Rap-rimas afetivas da periferia: reflexões na perspectiva sócio-histórica

Rap-affective rhymes of the periphery: reflections in the social-historical perspective

Jaison Hinkel Kátia Maheirie Sobre os autores

Considerando a dimensão afetiva como constitutiva do agir e do pensar humano, e reconhecendo que sua presença é uma constante no Rap, este artigo busca investigar como a afetividade é expressa nas músicas de quatro grupos de Rap nacional. A partir da análise das músicas, pode-se considerar que estas expressam as vivências advindas de uma ordem social baseada na inclusão social perversa. Há instantes em que a tônica está no sentimento da vergonha, culpa, humilhação, tristeza, revolta e medo que assola os moradores da periferia. Em contrapartida, há propostas de enfrentamento desta condição, expressando a importância da união, irmandade, humildade, esperança, amor, alegria e solidariedade. Assim, nestas canções, a afetividade expressa tanto a denúncia do sofrimento ético-político, como a possibilidade de aumentar a potência de ação do sujeito para a superação da condição de padecimento humano, indicando a música, especialmente o Rap, como temática importante na compreensão psicossocial do sujeito em contextos de exclusão social.

Rap; afetividade; sofrimento ético-político; potência de ação


Associação Brasileira de Psicologia Social Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFCH), Av. da Arquitetura S/N - 7º Andar - Cidade Universitária, Recife - PE - CEP: 50740-550 - Belo Horizonte - MG - Brazil
E-mail: revistapsisoc@gmail.com
Accessibility / Report Error