A INDEPENDÊNCIA DA ANTIDOPAGEM BRASILEIRA: NO CONVÍVIO DO ESTADO E DAS FEDERAÇÕES ESPORTIVAS

Daniel Giordani Vasques Flávio Py Mariante Neto Nicole Marceli Nunes Cardoso Marco Paulo Stigger Sobre os autores

RESUMO

Os processos de mundialização e de harmonização da antidopagem, liderados principalmente pela Agência Mundial Antidopagem (WADA), produziram uma série de instituições interessadas, que, segundo os atores, devem atuar de forma independente, especialmente dos Estados nacionais e das federações esportivas. No Brasil, porém, a Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) foi criada em 2009 como uma secretaria do Ministério do Esporte. O objetivo deste trabalho foi analisar de que formas os atores se associam e sustentam um discurso de independência na luta antidopagem brasileira. A partir de uma inserção etnográfica, que incluiu entrevistas e análise documental, este estudo descreve, nos caminhos da sociologia pragmática e no uso do conceito Eliasiano de interdependência, as aproximações da agência nacional antidopagem, em especial, com atores do governo bem como com a federação brasileira de futebol. Nesse sentido, utilizamos os conceitos de interdependência e de harmonização para analisar as associações e, desse modo, refletimos sobre o discurso de independência ao apresentar os interesses nas associações entre os atores.

Palavras-chave:
Doping nos Esportes; Governo; Unesco; Política Pública; Ética

Universidade Estadual de Maringá Avenida Colombo, 5790 - cep: 87020-900 - tel: 44 3011 4315 - Maringá - PR - Brazil
E-mail: revdef@uem.br