Accessibility / Report Error

A medicina social e a questão feminina

Social medicine and the woman's question

La medecine sociale et la question feminine

Resumos

Este trabalho pretende analisar o tipo de saber sobre a mulher produzido pela medicina a partir da constituição de uma medicina social, no século XIX, no Rio de Janeiro. Podemos observar a constituição de um discurso sobre o sexo feminino que, calcando-sena noção de degeneração psíquica, vai tratá-lo como possuidor de uma base degenerada, podendo portanto sucumbir às mais terríveis ameaças. Esse tipo de discurso que descreve a mulher como um ser doentio, capaz de fazer mal a si e a toda sociedade, viabiliza a tentativa de tomá-la cada vez mais incapaz de gerir sua própria vida, tratando como patológico qualquer comportamento que não corresponda ao modelo de esposa e mãe.


The paper analy zes the kind of kno wledge on women that has been produced by medicai science since the formation of social medicine in Rio de Janeiro in the nineteenth century. We can observe the emergence of a discourse conceming the feminine sex - a discourse that rests on the notion of psychic degenerateness and that would come to view the female sex as possessing a degenerate base and thus as liable to succumb to the most terrible menaces. This type of discourse, which paints woman as an unwholesome being capable of harming herself and ali society, would serve to ground the effort to make women ever more incapable of managing their own lives and to treat any behavior that fails to correspond to that of a model wife and mother as pathological.


Ce travail a pour but d'analy ser le type de savoir produit sur la femme par la médecine à partir de la constitution d'une médecine sociale, a Rio de Janeiro au XIXème siècle. On peut alors observer la formation de tout un discours concernant le sexe féminin oü, à partir de la notion de dégénération psychique, ce sexe apparait comme fondamentalement dégénéré, capable de succomber aux plus terribles menaces. Ce type de discours, oü la femme est décrite comme un être maladif, capable de porter préjudice à soimeme et à toute la société, va permettre le surgissement d'une tendance visant à la priver progressivement de tout pouvoir de gérer sa propre vie et va classer comme pathologique tout comportement échappant au modèle d'épouse et de mère.


A medicina social e a questão feminina

Social medicine and the woman's question

La medecine sociale et la question feminine

Silvia Alexim Nunes

Psicanalista, membro do Circulo Psicanalítico do Rio de Janeiro.

RESUMO

Este trabalho pretende analisar o tipo de saber sobre a mulher produzido pela medicina a partir da constituição de uma medicina social, no século XIX, no Rio de Janeiro. Podemos observar a constituição de um discurso sobre o sexo feminino que, calcando-sena noção de degeneração psíquica, vai tratá-lo como possuidor de uma base degenerada, podendo portanto sucumbir às mais terríveis ameaças. Esse tipo de discurso que descreve a mulher como um ser doentio, capaz de fazer mal a si e a toda sociedade, viabiliza a tentativa de tomá-la cada vez mais incapaz de gerir sua própria vida, tratando como patológico qualquer comportamento que não corresponda ao modelo de esposa e mãe.

ABSTRACT

The paper analy zes the kind of kno wledge on women that has been produced by medicai science since the formation of social medicine in Rio de Janeiro in the nineteenth century. We can observe the emergence of a discourse conceming the feminine sex — a discourse that rests on the notion of psychic degenerateness and that would come to view the female sex as possessing a degenerate base and thus as liable to succumb to the most terrible menaces. This type of discourse, which paints woman as an unwholesome being capable of harming herself and ali society, would serve to ground the effort to make women ever more incapable of managing their own lives and to treat any behavior that fails to correspond to that of a model wife and mother as pathological.

RESUME

Ce travail a pour but d'analy ser le type de savoir produit sur la femme par la médecine à partir de la constitution d'une médecine sociale, a Rio de Janeiro au XIXème siècle. On peut alors observer la formation de tout un discours concernant le sexe féminin oü, à partir de la notion de dégénération psychique, ce sexe apparait comme fondamentalement dégénéré, capable de succomber aux plus terribles menaces. Ce type de discours, oü la femme est décrite comme un être maladif, capable de porter préjudice à soimeme et à toute la société, va permettre le surgissement d'une tendance visant à la priver progressivement de tout pouvoir de gérer sa propre vie et va classer comme pathologique tout comportement échappant au modèle d'épouse et de mère.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

1. Ver FOUCAULT M., Vigiar e punir e "Política de saúde no século X VIII" in Microfísica do poder.

2 BIRMAN J., Formações imaginárias e dispositivos da criminalidade. Relatório de pesquisa, mimeografado. IMS/UERJ. Rio de Janeiro, 1982.

3 Idem.

4 Idem.

5 Idem.

6 MACHADO R., Danação da norma. Graal, Rio de Janeiro, 1978.

7 FREIRE COSTA J., Ordem médica e norma familiar.Graal, Rio de Janeiro, 1983.

8 VALE L. V., Mulhere matrimônio medicamente considerados. Tese apresentada à Faculdade d^ Medicina do Rio de Jancuo, 1047, p. 1.

9 Jacques Donzelot mostra a importância que teve a aliança entre a medicina e a mulher para a reorganização do modelo familiar na França. DONZELOT J., A policia das famílias. Graal, Rio de Janeiro, 1980.

10 MONTEIRO DE BARROS J.F., Considerações gerais sobre a mulher e sua diferença do homem e sobre o regime da mulher durante a prenhez. Tese apresentada à Faculdade de Mcdiuua du Riu tle Janeiro, 1 845, p.7.

11. MONTEIRO DE HARROS J.F., Considerações gerais sobre a mulher sua diferença do homem e sobre o regime da mulher durante a prenhez. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio Janeiro, 1845, p.9.

12 PEREIRA M.J., Generalidades sobre o físico e o moral da mulher. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1852, p. 3.

13 MONTEIRO DE BARROS J.F., op.cit. p.8.

14 PEREIRA M. J., p. 9.

15 VIANNA A.F., Considerações higiênicas e médico-legais sohre o casamento relativamente à mulher. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1842, p. 8.

16. VIANNA A.F., Considerações higiénicas e médico-legais sobre o casamento relativamente à mulher. Tese apresentada à Faculdade de Medicina Rio Janeiro, 1842, p.8.

17. SILVA A.S., Higiene da primeira infância. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p. 8.

18 Ver BIRMAN J., A psiquiatria como discurso da moralidade. Graal, Rio de Janeiro, 1979.

19 OLIVEIRA L., Da degeneração psíquica. Tese apresentada à Faculdade de Medicina" do Rio de Janeiro, 1895, p. 1.

LOPES DE FIGUEIREDO J.A.,"Dos casamentos do ponto de vista higiênico", in Dos diagnósticos dos tumores dos testículos. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 76.

19 FREITAS DRUMOND A.M., "Dos casamentos sob o ponto de vista higiênico, in Phtisica pulmonar. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 225.

20. SIMÕES A.A.,Higiene da primeira infância. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p. 37.

21 LOPES DE FIGUEIREDO, A.,"Dos casamentos do ponto de vista higiênico", in Dos diagnósticos dos tumores dos testiculoso Tese apresentada Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 76.

22 FREITAS DRUMOND A.M., Dos casamentos sob o ponto de vista higiênico, in Phtisica pulmonar. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 225.

23 LOPES DE FIGUEIREDO, p.7.

24 Ver FREIRE COSTA J., História da Psiquiatria no Brasil. Documentário, Rio de Janeiro, 1976.

25 Era bastante alta a percentagem de mulheres que participavam dasatividades econômicasem 1872. Mesmo excluindo-se as que se ocupavam dos serviços domésticos, as mulheres representavam 37,4% da força de trabalho efetiva total da nação:' SAFFIOTII I.B.H., A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Vozes, Petrópolis, 1979, p. 239.

26. HAHNER J.E., A mulher no Brasil. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1978. /

27. Idem, p. 79.

28. SPARANO L., O sexo em patologia (a questão feminia). Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1916, p. 20.

29. Idem.

30. LIVIO DE CASTRO T., mulhere sociogenia. Guanabara, Rio de Janeiro, 1894, p.

31 Idem, p. 95.

32. Idem, p. 144.

33 Idem. p. 114.

34 RODRIGUES OLIVEIRA O.S., Loucura puerperal. Tese apresentada á Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p,10.

35 MARTINS J.F., Higiene da primeira infância. Tese apresentada á Faculdade de Medicina do Rio dc Janeiro, 1882, p. 9.

36 MILITÃO PACHECO A., Do infantidio. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio ele JAneiro, 1892, p. 13.

37 CASTROL T.L., p. 141.

38 BARCELOS J.F., Do infanticídio. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1692, p. 13.

39 MILITÃO PACHECO A.; ., p. 11.

40 Idem, p. 14.

41 FERRAZ DE MACEDO F., De prostituição em geral e em particular da cjdade do Rio de

Janeiro: profilaxia da sífilis. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. 1971, p. 74.

42 Idem, p. 129.

43 A VELAR ANDRADE L.C.,Responsabilidades legais das histéricas. Tese apresentada à faculdade de Medicina do RIO ele Janeiro, 1988, p. 86.

44 RODRIGUES OLIVEIRA O.S., Loucura puerperal. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p. 10.

45 Idem, p. 66.

46 Avelar Andrade, L. C., p. 69.

47 PAULA L, O deUrio nas histéricas. Tese apresentada Faculdade de Medicina do Rio Janeiro, 1889, p. 4. .

48 MULLER P., O pithiatismo. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1886, p. 41.

49 FERNANDES FIGUEIRA A., Histeria. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1886, p. 41.

50 CASTRO, T.L., p.38.

51. PAULA L., p. 6.

52. MULLER J., p. 34.

53. COUTINHO DA SILVEIRA E.B., Haverá loucura histérica? Tese apresentada à Fa"lIld"de de Medicino do Rio de Janeiro, 1918, p. 47.

  • 1. Ver FOUCAULT M., Vigiar e punir e "Política de saúde no século X VIII" in Microfísica do poder.
  • 2 BIRMAN J., Formações imaginárias e dispositivos da criminalidade. Relatório de pesquisa, mimeografado. IMS/UERJ. Rio de Janeiro, 1982.
  • 3 Idem. 4 Idem. 5 Idem. 6 MACHADO R., Danação da norma. Graal, Rio de Janeiro, 1978.
  • 7 FREIRE COSTA J., Ordem médica e norma familiar.Graal, Rio de Janeiro, 1983.
  • 8 VALE L. V., Mulhere matrimônio medicamente considerados. Tese apresentada à Faculdade d^ Medicina do Rio de Jancuo, 1047, p. 1.
  • 9 Jacques Donzelot mostra a importância que teve a aliança entre a medicina e a mulher para a reorganização do modelo familiar na França. DONZELOT J., A policia das famílias. Graal, Rio de Janeiro, 1980.
  • 10 MONTEIRO DE BARROS J.F., Considerações gerais sobre a mulher e sua diferença do homem e sobre o regime da mulher durante a prenhez. Tese apresentada à Faculdade de Mcdiuua du Riu tle Janeiro, 1 845, p.7.
  • 11. MONTEIRO DE HARROS J.F., Considerações gerais sobre a mulher sua diferença do homem e sobre o regime da mulher durante a prenhez. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio Janeiro, 1845, p.9.
  • 12 PEREIRA M.J., Generalidades sobre o físico e o moral da mulher. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1852, p. 3.
  • 13 MONTEIRO DE BARROS J.F., op.cit. p.8. 14 PEREIRA M. J., p. 9. 15 VIANNA A.F., Considerações higiênicas e médico-legais sohre o casamento relativamente à mulher. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1842, p. 8.
  • 16. VIANNA A.F., Considerações higiénicas e médico-legais sobre o casamento relativamente à mulher. Tese apresentada à Faculdade de Medicina Rio Janeiro, 1842, p.8. 17. SILVA A.S., Higiene da primeira infância. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p. 8.
  • 18 Ver BIRMAN J., A psiquiatria como discurso da moralidade. Graal, Rio de Janeiro, 1979.
  • 19 OLIVEIRA L., Da degeneração psíquica. Tese apresentada à Faculdade de Medicina" do Rio de Janeiro, 1895, p. 1.
  • LOPES DE FIGUEIREDO J.A.,"Dos casamentos do ponto de vista higiênico", in Dos diagnósticos dos tumores dos testículos. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 76.
  • 19 FREITAS DRUMOND A.M., "Dos casamentos sob o ponto de vista higiênico, in Phtisica pulmonar. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 225.
  • 20. SIMÕES A.A.,Higiene da primeira infância. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p. 37.
  • 21 LOPES DE FIGUEIREDO, A.,"Dos casamentos do ponto de vista higiênico", in Dos diagnósticos dos tumores dos testiculoso Tese apresentada Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 76.
  • 22 FREITAS DRUMOND A.M., Dos casamentos sob o ponto de vista higiênico, in Phtisica pulmonar. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1880, p. 225.
  • 24 Ver FREIRE COSTA J., História da Psiquiatria no Brasil. Documentário, Rio de Janeiro, 1976.
  • 25 Era bastante alta a percentagem de mulheres que participavam dasatividades econômicasem 1872. Mesmo excluindo-se as que se ocupavam dos serviços domésticos, as mulheres representavam 37,4% da força de trabalho efetiva total da nação:' SAFFIOTII I.B.H., A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Vozes, Petrópolis, 1979, p. 239.
  • 26. HAHNER J.E., A mulher no Brasil. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 1978.
  • 28. SPARANO L., O sexo em patologia (a questão feminia). Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1916, p. 20.
  • 30. LIVIO DE CASTRO T., mulhere sociogenia. Guanabara, Rio de Janeiro, 1894, p.
  • 34 RODRIGUES OLIVEIRA O.S., Loucura puerperal. Tese apresentada á Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p,10.
  • 35 MARTINS J.F., Higiene da primeira infância. Tese apresentada á Faculdade de Medicina do Rio dc Janeiro, 1882, p. 9.
  • 36 MILITÃO PACHECO A., Do infantidio. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio ele JAneiro, 1892, p. 13.
  • 38 BARCELOS J.F., Do infanticídio. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1692, p. 13.
  • Janeiro: profilaxia da sífilis. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. 1971, p. 74.
  • 43 A VELAR ANDRADE L.C.,Responsabilidades legais das histéricas. Tese apresentada à faculdade de Medicina do RIO ele Janeiro, 1988, p. 86.
  • 44 RODRIGUES OLIVEIRA O.S., Loucura puerperal. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1882, p. 10.
  • 47 PAULA L, O deUrio nas histéricas. Tese apresentada Faculdade de Medicina do Rio Janeiro, 1889, p. 4.
  • 48 MULLER P., O pithiatismo. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1886, p. 41.
  • 49 FERNANDES FIGUEIRA A., Histeria. Tese apresentada à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, 1886, p. 41.
  • 53. COUTINHO DA SILVEIRA E.B., Haverá loucura histérica? Tese apresentada à Fa"lIld"de de Medicino do Rio de Janeiro, 1918, p. 47.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    06 Out 2011
  • Data do Fascículo
    1991
PHYSIS - Revista de Saúde Coletiva Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro - UERJ, Rua São Francisco Xavier, 524 - sala 6013-E- Maracanã. 20550-013 - Rio de Janeiro - RJ - Brasil, Tel.: (21) 2334-0504 - ramal 268, Web: https://www.ims.uerj.br/publicacoes/physis/ - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: publicacoes@ims.uerj.br