Avaliação da PCR e PCR multiplex com relação a nested PCR no diagnóstico de Theileria equi

Danielle C. Leal Cláudio R. Madruga Paulo F. de Matos Bárbara M. P. da S. Souza Carlos R. Franke Sobre os autores

Uma PCR convencional (PCRTeq) para diagnóstico de Theileria equi e PCR multiplex (M/PCRTeq-Bc) para diagnóstico T. equi e Babesia caballi foram avaliadas comparativamente a nested PCR (N/PCR-Teq) no diagnóstico de piroplasmose equina. Na determinação da sensibilidade com DNA em diluições múltiplas de sangue de equino positivo para T. equi, as PCR-Teq e N/PCR-Teq detectaram DNA do hemoparasito nas diluições maiores (1:128), mas não diferiu significativamente da M/PCRTeq-Bc (1:64). Na análise com soros de equinos testados por ELISA houve uma concordância elevada entre esse teste sorológico e a PCR-Teq (k =0,780) e moderada com N/PCR-Teq (k = 0.562) e M/PCRTeq-Bc (k = 0.488). A PCR-Teq determinou freqüência maior de T. equi tanto nos equinos de criação extensiva como na intensiva, entretanto essa não foi significativa com relação N/PCR-Teq (P>0.05), e ambas PCRs indicaram que há uma situação endêmica para T. equi na população de equinos que constaram da amostragem. A PCR-Teq diferiu significativamente apenas para a M/PCRTeq-Bc (P<0.05). A PCR-Teq apresentou alta sensibilidade e especificidade comparável a N/PCR-Teq, mas com a vantagem de maior rapidez na obtenção dos resultados e menor custo e risco de contaminação no laboratório. Isso credencia a PCR-Teq para estudos epidemiológicos e para determinação de equinos portadores.

Theileria equi; PCR; multiplex PCR; equinos


Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br