Resistência anti-helmíntica de nematódeos gastrointestinais de ovinos ao monepantel na região central do Rio Grande do Sul

Fernanda Ramos Luiza P. Portella Fernando de S. Rodrigues Caroline Z. Reginato Alfredo S. Cezar Luis A. Sangioni Fernanda S.F. Vogel Sobre os autores

RESUMO:

Devido aos numerosos relatos de resistência anti-helmíntica de nematódeos gastrintestinais de ovinos a diferentes compostos, este estudo objetivou avaliar o status da resistência de nematódeos gastrintestinais de ovinos naturalmente infectados ao monepantel no estado do Rio Grande do Sul. Quatro fazendas que apresentam sistema extensivo de criação e ausência de tratamento anti-helmíntico por 60 dias foram selecionados para o estudo. Animais que apresentassem as contagens de ovos por grama de fezes (OPG) ≥200 (sensibilidade de 50 OPG) um dia (D-1) antes do tratamento foram selecionados para o estudo e separados em dois grupos, um grupo controle e um grupo experimental tratado com monepantel. Fezes foram coletadas nove dias após o tratamento (D + 9) para realização do OPG e cultura fecal. O monepantel foi 100% eficaz apenas na propriedade 2. A eficácia encontrada nas propriedades 1, 3 e 4 foi 2,82%, 25,8% e 78,4%, respectivamente. Não houveram larvas viáveis após o tratamento nas propriedades 2, porém os gêneros Haemonchus, Trichostrongylus, Cooperia e Strongyloides demonstraram resistência a este nas demais propriedades. Este estudo mostra a presença de parasitas resistentes ao tratamento com monepantel, apontando para a importância de monitorar a sua eficácia em rebanhos de ovinos do Rio Grande do Sul, Brasil.

TERMOS DE INDEXAÇÃO:
Resistência anti-helmíntica; nematódeos gastrointestinais; ovinos; monepantel; pequenos ruminantes; eficácia

Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br
Accessibility / Report Error