Síndrome de Rett: achados clínicos, genéticos e por ressonância magnética

Luciano Farage

RESUMO DE TESE

Síndrome de Rett: achados clínicos, genéticos e por ressonância magnética

Autor: Luciano Farage.

Orientador: Riccardo Pratesi.

[Tese de Doutorado]. Brasília: Universidade de Brasília; 2009.

INTRODUÇÃO: A síndrome de Rett é uma desordem do neurodesenvolvimento ligada ao cromossomo X com acometimento precoce na infância, que afeta, primariamente meninas. O lobo frontal é particularmente afetado. A base genética da doença, em 80% das meninas acometidas, está relacionada às mutações no gene da proteína methyl-CpG binding protein 2 (MeCP2).

CASUÍSTICA E MÉTODOS: Dois grupos de meninas afetadas, que preencheram os critérios clínicos e eram positivas para mutações, foram avaliadas com espectroscopia (MRS) e tensor de difusão (DTI). Os dados foram comparados com controles pareados por idade e sexo. O fenótipo foi avaliado pelo perímetro cefálico, história de crises convulsivas, irregularidades respiratórias, alterações de marcha e fala. O genótipo foi avaliado pelo tipo de mutação existente. Os exames de ressonância magnética (RM) foram realizados em aparelho de 1,5 T e incluíram avaliação anatômica (sagital T1, axial T2 e axial FLAIR). Quarenta meninas (idade média de 6,1 anos) foram submetidas à MRS uni-voxel, na substância branca do lobo frontal esquerdo, com TE de 35 ms.Foram obtidas as relações de N-acetil-aspartato (NAA), colina (Co), mio-inositol (mI), glutamato e glutamina (Glx) sobre creatina (Cr) e suas respectivas concentrações. Trinta e duas meninas (idade média de 5,5 anos) foram avaliadas por meio de DTI, obtidos com single-shot echo-planar com SENSE (fator de 2,5), espessura de 2,5 mm, 30 orientações e valor b de 700 s/mm2. As medidas de anisotropia fracionada (FA) foram obtidas com o delineamento manual de 16 regiões de interesse nos compartimentos supra e infratentorial. Assimetrias entre os lados foram avaliadas pela medida da FA e pelo índice de lateralidade.

RESULTADOS: Os resultados demonstraram que a NAA/Cr diminuiu e a mI/Cr aumentou com a idade (p < 0,03), enquanto essas razões permanecem estáveis no grupo controle. A razão de Glx/Cr foi 36% maior nas pacientes (p = 0,043). A razão de NAA/Cr foi 12,6% menor na presença de crises convulsivas (p = 0,017). Houve decréscimo da NAA/Cr com a gravidade clínica (p = 0,031). A presença da mutação R168X tem pior grau de gravidade clínica (0,01 < p < 0,11) e razão NAA/Cr mais baixa (0,029 < p <0,14), quando comparados com outras mutações. Houve redução da FA no joelho e esplênio do corpo caloso, cápsulas interna e externa, cíngulo anterior, radiação talâmica e substância branca frontal. A FA do fascículo longitudinal superior foi semelhante aos controles (p = 0,542) e nas pacientes com fala preservada e reduzida (p < 0,001) nas pacientes com mutismo. Não houve alteração nos valores de FA na presença de crises convulsivas ou de alterações motoras.

CONCLUSÃO: A redução da NAA/Cr e o aumento do mI/Cr com a idade sugere que haja uma lesão axonal progressiva e reação astrocitária. O aumento do Glx/Cr pode ser secundário ao aumento do ciclo de glutamato e glutamina nas sinapses. As alterações do NAA/Cr na presença de crises convulsivas e associadas à gravidade da doença e a redução da FA nos casos de comprometimento da fala sugerem que a MRS e DTI podem ser úteis na avaliação evolutiva do comprometimento cerebral da síndrome de Rett.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    28 Ago 2009
  • Data do Fascículo
    Ago 2009
Publicação do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem Av. Paulista, 37 - 7º andar - conjunto 71, 01311-902 - São Paulo - SP, Tel.: +55 11 3372-4541, Fax: 3285-1690, Fax: +55 11 3285-1690 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: radiologiabrasileira@cbr.org.br