Massas de Ovos de Diatraea saccharalis (Fabr.) (Lepidoptera: Pyralidae) em Cana-de-Açúcar: Número de Ovos e Porcentagem de Parasitismo por Trichogramma spp. (Hymenoptera: Trichogrammatidae) em Condições Naturais

Egg Masses of Diatraea saccharalis (Fabr.) (Lepidoptera: Pyralidae) on Sugar Cane: Size and Percentage of Parasitism by Trichogramma spp. (Hymenoptera: Trichogrammatidae) Under Natural Conditions

MAURI LIMA FILHO JOSÉ OSCAR G. DE LIMA Sobre os autores

Resumos

Estudos de campo para avaliar o parasitismo de ovos de Diatraea saccharalis por Trichogramma spp. em cana-de-açúcar exigem, às vezes, infestações artificiais de ovos do hospedeiro. Assim, massas de ovos de populações naturais do inseto foram coletadas para a determinação do número de ovos/massa e do número de ovos parasitados por Trichogramma em cada massa, visando adequar convenientemente a quantidade de ovos de D. saccharalis a ser utilizada por ponto de postura, em infestações artificiais na folha da cana-de-açúcar. As coletas foram realizadas em canaviais comerciais com altas densidades populacionais do hospedeiro e do parasitóide, na região norte dos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Foram analisadas 634 massas (7.621 ovos), das quais 53 (785 ovos) estavam completamente isentas de ovos parasitados e 581 (6.836 ovos) tinham pelo menos 1 ovo parasitado por Trichogramma. Constatou-se que D. saccharalis oviposita em média 11,8±6,3 ovos/massa, com variação de 2 a 37 e maior freqüência de 9 ovos. As massas com ovos parasitados continham em média 11±5,9 ovos parasitados por Trichogramma, com variação de 1 a 35 e maior freqüência de 9 ovos. O número de ovos parasitados/massa apresentou correlação positiva (r = 0,89) com o número de ovos/massa. As massas com ovos parasitados apresentaram a média de 93,3 % de parasitismo. Com base nessas informações, sugere-se que nas infestações artificiais sejam utilizadas massas de ovos do hospedeiro com número de ovos próximos aos valores obtidos em condições naturais.

Insecta; controle biológico; parasitóide; broca-da-cana-de-açúcar; biologia


The parasitism of Diatraea saccharalis (Fabr.) eggs by Trichogramma spp. is usually evaluated in sugar cane fields by employing artificial infestations of the host's egg masses. Thus, the number of eggs/mass and the parasitism of egg masses by Trichogramma spp. was quantified in order to provide a more realistic and accurate evaluation of the parasitism. Samples were taken in sugar cane fields (10 months old) showing a high degree of D. saccharalis infestation. Out of 634 egg-masses collected (7.621 eggs), 53 masses (785 eggs) showed no parasitism, whereas 581 (6.836 eggs) showed at least one egg parasitized. An analysis of all masses collected revealed an average of 11.8 ± 6.3 eggs/mass (mode of 9 eggs/mass and a range from 2 to 37), and 11±5.9 parasitized eggs (93.3% of parasitism, mode of 9 eggs/mass and range from 1 to 35). A high correlation between the number of eggs/mass and the number of parasitized eggs (r = 0.89) was observed.

Insecta; biological control; parasitoid; sugar-cane-borer; biology


a26v30n3

SCIENTIFIC NOTE

Massas de Ovos de Diatraea saccharalis (Fabr.) (Lepidoptera: Pyralidae) em Cana-de-Açúcar: Número de Ovos e Porcentagem de Parasitismo por Trichogramma spp. (Hymenoptera: Trichogrammatidae) em Condições Naturais

MAURI LIMA FILHO1 E JOSÉ OSCAR G. DE LIMA2

1Campus Dr. Leonel Miranda (UFRRJ), Estr. do Açúcar, km 5, Penha,

28020-560, Campos dos Goytacazes, RJ, e-mail: clmufrrj.rol@terra.com.br

2LPP/CCTA/UENF, Av. Alberto Lamego, 2000, 28015-620,

Campos dos Goytacazes, RJ, e-mail: joscar@uenf.br

Egg Masses of Diatraea saccharalis (Fabr.) (Lepidoptera: Pyralidae) on Sugar Cane: Size and Percentage of Parasitism by Trichogramma spp. (Hymenoptera: Trichogrammatidae) Under Natural Conditions

ABSTRACT - The parasitism of Diatraea saccharalis (Fabr.) eggs by Trichogramma spp. is usually evaluated in sugar cane fields by employing artificial infestations of the host's egg masses. Thus, the number of eggs/mass and the parasitism of egg masses by Trichogramma spp. was quantified in order to provide a more realistic and accurate evaluation of the parasitism. Samples were taken in sugar cane fields (10 months old) showing a high degree of D. saccharalis infestation. Out of 634 egg-masses collected (7.621 eggs), 53 masses (785 eggs) showed no parasitism, whereas 581 (6.836 eggs) showed at least one egg parasitized. An analysis of all masses collected revealed an average of 11.8 ± 6.3 eggs/mass (mode of 9 eggs/mass and a range from 2 to 37), and 11±5.9 parasitized eggs (93.3% of parasitism, mode of 9 eggs/mass and range from 1 to 35). A high correlation between the number of eggs/mass and the number of parasitized eggs (r = 0.89) was observed.

KEY WORDS: Insecta, biological control, parasitoid, sugar-cane-borer, biology.

RESUMO - Estudos de campo para avaliar o parasitismo de ovos de Diatraea saccharalis por Trichogramma spp. em cana-de-açúcar exigem, às vezes, infestações artificiais de ovos do hospedeiro. Assim, massas de ovos de populações naturais do inseto foram coletadas para a determinação do número de ovos/massa e do número de ovos parasitados por Trichogramma em cada massa, visando adequar convenientemente a quantidade de ovos de D. saccharalis a ser utilizada por ponto de postura, em infestações artificiais na folha da cana-de-açúcar. As coletas foram realizadas em canaviais comerciais com altas densidades populacionais do hospedeiro e do parasitóide, na região norte dos Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Foram analisadas 634 massas (7.621 ovos), das quais 53 (785 ovos) estavam completamente isentas de ovos parasitados e 581 (6.836 ovos) tinham pelo menos 1 ovo parasitado por Trichogramma. Constatou-se que D. saccharalis oviposita em média 11,8±6,3 ovos/massa, com variação de 2 a 37 e maior freqüência de 9 ovos. As massas com ovos parasitados continham em média 11±5,9 ovos parasitados por Trichogramma, com variação de 1 a 35 e maior freqüência de 9 ovos. O número de ovos parasitados/massa apresentou correlação positiva (r = 0,89) com o número de ovos/massa. As massas com ovos parasitados apresentaram a média de 93,3 % de parasitismo. Com base nessas informações, sugere-se que nas infestações artificiais sejam utilizadas massas de ovos do hospedeiro com número de ovos próximos aos valores obtidos em condições naturais.

PALAVRAS-CHAVE: Insecta, controle biológico, parasitóide, broca-da-cana-de-açúcar, biologia.

Para os estudos da avaliação do parasitismo de ovos fixados artificialmente nas plantas, um dos aspectos importantes é o número de ovos/postura do hospedeiro. Em relação à massa de ovos de Diatraea saccharalis em condições naturais, Caminha Filho (1935) fez referência a grupos de 20 a 40 ovos/massa e Hayward (1943) de 10 a 20 e, raramente, 50 ovos/massa. Todavia, no confinamento de casais do hospedeiro na folha da cana-de-açúcar, em geral, se obtém mais de 100 ovos/massa em um único ponto da folha, bem acima do número de ovos que se observa na massa de ovos de populações naturais do inseto (Michelleti 1987, Lopes 1988, Almeida & Arrigoni 1994, Botelho et al. 1995). Nesse aspecto, a grande concentração de ovos em um único ponto da folha ou o distúrbio causado quando o excesso de ovos é retirado, provavelmente interfere na atratividade e, consequentemente, no comportamento do parasitóide. Assim, massas de ovos de populações naturais de D. saccharalis foram coletadas para a determinação do número de ovos/massa e do número de ovos parasitados por Trichogramma spp. em cada massa, visando adequar convenientemente a quantidade de ovos do hospedeiro a ser utilizada por ponto de postura, em infestações artificiais na folha da cana-de-açúcar, em estudos de parasitismo com Trichogramma.

O estudo foi realizado em 1995, mediante coletas avulsas de massas viáveis de ovos de D. saccharalis em canaviais comerciais, nas fazendas Santa Rita e Periquito das Usinas Santa Cruz e Barcelos, respectivamente, em Campos dos Goytacazes, RJ, e na fazenda Cordanta, da Destilaria DISA, em Conceição da Barra, ES. As coletas foram efetuadas em canaviais desenvolvidos (socas com 10 meses de idade), com altas infestações de ovos de D. saccharalis e parasitismo natural elevado. O critério para a localização das massas de ovos consistiu na procura visual na folhagem das plantas, margeando os talhões. Ao ser localizada na folha, parte do limbo contendo a massa foi recortada e acondicionada em tubo de vidro (8,5 cm de altura x 2 cm de diâmetro). O tubo foi tampado com algodão umedecido internamente, para evitar o ressecamento do material coletado. Em laboratório, as massas foram examinadas sob microscópio estereoscópico para contagem de ovos sadios e parasitados, e verificação diária da emergência e identificação de parasitóides (gênero). Todo o material foi mantido em estufa do tipo BOD a 27 oC e 13h de fotofase. Foram determinados o número de ovos por massa e o número de ovos parasitados por Trichogramma em cada massa. Os dados foram submetidos a análise de correlação linear simples.

Foram analisadas 634 massas de ovos (7.621 ovos), das quais 53 (785 ovos) estavam completamente isentas de parasitismo e 581 (6.836 ovos) tinham pelo menos um ovo parasitado por Trichogramma (Tabela 1). No Estado do Rio de Janeiro (RJ) foram coletadas 318 massas das quais apenas seis não apresentavam parasitismo. No Espírito Santo (ES), das 316 massas coletadas, 47 estavam isentas de parasitismo. As massas com parasitismo totalizaram 6.378 ovos parasitados (Tabela 2). O gênero Trichogramma foi o único encontrado parasitando ovos de D. saccharalis.

O número médio de ovos/massa de D. saccharalis encontrado foi de 11,8, com variação de dois a 37 ovos e maior freqüência de nove ovos (Tabela 3). As médias obtidas nos dois estados foram semelhantes: 11,9 (RJ) e 11,6 ovos/massa (ES).

As massas de ovos parasitadas continham, em média, 11 ovos parasitados por Trichogramma, com variação de um a 35 ovos e maior freqüência de nove ovos (Tabela 3). As médias para os dois estados foram muito próximas: 11,7 (RJ) e 10,2 (ES). O número de ovos parasitados/massa apresentou correlação positiva (r = 0,89) com o número de ovos/massa. Entretanto, deve-se considerar que o parasitóide se encontrava em alta densidade populacional nas áreas de coletas dos ovos. As massas com ovos parasitados apresentaram parasitismo médio de 93,3%.

Com esses resultados, convém ressaltar que na obtenção de ovos com a fêmea de D. saccharalis confinada na folha, para estudos de parasitismo por Trichogramma, várias massas são acumuladas no mesmo ponto, superestimando o número de ovos obtidos por massa em condições naturais e, provavelmente, a capacidade de oviposição de uma fêmea do parasitóide. Em estudos dessa natureza, Lopes (1988) manteve cerca de 100 ovos/ponto após eliminar o excesso. Pelo mesmo processo, Almeida & Arrigoni (1994) obtiveram cerca de 350 a 400 ovos/ponto, confinando dois casais de D. saccharalis por três dias, e Botelho et al. (1995) de 150 a 200 ovos/ponto, utilizando um casal confinado.

O fato de que escamas do corpo de mariposas contêm cairomônios (Lewis et al. 1972) deve ser considerado, já que em condições de confinamento a concentração de escamas dos insetos poderá ser alta no local da oviposição e, provavelmente, afetará o comportamento do parasitóide, em razão da maior concentração de cairomônios. A resposta de Trichogramma a escamas dos hospedeiros parece ser um fenômeno geral (Noldus 1989). A retirada do excesso de ovos também não deve ser uma prática conveniente, porque substâncias voláteis liberadas de ovos danificados poderiam interferir no comportamento do parasitóide e, até mesmo, no comportamento de outros artrópodes (predadores). Possivelmente, uma alternativa seria a utilização de fêmeas de D. saccharalis acasaladas, que tenham depositado grande parte da sua carga de ovos em laboratório, e, posteriormente, o seu confinamento no campo.

Em condições naturais, D. saccharalis oviposita, aproximadamente, 12 ovos por massa de ovos, com variação de dois a 37 ovos, em cana-de-açúcar. Em altas densidades populacionais do hospedeiro e do parasitóide, Trichogramma parasita a quase totalidade dos ovos da massa, independente do seu tamanho. Assim, sugere-se que, nas infestações artificiais em cana-de-açúcar, visando a estudos de parasitismo por Trichogramma, sejam utilizadas quantidades de ovos próximas aos valores obtidos em condições naturais.

Agradecimentos

Às Usinas Santa Cruz e Barcelos e à Destilaria Itaúnas SA (DISA) pela colaboração nos trabalhos de campo.

Literatura Citada

Received 27/XII/99. Accepted 23/VIII/01.

  • Almeida, L.C. de & E. De B. Arrigoni. 1994. Controle da broca da cana-de-açúcar, Diatraea saccharalis, com o parasitóide de ovos Trichogramma galloi Seminário Copersucar de Tecnologia Agronômica 183: 191.
  • Botelho, P.S.M., J.R.P. Parra, E.A. Magrini, M.L. Haddad & L.C.L. Resende. 1995. Parasitismo de ovos de Diatraea saccharalis (Fabr.) por Trichogramma galloi Zucchi, em diferentes variedades de cana-de-açúcar. An. Soc. Entomol. Brasil 24: 141-145. 
  • Caminha Filho, A. 1935. A broca da canna de açúcar (Diatraea saccharalis, Fabricius) universalmente conhecido como o insecto que maior damno causa a' indústria açucareira. Brasil Açucareiro 5: 3-14.
  • Hayward, K.J. 1943. A broca da cana de açúcar. Brasil Açucareiro 22: 69-74.
  • Lewis, W.J., R.L. Jones & A.N. Sparks. 1972 A host-seeking stimulant for the egg parasite Trichogramma evanescens: Its source and a demonstration of its laboratory and field activity. Ann. Entomol. Soc. Am. 65: 1087-1089.
  • Lopes, J.R.S. 1988. Estudos bioetológicos de Trichogramma galloi Zucchi, 1988 (Hym.: Trichogrammatidae) para o controle de Diatraea saccharalis (Fabr., 1794) (Lep.: Pyralidae). Tese de mestrado, ESALQ/USP, 141p.
  • Micheletti, S.M.F.B. 1987. Distribuição espacial e temporal de ovos de Diatraea saccharalis (Fabr., 1794) (Lep.: Pyralidae) e seu parasitismo por Trichogramma sp. (Hym: Trichogrammatidae). Tese de mestrado, ESALQ/USP, Piracicaba, 95p.
  • Noldus, L.P.J.J. 1989 Semiochemicals, foraging behaviour and quality of entomophagous insects for biological control. J. Appl. Entomol. 108:425-451.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    17 Jun 2002
  • Data do Fascículo
    Set 2001

Histórico

  • Aceito
    23 Ago 2001
  • Recebido
    27 Dez 1999
Sociedade Entomológica do Brasil Sociedade Entomológica do Brasil, R. Harry Prochet, 55, 86047-040 Londrina PR Brasil, Tel.: (55 43) 3342 3987 - Londrina - PR - Brazil
E-mail: editor@seb.org.br