Tamanho da Partícula do Milho e Forma Física da Ração e Seus Efeitos Sobre o Desempenho e Rendimento de Carcaça de Frangos de Corte

Corn Particle Size and Physical Form of The Diet and Their Effects on Performance and Carcass Yield of Broilers

F Dahlke AML Ribeiro AM Kessler AR Lima Sobre os autores

Resumos

Este experimento foi realizado com o objetivo de investigar os efeitos de diferentes granulometrias, expressa em Diâmetro Geométrico Médio (DGM) do milho (0,336mm, 0,585mm, 0,856 mm e 1,12 mm) de dietas fornecidas na forma farelada (FAR) e peletizada (PEL), no desempenho e no rendimento de carcaça e de cortes de frangos de corte de 21 a 42 dias de idade. Dietas FAR, produzidas com DGM de 0,336 mm resultaram em um menor consumo (p<0,001), ganho de peso (p<0,001) e pior conversão alimentar (p<0,001) do que as PEL de mesmo DGM. Os demais DGM não mostraram diferenças entre ração FAR e PEL. Quando avaliada somente a granulometria, observou-se que o aumento no DGM melhorou o ganho de peso linearmente e de forma quadrática o consumo e a conversão alimentar. Não houve influência da forma física ou DGM em rendimento de carcaça e rendimento de perna+coxa. Porém foi verificada uma redução em rendimento de peito com DGM 0,336 mm (p<0,001), na forma FAR.

diâmetro geométrico médio; milho; desempenho; rendimento de carcaça


The experiment was conducted to evaluate the effect of different corn particle size, expressed as geometric mean diameter (GMD)(0.336 mm, 0.585mm, 0.856 mm and 1.12 mm) and two diet forms (mash-M and pellets-P) on performance and carcass yield of broilers from 21 to 42 days of age. M diets, produced with 0.336 mm of GMD resulted in lower feed intake (FI) (p<0.001), lower weight gain (WG) (p<0.001) and worse feed efficiency (FE) (p<0.001) than 0.336 mm P diets. M and P diets with other GMD did not show differences in performance. When particle size was evaluated itself, increments in GMD resulted a linear increase on WG and a quadratic increase on FI and FE. Neither form of diet nor particle size influenced carcass and leg+drumstick yields, although breast yield decreased with M diet,0.336 mm GMD (p<0.001).

geometric mean diameter; corn; performance; carcass yield


Tamanho da Partícula do Milho e Forma Física da Ração e Seus Efeitos Sobre o Desempenho e Rendimento de Carcaça de Frangos de Corte

Corn Particle Size and Physical Form of The Diet and Their Effects on Performance and Carcass Yield of Broilers

Autor(es) / Author(s)

Dahlke F1

Ribeiro AML2

Kessler AM2

Lima AR2

1- FCAV - UNESP, Jaboticabal

2- Depto. de Zootecnia, Faculdade de Agronomia, UFRS - Porto Alegre

Correspondência / Mail Address

Fabiano Dahlke

Depto. de Morfologia e Fisiologia Animal/ FCAV - UNESP

Via de Acesso Prof º Paulo Donato Castellane, s/n

14884-900 - Jaboticabal - SP - Brasil

E-mail: fdahlke@fcav.unesp.br

Unitermos / Keywords

diâmetro geométrico médio, milho, desempenho, rendimento de carcaça

geometric mean diameter, corn, performance, carcass yield.

RESUMO

Este experimento foi realizado com o objetivo de investigar os efeitos de diferentes granulometrias, expressa em Diâmetro Geométrico Médio (DGM) do milho (0,336mm, 0,585mm, 0,856 mm e 1,12 mm) de dietas fornecidas na forma farelada (FAR) e peletizada (PEL), no desempenho e no rendimento de carcaça e de cortes de frangos de corte de 21 a 42 dias de idade. Dietas FAR, produzidas com DGM de 0,336 mm resultaram em um menor consumo (p<0,001), ganho de peso (p<0,001) e pior conversão alimentar (p<0,001) do que as PEL de mesmo DGM. Os demais DGM não mostraram diferenças entre ração FAR e PEL. Quando avaliada somente a granulometria, observou-se que o aumento no DGM melhorou o ganho de peso linearmente e de forma quadrática o consumo e a conversão alimentar. Não houve influência da forma física ou DGM em rendimento de carcaça e rendimento de perna+coxa. Porém foi verificada uma redução em rendimento de peito com DGM 0,336 mm (p<0,001), na forma FAR.

ABSTRACT

The experiment was conducted to evaluate the effect of different corn particle size, expressed as geometric mean diameter (GMD)(0.336 mm, 0.585mm, 0.856 mm and 1.12 mm) and two diet forms (mash–M and pellets-P) on performance and carcass yield of broilers from 21 to 42 days of age. M diets, produced with 0.336 mm of GMD resulted in lower feed intake (FI) (p<0.001), lower weight gain (WG) (p<0.001) and worse feed efficiency (FE) (p<0.001) than 0.336 mm P diets. M and P diets with other GMD did not show differences in performance. When particle size was evaluated itself, increments in GMD resulted a linear increase on WG and a quadratic increase on FI and FE. Neither form of diet nor particle size influenced carcass and leg+drumstick yields, although breast yield decreased with M diet,0.336 mm GMD (p<0.001).

INTRODUÇÃO

A otimização do potencial de desenvolvimento das aves está associada a vários fatores. Juntamente com as boas condições de ambiente e de sanidade, a aplicação de novas tecnologias na produção e balanceamento de dietas, constitui fator relevante na melhoria da eficiência produtiva da indústria avícola. Muitos têm sido os esforços para maximizar resultados, através da adoção de técnicas como a peletização, da utilização de níveis nutricionais mais próximos às exigências dos animais e da determinação da composição dos ingredientes (Klein, 1996; Maiorka, 1998).

Apesar de aparentemente negligenciada, a avaliação da granulometria dos ingredientes também está dentro deste contexto, uma vez que independentemente da fase de criação, as rações serão fornecidas na forma farelada, peletizada ou triturada, o que implica necessariamente na moagem dos ingredientes. Embora ainda contraditórios em resultados, muitos trabalhos (Deaton et al. 1995; Hamilton & Proudfoot, 1995; Magro, 1999), têm sido enfáticos no que diz respeito a benefícios trazidos por determinadas granulometrias. Além disso, os moinhos ocupam o segundo lugar no consumo de energia elétrica nas fábricas, ficando atrás apenas da peletizadora (Biagi, 1998). Desta forma, a redução do custo de produção, pode vir através da otimização do grau de moagem dos ingredientes, como por exemplo o milho, que é o principal ingrediente energético, participando normalmente em 60 a 65% na composição das rações. Ainda, a granulometria parece ter grande importância na regulação do consumo, existindo por parte das aves, uma preferência por dietas compostas por partículas maiores, em detrimento às finamente moídas (Jensen et al. 1962; Portela et al. 1988; Nir et al. 1990; Yo et al. 1997). Desta forma, o consumo diferenciado das dietas com diferentes características pode ter reflexo direto na estrutura morfológica do aparelho digestivo das aves e nas respostas de desempenho (Nir, 1998).

Neste panorama analítico, o presente estudo se propôs a investigar a influência da granulometria do milho, no desempenho de frangos de corte, bem como no rendimento da carcaça e de cortes.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi conduzido no Laboratório de Ensino Zootécnico (LEZO), da UFRGS. Foram utilizados 480 frangos de corte, machos, da Linhagem Ross, de 21 dias de idade. As aves foram alojadas em cinco baterias divididas em oito compartimentos, com dimensões 0,43 x 0,95 x 0,35 m, com bebedouros e comedouros tipo calha. Foram distribuídas em um delineamento inteiramente casualizados, com 8 tratamentos, com 5 repetições por tratamento, 12 aves por unidade experimental. Os tratamentos foram: T1: 0,336 mm, T2: 0,585 mm, T3: 0,856 mm e T4: 1,12 mm de diâmetro geométrico médio (DGM) fornecidos na forma farelada; T5, T6, T7 e T8 repetiram as granulometrias anteriores, porém na forma peletizada. As diferentes granulometrias do milho foram obtidas na fábrica de rações do Laboratório (LEZO), em moinho tipo martelo, utilizando peneiras com furos de 12 mm, 8mm, 2,5 mm e 0,8 mm. O Diâmetro Geométrico Médio (DGM), foi determinado conforme procedimento descrito por Zanoto & Bellaver (1996).As rações experimentais apresentaram a mesma composição em ingredientes e nutrientes, compostas com 20% de proteína, 3.150 kcal EM/Kg, 0,9 % de Ca, 0,35% de P, 0,18% de Na, 1% de Lisina e 0,72% de Met+Cis. As variáveis consideradas no final do período experimental foram: consumo de ração (CR), ganho de peso (GP) e conversão alimentar (CA). Também aos 42 dias, foram abatidas duas aves por unidade experimental com peso correspondente à média da repetição. Para a obtenção do rendimento foram obtidos peso de carcaça (depenada, incluindo pés e cabeça), peso de peito e peso de perna + coxa, ambos com osso e pele. Rendimento de carcaça foi considerado como sendo o peso da carcaça expresso em percentagem do peso corporal e rendimento de partes expresso em percentagem do peso de carcaça. Os dados colhidos e calculados foram submetidos a análise de variância, e quando verificada interação entre os fatores, a mesma foi desdobrada através de contrastes e análise de regressão, ao nível de significância de 5%.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Para a variável consumo foi verificado a existência de interação (p<0,001) entre forma física e granulometria (Tabela 1). Analisando-se o efeito granulometria dentro de cada forma física, observa-se que as aves que receberam dietas com granulometria de 0,336 mm na forma farelada tiveram um consumo bem menor do que as que receberam peletes na mesma granulometria. A análise de contrastes mostra significância nesta diferença (p<0,002). Verifica-se uma diferença significativa, para maior consumo, em favor da ração peletizada, também para as dietas com granulometria 0,856mm (p<0,01). Porém, aves alimentadas com dietas de granulometria de 1,12 mm apresentaram consumos semelhantes, independente da forma de ração, mostrando que quanto maior o tamanho de partícula, maior a facilidade da ave em consumir a ração e, portanto, menor a importância da peletização.

Na Tabela 2 observa-se que o consumo respondeu de forma quadrática para a dieta farelada (p<0,005), ou seja, a granulometria influenciou no aumento do consumo da ração, na medida que aumentou o DGM. A mesma observação, porém, não foi encontrada para o consumo nas rações peletizadas (p>0,05). Dados semelhantes foram encontrados por Nir et al. (1994) que verificaram um maior consumo das partículas médias (>0,64mm<1,14mm), já na primeira semana de idade das aves e uma redução no consumo de dieta de textura fina.

O tamanho do bico é um importante fator na regulação da ingestão (Moran, 1982), sendo que as aves têm dificuldades para consumir partículas que são maiores ou muito menores que a dimensão anatômica do bico. Isto ficou evidenciado neste trabalho, em que o consumo da ração farelada teve um decréscimo progressivo, a medida que diminuía a granulometria, com uma queda bastante acentuada para as rações produzidas com milho de DGM de 0,336mm. Também justifica uma redução do consumo de partículas muito finas, o fato da ave ter uma produção não muito grande de saliva e esta ser bastante viscosa (Turk, 1982). Com isso existe a formação de um composto pastoso que adere ao canto do bico, onde estão localizados os dutos salivares, prejudicando a secreção de saliva, o consumo, bem como a deglutição do alimento. No entanto, quando esta ração foi na forma peletizada, estes fatores adversos não foram observados.

Da mesma forma que para consumo, houve interação significativa entre forma física e granulometria (p<0,001) para ganho de peso. As rações formuladas com moagem de 0,336 mm, fornecidas na forma farelada resultaram em pior ganho de peso devido ao menor consumo de ração. O mesmo não foi observado na ração peletizada de mesma granulometria. Embora as dietas peletizadas nas demais granulometrias, numericamente também apresentaram maior ganho de peso, comparadas às fareladas, não houve diferença significativa quando confrontadas uma a uma por contraste (Tabela 1). Portanto, entre as granulometrias 0,585-1,12mm, a forma da ração não influenciou o ganho de peso das aves.

A regressão polinomial mostrou que, em rações peletizadas, o tamanho de partícula não teve efeito sobre a característica de ganho de peso (Tabela 2). Para ração farelada, a medida que aumentou a granulometria, houve um acréscimo em ganho de peso, com um comportamento quadrático. Também Reece et al. (1985), Nir et al. (1990) e Nir et al (1994) mostraram que quando fornecida na forma farelada houve um maior ganho de peso para as aves alimentadas com ração de moagem mais grosseira.

A conversão alimentar acompanhou as respostas de CR e GP. Entre granulomentrias iguais, houve uma melhor conversão alimentar para a ração peletizada, de granulometria de 0,336 mm quando comparada à farelada, porém nas demais granulometrias o efeito de forma não foi verificado. Este fato reforça a idéia de que o consumo e a facilidade de apreensão (Jensen et al., 1962) e não um suposto aumento de digestibilidade a maior causa das diferenças observadas. Meinerz (1999) também observou que quando o consumo de ração farelada e peletizada foi uniformizado, as diferenças em desempenho nas aves desapareceram. Através da análise de regressão, o efeito da granulometria em rações fareladas, mostrou uma melhora em conversão alimentar, a medida que a granulometria aumentou (Tabela 2), não tendo ocorrido o mesmo nas rações peletizadas.

De maneira geral, verifica-se que os efeitos da granulometria sobre o desempenho são diminuídos pelo processo de peletização da ração. Da mesma forma, Hamilton & Proudfoot (1995) verificaram que apesar da peletização da dieta de diferentes granulometrias ter melhorado o desempenho das aves, não houve diferença em ganho de peso e conversão alimentar quando avaliadas as granulometrias. Com moagens mais grosseiras (0,856-1,12mm), o desempenho das aves recebendo as duas formas físicas igualou-se. Isto sugere que moagens grosseiras do milho, caso sejam mais econômicas, substituam a peletização em rações de crescimento frangos de corte.

As dietas na forma peletizada não influenciaram significativamente (p>0,05) o rendimento de carcaça, e de coxa + perna (Tabela 3), à semelhança dos dados de Maiorka (1998) e Klein (1996). Também a granulometria, neste trabalho, não influenciou estas variáveis (p>0,05), discordando dos resultados de Magro (1999), que verificou que partículas maiores que 0,680mm promoveram melhor rendimento de carcaça (p<0,001).

As aves que receberam dietas com granulometria de 0,336 mm na forma farelada tiveram um rendimento de peito menor do que as que receberam peletes na mesma granulometria (p<0,001) (Tabela 3). Os contrastes, porém, mostram que nas demais granulometrias (0,585 a 1,12mm) não houve diferença entre as formas físicas da ração. A análise de regressão (Tabela 4) mostrou uma resposta linear para esta variável, na forma física farelada, que é explicado pelo ocorrido com a granulometria 0,336mm. Resultados semelhantes também foram encontrados por Magro (1999), que utilizando dietas fareladas de granulometrias 0,337; 0,574; 0,680; 0,778; 0,868 e 0,936mm observou uma resposta quadrática para o rendimento de peito. Para ração peletizada e para granulometria, independente da forma física, não houve efeito sobre o rendimento de peito.

CONCLUSÕES

Os resultados de desempenho foram afetados pelo DGM das partículas de milho. Estes dados permitem concluir que frangos de corte, de 21 a 42 dias de idade, quando alimentados com rações fareladas, têm uma significativa redução de desempenho, utilizando granulometria de milho medindo menos que 0,5 mm. Houve também uma tendência, embora não estatisticamente significativa, a um aumento de consumo, ganho de peso e peso final à medida que aumentou o DGM.

A peletização da ração mascarou o efeito da granulometria, não havendo diferenciação nas variáveis de desempenho, nas aves alimentadas com diferentes DGMs do milho, inclusive no menor grau de maogem.

A granulometria e a forma física da ração não afetaram o rendimento de carcaça ou rendimento de perna + coxa de frangos de 42 dias de idade. No entanto, quando utilizada a dieta de 0,336 mm, na forma farelada, houve uma redução no rendimento de peito.

  • Biagi JD. Implicaçőes da granulometria de ingredientes na qualidade de peletes e na economia da produçăo de raçőes. In: Simpósio sobre granulometria de ingredientes e raçőes para suínos e aves; 1998; Concórdia, SC. Brasil.
  • Deaton JW, Lott BD, Branton SL. Corn grind size and broilers reared under two temperature conditions. Journal of Applied Poultry Research 1995; 4: 402-406.
  • Hamilton RMG, Proudfoot FG. Ingredient particle size and feed texture: effects on the performance of broiler chickens. Animal Feed Science Technology 1995; 51: 203-210.
  • Jensen LS, Merril LH, Reddy CV. Observations on eating patterns and rate of food passage of birds fed pelleted and umpeleted diets. Poultry Science 1962; 41: 1414-1419.
  • Klein CH. Efeito da forma física e do nível de energia da raçăo sobre o desempenho, a composiçăo de carcaça e a eficięncia de utilizaçăo da energia metabolizável consumida por frangos de corte.[Dissertaçăo] Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1996.
  • Magro N. Variaçăo da granulometria das raçőes em frangos de corte machos, de 21 aos 42 dias de idade.[Dissertaçăo] Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999.
  • Maiorka A. Efeito da forma física e do nível de energia da raçăo em dietas formuladas com base em aminoácidos totais e digestívies sobre o desempenho e a composiçăo de carcaça de frangos de corte, machos, dos 21 aos 42 dias de idade. [Dissertaçăo] Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1998.
  • Meinerz C. Níveis de Energia e Peletizaçăo no Desempenho e Rendimento de Carcaça de Frangos de Corte com Oferta Alimentar Equalizada. [Dissertaçăo] Porto Alegre, RS: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1999.
  • Moran ET Jr. Comparative Nutrition of the fowl and swine. The gastrointestinal sistems. University of Guelph, Guelph, Ontario, Canada. 1982.
  • Nir I, Melcion JP, Picard M. Effect of particle size of sorghum grains on feed intake and performance of young broilers. Poultry Science 1990; 69: 2177-2184.
  • Nir I, Shefet G, Arony Y. Effect of particle size on performance. 1.Corn. Poultry Science 1994; 73: 45-49.
  • Nir I. Resposta de frangos de corte ŕ estrutura alimentar: ingestăo de alimentos e trato gatrointestinal. In: Simpósio Internacional sobre Nutriçăo de Aves; 1998; Campinas, SP. Brasil. p. 49-68.
  • Reece FN, Lott BD, Deaton JW. The effects of feed form, grinding method, energy level, and gender on broiler performance in a moderate (21şC) environment. Poultry Science 1985; 64:1834-1839.
  • Portela FJ, Caston LJ, Lesson S. Apparent feed particle size preference by broilers. Canadian Journal of Animal Science 1988; 68: 923-930.
  • Turk DE. Symposium: The avian gastrointestinal tract and digestion. Poultry Science 1982; 61:1225-1244.
  • Yo T, Siegel PB, Guerin H. Self-selection of dietary protein and energy by broilers grown under a tropical climate: effects of feed particle size on the feed choice. Poultry Science 1997; 76:1446-1473.
  • Zanotto DL, Bellaver C. Método de determinaçăo da granulometria de ingredientes para uso de raçőes de suínos e aves. Comunicado técnico 215. EMBRAPA-CNPSA, Concórdia, SC,1996.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    16 Ago 2002
  • Data do Fascículo
    Dez 2001
Fundacao de Apoio a Ciência e Tecnologia Avicolas Rua Barão de Paranapanema, 146 - Sala 72, Bloco A, Bosque, Campinas, SP - 13026-010. Tel.: 19 3255-8500 - Campinas - SP - Brazil
E-mail: revista@facta.com.br