Physiological maturation of cowpea seeds

Maturação fisiológica de sementes de feijão-caupi

Narjara Walessa Nogueira Rômulo Magno Oliveira de Freitas Salvador Barros Torres Caio César Pereira Leal About the authors

Abstracts

The seed maturation process is genetically controlled and involves an arranged sequence of morphological and physiological changes extending from fertilization to its total independence from the mother-plant. These changes also include a set of preparatory phases for the germination process, which are characterized for the synthesis and accumulation of nutrient reserves. Thereby, this study was developed aiming at assessing development and physiological quality of cowpea seeds during maturation process. To this, the cowpea pods of cultivar BRS-Guariba were harvested from the tenth day after anthesis (DAA) until the twenty sixth DAA, with four days intervals. Immediately after each harvest, seeds were manually extracted from the pods and then subjected to the following determinations: moisture content, first count of germination, final germination percentage, length of shoots and roots, hypocotyl diameter, and seedling dry mass. The experiment was conducted in a completely randomized design, with five treatments (DAA), and four replications to each treatment. Results have shown that cowpea seeds have fairly fast physiological maturation, and that seeds harvested between 14 and 18 DAA have better vigor as well as higher germination rates; thus the harvest performed during this period does not cause damages to seeds.

Vigna unguiculata L.; physiological quality; vigor


A maturação da semente é controlada geneticamente, envolvendo uma sequência ordenada de alterações verificadas a partir da fecundação até que se tornem independentes da planta-mãe. Essas alterações compreendem um conjunto de etapas que preparam para o sucesso da futura germinação, caracterizada pela síntese e acúmulo de reservas. Dessa forma, este estudo teve por objetivo avaliar o desenvolvimento e qualidade fisiológica de sementes de feijão-caupi durante o processo de maturação. Para isso, vagens da cultivar BRS-Guariba de feijão-caupi foram colhidas a partir do décimo dia após a antese (DAA) até o vigésimo sexto DAA, com intervalos de quatro dias. Após cada coleta, as sementes foram manualmente extraídas das vagens e submetidas às seguintes determinações: grau de umidade, primeira contagem de germinação, porcentagem final de germinação, comprimento de parte aérea e raízes, diâmetro do hipocótilo e massa seca das plântulas. O experimento foi conduzido em delineamento experimental inteiramente casualizado, com cinco tratamentos (DAA) e quatro repetições cada. As sementes de feijão-caupi apresentam maturação fisiológica bastante rápida e aquelas colhidas entre 14 e 18 DAA têm melhor vigor e maior porcentagem de germinação; assim, colheita deve ser realizada durante esse período, pois não causa danos às sementes.

Vigna unguiculata L.; qualidade fisiológica; vigor


  • ARAUJO, E. F.; ARAUJO, R. F.; SOFIATTI, V.; SILVA, R. F. Maturação de sementes de milho-doce - Grupo super doce. Revista Brasileira de Sementes, v.28, n.2, p. 69-76, 2006. http://www.scielo.br/pdf/rbs/v28n2/a09v28n2
  • BEZERRA, A. A. C.; TÁVORA, F. J. A. F.; FREIRE FILHO, F. R.; RIBEIRO, V. Q. Morfologia e produção de grãos em linhagens modernas de feijão-caupi submetidas a diferentes densidades populacionais. Revista de Biologia e Ciências da Terra, v.8, n.1, p.85-93, 2008. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=50080109
  • BOLINA, C. C. Maturação fisiológica da semente e determinação da época adequada de colheita do feijão (Phaseolus vulgaris L.). Revista Científica Linkania Master, v.2, n.3, 2012. http://linkania.org/master/article/view/78/50
  • BOTELHO, F. J. E.; GUIMARÃES, R. M., OLIVEIRA, J. A.; EVANGELISTA, J. R. E.; ELOI, T. A.; BALIZA, D. P. Desempenho fisiológico de sementes de feijão colhidas em diferentes períodos do desenvolvimento. Ciência e Agrotecnologia, v.34, n.4, p.900-907, 2010. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-70542010000400015
  • BRAGA-JUNIOR, J. M. Maturação, qualidade fisiológica e testes de vigor em sementes de mamona. UFP, Areias. 2009. 62p. http://www.livrosgratis.com.br/arquivos_livros/cp085203.pdf
  • BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para Análise de Sementes Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: MAPA/ACS, 2009. 395p. http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/2946_regras_analise__sementes.pdf
  • CARDOSO, M. J.; RIBEIRO, V. Q. Desempenho agronômico do feijão-caupi, cv. Rouxinol, em função de espaçamentos entre linhas e densidades de plantas sob regime de sequeiro. Revista Ciência Agronômica, v.37, n.1, p.102-105, 2006. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=195317425018
  • CARVALHO, N. M.; NAKAGAWA, J. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4 ed. Jaboticabal: FUNEP, 2000. 588 p.
  • DAVID, A. M. S. S.; ARAÚJO, E. F.; MIRANDA, G. V.; DIAS, D. C. F. S.; GALVÃO, J.C. C.; CARNEIRO, V. Maturação de sementes de milho-pipoca. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v.2, n.3, p. 121-131, 2003. http://rbms.cnpms.embrapa.br/index.php/ojs/article/view/78/79
  • DUTRA, A. S.; TEÓFILO, E. M.; MEDEIROS, FILHO, S.; DIAS, F. T. C. Qualidade fisiológica de sementes de feijão caupi em quatro regiões do estado do Ceará. Revista Brasileira de Sementes, v.29, n.2, p.111-116, 2007. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-31222007000200015&script=sci_arttext
  • EDMOND, J. B.; DRAPALA, W. J. The effects of temperature, sand, soil, and acetone on germination of okra seeds. Proceedings of the American Society for Horticultural Science, v.71, p.428-434, 1958.
  • ESKANDARI, H. Seed quality changes in cowpea (Vigna sinensis) during seed development and maturation. Seed Science and Technology, v.40, n.1, p.108-112, 2012. http://www.ingentaconnect.com/content/ista/sst/2012/00000040/00000001/art00012
  • FARIA, M. A. V. R.; PINHO, R. G. V.; PINHO, E. V. R. V.; GUIMARÃES, R. M.; FREITAS, F. E. O. Qualidade de sementes de milho colhidas em diferentes estádios de maturação em duas épocas de produção. Revista Ceres, v.52, n.300, p.293-304, 2005. http://www.ceres.ufv.br/ceres/revistas/V52N300P02305.pdf
  • FAO - Food And Agriculture Organization Of The United Nations. 2009. Crops: Cow peas, dry. Fao Stat. Avaliable at: http://faostat.fao.org/site/567/DesktopDefault.aspx?PageID=567#ancor Acessed on: Feb.10th, 2014.
  • FREIRE-FILHO, F. R.; RIBEIRO, V. Q.; BARRETO, P. D.; SANTOS, A. A. Melhoramento Genético In: FREIRE FILHO, F. R.; LIMA, J. A. A.; RIBEIRO, V. Q. (Eds). Feijão-caupi: avanços tecnológicos. Brasília: EMBRAPA, 2005. p. 487-497.
  • KERMODE, A. R. Role of abscisic acid in seed dormancy. Journal of Plant Growth Regulation, v.24, p. 319-344, 2005. http://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00344-005-0110-2
  • MARCOS-FILHO, J. Fisiologia de sementes de plantas cultivadas Piracicaba: FEALQ, 2005. 495p.
  • ROCHA, M. M.; CARVALHO, K. J. M.; FREIRE FILHO, F. R.; LOPES, A. C. A.; GOMES, R. L. F.; SOUSA, I. S. Controle genético do comprimento do pedúnculo em feijão-caupi. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.44, n.3, p.270-275, 2009. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-204X2009000300008
  • SILVA, V. P. R.; AZEVEDO, P. V.; BRITO, R. S.; CAMPOS, J. H. B. C. Evaluating the urban climate of a typically tropical city of northeastern Brazil. Environmental Monitoring and Assessment, v.161, n.1-4, p. 45-59, 2010. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19184489
  • TEIXEIRA, I. R.; SILVA, G. C.; OLIVEIRA, J. P. R.; SILVA, A. G.; PELÁ, A. Desempenho agronômico e qualidade de sementes de cultivares de feijão-caupi na região do cerrado. Revista Ciência Agronômica, v.41, n.2, p.300-307, 2010. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-66902010000200019

Publication Dates

  • Publication in this collection
    03 Oct 2014
  • Date of issue
    Sept 2014

History

  • Accepted
    19 Aug 2014
  • Received
    13 July 2014
ABRATES - Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes Avenida Maringá, nº 1219 , Jardim Vitória Londrina - Paraná Brasil, Tel./ Fax. 55 43 3025-5120 - Londrina - PR - Brazil
E-mail: contato@abrates.org.br