Efeitos de fontes orgânicas de cobre e enxofre sobre os parâmetros bioquímicos no soro de ovinos

Effects of organic and inorganic copper and sulphur supplementation on blood biochemical parameters in sheep

Renata M.C. Conti Marcus A. Zanetti Arlindo Saran Netto Paulo H.M. Rodrigues Jose C.G. Pacheco Carmen M.L.P. Garrine Carolina Y.C. Yoshikawa Sobre os autores

RESUMO:

Minerais são componentes essenciais na dieta, exercendo diversas funções no organismo animal onde o uso de sais orgânicos visa aumentar a disponibilidade dos inerais no trato digestório. O perfil metabólico auxilia na avaliação de índices produtivos, para tanto, se faz análises de componentes bioquímicos do sangue. O objetivo foi estudar os efeitos que fontes orgânicas e inorgânicas de cobre e enxofre possuem nos parâmetros bioquímicos. O experimento foi realizado na FZEA/USP, para tanto 40 ovinos foram distribuídos em 10tratamentos: 1) dieta basal; 2) dieta contendo Mo; 3) dieta basal+ Cu inorg + S inorg; 4) dieta basal + Cu inorg + S org; 5) dieta basal + Cu org + S inorg; 6) dieta basal + Cu org + S org; 7) dieta com Mo + Cu inorg + S inorg; 8) dieta com Mo + Cu inorg + S org; 9) dieta com Mo + Cu org + S inorg; 10) dieta com Mo + Cu org + S org. De acordo com cada tratamento houve a inclusão de 10mgkg-1 de MS de Cu inorgânico ou orgânico ou 10 mg kg-1 de MS de Mo ou 0,2% de S inorgânico ou orgânico. Os animais receberam dieta única duas vezes ao dia com inclusão de volumoso num total de 3% do peso vivo. O experimento teve duração de 84 dias, com coletas a cada 28 dias para estudo de glicose, ureia, albumina, colesterol, triglicerídeos. Os parâmetros foram analisados com estrutura fatorial 2 x 2 x 2 (com e sem Mo, Cu orgânico e inorgânico e S orgânico e inorgânico) e uma dieta basal e uma basal mais molibdênio, em delineamento inteiramente casualizado, com um nível de significância de 5%. Os teores séricos de glicose, ureia, albumina e colesterol não apresentaram diferença significativa entre tratamentos e tempo, tão pouco foram influenciados (p>0.05) pelos tratamentos, sendo as médias 64,8mg dl-1; 30,0mg dl-1; 2,78mg L-1; 72,2mg dl-1respectivamente, apresentando-se dentro da normalidade. Os teores de triglicerídeos nos tratamentos (28.8; 34.8; 30.8; 36.9; 34.3; 27.0; 31.6; 32.1; 34.6; 31.1mg dl-1) foram influenciados pela interação Cu x S.

Termos de Indexação:
Cobre; enxofre; minerais; glicose; albumina; colesterol; triglicerideo

Abstract:

Minerals are essential components in the diet, exercising various functions in the animal. There are many studies to find better results for the organic sources of minerals, and one of the reasons for that is to avoid the negative interactions. The metabolic profile helps in assessment of production indices, therefore analyzes blood biochemical components. The objective of this study was to investigate the effects of organic and inorganic copper and sulphur supplementation on blood biochemical parameters in sheep. The experiment was conducted at the FZEA/USP. Total 40 weaned sheep were divided in a completely randomized design with 10 treatments: 1) basal diet; 2) basal diet plus Mo; 3) basal diet + inorganic Cu + inorganic S; 4) basal diet + inorganic Cu + organic S; 5) basal diet + organic Cu + inorganic S; 6) basal diet + organic Cu + organic S; 7) diet plus Mo + inorganic Cu + inorganic S; 8) diet plus Mo + inorganic Cu + organic S; 9) diet plus Mo + organic Cu + inorganic S; 10) diet plus organic Cu + organic S. According each treatment was added 10mg kg-1 MS inorganic or organic Cu or 10mg kg-1 MS Mo or 0.2% S inorganic or organic. The animals were fed twice a day, a total of 3% of body weight. The experiment lasted 84 days, blood was sampled every 28 days to study glucose, urea, albumin, cholesterol and triglycerides. The parameters were analyzed with factorial structure 2 x 2 x 2 (with and without Mo, organic and inorganic Cu and organic and inorganic S) and a basal diet and a basal diet plus Mo, with 5% significance. Serum levels of glucose, urea, albumin and cholesterol showed no significant difference between treatment and time (p> 0.05). It observed means of 64.8mg dl- 1; 30.0mg dl -1; 2.78mg L -1; 72.2mg dl- 1 respectively for glucose, urea, albumin and cholesterol. Serum levels of triglycerides in the treatments (28.8; 34.8; 30.8; 36.9; 34.3; 27.0; 31.6; 32.1; 34.6; 31.1mg dl- 1) were influenced by interaction Cu x S, triglycerides decreased with Cu and S organic.

Index Terms:
Copper; sulphur; mineral supplementation; glucose; albumin; cholesterol; triglyceride

INTRODUÇÃO

Os minerais são componentes essenciais na dieta de espécies domésticas (Baker et al. 2003Baker D.S., Ahola J.K., Burns P.D. & Engle T.E. 2003. Trace mineral metabolism in ruminants: impact in production, reproduction and the environment. Proc. Alltech's 19th Annual Symposium on Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries., Fort Collins, Colorado, p.275-287.), exercendo diversas funções no organismo, interagindo com outros nutrientes e entre si, tornando seu estudo complexo (Brizola & Zanetti 1999Brizola M.L. & Zanetti M.A. 1999. Efeitos de níveis elevados de selênio e enxofre na dieta de cordeiros sobre o metabolismo do cobre, do zinco e do ferro. Anais XXXVI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Porto Alegre. Disponível em <Disponível em http://www.sbz.org.br/visualizar. Php?Idiom=pt&artigo=17917 > Acesso em 8 out. 2014.
http://www.sbz.org.br/visualizar. Php?Id...
).

A não suplementação mineral conforme as exigências nutricionais pode causar distúrbios metabólicos e com isso queda no desempenho produtivo (Berchielli et al. 2006Berchielli T.T., Pires A.V. & Oliveira S.G. 2006. Nutrição de Ruminantes. Funep, Jaboticabal 583p.).

Vários fatores podem alterar as respostas das suplementações minerais, como duração, forma e concentração do suplemento mineral, estado fisiológico do animal, fatores ambientais, estresse e minerais antagonistas (Baker et al. 2003Baker D.S., Ahola J.K., Burns P.D. & Engle T.E. 2003. Trace mineral metabolism in ruminants: impact in production, reproduction and the environment. Proc. Alltech's 19th Annual Symposium on Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries., Fort Collins, Colorado, p.275-287., Malafaia et al. 2014Malafaia P., Costa R.M., Brito M.F., Peixoto P.V., Barbosa J.D., Tokarnia C.H. & Döbereiner J. 2014. Equívocos arraigados no meio pecuário sobre deficiências e suplementação minerais em bovinos no Brasil. Pesq. Vet. Bras. 34:244-249.).

A maior concentração de cobre no organismo se encontra no fígado, sua concentração aumenta com o crescimento e nível de produtividade. A absorção ocorre no trato intestinal, o transporte através do plasma e o armazenamento no fígado. A rota de excreção é a bílis (Cavalheiro & Trindade 1992Cavalheiro A.C.L. & Trindade D.S. 1992. Os Minerais para Bovinos e Ovinos Criados em Pastejo. Sagra, Porto Alegre. 142p.).

Em média trabalha-se com 10mg/kg na ração, sendo necessário níveis maiores quando o teor de molibdênio é elevado. Para ovinos, a concentração máxima tolerada é de 15mg Cu/kg de MS na dieta, (NRC 2007NRC 2007. Nutrient Requeriments of Small Ruminants. National Research Council, Washington, DC. 362p.), existindo proximidade entre os níveis desejados e toxidade, bem como uma dependência do nível de molibdênio (Berchielli et al. 2006Berchielli T.T., Pires A.V. & Oliveira S.G. 2006. Nutrição de Ruminantes. Funep, Jaboticabal 583p.), Ca, S, Fe e Zn (McDowell 2003mcdowell L.R. 2003. Minerals in Animal and Human Nutrition. 2nd ed. Elsevier, Amsterdam, Netherlands. 644p.).

No plasma encontra-se um complexo cobre-proteína denominado ceruloplasmina, globulina responsável pelo transporte de cobre no plasma e pela regulação da absorção e distribuição do mineral.

Segundo Gould & Kendall (2011Gould L. & Kendall N.R. 2011. Role of the rumen in copper and thiomolybdate absorption. Nutr. Res. Revs 24:176-182.) a toxidade dos cobre-tiomolibdatos podem ser erroneamente confundidos com deficiência de cobre. A deficiência ou a toxidade de cobre depende da concentração de cobre na dieta e da concentração de minerais antagonistas que interferem na sua absorção (Gooneratne et al. 1989Gooneratne S.R., Buckley W.T. & Christensen D.A. 1989. Review of cooper deficiency and metabolism in ruminants. Can. J. Anim. Sci. 679:819-845.), a quantidade de molibdênio na dieta pode ser aumentada para compensar os efeitos tóxicos de cobre em ovinos (Henry & Miles 2000Henry P.R. & Miles R.D. 2000. Interactions among the trace minerals. Ciênc. Anim. Bras.1:95-106.).

Na suplementação de enxofre utiliza-se flor de enxofre ou enxofre ventilado, sulfato de potássio ou sulfato de sódio como fonte de enxofre inorgânico (Cavalheiro & Trindade 1992Cavalheiro A.C.L. & Trindade D.S. 1992. Os Minerais para Bovinos e Ovinos Criados em Pastejo. Sagra, Porto Alegre. 142p.). Para ovinos, a concentração máxima tolerada 0,30% de S/kg de MS em dietas com mais de 85% de concentrado (NRC 2007NRC 2007. Nutrient Requeriments of Small Ruminants. National Research Council, Washington, DC. 362p.).

O molibdênio é um mineral essencial, onde as maiores concentrações encontra-se no fígado e os rins. Sua absorção ocorre no trato intestinal e sua secreção é pela via urinária (Cavalheiro & Trindade 1992Cavalheiro A.C.L. & Trindade D.S. 1992. Os Minerais para Bovinos e Ovinos Criados em Pastejo. Sagra, Porto Alegre. 142p.).

O molibdênio e o enxofre são antagonista ao cobres, ou seja, altos níveis de molibdênio aumentam as exigências de cobre. Caso os níveis de cobre no organismo sejam baixos, menores quantidades de molibdênio se tornarão tóxicas (Humphiries et al. 1983Humphries W.R., Phillippo M., Young B.W. & Bremner I. 1983. The influence of dietary iron and molybdenum on copper metabolism in calves. Brit. J. Nutr. 49(1):77-86., Pott et al. 1999Pott E.B., Henry P.R., Zanetti M.A., Rao P.V., Hinderberger Jr E.J. & Ammerman C.B. 1999. Effects of high dietary molybdenum concentration and duration of feeding time on molybdenum and copper metabolism in sheep. Anim. Feed Sci. Technol.79(1/2):93-105.).

Sabe-se que aumento nos níveis de molibdênio no fígado, diminui a síntese de ceruloplasmina, tornando o cobre não disponível. O molibdênio em altos níveis interfere também no metabolismo energético.

Para ovinos, a concentração máxima tolerada é 05 a 10mg de Mo/kg de MS na alimentação quando considerado os níveis adequados de cobre (NRC 2007NRC 2007. Nutrient Requeriments of Small Ruminants. National Research Council, Washington, DC. 362p.).

Os minerais inorgânicos são encontrados principalmente na forma de sulfatos, carbonatos, cloretos e óxidos, enquanto a forma orgânica geralmente são íons metálicos ligados a aminoácidos ou complexo de proteína (Baker 2003Baker D.S., Ahola J.K., Burns P.D. & Engle T.E. 2003. Trace mineral metabolism in ruminants: impact in production, reproduction and the environment. Proc. Alltech's 19th Annual Symposium on Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries., Fort Collins, Colorado, p.275-287.).

Segundo Baruselli (2008Baruselli M.S. 2008. Benefícios do uso de minerais sob a forma orgânica no balanceamento de rações para ruminantes. Anais 1º Congresso Brasileiro de Nutrição Animal, Fortaleza, p.1-21.) os minerais orgânicos possuem maior absorção, maior retenção no organismo e, portanto, maior capacidade de promover os efeitos desejáveis da suplementação quando comparados com os minerais inorgânicos.

Várias interações entre minerais têm sido documentada, como zinco-ferro, cobre-enxofre, cobre-molibdênio, cobre-ferro, e cobre-molibdênio-enxofre (Baker 2003Baker D.S., Ahola J.K., Burns P.D. & Engle T.E. 2003. Trace mineral metabolism in ruminants: impact in production, reproduction and the environment. Proc. Alltech's 19th Annual Symposium on Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries., Fort Collins, Colorado, p.275-287.). Um excesso de consumo em um deles pode modificar o requerimento dos outros (Cavalheiro & Trindade 1992Cavalheiro A.C.L. & Trindade D.S. 1992. Os Minerais para Bovinos e Ovinos Criados em Pastejo. Sagra, Porto Alegre. 142p.).

Segundo Suttle (1975Suttle N.F. 1975. The role of organic sulphur in the copper-molybdenum-S interrelationship in ruminant nutrition. Brit. J. Nutr.34:411-420.) existe possibilidade de que o enxofre orgânico tenha participação no efeito antagonista do cobre-molibdênio, porém, em experimento com enxofre orgânico e inorgânico observou que ambos tiveram papel similar no efeito antagonista do cobre- molibdênio- enxofre.

O molibdato satura-se com as moléculas de sulfeto formando os mono, di, tri ou tetratiomolibdatos (Suttle 1991Suttle N.F. 1991. The interaction between copper, molybdenum and sulfur in ruminants nutrition. Annual Vet. Nutr. 11:121-140.) que inibem o metabolismo do cobre, pois quanto maior a quantidade de enxofre na molécula, maior sua capacidade de ligar-se ao cobre livre (Suttle 1991) e na sequência ocorre a formação de cobre-tiomolibdatos que são altamente insolúveis (Vásquez et al. 2001Vásquez E.F.A., Herrera A.P.N. & Santiago G.S. 2001. Interação cobre, molibdênio e enxofre em ruminantes. Ciência Rural 31(6):1101-1106.) e indisponíveis para absorção (Galbraith et al 1997Galbraith H., Chigwada W., Scaife J.R. & Humphries W.R. 1997. The effect of dietary molybdenum supplementation on tissue copper concentrations, mohair fibre and carcass characteristics of growing Angora goats. Anim. Feed Sci. Technol. 67:83-90.).

A interação cobre - molibdênio - enxofre produz efeito negativo sobre a utilização do cobre (Suttle 1975Suttle N.F. 1975. The role of organic sulphur in the copper-molybdenum-S interrelationship in ruminant nutrition. Brit. J. Nutr.34:411-420., Dick 1975Dick A.T., Dewwy D.W. & Gawthorne J.M. 1975. Thiomolybdates and copper-molybdenum-sulfur interaction in ruminant nutrition. J. Agric. Sci. 85:567-568.), mesmo o enxofre ou molibdênio sozinhos podem ter efeito antagonista na absorção do cobre (Baker et al. 2003Baker D.S., Ahola J.K., Burns P.D. & Engle T.E. 2003. Trace mineral metabolism in ruminants: impact in production, reproduction and the environment. Proc. Alltech's 19th Annual Symposium on Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries., Fort Collins, Colorado, p.275-287.).

Segundo Gonzáles (2000) o perfil metabólico auxilia na avaliação de índices produtivos, para tanto, se faz análises de componentes bioquímicos do sangue, como hematócrito, níveis de hemoglobina, glicose, ureia, albumina, globulina, proteína total, fosfatos inorgânicos, cálcio, potássio, magnésio, sódio, cobre e ferro.

Este trabalho teve como objetivo estudar os efeitos que as fontes orgânicas e inorgânicas de cobre e enxofre possuem nos parâmetros bioquímicos.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi realizado no Departamento de Zootecnia da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo, sendo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos sob o processo USP: 14.1.1410.74.7. Foram utilizados 40 ovinos inteiros, Santa Inês/Dorper, com idade aproximada de 3 meses e peso aproximado de 20 kg distribuídos em 10 tratamentos sendo 1) Dieta basal; 2) Dieta contendo 10mg de molibdênio; 3) Dieta basal + 10mg de cobre inorgânico por kg de M.S. + 0,2% de enxofre inorgânico; 4) Dieta basal + 10mg de Cu inorgânico + 0,2% de enxofre orgânico; 5) Dieta basal + 10mg de Cu orgânico + 0,2% de enxofre inorgânico; 6) Dieta basal + 10mg de Cu orgânico + 0,2% de enxofre orgânico; 7) Dieta com 10mg de molibdênio + 10mg de cobre inorgânico + 0,2% de enxofre inorgânico; 8) Dieta com 10mg de molibdênio + 10mg de cobre inorgânico + 0,2% de enxofre orgânico; 9) Dieta com 10mg de molibdênio +10mg de cobre orgânico + 0,2% de enxofre inorgânico; 10) Dieta com 10mg de molibdênio + 10mg de cobre orgânico + 0,2% de enxofre orgânico.

A fonte de enxofre inorgânico foi enxofre puro (flor de enxofre), o enxofre orgânico foi o enxofre-proteinato, o cobre inorgânico foi o sulfato de cobre e o cobre orgânico foi o cobre proteinado e a fonte de molibdênio utilizada foi o molibdato de sódio (Pott et al. 1999Pott E.B., Henry P.R., Zanetti M.A., Rao P.V., Hinderberger Jr E.J. & Ammerman C.B. 1999. Effects of high dietary molybdenum concentration and duration of feeding time on molybdenum and copper metabolism in sheep. Anim. Feed Sci. Technol.79(1/2):93-105.).

Antes do início do experimento, os animais receberam vermífugos e foram colhidas amostra de fígado através de biópsia cirúrgica.

Houve um período de adaptação de 14 dias antes do início da colheita das amostras, sendo que os animais receberam água e alimento à vontade até um máximo de 3% do peso vivo. Os animais permaneceram em gaiolas para estudo de metabolismo, revestidas de plástico para evitar possíveis contaminações, instaladas em galpão coberto equipado com cortinas laterais, comedouro e bebedouros individuais, durante um período experimental de 84 dias.

Os animais foram alimentados duas vezes ao dia através de ração total com inclusão de volumoso no intuito de evitar seleção (Zanetti & Cunha 1997Zanetti M.A. & Cunha J. 1997. Biodisponibilidade de fontes orgânicas e inorgânicas de selênio. Revta Bras. Zootec.26(3):623-627.). As dietas foram formuladas para atender as exigências nutricionais recomendadas pelo NRC (2007)NRC 2007. Nutrient Requeriments of Small Ruminants. National Research Council, Washington, DC. 362p., sendo que a dieta controle encontra-se no Quadro 1.

Quadro 1
composição percentual da dieta experimental, na matéria original fornecida aos ovinos na dieta controle

As análises bromatológicas foram realizadas nos Laboratórios de Bromatologia e de Minerais da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da USP para análises de matéria seca (MS), proteína bruta (PB), extrato etéreo (EE), matéria mineral (MM), energia bruta (EB) de acordo com AOAC (1996), fibra em detergente neutro (FDN) e fibra em detergente ácido (FDA), conforme Silva & Queiroz (2005Silva D.J. & Queiroz A.C. 2005. Análise de Alimentos: métodos químicos e biológicos. 3ª ed. Editora UFV, Viçosa, MG. 235p.), cálcio, fósforo, cobre, molibdênio e enxofre foram determinadas por espectrometria de emissão ótica (ICP-OES) no laboratório de Minerais do Departamento de Zootecnia da FZEA/USP (Métodos Analíticos 2013Métodos Analíticos 2013. Compêndio Brasileiro de Alimentação Animal. 4ª ed. Sindirações, São Paulo, p.175-181.).

Foram realizadas colheitas de sangue em cada animal por punção na veia jugular observando-se todos os cuidados de assepsia, a cada 28 dias, totalizando 84 dias, para as análises de glicose, colesterol, triglicerídeos, ureia e albumina e hematócrito.

Para as amostra de glicose e hematócrito foram utilizados tubos vaccuntainer com fluoreto na colheita de sangue. Para a determinação de hematócrito foi utilizado o método de micro hematócrito (Sink & Feldman 2006Sink C.A. & Feldman B.F. 2006. Hematologia: coleta e avaliação da amostra, p.45-60. In: Ibid. (Eds), Urinálise e Hematologia: laboratorial para o clínico de pequenos animais.. Editora Roca, São Paulo). Os parâmetros sanguíneos ureia e albumina destinam-se ao metabolismo proteico e glicose, colesterol e triglicerídeos para metabolismo energético, sendo as análises determinadas pelo método enzimático.

Os parâmetros foram analisados considerando-se a existência de uma estrutura de tratamento fatorial 2 x 2 x 2 (com e sem molibdênio, cobre orgânico e inorgânico, enxofre orgânico e inorgânico, além de uma dieta basal e uma basal com molibdênio), em delineamento inteiramente casualizado, com 4 repetições por tratamento e considerando cada animal como uma unidade experimental.

Para a comparação dos parâmetros nos diferentes tempos, os dados foram analisados utilizando-se o PROC MIXED do SAS (2000)SAS 2000. Guide for Personal Computers. SAS Institute Inc., Cary., com nível de significância de 5%. Os contrates ortogonais estudados foram dieta basal x demais, Molibdênio exclusivo x demais, Presença de Molibdênio, Forma de Cobre, Forma de enxofre, Interação Molibdênio x Cobre, interação Molibdênio x enxofre, Interação cobre x enxofre e interação cobre x enxofre x molibdênio.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A análise bromatológica da dieta experimental apresentou 5,70% MM; 4,28% EE; 28,20 FDN; 16,64 FDA; 15,73% PB; 1,18 Ca e 0,58 P na MS. Os teores de Cu, Mo e S na dieta encontram-se no Quadro 2. Os resultados de glicose, albumina, ureia obtidos no período experimental estão apresentados nos Quadros 3, 4 e 5.

Quadro 2
Teores de cobre, molibdênio e enxofre nos tratamentos (em mg/kg)

A concentração plasmática de glicose, albumina e ureia não apresentaram diferença significativa (P>0,05) entre os tratamentos, nem interação entre tempo*tratamento. Entretanto houve efeito quadrático em relação ao tempo para os parâmetros de glicose e ureia. A probabilidade estatística dos contrastes não mostraram efeito significativo para nenhum desses parâmetros.

Em estudo com sal orgânico e inorgânico Peixoto et.al. (2010Peixoto L.A.O., Osorório M.T.M., Osório J.C.S., Nornberg J.L. & Pazini M. 2010. Desempenho reprodutivo em metabólitos sanguíneos de ovelhas Île de France sob suplementação com sal orgânico ou sal comum durante estação de monta. Revta Bras. Zootec. 39(1):191-197.) encontraram valores de 38mg/dl de ureia em média e 63mg/dl de glicose, resultados estes semelhantes ao encontrado no presente estudo.

A concentração plasmática de glicose em ruminantes em jejum varia entre 77 a 115mg/dl (Kerr 2003Kerr M.G. 2003. Introdução à bioquímica clínica, p.81-230. In: ibid. (Ed.), Exames Laboratoriais em Medicina Veterinária, Bioquímica Clínica e Hematologia. 2ª ed. Editora Roca, São Paulo.).

A constância nas concentrações de glicose sanguínea se deve a eficiência de mecanismos hormonais como as vias glicolítica, gliconeogênese, glicogenólise e glicogênese (Berg et al. 2004Berg J.M., Tymoczko J.L. & Strayer L. 2004. Bioquímica. 5ª ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. 1059p.).

As concentrações de albumina estão dentro da normalidade (Kerr 2003Kerr M.G. 2003. Introdução à bioquímica clínica, p.81-230. In: ibid. (Ed.), Exames Laboratoriais em Medicina Veterinária, Bioquímica Clínica e Hematologia. 2ª ed. Editora Roca, São Paulo.) e de acordo com valores encontrados por Ortolani (1997Ortolani E.L. 1997. Efeitos da suplementação dieta de molibdênio e enxofre sobre a infestação de Haemonchus contortus (Rudolphi, 1803) em ovinos: estudo de alguns aspectos do metabolismo de cobre e sódio e da resposta celular do hospedeiro. Tese de Livre-Docência, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 94p.) em ovinos suplementados com molibdênio e enxofre e Peixoto et al. (2010Peixoto L.A.O., Osorório M.T.M., Osório J.C.S., Nornberg J.L. & Pazini M. 2010. Desempenho reprodutivo em metabólitos sanguíneos de ovelhas Île de France sob suplementação com sal orgânico ou sal comum durante estação de monta. Revta Bras. Zootec. 39(1):191-197.) que suplementou ovinos com sal orgânico e inorgânico. Observa-se dessa maneira níveis adequados de proteína na dieta e ausência de efeitos tóxicos devidos aos tratamentos utilizados.

Níveis elevados de albumina podem ocorrer devido a desidratação, inflamações e níveis elevados ligados a gastroenterites, problemas hepáticos entre outros. (Sink & Feldman 2006Sink C.A. & Feldman B.F. 2006. Hematologia: coleta e avaliação da amostra, p.45-60. In: Ibid. (Eds), Urinálise e Hematologia: laboratorial para o clínico de pequenos animais.. Editora Roca, São Paulo). Um fator importante para acompanhamento da albumina se deve ao fato dela e outras proteínas carreadoras se ligarem ao cobre no processo de absorção e carreá-lo ao fígado, local de estocagem para posterior utilização pelo organismo animal. A albumina se liga ao cobre transportando 10% do cobre plasmático, mas com menor afinidade que a ceruloplasmina, por isso a facilidade da albumina em liberar o cobre aos tecidos para estocagem.

A ureia é um metabólito envolvido na excreção de nitrogênio, como produto final da quebra de aminoácidos. Por ser um produto final na quebra de aminoácidos, a ureia pode sofrer alterações por fatores alimentares, como excesso na alimentação, ou proteína de baixa qualidade, deficiência de carboidrato entre outros (Kerr 2003Kerr M.G. 2003. Introdução à bioquímica clínica, p.81-230. In: ibid. (Ed.), Exames Laboratoriais em Medicina Veterinária, Bioquímica Clínica e Hematologia. 2ª ed. Editora Roca, São Paulo.)auxiliando assim a avaliação alimentar e o desenvolvimento da saúde animal. Portanto, fatores que aumentam a produção de ureia no fígado, promovem elevação na concentração sanguínea de ureia (Thrall et al. 2006Thrall M.A., Baber D.C., Campbell T.W., Denicola D., Fettman M.J., Lassen E.D., Rebar A. & Weise G. 2006. Bioquímica clínica aplicada aos principais animais domésticos, p.282-430. In: Ibid. (Eds), Hematologia e Bioquímica Clínica Veterinária.. Editora Roca, São Paulo). A concentração plasmática normal de ureia em animais é de 3 a 8 mmol/L (Kerr 2003Kerr M.G. 2003. Introdução à bioquímica clínica, p.81-230. In: ibid. (Ed.), Exames Laboratoriais em Medicina Veterinária, Bioquímica Clínica e Hematologia. 2ª ed. Editora Roca, São Paulo.).

Nos Quadros 6 e 7 encontram-se os valores séricos de colesterol e triglicerídeos.

Não foram observadas diferenças significativas (P>0,05) entre os tratamentos para os parâmetros de colesterol total e triglicerídeos no soro dos ovinos. Observou-se efeito quadrático em relação ao tempo (P<0,05) para os parâmetros de colesterol e triglicerídeos no soro. A interação cobre-enxofre mostrou efeito significativo (P<0,05) nos níveis de triglicerídeos, diminuindo os valores sanguíneos de triglicerídeos quando administrado cobre e enxofre nas fontes orgânicas, como pode ser observado também na Figura 1.

Em relação ao colesterol, não foi observado diferença significativa entre os tratamentos e a probabilidade estatística dos contrastes também não apresentou efeito significativo (P>0,05). Ocorreu efeito no tempo, sendo que na presença de molibdênio ocorreu aumento nos níveis de colesterol e redução nos tratamentos sem a inclusão de molibdênio.

Os triglicerídeos não apresentaram efeito significativo em relação aos tratamentos (P>0,05). A interação cobre x enxofre mostrou efeito significativo (P<0,05) sendo que na presença de cobre e enxofre nas fontes orgânicas houve redução nos níveis de triglicerídeos conforme apresentado na Figura 1.

Fig.1
Níveis médios de triglicerídeos no soro de ovinos na interação de fontes orgânicas e inorgânicas de cobre e enxofre.

O conteúdo dos triglicerídeos na corrente sanguínea em níveis normais reflete o equilíbrio entre absorção no intestino delgado, sua síntese e secreção nos hepatócitos e absorção pelo tecido adiposo (Thrall et al. 2006Thrall M.A., Baber D.C., Campbell T.W., Denicola D., Fettman M.J., Lassen E.D., Rebar A. & Weise G. 2006. Bioquímica clínica aplicada aos principais animais domésticos, p.282-430. In: Ibid. (Eds), Hematologia e Bioquímica Clínica Veterinária.. Editora Roca, São Paulo). Os valores médios encontrados neste estudo estão de acordo com os apresentados por Peixoto et al. (2010Peixoto L.A.O., Osorório M.T.M., Osório J.C.S., Nornberg J.L. & Pazini M. 2010. Desempenho reprodutivo em metabólitos sanguíneos de ovelhas Île de France sob suplementação com sal orgânico ou sal comum durante estação de monta. Revta Bras. Zootec. 39(1):191-197.), sendo 73mg/dl para colesterol e 23mg/dl de triglicerídeos plasmáticos.

Garrine (2013Garrine C.M.L.P. 2013. Efeito de dois níveis de sulfato e cobre e cobre metionina no metabolismo e oxidação de lipídeos em ovinos. Tese de Doutorado em Zootecnia, Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Pirassununga, SP. 94p.) não observou efeito significativo (P>0,05) nas concentrações de triglicerídeos e colesterol total plasmático com suplementação de Cu ficando os valores de colesterol total entre 82 e 96mg/dl e os valores de triglicerídeos entre 19 e 27mg/l.

Em outro estudo com adição de 10 ou 20mg cobre/kg MS (cobre-lisina e cloreto do cobre tribásico) na alimentação de ovinos, Cheng et al. (2008Cheng J., Fan C., Zhang W., Zhu X., Yan X., Wang R. & Jia Z. 2008. Effects of dietary copper source and level on performance carcass characteristics an lipid metabolism in lambs. Asian-Aust. J. Anim. Sci. 21(5):685-691.) observaram redução nos níveis de colesterol sanguíneo quando adicionado cobre, independente da fonte e aumento nas concentrações de triglicerídeos.

Segundo Bakalli (1995Bakalli R.I., Pesti G.M., Ragland W.L. & Konjufca V. 1995. Dietary copper in excess of nutritional requirement reduces plasma and breast muscle cholesterol of chickens. Poult. Sci. 74(2):360-365.) a síntese de colesterol pode ter relação com a suplementação de cobre, pois o aumento do cobre hepático pode diminuir a concentração de glutationa reduzida e consequentemente reduzir a enzima limitante na síntese e colesterol, denominada 3-hidroxi-3 metil glutaril coenzima A-redutase (HMG-coa redutase).

Os valores de hematócrito aparecem no Quadro 8, não apresentaram diferença significativa entre os tratamentos (P>0,05) independente da inclusão de minerais ou das fontes, somente efeito quadrático no tempo.

Os valores de hematócrito em ovinos encontrados neste estudo estão dentro da normalidade, que pode variar de 27 a 45% (Garcia-Navarro & Pachaly 1994Garcia-Navarro C.E.K. & Pachaly J.R. 1994. Técnicas hematológicas, p.6989 6989. In: Ibid. (Eds), Manual de Hematologia Veterinária. Livraria Varela, São Paulo.) e a normalidade também indica que não houve problema por excesso de cobre.

CONCLUSÃO

A suplementação com molibdênio e/ou fontes de cobre e enxofre reduziram as concentrações de triglicerídeos na presença de fontes orgânicas de cobre e enxofre; porém não foram observados efeitos da interação cobre-enxofre-molibdênio nos outros parâmetros bioquímicos estudados.

Agradecimentos.

Ao Fundo de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) pelo financiamento do referido projeto (Projeto FAPESP 2011/21377-0). Á Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), e ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (cnpq) pela concessão de bolsa de Doutorado.

REFERÊNCIAS

  • Association of Official Analytical Chemists 1996. Official Methods of Analysis.16th ed. AOAC, Arlington. 1298p.
  • Bakalli R.I., Pesti G.M., Ragland W.L. & Konjufca V. 1995. Dietary copper in excess of nutritional requirement reduces plasma and breast muscle cholesterol of chickens. Poult. Sci. 74(2):360-365.
  • Baker D.S., Ahola J.K., Burns P.D. & Engle T.E. 2003. Trace mineral metabolism in ruminants: impact in production, reproduction and the environment. Proc. Alltech's 19th Annual Symposium on Nutritional Biotechnology in the Feed and Food Industries., Fort Collins, Colorado, p.275-287.
  • Baruselli M.S. 2008. Benefícios do uso de minerais sob a forma orgânica no balanceamento de rações para ruminantes. Anais 1º Congresso Brasileiro de Nutrição Animal, Fortaleza, p.1-21.
  • Berchielli T.T., Pires A.V. & Oliveira S.G. 2006. Nutrição de Ruminantes. Funep, Jaboticabal 583p.
  • Berg J.M., Tymoczko J.L. & Strayer L. 2004. Bioquímica. 5ª ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro. 1059p.
  • Brizola M.L. & Zanetti M.A. 1999. Efeitos de níveis elevados de selênio e enxofre na dieta de cordeiros sobre o metabolismo do cobre, do zinco e do ferro. Anais XXXVI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia, Porto Alegre. Disponível em <Disponível em http://www.sbz.org.br/visualizar. Php?Idiom=pt&artigo=17917 > Acesso em 8 out. 2014.
    » http://www.sbz.org.br/visualizar. Php?Idiom=pt&artigo=17917
  • Cavalheiro A.C.L. & Trindade D.S. 1992. Os Minerais para Bovinos e Ovinos Criados em Pastejo. Sagra, Porto Alegre. 142p.
  • Cheng J., Fan C., Zhang W., Zhu X., Yan X., Wang R. & Jia Z. 2008. Effects of dietary copper source and level on performance carcass characteristics an lipid metabolism in lambs. Asian-Aust. J. Anim. Sci. 21(5):685-691.
  • Dick A.T., Dewwy D.W. & Gawthorne J.M. 1975. Thiomolybdates and copper-molybdenum-sulfur interaction in ruminant nutrition. J. Agric. Sci. 85:567-568.
  • Galbraith H., Chigwada W., Scaife J.R. & Humphries W.R. 1997. The effect of dietary molybdenum supplementation on tissue copper concentrations, mohair fibre and carcass characteristics of growing Angora goats. Anim. Feed Sci. Technol. 67:83-90.
  • Garcia-Navarro C.E.K. & Pachaly J.R. 1994. Técnicas hematológicas, p.6989 6989 In: Ibid. (Eds), Manual de Hematologia Veterinária. Livraria Varela, São Paulo.
  • Garrine C.M.L.P. 2013. Efeito de dois níveis de sulfato e cobre e cobre metionina no metabolismo e oxidação de lipídeos em ovinos. Tese de Doutorado em Zootecnia, Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Pirassununga, SP. 94p.
  • Gould L. & Kendall N.R. 2011. Role of the rumen in copper and thiomolybdate absorption. Nutr. Res. Revs 24:176-182.
  • González F.H.D., Durr J.W. & Fontaneli R.S. 2000. Perfil Metabólico em Ruminantes: seu uso em nutrição e doenças nutricionais. Gráfica UFRGS, Porto Alegre.
  • Gooneratne S.R., Buckley W.T. & Christensen D.A. 1989. Review of cooper deficiency and metabolism in ruminants. Can. J. Anim. Sci. 679:819-845.
  • Henry P.R. & Miles R.D. 2000. Interactions among the trace minerals. Ciênc. Anim. Bras.1:95-106.
  • Humphries W.R., Phillippo M., Young B.W. & Bremner I. 1983. The influence of dietary iron and molybdenum on copper metabolism in calves. Brit. J. Nutr. 49(1):77-86.
  • Kerr M.G. 2003. Introdução à bioquímica clínica, p.81-230. In: ibid. (Ed.), Exames Laboratoriais em Medicina Veterinária, Bioquímica Clínica e Hematologia. 2ª ed. Editora Roca, São Paulo.
  • Malafaia P., Costa R.M., Brito M.F., Peixoto P.V., Barbosa J.D., Tokarnia C.H. & Döbereiner J. 2014. Equívocos arraigados no meio pecuário sobre deficiências e suplementação minerais em bovinos no Brasil. Pesq. Vet. Bras. 34:244-249.
  • mcdowell L.R. 2003. Minerals in Animal and Human Nutrition. 2nd ed. Elsevier, Amsterdam, Netherlands. 644p.
  • Métodos Analíticos 2013. Compêndio Brasileiro de Alimentação Animal. 4ª ed. Sindirações, São Paulo, p.175-181.
  • NRC 2007. Nutrient Requeriments of Small Ruminants. National Research Council, Washington, DC. 362p.
  • Ortolani E.L. 1997. Efeitos da suplementação dieta de molibdênio e enxofre sobre a infestação de Haemonchus contortus (Rudolphi, 1803) em ovinos: estudo de alguns aspectos do metabolismo de cobre e sódio e da resposta celular do hospedeiro. Tese de Livre-Docência, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, São Paulo. 94p.
  • Peixoto L.A.O., Osorório M.T.M., Osório J.C.S., Nornberg J.L. & Pazini M. 2010. Desempenho reprodutivo em metabólitos sanguíneos de ovelhas Île de France sob suplementação com sal orgânico ou sal comum durante estação de monta. Revta Bras. Zootec. 39(1):191-197.
  • Pott E.B., Henry P.R., Zanetti M.A., Rao P.V., Hinderberger Jr E.J. & Ammerman C.B. 1999. Effects of high dietary molybdenum concentration and duration of feeding time on molybdenum and copper metabolism in sheep. Anim. Feed Sci. Technol.79(1/2):93-105.
  • SAS 2000. Guide for Personal Computers. SAS Institute Inc., Cary.
  • Silva D.J. & Queiroz A.C. 2005. Análise de Alimentos: métodos químicos e biológicos. 3ª ed. Editora UFV, Viçosa, MG. 235p.
  • Sink C.A. & Feldman B.F. 2006. Hematologia: coleta e avaliação da amostra, p.45-60. In: Ibid. (Eds), Urinálise e Hematologia: laboratorial para o clínico de pequenos animais.. Editora Roca, São Paulo
  • Suttle N.F. 1975. The role of organic sulphur in the copper-molybdenum-S interrelationship in ruminant nutrition. Brit. J. Nutr.34:411-420.
  • Suttle N.F. 1991. The interaction between copper, molybdenum and sulfur in ruminants nutrition. Annual Vet. Nutr. 11:121-140.
  • Thrall M.A., Baber D.C., Campbell T.W., Denicola D., Fettman M.J., Lassen E.D., Rebar A. & Weise G. 2006. Bioquímica clínica aplicada aos principais animais domésticos, p.282-430. In: Ibid. (Eds), Hematologia e Bioquímica Clínica Veterinária.. Editora Roca, São Paulo
  • Vásquez E.F.A., Herrera A.P.N. & Santiago G.S. 2001. Interação cobre, molibdênio e enxofre em ruminantes. Ciência Rural 31(6):1101-1106.
  • Zanetti M.A. & Cunha J. 1997. Biodisponibilidade de fontes orgânicas e inorgânicas de selênio. Revta Bras. Zootec.26(3):623-627.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Nov 2015

Histórico

  • Recebido
    29 Maio 2015
  • Aceito
    27 Out 2015
Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br