Associação entre depressão, ansiedade e qualidade de vida após infarto do miocárdio

Association among depression, anxiety, and quality of life in post acute myocardial infarction patients

Conceição Lemos Carlos A.M. Gottschall Lucia C. Pellanda Marisa Müller Sobre os autores

Este trabalho investigou a freqüência da depressão em indivíduos cardiopatas, com e sem diagnóstico de infarto agudo do miocárdio (IAM), e indivíduos sem diagnóstico de cardiopatia. Trata-se de estudo prospectivo com 168 pacientes divididos em três grupos: 60 internados (diagnóstico de IAM), 49 ambulatoriais (diagnóstico de doença cardiovascular sem infarto) e 59 da população em geral (sem diagnóstico de doença cardiovascular), de ambos os sexos, entre 35 a 65 anos, investigados por meio do Inventário de Depressão de Beck (BDI), do Inventário de Ansiedade de Beck (BAI) e do Teste de Qualidade de Vida (WHOQOL). A prevalência de depressão no grupo IAM foi 48,3%. As variáveis significativas associadas à depressão foram: história familiar (RC=2,82 - IC95%=1,12;7,08 - p=0,028), domínio psicológico do WHOQOL (RC=0,93 - IC95%=0,89;0,98 - p=0,006) e escore de ansiedade (RC=1,08 - IC95%=1,02;1,14 - p=0,012). Os resultados sugerem que os transtornos de depressão não são desencadeados pelo IAM, mas que estão presentes antes da admissão hospitalar, destacando a importância do rastreamento dos pacientes portadores de doença coronariana crônica.

infarto agudo do miocárdio; depressão; qualidade de vida; fatores de risco


Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, 70910-900 - Brasília - DF - Brazil, Tel./Fax: (061) 274-6455 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: revistaptp@gmail.com