Seria a residência médica emocionalmente prejudicial? Um estudo sobre burnout e características de personalidade de residentes do primeiro ano de ortopedia

Is medical internship emotionally deleterious? A study on burnout and personality characteristics of first-year orthopaedic interns

O objetivo deste artigo foi o de identificar dificuldades emocionais por meio de um estudo de caso prospectivo. Os participantes foram 13 residentes homens do primeiro ano de Ortopedia. Houve a administração do MBI (burnout) no 1 (=T0), 6 (=T1) e 12 (=T2) meses do primeiro ano de residência; Rorschach administrado em T0 and T2. Rorschach: os participantes apresentaram sensibilidade ao estresse; entretanto não se tornaram emocionalmente frios nem distantes. Os sintomas depressivos diminuíram e passaram a expressar uma necessidade maior por contato humano e relações de cooperação. MBI: 1) Exaustão emocional: T0=17,6 / T1=28,7/ T2 = 24,6; 2) Depersonalização: T0=9,6 / T1=15,9 / T2=15,3; 3) Realização profissional: T0=31,2/ T1= 25,2 / T2=26,6. O estresse situational aumentou em decorrência da intensidade e do ritmo da residencia, contudo os residentes não se apresentaram emocionalmente defendidos.

Residência médica; Saúde mental; Burnout; Estresse; Depressão


Universidade de São Francisco, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia R. Waldemar César da Silveira, 105, Vl. Cura D'Ars (SWIFT), Campinas - São Paulo, CEP 13045-510, Telefone: (19)3779-3771 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: revistapsico@usf.edu.br