Avaliação metabólica de vacas leiteiras submetidas a três estratégias para diminuir os efeitos do balanço energético negativo no pós-parto inicial

Durante o início da lactação as vacas leiteiras sofrem transtornos metabólicos causados pelo balanço energético negativo, o que predispõe a infiltração gordurosa hepática e cetose. O objetivo deste estudo foi avaliar o status metabólico de vacas leiteiras de alta produção submetidas a três tratamentos para prevenir severa lipomobilização e cetose no início da lactação. Cinquenta e quatro vacas de raça Holandesa multíparas produzindo >30 L/dia foram divididas em quatro grupos: controle (CN= sem tratamento), precursor de glicose (PG= propileno-glicol), protetor hepático (Mp= Mercepton®) e suplementação com sais de ácidos linolênico e linoléico (Mg-E= Megalac-E®). Amostras de sangue foram coletadas nos dias 1, 7, 14, 21, 28, 35, 42 e 49 do pós-parto. A condição corporal foi avaliada nos mesmos períodos e a produção de leite foi registrada nas semanas 2, 4, 5, 6, 7 e 8 de lactação. As concentrações de ácidos graxos não esterificados (AGNE), albumina, AST, ß-hidroxibutirato (BHB), colesterol, glicose, proteína total, uréia e triglicerídeos foram determinadas nas amostras de sangue. Pontos de corte para diagnosticar cetose subclínica foram definidos quando BHB >1,4mmol/L e AGNE >0,7mmol/L. A ocorrência geral de cetose subclínica foi de 24% durante o período. Uma curva ascendente de colesterol e de glicose foi observada desde a 1ª até a 8ª semana de lactação, enquanto que nenhuma tendência foi observada com BHB e AGNE, embora diferenças entre os tratamentos foram detectadas (p<0,05). A condição corporal diminuiu de uma media de 3,85 na 1ª semana até 2,53 na 8ª semana de lactação (p=0,001). A produção de leite foi superior no grupo de Mg-E comparado com os demais tratamentos. Comparado com o grupo CN, os tratamentos de Mp e PG não mostraram diferenças significativas na bioquímica sanguínea nem na produção de leite (p<0,05) As vacas que receberam PG e Mg-E mostraram maiores valores de AGNE, indicando uma acentuada lipomobilização. A suplementação com Mg-E também resultou em maiores concentrações de colesterol, BHB, uréia, AST e menores valores de glicemia. Este resultado pode ser explicado pela maior produção de leite observada com este tratamento. Os tratamentos com PG e Mp não melhoraram a produção de leite, comparados ao grupo CN, mas também não mostraram evidências metabólicas de cetose, alta lipomobilização nem infiltração gordurosa hepática. Os resultados sugerem que o tratamento com Mg-E melhora a produção de leite, mas induz um balance energético negativo maior levando a moderada lipomobilização e produção de corpos cetônicos, aumentando o risco de fígado gorduroso.

Lipidose hepática; indicadores bioquímicos; início da lactação; período de transição


Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br