Estudo caso-controle pareado avaliando a frequência dos principais agentes causadores de diarréia neonatal em suínos no Rio Grande do Sul

Ricardo T. Lippke Sandra M. Borowski Sandra M.T. Marques Suelen O. Paesi Laura L. Almeida Andrea M. Moreno Luís G. Corbellini David E.S.N. de Barcellos Sobre os autores

Um estudo de caso-controle em leitegadas de um a sete dias de idade foi realizado com o objetivo de identificar os principais agentes infecciosos envolvidos na diarreia neonatal de leitões. As amostras de fezes (n=276) foram coletadas em granjas de suínos no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, no período de maio a setembro de 2007. Leitegadas com diarreia foram consideradas casos (n=147) e leitegadas normais, controles (n=129). As amostras foram examinadas através do teste de aglutinação em látex, PAGE, cultivo, ELISA, PCR e métodos microscópicos para a excreção dos principais agentes de diarreia: virais (rotavirus), bacterianos (Escherichia coli, Clostridium perfringens tipos A e tipo C e Clostridium difficile) e parasitários (coccídeos e Cryptosporidium spp.). Durante o período do estudo não foram observados surtos e a diarréia, quando presente, apresentou-se leve. Pelo menos um agente foi identificado nas amostras fecais de 25 entre 28 granjas (89,3%) analisadas e em 16 granjas (57,1%) mais de um agente foi detectado. Os principais agentes encontrados nas granjas foram coccídeos (42,86%) e rotavírus (39,29%). Os principais agentes detectados nas leitegadas com diarreia foram Clostridium difficile (10,6%), Clostridium perfringens tipo A (8,8%) e rotavírus (7,5%). Por outro lado, nas leitegadas controle os agentes mais prevalentes foram Clostridium difficile (16,6%) e coccídeos (8,5%). E. coli Beta hemolítica e Clostridium perfringens tipo C não foram detectados. O presente estudo de caso-controle demonstrou que nenhum agente infeccioso esteve associado significativamente com diarreia (p>0.05). Esses achados reforçam a necessidade de que haja cuidado na interpretação de resultados de exames laboratoriais em materiais coletados de leitões com diarreia neonatal leve, pois a detecção isolada de um agente infeccioso não indica necessariamente que o mesmo seja a causa do problema.

Suínos; diarréia neonatal; caso-controle; epidemiologia; diagnóstico


Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br