A redução do bumblefoot com a utilização de enriquecimento ambiental para um grupo de pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) mantido em cativeiro

Laura Reisfeld Mayla Barbirato Laura Ippolito Ricardo Cesar Cardoso Marcílio Nichi Manuela G.F.G. Sgai Cristiane S. Pizzutto Sobre os autores

Os pinguins cativos estão predispostos a pododermatite (bumblefoot) devido ao sedentarismo, mudanças dos padrões normais de atividade, tempo prolongado de permanência em pisos duros e abrasivos, diminuição da natação e tempo na água. O enriquecimento ambiental permite a utilização de técnicas imaginativas e engenhosas que visam manter os animais cativos ocupados e com uma maior diversidade de oportunidades comportamentais, sempre respeitando as necessidades etológicas da espécie. O objetivo deste trabalho foi utilizar técnicas de enriquecimento ambiental para reduzir as lesões de pododermatite em um grupo de pingüins. Cinco indivíduos da espécie Pinguim-de-Magalhães (Spheniscus magellanicus) foram monitorados durante este projeto. Todos os animais foram contidos fisicamente 3 vezes por semana para a realização do acompanhamento do tamanho das lesões, durante 12 semanas. Enriquecimento ambiental foi introduzido diariamente na água, objetivando aumentar em uma hora o tempo em que os animais passavam na água. Os resultados mostraram que, ao longo das 12 semanas, 4 animais apresentaram redução significativa das lesões em ambas as patas, sendo que em dois animais as lesões desapareceram. Com isto, podemos concluir que o enriquecimento ambiental aquático para este grupo de pingüins permitiu um maior tempo de permanência dos animais na água favorecendo a redução das lesões de bumblefoot.

Pinguim-de-Magalhães; Spheniscus magellanicus; cativeiro; pododermatite; bumblefoot; enriquecimento ambiental


Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br