Existe recomendação para segurança na prática da anestesia regional?

Fabiano Timbó Barbosa Sobre o autor

CARTA AO EDITOR

Existe recomendação para segurança na prática da anestesia regional?

Caro Editor-chefe Dr. Mário J. da Conceição, Foi com grande interesse que li o artigo publicado na Revista Brasileira de Anestesiologgia (RBA) orientando os profissionais quanto a segurança da prática dos bloqueios regionais1. Parabenizo os autores pelo esforço e seriedade com que trataram este assunto. Gostaria de fazer algumas considerações sobre três tópicos:

As referências

A anestesia é um procedimento médico que se modificou ao longo dos anos devido às inovações tecnológicas e farmacológicas, sendo cabível o pensamento de que as técnicas utilizadas hoje não são as mesmas do passado. Observando as referências, percebe-se que os autores utilizaram publicações que analisaram pacientes submetidos a pesquisas envolvendo anestesia em décadas passadas. O texto não esclarece como os autores agiram perante tal limitação, ou ainda se ela foi considerada em algum momento da análise dos artigos incluídos nas recomendações. Seria possível esclarecer isso?

A estratégia utilizada para identificar os artigos incluídos não deixa claro qual o passo ou momento que tornou possível a utilização de capítulos de livro. O capítulo de um livro foi utilizado, porém, observando seu conteúdo, parece que o mesmo aborda a farmacopeia norte-americana e não especificamente a prática da Anestesiologia mundial2.

A fundamentação teórica inicial

Foi preocupação dos autores em dar um enfoque às complicações infecciosas relacionadas ao bloqueio regional, porém é relevante ressaltar que tais complicações são raras; "Não há evidências claras na literatura a respeito da frequência de tais complicações (D)" e "Também é rara a administração errônea de fármacos em bloqueios regionais (?)". Por isso, a criação de recomendações sem sabermos previamente a frequência real ou estimada dos eventos pode ser vista com ressalvas. Seria possível que os autores realizassem pesquisa no Brasil em conjunto com a Sociedade Brasileira de Anestesiologia para identificar a atual frequência de tais eventos, tornando mais viável a consulta às recomendações?

Os autores utilizam séries epidemiológicas para justificar que, mesmo na ausência da informação publicada em artigos, a frequência das complicações infecciosas e acidentes estão em ascensão. Entretanto, os estudos utilizados como referência são das décadas de 1980 e 1990, permanecendo a dúvida sobre o estado atual dos eventos 3-6.

Graus de recomendação e força das evidências

Há recomendações que são baseadas apenas em publicações com nível de evidência D, levando os autores a tomarem uma posição menos afirmativa no texto. Assim, algumas recomendações ficaram um pouco dúbias, necessitando que os autores explicassem melhor o tópico.

Alguns exemplos: "..., exceto na mais extraordinária circunstância, o bloqueio do neuroeixo não deve ser realizado em pacientes com infecção sistêmica não tratada."; "..., interconsulta com infectologista é recomendada para facilitar o início precoce e efetivo da terapia antibiótica"; e "A Agência Nacional de Vigilância Sanitária não recomenda o reprocessamento de materiais para uso da anestesia regional,...". Não ficou claro no texto qual o conceito de "extraordinária circunstância"; se a interconsulta com infectologista pode influenciar na tomada de decisão quanto à escolha da técnica anestésica, e se ainda existem hospitais que utilizam material reprocessado no Brasil.

Os autores não fizeram referência ao uso de revisões sistemáticas e metanálises, sendo necessário entender se houve algum critério de exclusão para desconsiderar este tipo de pesquisa, ou se não existem pesquisas deste tipo analisando este tópico.

Em suma, as recomendações existem e devem ser utilizadas perante os pacientes na prática clínica diária, entretanto, alguns pontos devem ser vistos com ressalvas devido à força das evidências que geraram determinadas recomendações, mormente aquelas baseadas exclusivamente no nível de evidência D. Precisamos saber qual a frequência de complicações infecciosas anestésicas no Brasil.

Professor Fabiano Timbó Barbosa

Universidade Federal de Alagoas

Título Superior de Anestesiologia

  • 1. Fernandes CR, Fonseca NM, Rosa DM et al. - Recomendações da Sociedade Brasileira de Anestesiologia para segurança em anestesia regional. Rev Bras Anestesiol, 2011;61:668-694.
  • 2. USP Chapter 797 with proposed revisions 2006 - http://www.usp.org/ pdf/EN/USPNF/PF797redline.pdf
  • 3. Moen V, Dahlgren N, Irestedt L - Severe neurological complications after central neuraxial blockades in Sweden 1990-1999. Anesthesiology, 2004;101:950-959.
  • 4. Horlocker TT, McGregor DG, Matsushige DK et al. - A retrospective review of 4,767 consecutive spinal anesthetics: central nervous system complications. Perioperative Outcomes Group. Anesth Analg, 1997;84(3):578-584.
  • 5. Wang LP, Hauerberg J, Schmidt JF - Incidence of spinal epidural abscess after epidural analgesia: a national 1-year survey. Anesthesiology, 1999;91(6):1928-1936.
  • 6. Aromaam U, Lahdensuu DA, Cozanitis S - Severe complications associated with epidural and spinal anaesthesias in Finland 1987-1993. A study based on patient insurance claims. Acta Anaesthesiol Scand, 1997;41:445-452.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    02 Fev 2012
  • Data do Fascículo
    Fev 2012
Sociedade Brasileira de Anestesiologia R. Professor Alfredo Gomes, 36, 22251-080 Botafogo RJ Brasil, Tel: +55 21 2537-8100, Fax: +55 21 2537-8188 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: bjan@sbahq.org