturas: 3 cólporos longos, estreitos, com margem, endoaberturas lolongadas de difícil visualização.

Exina: microrreticulada, homobrocada.

Medidas (µm): F.S. Cavalcante & I.T. Menezes 9: P = 23,1 ± 0,6; E = 16,5 ± 0,4; diâm. equatorial em vista polar = 18,2 ± 0,7; apocolpia ca. 4,6; cólporo compr. ca. 19,2, larg. ca. 2,3, margem ca. 0,8; endoabertura compr. ca. 3,5, larg. ca. 2,1; exina ca. 1,2, sexina ca. 0,8, teto ca. 0,5 e nexina ca. 0,4.

R. Faria & O.G. Fonseca s.n., SP99413: P = 24,4; E = 18,1; diâm. equatorial em vista polar = 18,6.

Observações: Os grãos de pólen de S. allagophylla analisados por Gasparino (2008) apresentaram diâmetros ligeiramente maiores aos aqui observados. A morfologia polínica descrita no presente estudo para a espécie corroboram os dados de Gasparino (2008), pois foram encontrados caracteres similares quanto à forma, âmbito, número e tipo das aberturas e ornamentação da exina.

Material estudado: 24-XI-1976, F.S. Cavalcante & I.T. Menezes 9 (SP); 23-XI-1966, R. Faria & O.G. Fonseca s.n. (SP99413).

Literatura citada

Recebido: 5.09.2013

Aceito: 25.02.2014

  • Barth, O.M. & Melhem, T.S. 1988. Glossário ilustrado de palinologia. Campinas, Universidade Estadual de Campinas.
  • Barth, O.M. & Silva, S.A.F. 1963. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional. IV - Cunoniaceae, Rosaceae e Connaraceae. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 61: 411-427.
  • Binzet, R. & Orcan, N. 2009. Anatomical and Palynological investigations on endemic Onosma mersinana Riedl. Pakistan Journal of Botany 41: 503-510.
  • Binzet, R., Kandemir, I. & Orcan, N. 2010. Palynological classification of Onosma L. (Boraginaceae) species from east Mediterranean region in Turkey. Acta Botanica Croatica 69: 259-274.
  • Campos, S.M. 1962. Pollen grains of plants of the "Cerrado" - IV. Revista Brasileira da Biologia 22: 307-315.
  • Chautems, A. 2000. Flora Fanerogâmica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). 149-Gesneriaceae. Hoehnea 27: 31-32.
  • Clarke, G.C.S. 1977. The Nortwest European Pollen Flora, 10. Boraginaceae. Review of Paleobotany and Palynology 24: 50-101.
  • Clarke, G.C.S., Chanda, S. & Sahay, S. 1979. Pollen morphology in the genus Pardoglossum (Boraginaceae) with some observations on heterocolpate pollen. Review of Palaeobotany and Palynology 28: 301-309.
  • Cruz-Barros, M.A.V. & Souza, L.N. 2005. Flora polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). 10-Piperaceae. Hoehnea 32: 77-85.
  • Diez, M.J. 1984. Contribucion al atlas palinológico de Andalucia Occidental. I. Boraginaceae. Lagascalia 13: 147-171.
  • Diez, M.J. & Valdes, B. 1991. Pollen morphology of the tribes Eritrichieae and Cynoglosseae (Boraginaceae) in the Iberian Peninsula and its taxonomic significance. Botanical Journal of The Linnean Society 101: 49-66.
  • Erdtman, G. 1952. Pollen morphology and plant taxonomy - Angiosperms. Almquivist & Wiksell, Stockholm.
  • Erdtman, G. 1960. The acetolysis method. A revised description. Svensk Botanisk Tidskrift 54: 61-564.
  • Felice, M.A.C., Sanchis, A.M. & Villar, L.M. 1981. Granos de pólen de las Gesneriaceae de la Argentina. Cominicaciones del Museo Argentino de Ciencias Naturales "Bernardino Rivadavia" 2:77-89.
  • Fourny, A.C.S., Mendonça, C.B.F., Lopes, T.C.C. & Gonçalves-Esteves, V. 2010. Palinologia de espécies de Gesneriaceae Rich. & Juss. ocorrentes no estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Botanica Brasilica 24: 812-824.
  • Fritze, K.J. & Williams, N.H. 1988. The taxonomic significance of pollen morphology in the Columnea alliance (Gesneriaceae: Gesnerioideae). Annals of the Missouri Botanical Garden 75: 168-191.
  • Gasparino, E.C. 2008. Palinotaxonomia de espécies brasileiras de Gesneriaceae, com ênfase nas ocorrentes no Estado de São Paulo. Tese de Doutorado, Instituto de Botânica, São Paulo.
  • Gasparino, E.C. & Cruz-Barros, M.A.V. 2009. Palinotaxonomia das espécies de Cordiaceae (Boraginales) ocorrentes no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica 32: 33-55.
  • Gasparino, E.C., Cruz-Barros, M.A.V., Chautems, A. & Galleti, S.R. 2011. Palinotaxonomia de Besleria L. e Napeanthus Gardn. (Beslerieae/Napeantheae - Gesneriaceae) com ênfase nas espécies ocorrentes no Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica 34: 321-333.
  • Gasparino, E.C., Cruz-Barros, M.A.V. & Chautems, A. 2013. Pollen morphology in Brazilian species of Codonanthe (Mart.) Hanst. and Nematanthus Schrader (Gesneriaceae). Grana 52: 285-274.
  • Hargorve, L. & Simpson, M. 2003. Ultrastructure of heterocolpate pollen in Cryptantha (Boraginaceae). International Journal of Plant Science 164: 137-151.
  • Howard, R.A. 1975. The genus Anetanthus (Gesneriaceae). Journal of Arnold Arboretum 56: 364-368.
  • Huang, T.C. 1972. Pollen Flora of Taiwan: National Taiwan University, Botany Departament Press, Taiwan.
  • Luegmayr, E. 1993a. Pollen of Hawaiian Cyrtandra (Gesneriaceae) including notes on southeast Asian taxa. Blumea 38: 25-38.
  • Luegmayr, E. 1993b. Pollen characters of Old World Gesneriaceae (Cyrtandroideae). Grana 32: 221-232.
  • Maggi, F., Kolarcık, V. & Martonfi, P. 2008. Palynological analysis of five selected Onosma taxa. Biologia 63: 183-186.
  • Marticorena, P.C. 1968. Granos de polen de plantas chilenas. Gayana Botánica 17: 36-60.
  • Melhem, T.S. & Mauro, C. 1973. Pollen morphological studies in Gesneriaceae. Hoehnea 3: 13-27.
  • Melhem, T.S., Giulietti, A.M., Forero, E., Barroso, G.M., Silvestre, M.S.F., Jung, S.L., Makino, H., Melo, M.M.R.F., Chiea, S.C, Wanderley, M.G.L., Kirizawa, M. & Muniz, C. 1981. Planejamento para a elaboração da Flora Fanerogâmica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). Hoehnea 9: 63-74.
  • Melhem, T.S., Makino, H., Melo, Silvestre, M.S.F., Cruz, M.A.V. & Jung-Mendacolli, S.L. 1984. Planejamento para a elaboração da Flora Polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). Hoehnea 11: 1-7.
  • Melhem, T.S., Cruz-Barros, M.A.V., Corrêa, A.M.S., Makino-Watanabe, H., Silvestre-Capelato, M.S.F., & Esteves, V.L.G. 2003. Variabilidade polínica em plantas de Campos do Jordão (São Paulo, Brasil). Boletim do Instituto de Botânica 16: 1-104.
  • Melo, J.I.M., Sales, M.F. & Santos, F.A.R. 2006. Morfologia polínica das espécies de Heliotropium L. (Boraginaceae) ocorrentes em Pernambuco, Brasil. Ernstia 16: 69-79.
  • Miranda, M.M.B. & Andrade, T.A.P. 1990. Fundamentos de palinologia: principais tipos polínicos do litoral cearense. Imprensa Universitária: Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.
  • Miranda, M.M.B., Cavalcante, M.P.P & Godim, M.E.R. 1980. Pólen das plantas silvestres do Ceará VI. Litoral. Famílias Anacardiaceae, Annonaceae, Boraginaceae, Combretaceae, Sterculiaceae, Malpighiaceae, Polygonaceae, Rutaceae e Turneraceae. Revista Brasileira de Farmácia 61: 21-28.
  • Moncada, M. & Herrera, P.O. 1988. La palinologia del gênero Cordia (Angiospermae: Boraginaceae) en Cuba. Acta Botanica Cubana 58: 1-10.
  • Nagatani, Y. & Rossi, L. 2000. Flora Fanerogâmica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga - São Paulo, Brasil: 141-Boraginaceae. Hoehnea 27: 95-98.
  • Ning, J.C., Xi, Y.Z. & Zhang, Y.L. 1995. A comparative palynological study on the Maharanga and Onosma (Boraginaceae): Acta Phytotaxonomica Sinica 33: 52-57.
  • Nowicke, J.W. 1974. Two new species of Besleria (Gesneriaceae) from Panama. Brittonia 26: 37-41.
  • Nowicke, J.W. & Miller, J.S. 1990. Pollen morphology of the Cordioideae (Boraginaceae). Auxemma, Cordia and Patagonula Plant Systematics and Evolution 5: 103-121.
  • Nowicke, J.W. & Ridgway, J.E. 1973. Pollen studies in the genus Cordia (Boraginaceae). American Journal of Botany 60: 584-591.
  • Nowicke, J.W. & Skvarla, J.J. 1974. A palynological investigation of the genus Tournefortia (Boraginaceae). American Journal of Botany 61: 1021-1036.
  • Palacios-Chávez, R. & Quiroz-García, D.L. 1985. Catálogo palinológico para la flora de Veracruz. Família Boraginaceae, gênero Cordia Biotica 10: 1-113.
  • Palacios-Chávez, R., Ludlow-Wiechers, B. & Villanueva, R. 1991. Flora palinológica de la reserva de la biosfera de Sian Ka'Na, Quintana Roo, México. Centro de Investigaciones de Quintana Roo, Veracruz.
  • Palee, P., Sampson, F.B. & Anusarnsunthorn, V. 2003. Pollen morphology of some Thai Gesneriaceae. The Natural History Bulletin of Siam Society 51: 225-240.
  • Perveen, A., Qureshi, U.S. & Qaiser, M. 1995. Pollen flora of Pakistan-IV Boraginaceae: Pakistan Journal of Botany 27: 327-360.
  • Punt, W., Hoen, P.P., Blackmore, S., Nilsson, S. & Le Thomas, A. 2007. Glossary of pollen and spore terminology. Review of Paleobotany and Palybology 143: 1-81.
  • Quiroz-García, D.L. & Palacios-Chávez, R. 1985. Catálogo palinológico para la flora de Veracruz: Heliotropium Biótica 10: 344-358.
  • Quiroz-García D.L., Palácios-Chávez, R. & Arreguín-Sánchez, M.L. 1997. Morfología de los granos de polen de la familia Boraginaceae de la estación de biologia Chamela, Jalisco, México. Polibotánica 4: 37-53.
  • Qureshi, U.S. & Qaiser, M. 1987. Palynological study of Onosma (Boraginaceae) From Pakistan: Pakistan Journal of Botany 19: 99-105.
  • Roubik, D. W. & Moreno P., J.E. 1991. Pollen and Spores of Barro Colorado Island. Monograph in Systematic Botany 36: 1-268.
  • Sahay, S.K. 1973. Pollen morphology in Heliotropium Journal of Palynology 9: 167-173.
  • Salgado-Labouriau, M.L. 1973. Contribuição à Palinologia dos Cerrados. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro.
  • Salgado-Labouriau, M.L., Vanzolini, P.E. & Melhem, T.S. 1965. Variation of polar axes and equatorial diameters in pollen grains of two species of Cassia Grana Palynologica 6: 166-176.
  • Scheel, R. & Barth, O.M. 1995. Catálogo sistemático do pólen das plantas arbóreas do Brasil meridional. XXIX: Boraginaceae. Revista Brasileira de Biologia 55: 769-776.
  • Scheel, R., Ybert, J-P. & Barth, O.M. 1996. Pollen morphology of the Boraginaceae from Santa Catarina State (southern Brazil), with comments on the taxonomy of the family. Grana 35: 138-153.
  • Schlag-Edler, B. & Kiehn, M. 2001. Palynology of South Pacific Cyrtandra (Gesneriaceae) with notes on some Hawaiian taxa. Grana 40: 192-196.
  • Taroda, N. 1984. Taxonomic studies on Brazilian species of Cordia L. (Boraginaceae). Philosophy Doctor Thesis, University of Saint Andrews, Saint Andrews.
  • Weber, A. 2004. Gesneriaceae. In: K. Kubitzki & J. W. Kadereit (eds.). The families and genera of vascular plants. Springer Verlag, Berlin v. 7: 63-158.
  • Williams, N.H. 1978. Pollen structure and the systematics of the neotropical Gesneriaceae. Selbyana 2: 310-322.
  • Xifreda, C.C. 1996. Citas nuevas o críticas para la flora Argentina II: Gloxinia gymnostoma y G nematanthodes (Gesneriaceae). Darwiniana 34: 383-388.
  • Yan Zhi-jian, Li Zhen-yu & Wang Fu-hsiung 1995. Pollen morphology of tribe Klugieae (Gesneriaceae) in China. Cathaya 7: 99-104.
  • Yan Zhi-jian, Li Zhen-yu & Wang Fu-hsiung 1997. Pollen morphology of tribe Trichosporeae (Gesneriaceae) in China and its systematic significance. Harvard Papers of Botany 10: 113-120.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    30 Set 2014
  • Data do Fascículo
    Set 2014

Histórico

  • Recebido
    05 Set 2013
  • Aceito
    25 Fev 2014
Instituto de Pesquisas Ambientais Av. Miguel Stefano, 3687 , 04301-902 São Paulo – SP / Brasil, Tel.: 55 11 5067-6057, Fax; 55 11 5073-3678 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: hoehneaibt@gmail.com