Variação da ictiofauna ao longo do rio Goioerê: um importante tributário da bacia do Piquiri-Paraná

Claudenice Dei Tos Luiz C. Gomes Maria A. Rodrigues Sobre os autores

A construção de reservatórios é considerada importante fonte de impactos para a fauna de peixes, levando a alterações significativas na estrutura da assembleia. Considerando isso, esse artigo objetiva descrever a estrutura da assembleia de peixes do rio Goioerê, determinando sua distribuição longitudinal e padrões na dominância das espécies. A avaliação da variação longitudinal na diversidade e abundância da assembleia de peixes neste rio foi conduzida em julho e outubro de 2004 e janeiro e maio de 2005. As coletas foram realizadas próximas as nascentes (Gurucaia), no segmento médio (Olaria), logo acima do salto Paiquerê (Paiquerê) e na foz do rio (Foz). Foram registradas 44 espécies. A assembleia de peixes de Gurucaia diferiu significativamente de Olaria, Paiquerê e Foz. A assembleia de Olaria diferiu significativamente de Foz. Gurucaia apresentou a menor diversidade e abundância de espécies. Astyanax aff. paranae Eigenmann,1914 (78% do total) foi dominante nesta localidade. Em Olaria e Paiquerê foi encontrada grande similaridade na riqueza de espécies, no entanto, em Olaria registrou-se a maior abundância de indivíduos. Astyanax aff. paranae, Cyphocharax modestus (Fernández-Yépez, 1948) and Astyanax altiparanae Garutti & Britski, 2000 foram as três espécies dominantes de topo e compreenderam cerca de 71% do total de peixes capturados. Na localidade Paiquerê, A. altiparanae, Hypostomus aff. ancistroides (Ihering, 1911) and Loricariichthys platymetopon Isbrücker & Nijssen, 1979 compuseram 58% das capturas. Trinta e uma espécies foram registradas na Foz, que apresentou a maior riqueza. As espécies mais abundantes foram Apareiodon affinis (Steindachner, 1879), Galeocharax knerii (Steindachner, 1879) and A. altiparanae, as quais contribuíram com 50% das capturas totais neste ambiente. Estes resultados registram a biodiversidade de peixes e como esta comunidade se estrutura longitudinalmente no rio Goioerê, além de demonstrar a importância desse tipo de avaliação para a compreensão dos padrões das comunidades de peixes e para a busca de soluções para problemas relacionados à conservação e o manejo desta bacia.

Diversidade; comunidade de peixes; riqueza; equitabilidade; bacia rio Goioerê


Museu de Ciências Naturais Museu de Ciências Naturais, Secretária do Meio Ambiente e Infraestrutura, Rua Dr. Salvador França, 1427, Jardim Botânico, 90690-000 - Porto Alegre - RS - Brasil, Tel.: + 55 51- 3320-2039 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: iheringia-zoo@fzb.rs.gov.br