Accessibility / Report Error

Novos caminhos para a psicologia do trânsito

Resumos

Pretendemos nestertigo fornecer algumas informações a respeito do 37º Congresso de Psicologia de Trânsito em Braunschweig (Alemanha) em setembro de 1998. Alguns pontos importantes foram: a presença maciça de psicólogos de sexo masculino, mais ou menos 4/5, o caráter interdisciplinar, a extensão para todas as modalidades de trânsito , o elevado número de professores universitários apresentando trabalhos, a apresentação de um bom número de novos testes, especialmente o modelo multiteste por computador acoplado a simulador pelo VerkehrsKuratorium de Viena, a ênfase sobre a terapia comportamental para condutores com follow-up de vários anos, a apresentação de psicologia de trânsito por Internet e a insistência nos meios para conseguir uso mais intensivo do transporte coletivo bem como a educação para condutores agressivos e estressados. Além disto, chamou a atenção o excelente material didático do Centro Educacional de Trânsito da próprias cidade de Braunschweig. Merece menção que também Alemanha ganhou seu novo Código de Trânsito em dezembro de 1997.

Psicologia de trânsito; Terapia de trânsito; Testes para condutores


This paper pretends to provide some informations about the 37th Congress of Traffic Psychology at Braunschweig - Germany - September 1998. Some important points were: the massive presence of male psychologists, about 4/5, the interdisciplinar trend, the treatment of all modalities of traffic and transport, the high number of university professors presenting papers, the presentation of various new driver-tests particularly a multitest computer aided model with simulation by the Wiener VerkehrsKuratorium, emphasis on behavior psychotherapy for drivers, with a follow-up of several years, the presentation of traffic psychology on Internet, insistence on strategies to extend the use of public transport, and education for agressive and stressed drivers. Besides these Congress subjects the fine educational editions of the Traffic Education Center for the city of Braunschweig merits full attention. It was mentioned also that Germany received its new Traffic Code December 1997.

Traffic psychology; Driver psychotherapy; Driver tests


ARTIGOS

Novos caminhos para a psicologia do trânsito

Reinier Johannes Antonius Rozestraten* * Prof.Titular em Psicologia de Trânsito USP.

Universidade de São Paulo

Endereço para correspondência Endereço para correspondência Dr.Reinier Johannes Antonius Rozestraten Rua Flávio de Matos 74 - Bairro Monte Líbano 79004-580 Campo Grande-MS E-mail: reinierr@terra.com.br

RESUMO

Pretendemos nestertigo fornecer algumas informações a respeito do 37º Congresso de Psicologia de Trânsito em Braunschweig (Alemanha) em setembro de 1998. Alguns pontos importantes foram: a presença maciça de psicólogos de sexo masculino, mais ou menos 4/5, o caráter interdisciplinar, a extensão para todas as modalidades de trânsito , o elevado número de professores universitários apresentando trabalhos, a apresentação de um bom número de novos testes, especialmente o modelo multiteste por computador acoplado a simulador pelo VerkehrsKuratorium de Viena, a ênfase sobre a terapia comportamental para condutores com follow-up de vários anos, a apresentação de psicologia de trânsito por Internet e a insistência nos meios para conseguir uso mais intensivo do transporte coletivo bem como a educação para condutores agressivos e estressados. Além disto, chamou a atenção o excelente material didático do Centro Educacional de Trânsito da próprias cidade de Braunschweig. Merece menção que também Alemanha ganhou seu novo Código de Trânsito em dezembro de 1997.

Palavras-chave: Psicologia de trânsito, Terapia de trânsito, Testes para condutores.

ABSTRACT

This paper pretends to provide some informations about the 37th Congress of Traffic Psychology at Braunschweig – Germany – September 1998. Some important points were: the massive presence of male psychologists, about 4/5, the interdisciplinar trend, the treatment of all modalities of traffic and transport, the high number of university professors presenting papers, the presentation of various new driver-tests particularly a multitest computer aided model with simulation by the Wiener VerkehrsKuratorium, emphasis on behavior psychotherapy for drivers, with a follow-up of several years, the presentation of traffic psychology on Internet, insistence on strategies to extend the use of public transport, and education for agressive and stressed drivers. Besides these Congress subjects the fine educational editions of the Traffic Education Center for the city of Braunschweig merits full attention. It was mentioned also that Germany received its new Traffic Code December 1997.

Keywords: Traffic psychology, Driver psychotherapy, Driver tests.

O 37º Congresso de Psicologia de Trânsito organizado pelas Seções de psicólogas e psicólogos profissionais de Psicologia de Trânsito da Alemanha (BDP), da Áustria (BÖP) e da Federação de Psicólogas e Psicólogos da Suíça (FSP) realizou-se em Braunschweig na Alemanha, de 14 a 16 de setembro de 1998. Foi freqüentado por cerca de trezentos participantes de vários países e apresentaram-se mais de 110 trabalhos.

É interessante dar destaque para o fato de que a Associação Profissional das Psicólogas e dos Psicólogos na Alemanha, data de 1946, logo depois da II Guerra Mundial e que fazem questão de mencionar sempre esta distinção entre mulheres e homens. Com seus congressos anuais ou bianuais, eles realizaram, em 1998, já o 37º Congresso de Psicologia de Trânsito.

Neste Congresso houve alguns pontos que merecem destaque:

• A presença maciça do sexo masculino: alemães, austríacos e suíços que se dedicam à Psicologia do Trânsito. Do total de participantes e apresentadores 4/5 era constituído de homens e 1/5 de mulheres, porém elas contribuíram com apresentações importantes , como entre outras, a Dra. Birgit Bukasa do Kuratorium für Verkehrssicherheit de Viena.

• O interesse não se restringiu à segurança na estrada, mas englobava também a segurança da ferrovia, na hidrovia e nas aerovias. A razão alegada foi de aproveitar o conhecimento já adquirido pelos estudos de segurança e acidentes numa área para as outras áreas. Por isso, o lema do Congresso foi: A Psicologia do Trânsito em novos caminhos: desafios da estrada, da água, do ar e dos trilhos. Vimos a mesma tendência no II Congresso Internacional de Segurança de Transportes que houve em fevereiro do mesmo ano na cidade de Delft na Holanda. Com isto, ficou claro, que a organização desses congressos, não quer ver o Psicólogo do Trânsito restrito a segurança dos automóveis, mas que ele deve estudar também os comportamentos humanos nos navios, trens, bondes, e aviões.

• Houve preocupação da comissão organizadora do Congresso, em torná-lo interdisciplinar. Por isso se homenageou o Dr Hans Jürgen Bode, conhecido jurista no que se refere a questões de trânsito. Também houve a apresentação de vários trabalhos de urbanistas e engenheiros de tráfego.

• Outro aspecto relevante foi a quantidade de trabalhos apresentados por professores universitários, o que demonstra que a preocupação com os problemas do trânsito já faz parte do meio universitário, pois existem núcleos de estudo e centros de pesquisa nas diversas ciências e profissões ligados ao trânsito. Estão convencidos, de que os diversos aspectos do trânsito: jurídico, ergonômico, psicológico, social, médico, pedagógico, estatístico e administrativo, e de engenharia, devem ser estudados por profissionais especializados.

Infelizmente, no Brasil os corpos dirigentes e docentes das universidades ainda não se convenceram que o problema do trânsito, é um problema interdisciplinar que não poderá ser resolvido apenas pela Engenharia de Tráfego. Diversos aspectos ligados ao trânsito, como os citados acima, são de suma importância para equacionar a problemática do trânsito.

• Sem dúvida foram de interesse mundial os diversos temas abordados: o diagnóstico, álcool e drogas, a organização do trânsito, a tecnologia moderna, a reconstrução de acidentes, a avaliação, o diagnóstico por computador, internet, seguro/marketing, e educação para o trânsito, consultoria, reabilitação, mobilidade, desenvolvimento da legislação e trânsito e idoso. Estes mesmos assuntos , poderiam também figurar num congresso de Psicologia do Trânsito no Brasil, pois o problema trânsito é mundial. Eles não são novos, a diferença está na seriedade com que esses temas são trabalhados e estudados nesses países.

Achamos interessante que, além dos exames médico e psicológico por meio de testes, existe na Alemanha um crescente desenvolvimento de uma área chamada “Terapia de Trânsito” sobre o qual houve uma exposição detalhada no Anuário de 1997, proveniente do consultório de Psicologia de Trânsito de Braunschweig. A terapia de trânsito não é só um curso para infratores mas uma seqüência de horas terapêuticas para os motoristas que experimentam dificuldades em evitar as infrações, especialmente em relação ao uso de álcool e drogas. Os psicólogos de trânsito colocam como meta de seu trabalho : evitar as futuras infrações no trânsito.

De que modo é realizado?

A discussão do problema ocorre em conversas individuais com um psicólogo qualificado como terapeuta, com uma separação clara entre as funções terapêuticas e as de habilitação. Detalhes das conversas não entram no relatório final. A terapia de abordagem comportamental, é continuada até que, na opinião do terapeuta, é improvável qualquer recaída em modelos antigos e errados de comportamento. Na média, uma terapia tem a duração de 20 sessões, divididas sobre seis meses. Esta terapia não é exclusiva para infratores e também pode ser utilizada para candidatos a primeira habilitação.

A Terapia de Trânsito está entre a pedagogia de trânsito que é dirigida a grupos e a psicoterapia clássica que abrange um alvo mais extenso. Dessa forma, as pessoas aceitam com mais facilidade a terapia de trânsito , porque é algo mais limitado, mesmo que depois observem a exigência da modificação de atitude perante a vida . Depois da própria terapia há um follow-up do cliente de pelo menos uns três anos.

Tudo isto poderá mostrar que o psicólogo de trânsito não precisa viver apenas da aplicação e interpretação de testes, há técnicas mais humanas, mais funcionais e mais efetivas para utilizarmos o nosso conhecimento psicológico. Não é por isso que precisamos jogar os testes fora, porém, pelo menos, devemos questionar sua fidedignidade e validade em relação ao motorista. Será que depois de ter declarado o candidato como “inapto” nosso conhecimento psicológico não pode fazer algo mais positivo para ele?

Para poder dirigir caminhões e veículos de maior porte na Alemanha, são exigidos alguns testes psicológicos como: resistência ao estresse, capacidade de orientação espacial, de concentração, de atenção e de reação.

Durante todo o Congresso houve demonstração em stands sobre aparelhos que permitem aplicar estes testes via computador, de fabricação Schuhfried, com sede em Potsdam (Wiener Testsystem) e atuando nos países de língua germânica. Os comandos e os problemas são oferecidos na tela do monitor e o candidato tem que responder num teclado especial. Na prova de resistência ao estresse ele tem que apertar botões da mesma cor que aparece na tela do monitor, porém, a rapidez da apresentação está continuamente aumentando de modo que começam entrar falhas, erros e omissões, indicando que o candidato não consegue mais enfrentar as exigências do ambiente experimental.

É bom deixar claro que na Alemanha não se aplicam testes de personalidade para habilitação ao trânsito. Conforme me informou o organizador do Congresso e dono de uma clínica de Psicologia de Trânsito, foram realizados diversos estudos sobre a correlação de características de personalidade e o envolvimento em acidentes, os resultados sempre foram negativos ou não significativos. Além disto, há o aspecto que um teste de personalidade revela muito mais traços do que é necessário para conceder uma CNH. A convicção na Alemanha é que deve-se proteger a privacidade, ela não deve ser invadida, a não ser por razões cientificamente ou moralmente válidos.

No entanto, na Universidade de Friburgo, na Suíça, o pensamento dominante é que a personalidade pode constituir um fator importante na causalidade de infrações e crimes de trânsito. Tanto que mostraram-se interessados em conhecer o P.M.K., pois para eles, este teste não verbal, facilita a aplicação neste país, onde existem quatro línguas, além da invasão crescente de pessoas de idiomas estrangeiros, muitos delas analfabetos ou de baixo nível de instrução.

Um avanço na aplicação dos testes por computador, foi apresentado pela Dra. Birgit Bukasa, do Instituto de Segurança de Trânsito de Viena. Esta instituição trabalha há mais de 16 anos no desenvolvimento de uma nova geração de aparelhos de testes psicológicos. Sua contribuição se concentra no estudo de validação, em que foram submetidos ao teste em questão, 120 candidatos a CNH. Ao lado da aplicação dos testes ART 2020 na área da inteligência, percepção visual, capacidade de reação, resistência ao estresse e da concentração como preditores, foi realizada uma observação padronizada dos comportamentos no trânsito. Os resultados deste estudo de validação, resultam em múltiplas relações estatisticamente significativas, entre os preditores e os critérios, que confirmam a capacidade de decisão do novo instrumento, para a avaliação da capacidade de dirigir do candidato. O aparelho, uma espécie de box, é provido de duas telas, uma tela horizontal que é usada para respostas às questões enquanto uma tela vertical é usada para apresentar os problemas e também para mostrar as cenas de um vídeo de simulação. Pode se adaptar um volante na frente do aparelho que já possui pedais, de modo que possa ser transformado num simulador para estudar as reações dos motoristas a diversas situações de trânsito, inclusive, para verificar o conhecimento operacional das normas de trânsito. Houve grande interesse dos participantes do Congresso nesse aparelho.

Outra exposição que atraiu bastante o interesse dos participantes, foi sobre o Internet. Fiquei um tanto surpreso de ver, que poucos psicólogos de trânsito são navegadores na Internet nesta área. Somente alguns tinham experiência neste campo. Quem acessar a Internet no Traffic Psychology, encontrará mais de 660 referências.

É impossível mencionar todos os assuntos que foram tratados, no entanto, vários deles , podem servir como estímulo para os Congressos no Brasil ou para pesquisas, tais como:

1) Quais as exigências que os usuários de carros particulares fazem ao transporte coletivo para que mudem para esta modalidade.

2) Diferenciação na avaliação da influência de drogas e álcool no trânsito urbano.

3) Percepção de riscos de direção por parte de consumidores de drogas.

4) Instrumentos de diagnose numa terapia psicológica individual de trânsito.

5) Atitudes de crianças e jovens em relação ao transporte coletivo público.

6) Métodos de investigação dos resultados na promoção da segurança de trânsito.

7) Meios para aumentar a cooperação dos clientes numa conversa de avaliação psicológica.

8) Exigências de diagnóstico sob o aspecto de segurança de qualidade.

9) Aconselhamento Psicológico no Trânsito, tipos de terapia de trânsito.

10) Um programa educativo para motoristas agressivos e estressados.

Apresentamos neste Congresso, um trabalho realizado sobre os dados de uma pesquisa da Dra. Raquel Alves dos Santos, realizada em Ribeirão Preto(S.P.), comparando o conhecimento de placas de trânsito em motoristas que trafegam nas estradas indo para o campo a fim de apanhar cana de açúcar e levar para a usina e em motoristas que dirigem grandes percursos. Foi verificado que os primeiros conhecem mais nomes de placas, já os motoristas de longas distâncias, por seu contato com a realidade da estrada, conhecem muito mais o significado, principalmente, das placas de advertência.

Fora do Congresso, numa visita a Editora “Rot, Gelb, Grün” (vermelho, amarelo e verde) em Braunschweig, tive a oportunidade de ver a enorme riqueza de material didáticopedagógico de primeiro mundo, elaborado por esta cidade e só para ela: livros e materiais muito bem produzidos, com uma apresentação primorosa. Infelizmente para o Brasil é uma utopia, principalmente, quando a recessão e o corte de verbas para a educação, faz parte do nosso cotidiano. Mostraram-me material farto e excelente para a educação para o trânsito, desde o maternal, jardim I, II e alfabetização, bem como um grosso caderno colecionador com a educação para o futuro ciclista. Infelizmente não seria muito interessante adquirir esse material, por vários motivos: primeiro, porque as realidades do trânsito são um tanto diferentes, e segundo, a formação dos próprios professores brasileiros é diferente e muitos deles se questionam, se a tarefa de educar para o trânsito é de responsabilidade deles, como se o trânsito não fizesse parte da formação de um cidadão!

Estamos tentando trazer ao Brasil, o Dr. Ralf Risser, professor da Universidade de Viena, que também é pesquisador em Psicologia da Universidade de Lund na Suécia. Ele é fundador do Instituto Factum: Análises Sociais e Científicas e Pesquisa de Trânsito, participando atualmente em sete projetos europeus de trânsito, e colaborador da European Federation of Profissional Psychologiststs Associations-EFPPA. Se viabilizarmos sua vinda, apresentará além de novos testes, novas técnicas comprovadas de modificação de comportamento em motoristas infratores, bem como os assuntos pesquisados atualmente na Europa.

Valeu a pena ver e ouvir e eu quis comunicar isto aos meus irmãos psicólogos de trânsito no Brasil, para suscitar algumas idéias novas, e espero que com esse artigo as idéias floresçam e deêm bons frutos.

Recebido em 29/10/98

Aprovado em 22/09/00

  • Bundesvereinigung der Fahrlehrerverbände e.V.(1998) Strassenverkehrsgesetz (StVG) in der Beschlussfassung vom 19.12.1997, München: Studienstelle der Bundesvereinigung der Fahrlehrerverbände e.V.
  • Bundesgesetzblatt (Teil I Nr.55) (1998) Verordnung über die Zulassung von Personen zum Strassenverkehr und zur Änderung strassenverkehrsrechtlicher Vorschriften, vom 18. August 1998, Bonn: Deutscher Bundes-Verlag
  • Meyer-Gramcko,F. & Sohn,J-M (1998). Jahresbericht 1997, Braunschweig: Verkehrpsychologische Praxis.
  • Meyer-Gramcko,F (1998) Verkehrspsychologie auf neuen Wegen: Herausforderungen von Strasse, Wasser, Luft und Schiene, Abstectband, Braunschweig . 37. BDP Kongress für Verkehrspsychologie,
  • Rot-Gelb-Grün (1998) , Verkehrserziehung Medienkatalog ‘98, 40 Jahre Rot-Gelb-Grün, Braunschweig: Rot,Gelb-Grün, Lehrmittel GmbH & Co. Verlagsgesellschaft
  • Schuhfried, G. (1998) Verkehrspsychologische testbatterie, Potsdam: Dr.G.Schuhfried GmbH
  • Endereço para correspondência

    Dr.Reinier Johannes Antonius Rozestraten
    Rua Flávio de Matos 74 - Bairro Monte Líbano
    79004-580 Campo Grande-MS
    E-mail:
  • *
    Prof.Titular em Psicologia de Trânsito USP.
  • Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      11 Set 2012
    • Data do Fascículo
      Dez 2000

    Histórico

    • Aceito
      22 Set 2000
    • Recebido
      29 Out 1998
    Conselho Federal de Psicologia SAF/SUL, Quadra 2, Bloco B, Edifício Via Office, térreo sala 105, 70070-600 Brasília - DF - Brasil, Tel.: (55 61) 2109-0100 - Brasília - DF - Brazil
    E-mail: revista@cfp.org.br