Flora Polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). Família: Urticaceae

Pollen flora of Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). Family: Urticaceae

Angela Maria da Silva Corrêa Lucileide Garces Ferreira Vanessa Betyna da Silva Ribeiro André Luiz Gaglioti Sergio Romaniuc Neto Barbara Melissa de Oliveira Guido Sobre os autores

RESUMO

No presente trabalho foram estudados os grãos de pólen de 11 espécies pertencentes à família Urticaceae (Boehmeria cylindrica (L.) Sw., Cecropia glaziovii (Snethl), C. hololeuca (Miq), C. pachystachya Trécul, Coussapoa microcarpa ( Shott) Rizzini, Laportea aestuans (L.) Chew, Phenax sonneratti (Poir.) Wedd., Pilea microphylla (L.) Liebm., Urera baccifera (L.) Gaudich. ex Wedd., U. caracasana (Jacq.) Griseb., U. nitida (Vell.) Brack). Para todos os táxons estudados, são apresentadas descrições, ilustrações e observações.

Palavras-chave:
Cecropieae; Cecropiaceae; morfologia; pólen; Urticaceae

ABSTRACT

Pollen grain morphology of 11 species of Urticaceae was studied Boehmeria cylindrica (L.) Sw., Cecropia glaziovii (Snethl), C. hololeuca (Miq), C. pachystachya Trécul, Coussapoa microcarpa ( Shott ) Rizzini, Laportea aestuans (L.) Chew, Phenax sonneratti (Poir.) Wedd., Pilea microphylla (L.) Liebm., Urera baccifera (L.) Gaudich. ex Wedd., U. caracasana (Jacq.) Griseb., U. nitida (Vell.) Brack. Pollen grains descriptions, illustrations, and observations are presented for all studied taxa.

Keywords:
Cecropieae; Cecropiaceae; morphology; pollen; Urticaceae

Introdução

O presente trabalho faz parte do projeto elaborado por Melhem (1984)Melhem, T.S., Makino, H., Silvestre, M.S.F., Cruz, M.A.V. & Jung-Mendaçolli, S.L. 1984. Planejamento para a elaboração da "Flora Polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil)". Hoehnea 11: 1-7., que visa caracterizar morfologicamente os grãos de pólen das famílias ocorrentes na Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (PEFI), com o objetivo de complementar os levantamentos taxonômicos realizados na mesma área segundo planejamento apresentado por Melhem (1981)Melhem, T.S., Giulietti, A.M., Forero, E., Barroso, G.M., Silvestre, M.S.F., Jung, S.L., Makino, H., Melo, M.M.R.F., Chiea, S.C., Wanderley, M.G.L., Kirizawa, M. & Muniz, C. 1981. Planejamento para a elaboração da "Flora Fanerogâmica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil)". Hoehnea 9: 63-74.. O formato atual segue Cruz-Barros & Souza (2005)Cruz-Barros, M.A.V. & Souza, L.N. 2005. Flora polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). 10-Piperaceae. Hoehnea 32: 77-85..

Estudos recentes sobre a filogenia da família fornecem um forte suporte para a monofilia da tribo Cecropieae Dumort., inserida em Urticaceae (Wu 2013Wu, Z.Y., Monro, A.K., Milne, R.I., Wang, H., Yi, T.S., Liu, J. & Li, D.Z. 2013. Molecular phylogeny of the nettle family (Urticaceae) inferred from multiple loci of three genomes and extensive generic sampling. Molecular Phylogenetics and Evolution 69: 814-827., Treiber 2016Treiber, E.L., Gaglioti, A.L., Romaniuc-Neto, S., Madriñán, S. & Weiblen, G.D. 2016. Phylogeny of the Cecropieae (Urticaceae) and the Evolution of an Ant-Plant Mutualism. Systematic Botany 41: 56-66.), incluindo os gêneros tradicionalmente reconhecidos em Cecropiaceae Berg. (Cecropia Loefl., Coussapoa Aubl., Musanga R.Br., Myrianthus P. Beauv, Pourouma Aubl.).

A família está representada na Reserva por sete gêneros e 11 espécies, de acordo com Romaniuc-Neto (2009Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205.: Boehmeria cylindrica (L.) Sw., Cecropia glaziovii (Snethl), C. hololeuca (Miq), C. pachystachya Trécul, Coussapoa microcarpa (Shott ) Rizzini, Laportea aestuans (L.) Chew, Phenax sonneratti (Poir.) Wedd., Pilea microphylla (L.) Liebm., Urera baccifera (L.) Gaudich. ex Wedd., U. caracasana (Jacq.) Griseb., e U. nitida (Vell.) Brack.

Os grãos de pólen da família Urticaceae apresentam as seguintes características: pólen em mônades; pequenos; apolares a isopolares; com simetria bilateral, radiossimétricos; âmbito subcircular, subprolatos, oblato-esferoidais, esferoidais nos grãos de pólen radiossimétricos a alongados ou achatados nos grãos de pólen com simetria bilateral; 2-3-4-porados a 5-6-7-11-12-pantoporados, de superfície psilada, escabrada, granulada, espiculada. (Erdtman 1952Erdtman, G. 1952. Pollen morphology and plant taxonomy- Angiosperms. Almquivist & Wiksell, Stockholm., Roubik & Moreno 1991Roubik, D.W. & J. E. Moreno. 1991. Pollen and spores of Barro Colorado Island. Monographs in Systematic Botany: 1-268., Barth . 1975Barth, O.M., Macieira, E.G., Côrte-Real, S. 1975. Morfologia do pólen anemófilo e alergisante no Brasil. Casuarinaceae, Salicaceae, Moraceae, Ulmaceae e Urticaceae. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 73: 141-150., Barth 1976aBarth, O.M. 1976a. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIV. Urticaceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 341-346., bBarth, O.M. 1976b. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIII. Moraceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 295-309., 1989Barth, O.M. 1989. Exine structure in Cecropia L. (Moraceae) Pollen grains. Boletim do Instituto Geológico da Universidade de São Paulo 7: 205-213., Sorsa & Huttunen 1975Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. )

Material e métodos

Os botões florais utilizados para este trabalho foram coletados de material herborizado depositado no Herbário Científico do Estado "Maria Eneyda P. Kauffmann Fidalgo" (SP). Em alguns casos, quando os materiais selecionados se encontravam em fruto, optou-se por coletas a partir de exsicatas provenientes de outras localidades para a caracterização dos grãos de pólen da espécie. Os grãos de pólen foram preparados segundo o método de acetólise (Erdtman 1960Erdtman, G. 1960. The acetolysis method. A revised description. Svensk Botanisk Tidskrift 54: 61-564.) com modificações sugeridas por Melhem . (2003)Melhem, T.S., Cruz-Barros, M.A.V., Corrêa, A.M.S., Makino-Watanabe, H., Silvestre-Capelato, M.S.F., & Esteves, V.L.G. 2003. Variabilidade polínica em plantas de Campos do Jordão (São Paulo, Brasil). Boletim do Instituto de Botânica 16: 1-104.. As medidas do eixo polar (P) e eixo equatorial (E) em vista equatorial das espécies com simetria bilateral de Boehmeria, Cecropia, Coussapoa, Phenax e Pilea, foram feitas em vista equatorial lateral considerando-se que esta é quando se observa as aberturas lateralmente. Já em vista polar das espécies de Cecropia e Coussapoa foi considerado diâmetro maior e diâmetro menor.

As ilustrações foram obtidas em microscopia óptica (MO), com grãos de pólen acetolisados e fotografados digitalmente, utilizando-se fotomicroscópio Olympus BX 50 acoplado a uma câmara de vídeo e microcomputador (PC) e o programa CellSens Standard 1.5. Para as ilustrações em microscopia eletrônica de varredura (MEV) seguiu-se a técnica proposta por Melhem . (2003)Melhem, T.S., Cruz-Barros, M.A.V., Corrêa, A.M.S., Makino-Watanabe, H., Silvestre-Capelato, M.S.F., & Esteves, V.L.G. 2003. Variabilidade polínica em plantas de Campos do Jordão (São Paulo, Brasil). Boletim do Instituto de Botânica 16: 1-104. e os grãos de pólen foram eletromicrografados no microscópio eletrônico de varredura modelo PHILIPS XL Series XL 20, S/W ver. 5.21. A terminologia adotada está de acordo com Barth e Melhem (1988)Barth, O.M., Melhem. T.S. 1988. Glossário Ilustrado de Palinologia. Universidade Estadual de Campinas. e Punt . (2007)Punt, W., Hoen, P.P., Blackmore, S., Nilsson, S. & Le Thomas, A. 2007. Glossary of pollen and spore terminology. Review of Paleobotany and Palynology 43: 1-81..

As lâminas com o material polínico encontram-se depositadas na palinoteca do Núcleo de Pesquisa em Palinologia do Instituto de Botânica.

Resultados e Discussão

Boehmeria Jacq.

Boehmeria cylindrica (L.) Sw

Figuras 1-3

Forma: alongada no eixo polar nos grãos de pólen 2-porados, âmbito circular.

Aberturas: 2-(3)-poradas, poros com ânulo.

Exina: espiculada, sexina mais espessa que a nexina.

Medidas (µm): P = 16,0 ± 0,1; E = 15,1 0,2; poro diâm. ca. 2,4 e ânulo ca. 1,6; sexina ca. 0,6 e nexina ca. 0,4.

Observações: o material da Reserva R. Simão-Bianchini et al. 865 (SP) citado por (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., não foi estudado por estar representado apenas por flor feminina. Sorsa & Huttunen (1975)Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. descreveram os grãos de pólen da espécie sob MEV, enquadrando-os no tipo 2b por apresentarem grânulos de forma arredondada ou irregulares e espículos de base larga e pontiagudos. No presente estudo, observado sob MO, não foi possível distinguir grânulos. Quanto às aberturas os autores mencionaram para B. cylindrica, grãos de pólen 2- porados, entretanto não observaram a presença de 3-poros fato que raramente ocorreu no presente estudo.

Material estudado: 8-I-1965, G. Eiten & W. D. Cleyton 5791 (SP).

Cecropia Loefl.

Grãos de pólen pequenos; simetria bilateral, isopolares, âmbito elíptico, alongada no eixo polar, 2-porados, poros proeminentes; exina espiculada, em todas as espécies a exina variou de densamente espiculada na região equatorial a quase psilada na região polar, com espículos que diminuem de tamanho e quantidade em direção aos polos tornando-se quase psilada ou densamente espiculada em toda superfície do grão de pólen, exina muito delgada não sendo possível distinguir suas camadas.

1.Cecropia glaziovii Snethl.

Figura 4

Medidas (µm): P = 12,8 ± 0,2; E = 8,2 ± 0,2; diâm. maior em vista polar = 9,2; diâm. menor em vista polar = 8,0; poro diâm. ca. 1,9; exina ca. 0,9.

Observações: os materiais da Reserva W. Hoehne & M. Kuhlmann s.n. (SP12788); W. Hoehne & M. Kuhlmann (SP12783) não foram estudados por escassez de material polínico. Os espécimes F.C. Hoehne s.n. (SP282068B), W. Hoehne s.n. (SP113635), W. Hoehne & M. Kuhlmann 3325, S. Romaniuc-Neto 760, não foram estudados por apresentarem somente flores femininas. Barth (1989)Barth, O.M. 1989. Exine structure in Cecropia L. (Moraceae) Pollen grains. Boletim do Instituto Geológico da Universidade de São Paulo 7: 205-213., ao estudar os grãos de pólen de várias espécies de Cecropia, dividiu-os em dois grupos principais de acordo com a distribuição dos elementos esculturais da exina: grupo a. por possuírem espículos distribuídos por toda superfície do grão de pólen ocasionalmente menos numerosos no polo e grupo b. por estes se concentrarem somente na região equatorial e com área polar psilada. Sendo assim, a autora enquadrou C. glaziovii no grupo b. Quanto ao tamanho dos grãos de pólen e a distribuição dos espículos, os resultados aqui obtidos corroboram com os do grupo b apresentados por Barth (1989). No presente estudo todas as espécies de Cecropia aqui analisadas apresentaram grãos de pólen com distribuição dos espículos que variaram num mesmo espécime, não sendo possível a distinção das mesmas através desse caráter.

Material estudado: 02-IX-1949, M. Kuhlmann & W. Hoehne 3326 (SP).

2.Cecropia hololeuca Miq.

Figura 5

Medidas (µm): P = 11,9 ± 0,2; E = 9,3 ± 0,1; diâm. maior em vista polar = 10,1; diâm. menor em vista polar = 9,4; poro diâm. ca. 2,6; exina ca. 1,0.

Observações: os materiais da Reserva citados por (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., F.C. Hoehne s.n. (SP28270), M. Kuhlmann & E. Kuhn. 3327 (SP), S. Romaniuc-Neto 761 (SP), não foram estudados por serem estéreis ou por apresentarem somente flores femininas. Barth (1989)Barth, O.M. 1989. Exine structure in Cecropia L. (Moraceae) Pollen grains. Boletim do Instituto Geológico da Universidade de São Paulo 7: 205-213., enquadrou os grãos de pólen da espécie no grupo b por possuírem espículos concentrados somente na região equatorial e com área polar psilada. Os tamanhos dos grãos de pólen estudados pela autora, conferem com os resultados aqui apresentados.

Material estudado: BRASIL. São Paulo: São Luiz do Paraitinga, 21-5-1993, S. Romaniuc-Neto 1382 (SP).

3.Cecropia pachystachya Trécul

Figuras 6-9

Medidas (µm): P = 13,9 ± 0,2; E = 9,5 ± 0,1; diâm. maior em vista polar = 11,0; diâm. menor em vista polar = 10,1; poro diâm. ca. 2,5; exina ca. 1,2.

Observações: O espécime citado por (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., S. Romaniuc-Neto 787 (SP) não foi estudado por estar representado apenas por flores femininas. Barth (1989)Barth, O.M. 1989. Exine structure in Cecropia L. (Moraceae) Pollen grains. Boletim do Instituto Geológico da Universidade de São Paulo 7: 205-213., enquadrou-os no grupo a, por possuírem espículos distribuídos por toda superfície do grão de pólen, ocasionalmente menos numerosos no polo. O tamanho dos grãos de pólen aqui estudado corroboram com os apresentados pela autora.

Material estudado: 12-VI-1995, S. Romaniuc-Neto 1512 (SP).

Coussapoa Aubl.

1.Coussapoa microcarpa ( Shott.) Rizzini

Figuras 10-12

Forma: alongada no eixo polar nos grãos 2-porados, âmbito elíptico.

Aberturas: 2-(3)-poradas, poros com ânulo.

Exina: espiculada, espículos distribuídos por toda superfície do grão; nexina mais espessa que sexina.

Medidas (µm): F.C. Hoehne s.n. (SP30923): P = 12,5 ± 0,1; E = 12,3 ± 0,1; diâm. maior em vista polar = 13,4 ± 0,2; diâm. menor em vista polar = 10,8 ± 0,1; poro diâm. ca. 3,0, ânulo ca. 1,2; exina ca. 0,5; sexina ca. 0,2 e nexina ca. 0,3.

Cordeiro & C. Vilela 1237 (SP): P = 12,4; E = 11,1.

Observações: os materiais da Reserva, O. Handro 172, M. Kuhlmann 2837 e M. Kuhlmann & E. Kuhn 3323 (SP) citados por Romaniuc-Neto . (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., não foram estudados por possuírem apenas flores femininas ou por não conterem material polínico. Barth (1976b)Barth, O.M. 1976b. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIII. Moraceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 295-309., descreveu a ornamentação dos grãos de pólen da espécie sob MO como finamente granulada e com tamanhos semelhantes aos do presente estudo, entretanto, sob MEV, a ornamentação da exina aqui analisada mostrou-se espiculada.

Material estudado: 22-VII-1993, I. Cordeiro & C. Vilela 1237 (SP); 4-IX-1933, F. C. Hoehne s.n. (SP30923).

Laportea Gaudich.

1. Laportea aestuans (L.) Chew

Figuras 13-15

Forma: apolares, esféricos.

Aberturas: (10)-12-pantoporadas, poros com ânulo, operculados.

Exina: espiculada; sexina da mesma espessura que nexina.

Medidas (µm): Diâmetro = 13,8 ± 0,1; poro diâm. ca. 2,7, ânulo ca. 1,2; exina ca. 0,1; sexina ca. 0,3 e nexina ca. 0,3.

Observações: o material adicional A. Gehrt s.n. (SP33430), citado por Romaniuc-Neto . (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., não foi estudado por escassez de material polínico. Sorsa & Huttunen (1975Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. ) ao estudarem duas espécies de Laportea (L. bulbifera, L. candensis) os descreveram como tendo grãos de pólen pantoporados e ornamentação granulada a espiculada. Laportea aestuans aqui analisada, sob MEV, apresentou exina espiculada. Quanto ao tamanho dos grãos de pólen a espécie aqui observada corrobora com os resultados apresentados por Sorsa & Huttunen (1975).

Material estudado:15-II-1967, T. Sendulsky 650 (SP).

Phenax Wedd.

1.Phenax sonneratti (Poir.)

Figuras 16-17

Forma: simetria bilateral, esférica.

Aberturas: 2-poradas, poros com ânulo, operculados.

Exina: espiculada, espículos cobrindo toda superfície; nexina mais espessa que sexina.

Medidas (µm): T. Sendulsky 652 (SP): P =12,3 ± 0,1; E = 12,5 ± 0,1; poro diâm. ca. 2,1, ânulo ca. 1,0; exina ca. 0,5; sexina ca. 0,2 e nexina ca. 0,3.

M. Kuhlmann 198: P = 13,1; E = 13,0.

Observações: o espécime adicional, J.P. Souza et al. 808 (SP), citado por Romaniuc-Neto (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., não foi estudado por possuir apenas flores femininas. Ao estudarem os grãos de pólen de quatro espécies de Phenax (P. hirtus, P. laevigatus, P. mexicanus, P. rugosus), Sorsa & Huttunen (1975)Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. os descreveram como sendo em sua maioria 3-porados, com exceção de Phenax hirtus que apresentou aberturas 2-poradas, entretanto os autores ressaltaram a grande variabilidade no número de poros. Quanto à ornamentação da exina, Sorsa & Huttunen (1975)Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. os descreveram como espiculados. Já Barth (1976a)Barth, O.M. 1976a. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIV. Urticaceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 341-346. ao analisar os grãos de pólen de P. angustifolius, os descreveu como sendo 2-porados e de superfície granulada. Quanto a ornamentação da exina, os resultados aqui obtidos corroboraram com os apresentados por Sorsa & Huttunen (1975)Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. , mas divergiram dos de Barth (1976a)Barth, O.M. 1976a. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIV. Urticaceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 341-346. por esta autora ter observado grãos pólen granulados em P. angustifolius. Quanto ao tamanho dos grãos de pólen estudados pelos autores acima, estão de acordo com os do presente estudo.

Material estudado: 15-II-1967, T. Sendulsky 652 (SP); BRASIL. São Paulo: Monte Alegre, 19-XII-1942, M. Kulhmann 198 (SP).

Pilea Lindl.

Pilea microphylla (L.) Lib.

Figuras 18-20

Forma: simetria bilateral, elíptica.

Aberturas: 2-porados, poros com ânulo.

Exina: espiculada, espículos cobrindo toda superfície; sexina mais espessa que nexina.

Medidas (µm): P = 16,4 ± 0,2; E = 20,2 ± 0,2; poro diam. ca. 3,0, ânulo ca. 1,0; exina ca. 1,0; sexina ca. 0,5 e nexina ca. 0,4.

Observações: Sorsa & Huttunen (1975)Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. ao estudarem nove espécies de Pilea, apresentaram resultados semelhantes aos de Pilea microphylla aqui analisada.

Material examinado: 8-IV-2003, F.C. Corrêa & L. Mendonça (SP)

Urera Gaudich.,

Grãos de pólen pequenos; variando de isopolares a apolares em todas as espécies; âmbito circular, oblato-esferoidais nos grãos de pólen isopolares e esféricos nos grãos de pólen apolares; aberturas variando de (3-4)-porados a 6-8-pantoporados em todas as espécies, poros com ânulo, operculados, os opérculos destacam-se durante a acetólise na maioria dos grãos de pólen; exina espiculada, nexina mais espessa que sexina.

1.Urera baccifera (L.) Gaudich. ex Wedd.

Figuras 21-22

Medidas (µm): Diâmetro = 14,8 ± 0,2; poro diâm. ca. 2,0, ânulo ca. 1,8; exina ca. 0,6; sexina ca. 0,2 e nexina ca. 0,4

Observações: o material da Reserva S. Romaniuc-Neto & B.M.O. Guido 8387 (SP) citado por Romaniuc-Neto et al. (2009), não foi estudado por apresentar somente flores femininas. Segundo Barth (1975)Barth, O.M., Macieira, E.G., Côrte-Real, S. 1975. Morfologia do pólen anemófilo e alergisante no Brasil. Casuarinaceae, Salicaceae, Moraceae, Ulmaceae e Urticaceae. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 73: 141-150., U. baccifera apresentou grãos de pólen pantoporados, entretanto a autora não mencionou a presença de grãos raramente (3-4)-porados observados no espécime aqui analisado. Já para Sorsa & Huttunen (1975)Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182. , a espécie apresentou grãos de pólen 3-porados, (2-4)-porados a pantoporados. Quanto à ornamentação da exina, Barth (1975) os descreveu sob MO como sendo granulados enquanto que para Sorsa & Huttunen (1975), sob MEV, estes são espiculados concordando com os resultados do presente estudo.

Material estudado: 8-XII-2007, S. Romaniuc-Neto & B.M.O. Guido 8380 (SP).

2.Urera caracasana (Jacq.) Griseb.

Figuras 23

Medidas (µm): Diâmetro = 13,6 ± 0,2, poro ca. 3,4, ânulo ca. 1,3; exina ca. 0,5; sexina ca.0,2 e nexina ca.0,3.

Observações: o material da Reserva H.F. Leitão Filho et al. 34540 (SP) (SP), citado por Romaniuc-Neto . (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., não foi estudado por apresentarem somente flores femininas.

Material estudado: BRASIL. BAHIA: Itaberaba, 18-I-2006, L.P. Queiroz 12076 (SP).

3.Urera nitida (Vell.) Brack

Figuras 24

Medidas (µm): Diâmetro = 17,0 ± 0,2; poro ca. 2,5, ânulo ca. 1,1; exina ca. 0,5; sexina ca. 0,2 e nexina ca. 0,3.

Observações: os materiais da Reserva F.C. Corrêa & L. Mendonça 2 (SP), A.C.E. Ponte et al. 29800 (SP), citados por (2009)Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205., não foram estudados por possuírem somente flores femininas ou por não conterem material polínico.

Material estudado: BRASIL. SÃO PAULO: São Sebastião, 26-II-1892, Edwall 1726 (SP).

Literatura citada

  • Barth, O.M. 1976a. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIV. Urticaceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 341-346.
  • Barth, O.M. 1976b. Catálogo sistemático dos pólens das plantas arbóreas do Brasil Meridional, XXIII. Moraceae. Memorias do Instituto Oswaldo Cruz 74: 295-309.
  • Barth, O.M., Melhem. T.S. 1988. Glossário Ilustrado de Palinologia. Universidade Estadual de Campinas.
  • Barth, O.M. 1989. Exine structure in Cecropia L. (Moraceae) Pollen grains. Boletim do Instituto Geológico da Universidade de São Paulo 7: 205-213.
  • Barth, O.M., Macieira, E.G., Côrte-Real, S. 1975. Morfologia do pólen anemófilo e alergisante no Brasil. Casuarinaceae, Salicaceae, Moraceae, Ulmaceae e Urticaceae. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 73: 141-150.
  • Cruz-Barros, M.A.V. & Souza, L.N. 2005. Flora polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil). 10-Piperaceae. Hoehnea 32: 77-85.
  • Erdtman, G. 1952. Pollen morphology and plant taxonomy- Angiosperms. Almquivist & Wiksell, Stockholm.
  • Erdtman, G. 1960. The acetolysis method. A revised description. Svensk Botanisk Tidskrift 54: 61-564.
  • Melhem, T.S., Makino, H., Silvestre, M.S.F., Cruz, M.A.V. & Jung-Mendaçolli, S.L. 1984. Planejamento para a elaboração da "Flora Polínica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil)". Hoehnea 11: 1-7.
  • Melhem, T.S., Giulietti, A.M., Forero, E., Barroso, G.M., Silvestre, M.S.F., Jung, S.L., Makino, H., Melo, M.M.R.F., Chiea, S.C., Wanderley, M.G.L., Kirizawa, M. & Muniz, C. 1981. Planejamento para a elaboração da "Flora Fanerogâmica da Reserva do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga (São Paulo, Brasil)". Hoehnea 9: 63-74.
  • Melhem, T.S., Cruz-Barros, M.A.V., Corrêa, A.M.S., Makino-Watanabe, H., Silvestre-Capelato, M.S.F., & Esteves, V.L.G. 2003. Variabilidade polínica em plantas de Campos do Jordão (São Paulo, Brasil). Boletim do Instituto de Botânica 16: 1-104.
  • Punt, W., Hoen, P.P., Blackmore, S., Nilsson, S. & Le Thomas, A. 2007. Glossary of pollen and spore terminology. Review of Paleobotany and Palynology 43: 1-81.
  • Romaniuc-Neto, S., Gaglioti, A.L. & Guido, B.M. 2009. Urticaceae Juss. do Parque Estadual das Fontes do Ipiranga, São Paulo, SP, Brasil. Hoehnea 36: 193-205.
  • Roubik, D.W. & J. E. Moreno. 1991. Pollen and spores of Barro Colorado Island. Monographs in Systematic Botany: 1-268.
  • Sorsa, P. & Huttunen, P. 1975. On the pollen morphology of the Urticacea. Annales Botanici Fennici 12: 165-182.
  • Treiber, E.L., Gaglioti, A.L., Romaniuc-Neto, S., Madriñán, S. & Weiblen, G.D. 2016. Phylogeny of the Cecropieae (Urticaceae) and the Evolution of an Ant-Plant Mutualism. Systematic Botany 41: 56-66.
  • Wu, Z.Y., Monro, A.K., Milne, R.I., Wang, H., Yi, T.S., Liu, J. & Li, D.Z. 2013. Molecular phylogeny of the nettle family (Urticaceae) inferred from multiple loci of three genomes and extensive generic sampling. Molecular Phylogenetics and Evolution 69: 814-827.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jul-Sep 2016

Histórico

  • Recebido
    09 Jun 2016
  • Aceito
    01 Ago 2016
Instituto de Botânica Av. Miguel Stefano, 3687 , 04301-902 São Paulo – SP / Brasil, Tel.: 55 11 5067-6057, Fax; 55 11 5073-3678 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: hoehneaibt@gmail.com