Histoquímica e imunohistoquíca na avaliação da angiogênese em coelhos submetidos ao emprego de enxertos cutâneos associado com plasma rico em plaquetas

Josiane M. Pazzini Eduardo L. Serafim Fátima Gärtner Irina Amorim Fátima Faria Alexandra Rêma Paola C. Moraes Andrigo B. De Nardi Sobre os autores

RESUMO:

Colorações histoquímicas consistem de um conjunto de reações químicas específicas das estruturas ou substâncias endógenas do tecido. Logo a Imunohistoquímica permite observar proteínas presentes nos tecidos relacionadas com fatores determinantes do comportamento biológico e patológico. A padronização dos métodos que avaliam a angiogênese decorrente de procedimentos que utilizam substâncias estimulantes à formação de novos vasos são importantes, a fim de facilitar a execução das pesquisas, bem como auxiliar na interpretação dos dados, visto que em coelhos alguns anticorpos marcadores de angiogênese na pele ainda não são padronizadas em virtude das reações cruzadas que podem ocorrer devido aos anticorpos serem confeccionados a partir de tais animais. Objetivou-se analisar os métodos histoquímicos por meio das colorações e imunohistoquímicas com marcadores de angiogênese em coelhos (Oryctolagus cuniculus) submetidos ao emprego de enxertos cutâneos associado com estimulador de angiogênese plasma rico em plaquetas, a fim de avaliar qual método seria melhor para visualização dos vasos, bem como avaliar qual anticorpo promoveria melhor imunomarcação, buscando-se assim encontrar a diferenças entre os métodos e padronizar a metodologia a ser aplicada em experimentos que utilizem coelhos. Utilizou-se 16 coelhos, separados em dois grupos com oito animais, compreendendo os grupos Gprp (plasma rico em plaquetas) e Gc (controle, solução fisiológica 0,9%). Em todos os animais foi realizada a mesma técnica de cirurgia reconstrutiva de enxertia do tipo malha, os grupos diferiram apenas a aplicação do plasma rico em plaquetas antes da síntese da ferida cirúrgica. As amostras para avaliação da angiogênese foram coletadas após 15 dias do procedimento cirúrgico. Utilizou-se no estudo histoquímico as colorações Hematoxilina & Eosina e Tricrômico de Masson para avaliação da proliferação vascular, e os anticorpos CD31 e CD34 e Caveolina - 1 para avaliação imunohistoquímica. A comparação entre os grupos (Gprp e Gc) em relação à variável categórica (intensidade de proliferação vascular) foi utilizado o teste de Kruskal-Wallis, com valores de p iguais ou inferiores a 0,05 foram considerados significativos. Os dados imuno-histoquímico foram submetidos à análise de variância para um delineamento inteiramente ao acaso, com 2 grupos e 5 repetições (médias) e nível de significância de 5%. Nas comparações múltiplas das médias dos grupos, utilizou-se o teste de Tukey (α = 0,05). A intensidade de proliferação vascular avaliada pelo método histoquímico HE e Tricômico de Masson encontrou-se que tal variável foi significativa no Gprp, quando comparado com o Gc. Avaliando os métodos utilizados não houve diferença significativa. A contagem microvascular (MVC) realizada com os diferentes marcadores (Caveolina-1, CD31 e CD34) foi significativa no Gprp. Correlacionando a contagem microvascular dos três marcadores utilizados não houve diferença significativa, no entanto observou-se marcação mais intensa dos vasos utilizando o anticorpo Caveolina-1, sendo intensa a marcação dos capilares, vasos de pequeno calibre, bem como em vasos maiores. Nas avaliações de CD31 e CD34 observou que houve imunomarcação dos vasos, porém não foi intensa como a Caveolina-1, alguns casos apresentaram fundo, bem como marcação discreta. Os resultados encontrados neste estudo evidenciaram os métodos histoquímicos são eficazes para avaliação semiquantitativa da angiogênese. A comparação imunohistoquímicas da Caveolina-1, CD31 e CD34 como marcadores de angiogênese em coelhos evidenciaram que ambos os anticorpos são capazes de imunomarcar os vasos neoformados, porém a Caveolina-1 apresentou melhor imunomarcação de vasos de pequeno e médio calibre, bem como menor presença de fundo, embora não seja um marcador específico para angiogênese pode ser utilizada como marcador imunohistoquímico de endotélio vascular em coelhos.

TERMOS DE INDEXAÇÃO:
Angiogênese; enxertos cutâneos; imunohistoquímica; histoquímica; coelho

Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br