Co-infecção por circovírus suíno tipo 2 e parvo-vírus suíno em fetos abortados e natimortos suínos no Sul do Brasil

Estudou-se retrospectivamente (2005-2007) a associação de casos de abortos e natimortos suínos com infecções por circovírus suíno (PCV) tipos 1 e 2 e parvovírus suíno (PPV). Outros agentes patogênicos foram pesquisados em amostras de fetos com lesões. O estudo incluiu natimortos e fetos mumificados de tamanhos variados. Dilatação ventricular, áreas pálidas miocárdicas e edema de mesocólon foram as lesões macroscópicas observadas. Escherichia coli co-infectou com PCV2 as amostras dos casos com edema de mesocólon. Lesões microscópicas incluíram miocardite não supurativa, necrose e fibrose miocárdicas, focos de mineralização e corpúsculos de inclusão em cardiomiócitos e pneumonia intersticial mononuclear. Entre os 121 fetos suínos abortados ou natimortos analisados, sete (5,78%) tinham lesões compatíveis com origem viral e foram positivos pelas técnicas de imunoistoquímica e PCR para PCV2. Além disso, três (2.47%) desses sete casos também foram confirmados como co-infectados com PPV através da PCR. Antígenos de PCV2 foram observados principalmente em macrógafos e no interior de miócitos dos fetos suínos abortados e natimortos. PCV2 e PPV foram detectados em diferentes estágios de gestação. PCV1 não foi associado isoladamente com feto ou natimorto afetado, mas estava presente em associação com PCV2 e/ou PPV em alguns desses produtos. Esses achados indicam que a infecção por PCV2, isoladamente ou em associação com PPV, deve ser considerada no diagnóstico de aborto infeccioso suíno no Brasil.

Aborto; natimorto; PCV1; PCV2; PPV; suíno; Brasil


Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br