“MOSCOU”: O encontro marcado entre Coutinho e Tchekhov e a construção de uma estética distópica

“Moscou”: The Encounter between Coutinho and Tchekhov, and the Construction of a Dystopic Aesthetics

MARCO ANTONIO GONÇALVES Sobre o autor

RESUMO

Este artigo examina Moscou, filme de Eduardo Coutinho, aproximando-o, a partir de conexões conceituais, filosóficas e estéticas, a questões da mesma ordem propostas pelo teatro de Tchekhov. Moscou revela-se um metafilme, momento de explicitação de um método de reflexão, uma epistemologia da obra cinematográfica de Coutinho. Ao centrar a discussão sobre uma estética distópica, explora a construção da reflexividade, do antinaturalismo, da vida enquanto drama e do aspecto cósmico da interioridade.

PALAVRAS-CHAVE:
Tchekhov; documentário; antinaturalismo; reflexividade

Centro Brasileiro de Análise e Planejamento Rua Morgado de Mateus, 615, CEP: 04015-902 São Paulo/SP, Brasil, Tel: (11) 5574-0399, Fax: (11) 5574-5928 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: novosestudos@cebrap.org.br