Comparação da microbiota de cascavéis (Crotalus durissus terrificus) de vida-livre e cativeiro

Este estudo avaliou e comparou a microflora aeróbica da cavidade oral, cloaca e veneno de serpentes Crotalus durissus terrificus recém-capturadas da natureza e mantidas sob quarentena (WQ), mantidas em cativeiro coletivo (CC) e em cativeiro individual (IC). A eficácia de drogas antimicrobianas de agentes isolados foi também avaliada. Foram isolados microorganismos dos grupos I, II e III respectivamente: 29 (63.04%), 38 (90.48%) e 21 (42.86%) da cloaca; 15 (32.61%), 3 (7.14%) e 25 (51.02%) da cavidade oral, e finalmente 2 (4.35%), 1 (2.38%) e 3 (6.12%) do veneno. As bactérias mais frequentes foram Pseudomonas aeruginosa, Proteus vulgaris e Morganella morganii, com sensibilidade para amikacina, gentamicina, norfloxacina, sulfazotrina e tobramicina. Serpentes mantidas no cativeiro semi-aberto mostraram menor número de agentes infecciosos em cavidade oral, talvez devido ao ambiente de cativeiro com diferentes gradientes de temperatura, água corrente, ausência de manejo diário, ampla circulação de ar, possibilidade de movimentação pelos animais, limpeza diária e acesso ao Sol.

Crotalus durissus terrificus; microbiota; cativeiro; susceptibilidade antimicrobiana; serpentes


Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br