Caracterização ultrassonográfica, macroscópica e histológica da inserção proximal do ligamento suspensório em cavalos Crioulos

Grasiela De Bastiani Flávio D. De La Côrte Karin Erica Brass Camila Cantarelli Ligia Maria M. Malfestio Daniela Schwingel Taiara M. Silva Glaucia Denise Kommers Sobre os autores

RESUMO:

Embora uma modalidade diagnóstica rotineira, a ultrassonografia ainda possui algumas limitações para o diagnóstico de lesões como as que afetam a inserção proximal do ligamento suspensório (IPLS). Uma dessas limitações é relacionada à composição desse ligamento que inclui fibras musculares e tecido adiposo intercalados entre as fibras ligamentares. O objetivo do presente trabalho foi descrever os aspectos ultrassonográficos (US), macroscópicos e histológicos da IPLS de membros torácicos (MT) e membros pélvicos (MP) de equinos da raça crioulo (CC). Foram selecionados 34 espécimes de MT (direito e esquerdo) e 10 espécimes de MP de equinos com idade média de 5,7 anos, que vieram a óbito por diferentes causas, oriundos de uma clínica privada ou destinados ao Laboratório de Patologia Veterinária da UFSM. Não havia histórico prévio de claudicações nos membros selecionados que pudessem estar relacionadas a lesões da IPLS. Os 34 espécimes da IPLS MT foram divididos pela raça CC (n=25) e Puro Sangue Inglês (PSI) (n=9), o qual serviu como grupo controle e, 11 espécimes da IPLS do MP divididos em raça CC (n=8) e PSI (n=3) também como grupo controle. O exame US foi realizado na IPLS com um aparelho Sonosite Edge, transdutor linear de 5-10 MHz, com imagens transversais e longitudinais palmaromedial e palmarolateral da face proximal do metacarpiano (MC) III, II e IV. No MP a avaliação foi realizada quatro centímetros abaixo da castanha no aspecto plantaromedial do metatarsiano III e II (MTIII / MTII). Foram também observadas à forma lobulada da IPLS e o tamanho em comparação ao membro contralateral, bem como a regularidade da superfície óssea palmar do MC III, II, IV. Posteriormente foi realizada a dissecação dos lobos IPLS, bem como a avaliação macroscópica dos mesmos que antecedeu o processamento das amostras para histologia. Em espécimes CC, a IPLS possui uma ecogenicidade que varia de zonas periféricas dorsais hiperecogênicas que se mesclam a zonas ecogênicas e hipoecogênicas onde ocorre a sua lobulação. Nas amostras do grupo PSI, a IPLS também é lobulada, mas com diferenças no padrão de ecogenicidade como, hipoecogenicidade e ecogenicidade difusas. Macroscopicamente, as amostras CC apresentaram uma grande quantidade de tecido adiposo que corresponde à zona periférica dorsal da IPLS, a qual termina no tecido conjuntivo que delimita os lobos ligamentares. Em uma secção transversal macroscópica da IPLS as fibras musculares em vermelho se mesclam as fibras ligamentares brancas no centro do ligamento. Este achado macroscópico não foi observado na raça PSI, onde as fibras musculares intercalam as fibras ligamentares em toda a extensão do ligamento e pequenas quantidades de gordura estão presentes na periferia dorsal do mesmo. A IPLS no MP possui um formato triangular com características de ecogenicidade muito similares as citadas no MT. Na avaliação US, macroscópica e histológica as amostras da IPLS em MT e MP de equinos na raça CC demonstraram uma maior quantidade de tecido adiposo dorsal periférico bem como, uma maior quantidade de fibras musculares e ligamentares mescladas em comparação às amostras PSI.

TERMOS DE INDEXAÇÃO:
Ultrassonografia; macroscopia; histologia; inserção proximal; ligamento suspensório; cavalos Crioulos; ultrassom; equinos

Colégio Brasileiro de Patologia Animal - CBPA Pesquisa Veterinária Brasileira, Caixa Postal 74.591, 23890-000 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel./Fax: (55 21) 2682-1081 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: pvb@pvb.com.br