Afetividade no Território Quilombola: uma Práxis Possível da Psicologia

Affects in Quilombola Territory: a Possible Praxis for Psychology

Afectividad en el Territorio Quilombola: una Posible Praxis de la Psicología

Ana Flávia de Sales Costa Odair José Câmara Edmundo Sobre os autores

Resumo

O presente artigo originou-se de uma pesquisa de doutoramento no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas), na qual buscamos compreender de que maneira ampliar a potência de crianças e jovens enquanto sujeitos políticos em uma comunidade quilombola. A vertente teórica que guiou tal estudo foi a psicologia sócio-histórica. A metodologia foi a de pesquisa-intervenção psicossocial, realizada por meio de observações e rodas de conversa com 14 crianças e jovens entre 7 e 18 anos de idade, de Lagoa Trindade, localizada em Jequitibá, interior de Minas Gerais (Brasil). A comunidade quilombola pôde ser compreendida pela lógica dos afetos que circulam no território, levando-se em consideração a interlocução das relações raciais que permeiam os sujeitos políticos. Para além das limitações trazidas por uma desigualdade racial estrutural em nossa sociedade, que reproduz e sustenta lugares de privilégio e de exclusão, é necessário criarmos estratégias de fortalecimento da potência de vida que circula entre os povos negros, advinda de uma história de luta e de perseverança. Tal compreensão da potência política presente no território quilombola mostra-se um caminho privilegiado para atuação da psicologia.

Palavras-chave:
Comunidade Quilombola; Afetividade; Território; Psicologia; Intervenção Psicossocial

Conselho Federal de Psicologia SAF/SUL, Quadra 2, Bloco B, Edifício Via Office, térreo sala 105, 70070-600 Brasília - DF - Brasil, Tel.: (55 61) 2109-0100 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: revista@cfp.org.br