Kriterion: Revista de Filosofia, Volume: 47, Issue: 114, Published: 2006
  • Apresentação Apresentação

  • Sobre o princípio e a lei universal do Direito em Kant Artigos

    Almeida, Guido Antônio de

    Abstract in Portuguese:

    O artigo distingue duas fórmulas do princípio do Direito em Kant; mostra que na primeira delas o Princípio Universal do Direito é formulado como um principium diiudicationis e na segunda a Lei Universal do Direito como um principium executionis das ações conforme ao Direito; examina as dificuldades suscitadas para ambas as formulações, quais sejam, a base para a definição do que é direito e a questão se as leis jurídicas têm e, caso tenham, qual é a sua força prescritiva; e, finalmente, propõe uma solução baseada na consideração de que as leis jurídicas constituem para Kant uma subclasse das leis morais e se baseiam no conceito de uma autorização ou faculdade moral de fazer o que é moralmente lícito ou obrigatório e de não fazer o que é moralmente proibido.

    Abstract in English:

    The present paper distinguishes two formulas of the principle of Right in Kant; it shows that in one of them (the Universal Principle of Right) the principle is expressed as a principium diiudicationis and in the other (the Universal Law of Right) as a principium executionis of what we consider to be right; it scrutinizes difficulties involved in both formulations, in particular the basis for definition of what is considered right and the prescriptive force of the Universal Law of Right; and it proposes a solution based on the consideration that juridical laws are for Kant a sub-class of moral laws and on the concept of a moral authorization (facultas moralis) of doing what is morally permissible or mandatory and of not doing what is morally forbidden.
  • Pascal e o amor-próprio Artigos

    Armogathe, Jean-Robert

    Abstract in Portuguese:

    Uma abordagem lexográfica do amor próprio nos escritos de Pascal: carta (1651) sobre a morte de seu pai, frag. La 978 e nove ocorrências nos Pensamentos. A partir dos diferentes "amores-próprios" enumerados pela tradição, o amor-próprio natural de Adão, anterior à Queda, que para Tomás de Aquino é indiferente, é identificado por Jansenius como pervertido em concupiscência. Em sua Apologia, Pascal segue a linha jansenista de um modo tão radical que os teólogos de Port-Royal julgaram preciso mitigar seus sentimentos a ponto de contradizê-lo, como fez Nicole, que descreveu o amor-próprio como um substituto hipocrítico do comportamento virtuoso.

    Abstract in English:

    A lexicological approach of self-love in Pascal’s writings: letter (1651) about his father’s death, frag. La 978 and nine occurrences in the Pensées. From the different "self-loves" enumerated by the tradition, Adam’s natural self-love, before the Fall, which is indifferent for Thomas Aquinas, is identified by Jansenius as perverted into concupiscentia. In his Apology, Pascal follows the Jansenist line, in such a radical way that the Port-Royal theologians found necessary to mitigate his feelings, up to contradict him, like Nicole did, who described self-love as a hypocritical substitute to virtuous behaviour.
  • "As principais forças dos pirrônicos" (La 131) e sua apropriação por Huet Artigos

    Maia Neto, José R.

    Abstract in Portuguese:

    Este artigo tem duas partes. Na primeira, é examinada a apropriação que Pascal faz do argumento cartesiano do Deus enganador no fragmento La 131 dos Pensamentos. Mostra-se aí uma leitura epistemológica cética do argumento de Descartes que o transforma em uma das premissas do argumento pascaliano da verdadeira religião. Na segunda parte, é examinada a apropriação que Huet faz deste mesmo argumento cartesiano no seu Tratado filosófico da fraqueza do entendimento humano (livro I, capítulo 10). Mostra-se nesta parte, com base no Tratado e nas anotações que Huet fez no seu exemplar dos Pensamentos, que a leitura cética huetiana do argumento cartesiano é derivada da leitura pascaliana do mesmo argumento, embora para um fim diferente do de Pascal: não como prova da doutrina da Queda, mas como indicação da fraqueza da razão desprovida da fé.

    Abstract in English:

    This paper has two sections. In the first I examine Pascal's appropriation in La 131 of the Cartesian argument of the deceiver God. Pascal develops a skeptical reading of the argument in order to use it as a premise for his apologetic argument of the true religion. In the second section I examine Huet's appropriation of this same Cartesian argument in his Philosophical Treatise on the Weakness of the Human Understanding. Based on this work of Huet's and on his marginal notes on Pascal's Thoughts, I show that his skeptical reading of the argument is derived from Pascal's, although Huet's and Pascal's goals are distinct: while the latter intends to provide an argument for the Fall of Man, the former intends to show the weakness of reason unassisted by supernatural faith.
  • O disfarce da força Artigos

    Parraz, Ivonil

    Abstract in Portuguese:

    Neste artigo pretendemos analisar a definição de justiça que Pascal oferece, tal como ela se apresenta no "reino da concupiscência". Para ele, a justiça é "prevenção da sedição" (La 66; B.326). Prevenir qualquer revolta é a garantia da paz no Estado. Para tanto, não basta a arte do bem governar, ressaltada nos "Trois discours sur la condition des grands", é preciso usar a força. Ora, como a força não se deixa manipular por se tratar de uma qualidade palpável, ao passo que a justiça se presta a isso, por ser uma qualidade espiritual, manipula-se a justiça para justificar a força. Esvaziado o velho conceito de justiça: "dar a cada um o que lhe é devido", esta passa a ser o disfarce da força.

    Abstract in English:

    In this article we intend to analyze the definition of justice in the "realm of concupiscence" given by Pascal. Justice is, according to him, prevention of sedition (L. 66; B. 326). Preventing any revolt is the guarantee of peace in the State. Pascal points out in the Trois discours sur la condition des grandes that the good art in governing is not enough to achieve this goal. It is necessary to use force. Because force cannot be manipulated since it is a tangible quality unlike justice, which is a spiritual quality, justice is manipulated to justify force. Once the traditional concept of justice as "give every one his due" becomes empty, justice becomes the disguise of force.
  • Politique, christologie et ecclésiologie dans les Pensées de Pascal

    Gabriel, Frédéric

    Abstract in Portuguese:

    No cristianismo moderno, política e eclesiologia são quase indissociáveis. Quais são suas relações nos Pensamentos? Apoiando-se numa meditação bíblica, vários fragmentos ressaltam o Cristo, o único que permite ao homem compreender as Escrituras e verdadeiramente se conhecer. Pascal considera a tradição instituída pelo Cristo como uma história da verdade, mas ela não coincide integralmente com a Igreja temporal. Habitualmente se esquece de sublinhar o uso pascaliano de argumentos galicanos para dissociar a Igreja do Cristo, interior, da eclesiologia política desenvolvida sobretudo pelos jesuítas.

    Abstract in French:

    Dans le christianisme moderne, politique et ecclésiologie sont quasiment indissociables. Quels sont leurs rapports dans les Pensées? S'appuyant sur une méditation biblique, plusieurs fragments mettent en avant le Christ, qui seul, permet à l'homme de comprendre les Ecritures et de véritablement se connaître. Pascal considère la tradition instituée par le Christ comme une histoire de la vérité, mais celle-ci ne coïncide pas intégralement avec l'Eglise temporelle. On oublie habituellement de souligner l'usage pascalien d'arguments gallicans, pour dissocier l'Eglise du Christ, intérieure, de l'ecclésiologie politique que développent notamment les jésuites.
  • Observações sobre a segunda antropologia: o pensamento como alienação Artigos

    Carraud, Vincent

    Abstract in Portuguese:

    Em Pascal et la philosophie, qualificamos de primeira antropologia aquela que Pascal emprega na "Conferência a Port-Royal" e que faz o projeto da Apologia. Fundamentada na oposição agostiniana da grandeza e da miséria, essa antropologia é "abstrata" no sentido em que considera uma natureza humana dada de maneira puramente teórica. Por segunda antropologia, entendemos designar o conjunto das reflexões pascalianas que não poderiam entrar na problemática secular da verdadeira religião. Fazendo aí uma obra absolutamente original, Pascal expõe os conceitos fundamentais de imaginação, de justiça e de força, de divertimento ou de glória. Com eles, a segunda antropologia está des-teologizada: a teologia não está nem em seu princípio, nem em seu fim como apologética. Pascal considera nela não apenas o homem, mas os homens em suas determinações concretas, existenciais, e não somente em função de uma natureza humana, ainda que contraditória. O pensamento do homem como paradoxo foi substituído pelo do homem em sua finitude. A partir da leitura dos fragmentos La 620, 470 e 806 e do tema existencial da glória, o presente artigo esboça uma caracterização positiva da segunda antropologia: ela revela que o homem se descobre habitado por um outro sujeito, a imaginação. Por aí mesmo, a segunda antropologia revela-se um pensamento da alienação, um pensamento do pensamento como alienação.

    Abstract in French:

    Dans Pascal et la philosophie, nous avons qualifié de première anthropologie l'anthropologie que Pascal met en œuvre dans la "Conférence à Port-Royal" et qui fait le projet de l'Apologie. Fondée sur l'opposition augustinienne de la grandeur et de la misère, cette anthropologie est "abstraite", au sens où elle envisage une nature humaine donnée de façon purement théorique. Par seconde anthropologie, nous entendons désigner l'ensemble des réflexions pascaliennes qui ne sauraient entrer dans la problématique séculaire de la vraie religion: y faisant œuvre absolument originale, Pascal met au jour les concepts fondamentaux d'imagination, de justice et de force, de divertissement ou de gloire. Avec eux, la seconde anthropologie est dé-théologisée: la théologie n'est ni à son principe ni à sa fin, comme apologétique. Pascal y envisage non seulement l'homme pour lui-même, mais les hommes dans leurs déterminations concrètes, existentielles, et non seulement en fonction d'une nature humaine, fût-elle contradictoire. A la pensée de l'homme comme paradoxe s'est alors substituée celle de l'homme dans sa finitude. A partir de la lecture des fragments La 620, 470 et 806 et du thème existentiel de la gloire, le présent article esquisse une caractérisation positive de la seconde anthropologie: elle révèle que l'homme se découvre habité par un autre sujet en lui, l'imagination. Par là même, la seconde anthropologie s'avère être une pensée de l'aliénation, une pensée de la pensée comme aliénation.
  • Pascal e a ordem da concupiscência Artigos

    Limongi, Maria Isabel

    Abstract in Portuguese:

    Pascal concebe a ordem civil como uma ordem da concupiscência, isto é, uma ordem que é produzida e regulada pela concupiscência. Trata-se aqui de mostrar a novidade dessa idéia relativamente à tradição do pensamento político e a Santo Agostinho, para em seguida apontar o que parece ser a sua condição de possibilidade, a saber, o modo como Pascal concebeu a vontade decaída e, mais propriamente, a concupiscência da carne, à qual se reporta a ordem civil.

    Abstract in English:

    Pascal conceives the civil order as an order of conscupiscence, that is, an order produced and regulated by concupiscence. We shall present the novelty of this idea vis-a-vis the tradition of political thought and St. Agustine, and point out what seems to be its condition of possibility, that is, the way Pascal conceived the fallen will and, more properly, the concupiscence of flesh, to which refers the civil order.
  • Aquele que busca a Deus, o incrédulo e o honnête-homme: natureza e sobrenatureza nestes três tipos de homem Artigos

    Birchal, Telma de Souza

    Abstract in Portuguese:

    A intenção deste trabalho será de compreender a idéia de desnaturação, apresentada no fragmento La 427, no contexto da classificação pascaliana dos tipos de pessoa. A desnaturação é aí definida como uma perda do amor-próprio. Ora, se o amor-próprio, motor da busca da felicidade, define a natureza do homem decaído, fica o problema de compreender o paradoxal elogio ao amor-próprio levado a cabo por Pascal, neste fragmento, através da idéia de desnaturação.

    Abstract in French:

    Ce travail examine l'idée de dénaturation, presentée dans le fragment La 427, à la lumière de la classification pascalienne des types de personne. La dénaturation y est définie comme une perte de l'amour-propre. Or, si l'amour-propre, moteur de la recherche du bonheur, définit la nature de l'homme déchu, il nous faut comprendre l'éloge paradoxal de l'amour-propre présent dans ce fragment, à travers l'idée de dénaturation.
  • Do humanismo ridículo: a crítica da prefectibilidade humana em Pascal e Lutero Artigos

    Pondé, Luiz Felipe

    Abstract in Portuguese:

    O texto tem três camadas. A primeira apresenta a construção semântica do conceito filosófico de "humanismo" a partir dos artiens medievais (século XIII), chegando ao seu clímax na Renascença, identificado com a obra de Pico de La Mirândola e sua mística da "suficiência e dignidade da natureza humana". A segunda camada do texto é a crítica que o reformador Lutero e o jansenista Pascal fazem ao "humanismo" e sua mística, concentrando essa crítica na idéia de que nada no comportamento humano sustenta um tal conceito, e que, portanto, se trata de uma abstração sem fundamento, e não de um fato empírico. Na terceira e última camada, analisam-se os desdobramentos desse embate, indicando que, possivelmente, os críticos cristãos do humanismo teriam acertado na sua dúvida com relação à viabilidade de um tal "culto ridículo da natureza humana".

    Abstract in English:

    The text has three levels. On the first level, we follow the semantic construction of the philosophical concept of "humanism", from the artiens in the 13 th Century up to Pico de La Mirandola and his mysticism of "human nature dignity and sufficiency" in the Renaissance. On the second level, we examine Luther's and Pascal's criticism of "humanism", showing that human behavior gives no empirical support for such abstract mysticism. Last but not least, on a third level, we argue that the Christian critics of humanism seemed to be right in doubting the viability of such "ridiculous worship of human nature".
  • Antecedentes filosóficos e teológicos do conceito pascaliano de natureza humana Artigos

    Oliva, Luís C. G.

    Abstract in Portuguese:

    O artigo pretende examinar os antecedentes do conceito pascaliano de natureza humana, desde a matriz aristotélica da idéia de natureza, passando pela absorção do conceito pelo pensamento cristão de Agostinho e Tomás, pela constituição do conceito teológico de pura natureza na escolástica tardia e sua crítica por Jansenius. Pascal aprofunda essa crítica, mostrando que a completude e a suficiência pressupostas na idéia de pura natureza são incompatíveis com a atual condição do homem, embora a infelicidade humana aponte para o fato de que a natureza humana permanece relevante como uma exigência irrealizável.

    Abstract in English:

    The paper intends to examine the antecedents of the Pascalian concept of human nature, from the Aristotelian matrix of the idea of nature, going through the Christian absorption of this concept in Augustine and Thomas, to the elaboration of the theological concept of pure nature in Late Scholastics and its critic by Jansenius. Pascal deepens this criticism, showing that the completeness and sufficiency presupposed in the idea of pure nature are incompatible with the present human condition, though human unhappiness points to the fact that human nature remains relevant as an non-achievable demand.
  • Nós geramos átomos em lugar da realidade das coisas: Pascal e o a-teísmo do infinito Artigos

    Olivo, Gilles

    Abstract in Portuguese:

    Este trabalho busca explicar o que se deve entender por "desproporção do homem" no fragmento La 199. Ele tenta estabelecer a tese segundo a qual a desproporção do homem descreve um fechamento do homem em sua posição de centro de referência para o e no conhecimento: este caráter central designa a primazia epistemológica que, de fato, traduz a posição do homem cartesiano na natureza, isto é, face a ela. É por isso que o La 199 é uma crítica radical ao conceito cartesiano de infinito como nome de Deus.

    Abstract in French:

    Ce travail essaye d'expliquer ce qu'il convient d'entendre par «disproportion de l'homme» dans le fragment La 199. Il tente d'établir la thèse selon laquelle cette disproportion de l'homme décrit un enfermement de l'homme dans sa position de centre de référence pour et dans la connaissance: ce caractère central désigne la primauté épistémologique qui traduit en fait la position de l'homme cartésien dans la nature, c'est-à-dire face à elle. C'est pourquoi La 199 est une critique radicale du concept cartésien d'infini comme nom de Dieu.
  • Uma visão possível da natureza do mundo Resenha

    Pinto, Paulo Margutti
  • O particular e o universal: Guicciardini e a possibilidade de uma filosofia política Resenha

    Adverse, Helton
  • Ascensão da autobiografia: declínio do sujeito Resenha

    Ávila, Myriam
Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG Av. Antônio Carlos, 6627 Campus Pampulha, CEP: 31270-301 Belo Horizonte MG - Brasil, Tel: (31) 3409-5025, Fax: (31) 3409-5041 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: kriterion@fafich.ufmg.br