Paulo Freire e a produção de subjetividades democráticas: da recusa do dirigismo à promoção da autonomia

Paulo Freire and the production of democratic subjectivities: from the refusal of guidance to the promotion of autonomy

Eduardo Dullo Sobre o autor

Em sua tese de 1959, Paulo Freire interpretou o Brasil a partir de uma "antinomia fundamental": à "emergência do povo na vida pública" não corresponderia uma adequada "disposição mental" para agir, pois essa população seria "inexperiente" em regimes democráticos. O objetivo deste texto é analisar a proposta pedagógica de Freire como uma saída para esse problema histórico nacional, apontando-o como a tentativa de produção de subjetividades democráticas, cidadãs. Para isso, centra-se a discussão em torno de dois conceitos, o de dirigismo e o de autonomia, e sugere-se uma interpretação de Freire em dois níveis hierarquizados: em um há uma relação horizontal de troca dialógica e em outro, englobante, há uma relação vertical de transformação dos "dispositivos mentais". Aponta-se, a partir de pesquisa documental sobre a "Experiência de Angicos", como a tensão entre esses dois níveis constituiu a principal dificuldade encontrada - a de produzir autonomia a partir de uma relação de autoridade.

Paulo Freire; educação política; cidadania; autonomia


UNICAMP - Faculdade de Educação Av Bertrand Russel, 801, 13083-865 - Campinas SP/ Brasil, Tel.: (55 19) 3521-6707 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: proposic@unicamp.br