Depression, stress and anxiety in medical students: A cross-sectional comparison between students from different semesters

Ivana Lúcia Damásio Moutinho Natalia de Castro Pecci Maddalena Ronald Kleinsorge Roland Alessandra Lamas Granero Lucchetti Sandra Helena Cerrato Tibiriçá Oscarina da Silva Ezequiel Giancarlo Lucchetti Sobre os autores

Resumo

Objetivo:

Comparar a prevalência de ansiedade, depressão e estresse em estudantes de todos os períodos de graduação de medicina e avaliar os fatores associados.

Método:

Estudo transversal e comparativo, realizado com alunos dos seis anos (doze semestres) de um curso de medicina brasileiro. Os alunos preencheram um questionário com dados sociodemográficos e relacionados à religiosidade (Duke Religion Index) e à saúde mental (DASS-21 - Depression, Anxiety and Stress Scale). Os estudantes dos 12 períodos do curso foram comparados quanto às variáveis demográficas, socioeconômicas e saúde mental por meio dos testes de Qui-quadrado ou ANOVA. Para avaliar os fatores associados a cada variável dependente (estresse, depressão e ansiedade), foram utilizados modelos de regressão linear.

Resultados:

Responderam ao questionário 743 (73,63%) dos 1.009 estudantes matriculados no curso de medicina, com 34,6% apresentando sintomatologia depressiva; 37,2%, sintomas de ansiedade; e 47,1%, estresse. Houve diferenças significantes entre os períodos em relação à ansiedade - ANOVA: (F = 2,536; p=0,004), sendo as diferenças entre o primeiro e o décimo período (p=0,048) e entre o primeiro e o décimo primeiro período (p=0,025); à depressão - ANOVA: (F = 2,410; p=0,006), sendo as diferenças entre o primeiro e o segundo período (p=0,045); e ao estresse - ANOVA: (F = 2,968; p=0,001), sendo as diferenças entre o sétimo e o décimo segundo período (p=0,044), entre o décimo e o décimo segundo (p=0,011) e entre o décimo primeiro e o décimo segundo (p=0,001). Estiveram associados (a) ao estresse: gênero feminino, ansiedade e depressão; (b) à depressão: gênero feminino, religiosidade intrínseca, ansiedade e estresse; (c) à ansiedade: semestre do curso, depressão e estresse.

Conclusão:

Os achados do presente estudo mostram altos níveis de sintomas de depressão, ansiedade e estresse em estudantes de medicina, com diferenças marcantes nos diferentes semestres do curso. Fatores como gênero e religiosidade parecem influenciar a saúde mental dos estudantes de medicina.

Palavras-chave:
educação médica; depressão; ansiedade; estresse; estudantes de medicina

Associação Médica Brasileira R. São Carlos do Pinhal, 324, 01333-903 São Paulo SP - Brazil, Tel: +55 11 3178-6800, Fax: +55 11 3178-6816 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: ramb@amb.org.br