"Pode chegar, freguês": a cultura organizacional do mercado público de Porto Alegre

Resumos

Esta pesquisa focalizou o Mercado Público de Porto Alegre e, ao procurar desvendar a cultura organizacional desse locus, identificou as peculiaridades inerentes a fatores históricos, míticos e religiosos ligados ao modo de ser porto-alegrense e que se revelam na administração das lojas do Mercado, evidenciando significados que unem o sagrado e o profano, o público e o privado, a tradição e a modernidade, o comércio e a afetividade. Através do método etnográfico, com a ida a campo entre agosto de 2000 e janeiro de 2001, identificou-se a representação do Mercado como um avô, que afaga os netos, conta-lhes histórias, é permissivo em relação a certas brincadeiras e, por mais afeito que seja às mudanças, possui hábitos arraigados ao longo do tempo de uma vida que precisam ser respeitados. O atendimento personalizado, que poderia ser impessoal, confere a esse espaço uma significação de casa. A significação "shopping de pobre" reflete a ambigüidade de um espaço higienizado pelo Poder Público, mas que ainda exala os odores fortes das iguarias populares. A representação que identifica o Mercado como um "refúgio" traz à lembrança um tempo que passa mais lento, o tempo dos antigos armazéns, onde a venda a granel e o uso do barbante para fechar o pacote faziam parte do cotidiano.


This research focused on the Public Market of Porto Alegre and, in seeking to find out the organizational culture of this locus, it identified the peculiarities inherent to historical, mythical and religious factors related to the citizens way of being. These factors reveal themselves on the market stores administration, portraying significances that bond the sacred and the profane, the public and the private, the traditional and the new, the trade and the affectivity. Through the ethnographic method, with the fieldwork from August, 2000 to January, 2001, it was found that the market represents the figure of a "grandfather", that cuddles his grandchildren, tells them stories and is permissive as regards to certain games, although, as much familiar to changes as he might be, he has habits acquired along a lifetime that need to be respected. The customized service, which could be impersonal, confers a significance of home upon the place. The signification "mall of the poor" reflects the ambiguity of a space whose hygiene is made by the Estate, but still exhales the strong smells of the popular delicatessen items. The representation that identifies the Market as a refuge, recalls a time that runs slowly, the time of the old grocery stores, when the wholesale and the package closed by strings were a part of the day.


"Pode chegar, freguês": a cultura organizacional do mercado público de Porto Alegre1 1 Este trabalho, em uma versão um pouco mais ampliada, foi vencedor do Prêmio Top Ser Humano/ 2002 da ABRH-RS, categoria profissional. A pesquisa contou com recursos do CNPq, da FAPERGS e da PROPESQ/UFRGS

Neusa Rolita Cavedon

Profª do PPGA/UFRGS

RESUMO

Esta pesquisa focalizou o Mercado Público de Porto Alegre e, ao procurar desvendar a cultura organizacional desse locus, identificou as peculiaridades inerentes a fatores históricos, míticos e religiosos ligados ao modo de ser porto-alegrense e que se revelam na administração das lojas do Mercado, evidenciando significados que unem o sagrado e o profano, o público e o privado, a tradição e a modernidade, o comércio e a afetividade. Através do método etnográfico, com a ida a campo entre agosto de 2000 e janeiro de 2001, identificou-se a representação do Mercado como um avô, que afaga os netos, conta-lhes histórias, é permissivo em relação a certas brincadeiras e, por mais afeito que seja às mudanças, possui hábitos arraigados ao longo do tempo de uma vida que precisam ser respeitados. O atendimento personalizado, que poderia ser impessoal, confere a esse espaço uma significação de casa. A significação "shopping de pobre" reflete a ambigüidade de um espaço higienizado pelo Poder Público, mas que ainda exala os odores fortes das iguarias populares. A representação que identifica o Mercado como um "refúgio" traz à lembrança um tempo que passa mais lento, o tempo dos antigos armazéns, onde a venda a granel e o uso do barbante para fechar o pacote faziam parte do cotidiano.

ABSTRACT

This research focused on the Public Market of Porto Alegre and, in seeking to find out the organizational culture of this locus, it identified the peculiarities inherent to historical, mythical and religious factors related to the citizens way of being. These factors reveal themselves on the market stores administration, portraying significances that bond the sacred and the profane, the public and the private, the traditional and the new, the trade and the affectivity. Through the ethnographic method, with the fieldwork from August, 2000 to January, 2001, it was found that the market represents the figure of a "grandfather", that cuddles his grandchildren, tells them stories and is permissive as regards to certain games, although, as much familiar to changes as he might be, he has habits acquired along a lifetime that need to be respected. The customized service, which could be impersonal, confers a significance of home upon the place. The signification "mall of the poor" reflects the ambiguity of a space whose hygiene is made by the Estate, but still exhales the strong smells of the popular delicatessen items. The representation that identifies the Market as a refuge, recalls a time that runs slowly, the time of the old grocery stores, when the wholesale and the package closed by strings were a part of the day.

Texto completo disponivel apenas em PDF.

Full text avaliable only in PDF.

  • AKTOUF, Omar. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, Jean-François. O indivíduo na organização. São Paulo: Atlas, 1994.
  • BARBOSA, Lívia. Cultura Administrativa: uma nova perspectiva das relações entre antropologia e administração. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n. 4. p. 6-19, out./nov./dez. 1996.
  • CALDAS, Miguel P. Santo de casa não faz milagre: condicionantes nacionais e implicações organizacionais da fixação brasileira pela figura do "estrangeiro". In: MOTTA, Fernando Prestes; CALDAS, Miguel P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.
  • COLBARI, Antônia de Lourdes. Imagens familiares na cultura das organizações. In: DAVEL, Eduardo e VASCONCELOS, João. Recursos Humanos e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 1996.
  • CORREA, Norton. Os vivos, os mortos e os Deuses: um estudo antropológico sobre o batuque no Rio Grande do Sul, 1988. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre.
  • DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.
  • ______. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1991.
  • DANTAS, Marcelo. Gestão, cultura e leadership-o caso de três organizações afrobaianas. In: FISCHER, Tânia. Gestão Contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: FGV, 1996.
  • ENRIQUEZ, Eugène. Como estudar organizações locais. In: FISCHER, Tânia. Gestão Contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: FGV, 1996.
  • FISCHER, Tânia. A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais- Salvador da Bahia, cidade puzzle. In: MOTTA, Fernando Prestes e CALDAS, Miguel P.. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo, Atlas, 1997.
  • FISCHER, Tânia; DIAS, Tânia Maria da Cunha. O negócio do acarajé e sua liderança mítica. In: 22.° ENANPAD. Foz do Iguaçu, 1998.
  • FISCHER, Tânia; MCALLISTER, Mônica. Nota técnica: jogando com cultura organizacional. In: CLEGG, Stewart; HARDY, Cynthia; NORD, Walter (org.). In: Handbook de estudos organizacionais. CALDAS, Miguel; FACHIN, Roberto; FISCHER, Tânia (org. da edição brasileira). São Paulo: Atlas, 1999 (no prelo) vol. II
  • FISCHER et alii. Em nome de Deus, uma ordem na pólis: O Mosteiro de São Bento. In: Organizações e Sociedade. Salvador, v.1, n.1, dez.1993.
  • ______. Centro Histórico de Salvador: a gestão em parceria de novos tempos e novos espaços. In: FISCHER, Tânia. Gestão Contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro, FGV, 1996.
  • FOOTE-WHYTE, Wiliam. Treinando a observação participante. In: GUIMARÃES, Alba Zaluar. Desvendando máscaras sociais. Rio de Janeiro: Forense,1995.
  • FREITAS, Maria Ester. Cultura organizacional: formação, tipologias e impactos. São Paulo: Makron Books, 1991.
  • _________________. Cultura organizacional: o doce controle no clube dos raros. In: MOTTA, Fernando e CALDAS, Miguel. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.
  • FREITAS, Alexandre Borges de. Traços brasileiros para uma análise organizacional. In: MOTTA, Fernando; CALDAS, Miguel. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.
  • GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
  • LUPPI, Galvani. Cultura Organizacional; passos para a mudança. Belo Horizonte: Luzazul, 1995.
  • MALINOWSKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
  • MERCADO. http://www.mercadopublico.com.br/logo.htm
  • MORGAN, Gareth. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.
  • MOTTA, Fernando. Cultura nacional e cultura organizacional. In: DAVEL, Eduardo e VASCONCELOS, João. Recursos Humanos e subjetividade. Petrópolis: Vozes, 1996.
  • ___________________. Cultura e organizações no Brasil. In: MOTTA, Fernando; CALDAS, Miguel. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997
  • NAVAL, Paulo e MORAES, Paulo Ricardo. O garçom e o cliente - no balcão do Naval. Porto Alegre: Ponto Negro Brasileiro, 1999.
  • NOGUEIRA, Adalberto Pernambuco. O Mercado e os orixás. In: Mercado Público 1869-1996. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, s/d.
  • PEIRANO, Mariza G. S.. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.
  • PETTIGREW, Andrew M. On studying organizational cultures. Administrative Science Quartely. Cornell, Cornell University, v. 24 n. 3: p. 570-81, Dec. 1979.
  • PRATES, Marco Aurélio Spyer; BARROS, Betânia Tanure de. O estilo brasileiro de administrar: sumário de um modelo de ação cultural brasileiro com base na gestão empresarial. In: MOTTA, Fernando e CALDAS, Miguel. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.
  • SANTOS, Jair Nascimento. Paratodos Bahia: uma organização no jogo do bicho. Organizações e Sociedade. Salvador, v.3, n.6, jun.1996.
  • SCHEIN, Edgar H.. Coming to a new awareness of organizational culture. Sloan Management Rewiew. 1984.
  • SIQUEIRA, Maria de Lourdes. "Agô Agô Lonan": Mitos, Ritos e Organizações em Terreiros de Candomblé na Bahia. Anais do 17.° ENANPAD. Salvador, !993.
  • ____________________. Ancestralidade e contemporaneidade de organizações de resistência afro-brasileira. In: FISCHER, Tânia. Gestão Contemporânea: cidades estratégicas e organizações locais. Rio de Janeiro: FGV, 1996.
  • THÉVENET, Maurice. A cultura de empresa hoje em dia. In: Revista de Administração. São Paulo, v. 26, n. 2, p. 32-9, abr.-jun.1991.
  • VERGARA, Sylvia et alii. A cultura brasileira revelada no barracão de uma escola de samba: o caso da Família Imperatriz. In: MOTTA, Fernando Prestes; CALDAS, Miguel P.. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

  • 1
    Este trabalho, em uma versão um pouco mais ampliada, foi vencedor do Prêmio Top Ser Humano/ 2002 da ABRH-RS, categoria profissional. A pesquisa contou com recursos do CNPq, da FAPERGS e da PROPESQ/UFRGS

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    31 Out 2014
  • Data do Fascículo
    Abr 2004
Escola de Administração da Universidade Federal da Bahia Av. Reitor Miguel Calmon, s/n 3o. sala 29, 41110-903 Salvador-BA Brasil, Tel.: (55 71) 3283-7344, Fax.:(55 71) 3283-7667 - Salvador - BA - Brazil
E-mail: revistaoes@ufba.br