SOBRE O PODER DA CRIAÇÃO: PARENTESCO E OUTRAS RELAÇÕES AWÁ-GUAJÁ

Este artigo é baseado em minha experiência de campo entre os Awá-Guajá, um pequeno grupo falante de uma variante do Tupi-Guarani, habitantes do extremo oriental da Amazônia brasileira. Em busca de uma definição etnográfica sobre o parentesco, o artigo se interessa por questões relativas à figura dos "donos" na Amazônia, propondo um diálogo com um dos aspectos menos abordados do tema, que é a relação deste com a conjugalidade. Argumento que, para os Guajá, relações recortadas como as do universo da "familiarização" e "maestria" são não apenas coextensivas ao campo do parentesco, como também revelam uma concepção muito particular do que seja a relação conjugal. O processo do parentesco awá-guajá, no qual o cônjuge é aquele que é transformado em um através de um sistema de ações bem particulares, só pode ser compreendido se, além do tema da afinidade na Amazônia, articularmos certos aspectos relativos à familiarização e à maestria

Awá-Guajá; Amazônia; Criação; Relação; Parentesco


Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - PPGAS-Museu Nacional, da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ Quinta da Boa Vista s/n - São Cristóvão, 20940-040 Rio de Janeiro RJ Brazil, Tel.: +55 21 2568-9642, Fax: +55 21 2254-6695 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revistamanappgas@gmail.com