Atualização no diagnóstico da hemorróida baseada em evidência e centrada no paciente

ACREDITAÇÃO

Atualização no diagnóstico da hemorróida baseada em evidência e centrada no paciente

Sergio Eduardo Alonso Araújo; Wanderley Marques Bernardo

TEMA ABORDADO

Especialidade de abrangência: Coloproctologia.

Diretriz a ser consultada: Hemorróida: Diagnóstico

CENÁRIOS E QUESTÕES CLÍNICAS

1. Podemos definir e classificar a doença hemorroidária de diversas formas, exceto:

a. Quanto à localização, em externa, interna ou mista;

b. Quanto à anatomia, em prolapsada ou trombosada;

c. Em relação aos sintomas, em graus de I a IV;

d. Quanto à evolução clínica, em complicada ou não complicada.

2. O sangramento é sintoma da doença hemorroidária:

a. Menos comum;

b. Volumoso;

c. Pode levar a anemia;

d. Constante.

3. O exame digital é importante no diagnóstico da doença hemorroidária:

a. Deverá ser evitado na vigência de lesões dolorosas;

b. Faz diagnóstico de hemorróidas internas;

c. Não pode afastar o diagnóstico de tumor;

d. Não pode afastar o diagnóstico de estenose.

4. Todos os pacientes com idade acima de 40 anos, com sangramento retal, devem ser submetidos a:

a. Sigmoidoscopia rígida e colonoscopia;

b. Sigmoidoscopia rígida ou colonoscopia;

c. Sigmoidoscopia flexível e colonoscopia;

d. Sigmoidoscopia flexível ou colonoscopia.

5. Em relação ao uso da colonoscopia no diagnóstico diferencial de sangramento retal, é falso afirmar:

a. É injustificada em indivíduos com idade inferior a 40 anos;

b. Tem melhores resultados do que a retossigmoidoscopia associada ao enema opaco;

c. A indicação deve ser baseada na idade do paciente;

d. Está indicada em indivíduos com sangramento e mais de 60 anos.

RESPOSTAS DO CENÁRIO CLÍNICO "LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO (ACOMETIMENTO CUTÂNEOARTICULAR)"

[PUBLICADO NA RAMB 2007; 53(1)]

  1. O diagnóstico do acometimento cutâneoarticular do lúpus está baseado na presença de pelo menos quatro critérios entre os citados, exceto a pneumonia (alternativa

    e);

  2. Entre as medidas gerais utilizadas no tratamento está o apoio psicológico (alternativa

    c);

  3. A fim de reduzir a atividade da doença, bem como o uso de corticóides, podemos utilizar as seguintes doses de antimaláricos em uso contínuo: sulfato de hidroxicloroquina – 6 mg/kg/dia (alternativa

    b);

  4. Nos casos em que persistirem lesões cutâneas ativas, refratárias ao esquema terapêutico otimizado e usual, pode ser utilizada a talidomida 100-200 mg/dia (alternativa

    d);

  5. Como opção terapêutica na artrite crônica, não responsiva ao tratamento medicamentoso, está a infiltração articular com triancinolona hexocetonida (alternativa

    a).

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    18 Jan 2008
  • Data do Fascículo
    Abr 2007
Associação Médica Brasileira R. São Carlos do Pinhal, 324, 01333-903 São Paulo SP - Brazil, Tel: +55 11 3178-6800, Fax: +55 11 3178-6816 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: ramb@amb.org.br
Accessibility / Report Error