A morte e o morrer entre a antroposofia e a biomedicina

Raquel Littério de Bastos Regina Yoshie Matsue Pedro Paulo Gomes Pereira Sobre os autores

Resumo

A morte e o morrer suscitam continuamente o debate sobre as fronteiras, as regras e a disputa pela legitimidade dos distintos significados que envolvem os processos de finalização da vida. Este artigo busca abordar, especialmente, os conflitos que ocorrem entre o sistema terapêutico antroposófico e a biomedicina no Brasil. As reflexões se dão com base na etnografia multissituada realizada entre os anos 2012 e 2016 que se debruçou sobre a concepção de cura na antroposofia em três comunidades, duas no Brasil e uma na Suíça. Nesse percurso, fomos levados pela experiência etnográfica às elaborações sobre a morte e o morrer das viúvas da Demétria, uma das comunidades antroposóficas investigadas. Demétria é um bairro rural no interior do estado de São Paulo, na cidade de Botucatu, composto na sua maioria por mulheres, europeias e brasileiras, que convivem e partilham de um estilo de vida que reelabora o ethos da morte como um projeto estético de Bildung que difere da concepção do processo de morte na biomedicina.

Palavras-chave:
morte; antroposofia; biomedicina; Bildung; estética

IMS-UERJ PHYSIS - Revista de Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro - UERJ, Rua São Francisco Xavier, 524 - sala 6013-E- Maracanã, 20550-013 - Rio de Janeiro - RJ, Tel.: (21) 2334-0504 - ramal 268 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: publicacoes@ims.uerj.br