Resistência a inseticidas em populações argentinas de Tuta absoluta (Meyrick) (Lepidoptera: Gelechiidae)

A traça-do-tomateiro, Tuta absoluta (Meyrick), é uma das pragas chaves no tomateiro na Argentina. O controle químico tem sido o principal método de controle empregado a partir da sua dispersão nos anos 70. Contudo, tem-se observado uma redução na eficácia de alguns dos inseticidas recomendados a partir da década de 80. O objetivo deste trabalho foi estudar a toxicidade de três inseticidas amplamente usados no controle químico de T. absoluta (abamectina, deltametrina e metamidofós) em larvas de uma população susceptível de laboratório (CASTELAR) e duas populações colectadas em casa de vegetação (ROSARIO e BELLA VISTA). Inseticidas foram diluídos em acetona e aplicados topicamente na região dorsal mediana do abdome de larvas no segundo dia do quarto estágio larval. Para cada inseticida estimou-se o LD50 e calculou-se o Nível de Resistência (NR = LD50 de cada população de casa de vegetação/LD50 população de laboratório). As populações de ROSARIO e BELLA VISTA mostraram os seguintes NRs: > 68.38 para deltametrina; 2.48 e 3.49 para abamectina, respetivamente; e 0.79 e 0.86 para metamidofós, respetivamente. A resistência a deltametrina observada em ROSARIO pode ser resultante da alta pressão seletiva exercida pelos piretróides nessa localidade. A resistência incipiente a abamectina detectada em BELLA VISTA pode ter sido causado pelo uso freqüente do inseticida nessa localidade ou pode estar associada à variação natural.

Traça-do-tomateiro; deltametrina; abamectina; metamidofós; resistência a inseticidas


Sociedade Entomológica do Brasil Sociedade Entomológica do Brasil, R. Harry Prochet, 55, 86047-040 Londrina PR Brasil, Tel.: (55 43) 3342 3987 - Londrina - PR - Brazil
E-mail: editor@seb.org.br