João Vicente Torres Homem: descrição da carreira médica no século XIX

João Vicente Torres Homem: a description of the medicai career in nineteenth-century Brazil

João Vicente Torres Homem: la carrière médicale au XIXème Siècle

Resumos

O objetivo deste artigo é descrever e analisar os padrões típicos de carreira médica instaurados no Brasil do século XIX, mediante o estudo da trajetória de João Vicente Torres Homem (1837-1887). A institucionalização da medicina clínica significou a vigência de um padrão de formação intelectual, carreira profissional e de produção de conhecimentos distinto daqueles que vieram a ser implantados com a organização das primeiras instituições médicas dedicadas à pesquisa científica no início do século XX.


By examining the case study of João Vicente Torres Homem (1837-87), the article describes and analyzes typical patterns in medicai careers as established in nineteenth-century Brazil. The institutionalization of clinicai medicine brought the prevalence of a pattern in intellectual training, professional careers, and the production of knowledge that differed from those patterns inaugurated in the early twentieth century upon organization of the first medicai institutes dedicated to scientific research.


Cet article décrit et analyse les types de carrière médicale existant au Brésil au XIXème Siècle. Pour cela il étudie le cas de la carrière professionnelle de João Vicente Torres Homem (1837-1887). Lorsque la médecine clinique a été institutionnalisée, le modèle de formation intellectuelle, la carrière professionnelle et la production de connaissances ont adopté des caractères bien différents de ceux qui ont été établis lors de Porganisation des premières institutions médicales de recherche scientifique au début du XXème Siècle.


João Vicente Torres Homem: descrição da carreira médica no século XIX

João Vicente Torres Homem: a description of the medicai career in nineteenth-century Brazil

João Vicente Torres Homem: la carrière médicale au XIXème Siècle

Luiz Otávio Ferreira

Pesquisador da Casa de Oswaldo Cruz; professor de Sociologia da UFRI; e doutorando em História Social da USP

RESUMO

O objetivo deste artigo é descrever e analisar os padrões típicos de carreira médica instaurados no Brasil do século XIX, mediante o estudo da trajetória de João Vicente Torres Homem (1837-1887). A institucionalização da medicina clínica significou a vigência de um padrão de formação intelectual, carreira profissional e de produção de conhecimentos distinto daqueles que vieram a ser implantados com a organização das primeiras instituições médicas dedicadas à pesquisa científica no início do século XX.

ABSTRACT

By examining the case study of João Vicente Torres Homem (1837-87), the article describes and analyzes typical patterns in medicai careers as established in nineteenth-century Brazil. The institutionalization of clinicai medicine brought the prevalence of a pattern in intellectual training, professional careers, and the production of knowledge that differed from those patterns inaugurated in the early twentieth century upon organization of the first medicai institutes dedicated to scientific research.

RÉSUMÉs

Cet article décrit et analyse les types de carrière médicale existant au Brésil au XIXème Siècle. Pour cela il étudie le cas de la carrière professionnelle de João Vicente Torres Homem (1837-1887). Lorsque la médecine clinique a été institutionnalisée, le modèle de formation intellectuelle, la carrière professionnelle et la production de connaissances ont adopté des caractères bien différents de ceux qui ont été établis lors de Porganisation des premières institutions médicales de recherche scientifique au début du XXème Siècle.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

1 N. Stepan, Gênese e Evolução da Ciência Brasileira. Oswaldo Cruz e a Política de Investigação Científica e Médica, Rio de Janeiro, Editora Artenova, 1976.

2 Idem, p. 19.

3 Idem, p. 61.

4 B. Barnes, T. S. Kuhny Ias CiênciasSociales, México, Fondo de Cultura Econômica, 1986, esp. cap. I, pp. 21-46.

5 Sobre a noção de elite médica, ver G. Weisz, "The Medicai Elite in France in the Early Nineteenth Century",Minerva, vol. XXV, nos 1-2, Spring/Summer, 1987, pp. 150-71.

6 Sobre as reformas do ensino médico no século XIX, ver F. C. Edler, As Reformas do Ensino Médico e a Profissionalização da Medicina na Corte do Rio de Janeiro, 1854-1884, Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras/USP, 1992

7 M. Foucault, O Nascimento da Clínica, Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1977.

8 M. B. Nizza da Silva, Cultura e Sociedade no Rio de Janeiro (1808-1821), São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1978.

9 Idem, pp. 134-5.

10 G. Canguilhem, "Uma Ideologia Médica Exemplar - O Sistema de Brown", in Ideologia e Racionalidade nas Ciências da Vida, Lisboa, Edições 70, 1977.

11 P. L. Entralgo, La Historia Clínica. Historia y Teoria dei Relato Patográfico, Barcelona, Salvat Editores, 1950.

12 J. F. Braunstein, Broussais et le Materialisme. Medicine et Philosophioe au XIX9 Siècle, Paris, Méridiens Klincksieck, 1986.

13 J. M. Lopez Pifiero, Ciência y Enfermedad en elSigloXIX, Barcelona, Ediciones Península, 1985.

14 R. Machado et alli, Danação da Norma: A Medicina Social e a Constituição da Psiquiatria Social no Brasil, Rio de Janeiro, Edições Graal, 1978.

15 Este livro, que condensa o conhecimento médico produzido pela elite médica desde 1830, tornou-se obra de referência, sendo constantemente citado nos melhores dicionários médicos europeus do século XIX, principalmente nos verbetes de climatologia médica.

16 A primeira geração de catedráticos da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro foi formada por 14 médicos. Os dados biobibliográficos sobre eles foram coletados em S. Blake, Dicionário Bibliográfico Brasileiro, Brasília, Conselho Federal de Cultura, 1970.

17 A. Castiglioni,//wtória da Medicina, São Paulo, Companhia Editora, 1947,2 vols., esp. vol. I.cap.XXII.

18 Para uma análise da carreira política no Império, ver J. M. de Carvalho,^ Construção da Ordem: A Elite Política Imperial, Rio de Janeiro, Editora Campus, 1980.

19 M. M. Lopes, As Ciências Naturais e os Museus no Brasil no Século XIX, Tese de Doutorado, FFLCH/USP, 1993, pp. 142-9.

20 O. D. Sattamini, Um Médico do Império: O Doutor Torres Homem, 1837-1887, Rio de Janeiro, Irmãos Pongetti Editores, 1957, p. 33.

21 Idem, p. 65.

22 P. Bourdieu, "Sistemas de Ensino e Sistemas de Pensamento", inA Economia das Trocas Simbólicas, São Paulo, Editora Perspectiva, 1987, p. 207.

23 J. V. Torres Homem, Das Sangrias em Geral e em Particular na Pneumonia e na Apoplexia Cerebral, Rio de Janeiro, 1866, pp. 5, 6 e 7.

24 Idem, p. 10.

25 L. Santos Filho,História Geral da Medicina Brasileira, São Paulo, Hucitec/Edusp, 1991, p. 128.

26 P. Bourdieu, "O Campo Científico", in R. Ortiz, org., Pierre Bourdieu: Sociologia, São Paulo, Ática, 1983.

27 R. Fernandes, "A Imprensa Médica no 2o Império", Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Anais doCongresso de História do Segundo Reinado, Rio de Janeiro, 1984.

28 J. V. Torres Homem, O Ensaio Médico-Legal sobre os Ferimentos e Outras Ofensas Físicas, com Aplicação à Legislação Criminal Pátria, Seguido de Algumas Considerações sobre o Infanticídio. Obra especialmente dirigida às autoridades criminais por José Soriano de Souza, Gazeta Médica do Rio de Janeiro, n° 7, Io de abril de 1863.

29 J. V. Torres Homem, "A Sessão Solene Aniversária da Academia Imperial de Medicina", Gazeta Médica do Rio de Janeiro, n° 14,15 de julho de 1863, p. 164.

30 Ibidem.

31 Sessão Geral de 26 de outubro de 1863, Annaes Brasiliense de Medicina, ano 15, vol. 15,9 de fevereiro de 1864, p. 197.

32 Sobre a história da hipoemia intertropical, ver A. Lutz,A Opilação ou Hypoemia Intertropical e sua Origem, Rio de Janeiro, Typografia e Lithografia de Machado & C., 1888.

  • 1 N. Stepan, Gênese e Evolução da Ciência Brasileira. Oswaldo Cruz e a Política de Investigação Científica e Médica, Rio de Janeiro, Editora Artenova, 1976.
  • 7 M. Foucault, O Nascimento da Clínica, Rio de Janeiro, Forense Universitária, 1977.
  • 8 M. B. Nizza da Silva, Cultura e Sociedade no Rio de Janeiro (1808-1821), São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1978.
  • 11 P. L. Entralgo, La Historia Clínica. Historia y Teoria dei Relato Patográfico, Barcelona, Salvat Editores, 1950.
  • 12 J. F. Braunstein, Broussais et le Materialisme. Medicine et Philosophioe au XIX9 Siècle, Paris, Méridiens Klincksieck, 1986.
  • 13 J. M. Lopez Pifiero, Ciência y Enfermedad en elSigloXIX, Barcelona, Ediciones Península, 1985.
  • 14 R. Machado et alli, Danação da Norma: A Medicina Social e a Constituição da Psiquiatria Social no Brasil, Rio de Janeiro, Edições Graal, 1978.
  • 20 O. D. Sattamini, Um Médico do Império: O Doutor Torres Homem, 1837-1887, Rio de Janeiro, Irmãos Pongetti Editores, 1957, p. 33.
  • 22 P. Bourdieu, "Sistemas de Ensino e Sistemas de Pensamento", inA Economia das Trocas Simbólicas, São Paulo, Editora Perspectiva, 1987, p. 207.
  • 25 L. Santos Filho,História Geral da Medicina Brasileira, São Paulo, Hucitec/Edusp, 1991, p. 128.
  • 26 P. Bourdieu, "O Campo Científico", in R. Ortiz, org., Pierre Bourdieu: Sociologia, São Paulo, Ática, 1983.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    05 Out 2011
  • Data do Fascículo
    1994
IMS-UERJ PHYSIS - Revista de Saúde Coletiva, Instituto de Medicina Social Hesio Cordeiro - UERJ, Rua São Francisco Xavier, 524 - sala 6013-E- Maracanã, 20550-013 - Rio de Janeiro - RJ, Tel.: (21) 2334-0504 - ramal 268 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: publicacoes@ims.uerj.br