PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA E COMPETÊNCIA MOTORA NA INFÂNCIA

Mellina Maria do Lago Manso da Silva Maria Teresa Catuzzo Carlos Bandeira Mello Monteiro Mariana Tudela Alessandro Hervaldo Nicolai Ré Sobre os autores

RESUMO

Os objetivos desta pesquisa foram verificar a quantidade e intensidade de atividade física praticada por crianças de baixo nível socioeconômico durante dias de semana e finais de semana, avaliar indicadores de competência motora e verificar as associações entre essas variáveis. Participaram do estudo 176 crianças entre 3 e 6 anos. As crianças usaram acelerômetro por sete dias consecutivos para mensurar a prática de atividade física e a competência motora foi mensurada com a utilização do Test of Gross Motor Development (TGMD-2). Os meninos despenderam mais tempo em atividade física total do que meninas (222,5 min xs 204 min; p<0,01) nos dias de semana. Em ambos os sexos, o tempo médio diário de atividade física total ficou acima das diretrizes internacionais de prática de atividade física (≥ 3h de atividade física por dia), porém há indicadores de atraso no desenvolvimento da competência motora, principalmente nas habilidades de controle de objetos. Concluímos que meninos apresentam maiores índices de prática de atividade física do que meninas e possuem maior competência motora, porém, valores reduzidos de associação entre prática de atividade física e competência motora sugerem que a quantidade de atividade física não necessariamente implica no desenvolvimento da competência motora.

Palavras-chave:
Atividade física; Acelerometria; Desenvolvimento infantil

Universidade Estadual de Maringá Avenida Colombo, 5790 - cep: 87020-900 - tel: 44 3011 4315 - Maringá - PR - Brazil
E-mail: revdef@uem.br