Tumor Carcinoide de Apêndice Cecal: incidência em um ano no Hospital Santa Marcelina

Isaac José Felippe Corrêa Neto Eduardo Augusto Lopes Rafael Domingues Marques Rogério Freitas Lino Souza Alexander Sá Rolim Hugo Henriques Watté Laércio Robles Sobre os autores

Introdução:

Os tumores carcinoides são neoplasias malignas neuroendócrinas que se originam em células neuroectodérmicas do sistema APUD (Amine, Peptide Uptake and Decarboxylation), dispersas na mucosa gastrointestinal e que representam cerca de 80-88% das neoplasias do apêndice cecal. São tumores diagnosticados geralmente durante apendicectomias e estima-se que de cada 100 apendicectomias realizadas por ano, ao menos um caso será TNE.

Objetivos:

Objetiva-se nesse artigo relatar experiência de Hospital Universitário e de Ensino (HUE) em saúde e referência na zona leste de São Paulo e grande São Paulo em casos desses raros tumores apendiculares, com ênfase na importância dessas descrições, já que provavelmente raros cirurgiões em particular irão adquirir uma extensa sapiência nesses casos.

Método:

Análise retrospectiva de 237 pacientes submetidos à apendicectomia no período de setembro de 2010 a setembro de 2012 no Hospital Santa Marcelina-SP. Foram avaliados os dados referentes a idade, sexo, quadro clínico inicial, achados operatórios dos pacientes submetidos à apendicectomia com posterior diagnóstico anatomopatológico e imunopatológico de tumor carcinoide de apêndice.

Resultados:

Verificou-se a presença de tumor carcinoide de apêndice em 5 pacientes, o que corresponde a 2,1% das apendicectomias realizadas. Com relação ao gênero, 4 pacientes (80%) eram mulheres e a média de idade foi de 34,2 anos, com variação de 17 a 68 anos. Em todos os pacientes a hipótese inicial para indicação de cirurgia fora de apendicite aguda, com achado intra-operatório de apendicite aguda em fase necroperfurada em 3 pacientes (60%).

Conclusão:

A conduta após o diagnóstico de tumores carcinoides de apêndice cecal deve ser alicerçada nos dados fornecidos por exames anatomopatológicos e imunoistoquímicos, além do julgamento criterioso do médico assistente.

Apendicite aguda; Tumor carcinoide de apêndice; Conduta; Seguimento


Sociedade Brasileira de Coloproctologia Av. Marechal Câmara, 160/916, 20020-080 Rio de Janeiro/RJ Brasil, Tel.: (55 21) 2240-8927, Fax: (55 21) 2220-5803 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: sbcp@sbcp.org.br