Brazilian Journal of Cardiovascular Surgery, Volume: 16, Issue: 3, Published: 2001
  • O transplante celular no tratamento da isuficiência cardíaca Artigo Especial

    SCORSIN, Márcio; GUARITA-SOUZA, Luiz César

    Abstract in Portuguese:

    A insuficiência cardíaca tem sido um grave problema de saúde pública, e provavelmente será a doença cardiovascular predominante neste século. Como a morte dos cardiomiócitos é freqüentemente responsável pelo desenvolvimento da insuficiência cardíaca, uma opção terapêutica de recuperar a função cardíaca é o transplante de células contráteis, principalmente os mioblastos esqueléticos. Os resultados promissores obtidos no âmbito experimental, levou ao primeiro estudo clínico na França, onde mioblastos esqueléticos estão sendo implantados em áreas miocárdicas previamente infartadas, com promissores resultados parciais. Apesar do curto tempo de evolução e do pequeno número de pacientes operados, o transplante celular representa uma opção interessante no arsenal terapêutico da insuficiência cardíaca.

    Abstract in English:

    Heart failure is becoming a major problem of public health and it is expected to represent the dominant cardiac disease of this century. Because the death of cardiomyocytes is often responsible for the development of progressive heart failure, cellular transplantation has emerged over recente past years as an attractive alternative therapy. This approach has been stimulated by the recognition in experimental studies that the normal and injured myocardium could be successfully colonized and functionally improved by a variety of contractile cells, mainly skeletal myoblasts. The promising results obtained in an experimental setting triggered the first clinical trial by a French group of myoblast transplantation in previously infarcted myocardium with encouraging preliminary results. Despite the short follow-up and the few patients subjected to this new therapy, cellular transplantation appears as an interesting option in the therapeutic armamentarium for heart failure.
  • Tratamento cirúrgico da coarctação do arco aórtico em adulto: avaliação clínica e angiográfica tardia da técnica extra-anatômica Artigos Originais

    LISBOA, Luiz Augusto F.; ABREU FILHO, Carlos Alberto C.; DALLAN, Luís Alberto O.; ROCHITTE, Carlos E.; SOUZA, Januário M. de; OLIVEIRA, Sérgio Almeida de

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: Avaliar os resultados tardios da técnica extra-anatômica para correção da coarctação do arco aórtico em adultos. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Entre 1979 e 2000, 15 pacientes foram submetidos à interposição de tubo de Dacron entre a aorta ascendente e descendente para correção da coarctação do arco aórtico. Onze (73,3%) pacientes eram do sexo masculino e a média de idade foi de 30,8 ± 12,1 anos (18 a 61 anos). A esternotomia mediana, com abordagem do pericárdio posterior, foi utilizada em 13 (86,7%) pacientes e a toracotomia lateral esquerda em 2 (13,3%). Em 3 (20,0%) pacientes foram realizados procedimentos associados e 4 (26,7%) eram reoperações. Os pacientes foram acompanhados por um período de 30 dias a 21 anos (média de 6,9 ± 6,7 anos) com avaliação clínica, ecocardiográfica e estudo angiográfico com ressonância magnética. RESULTADOS: Não ocorreram complicações neurológicas e nem mortalidade imediata ou tardia. Não houve necessidade de reoperações e nem complicações tardias com o enxerto. Todos os pacientes encontram-se assintomáticos e com o enxerto pérvio confirmado pelo ecocardiograma. Cinco (33,3%) pacientes apresentam hipertensão arterial sistêmica de grau leve. Em 11 (73,3%) pacientes foi realizado o estudo angiográfico com ressonância magnética, mostrando enxerto com bom funcionamento a longo prazo. CONCLUSÃO: A técnica extra-anatômica, com interposição de tubo de Dacron entre a aorta ascendente e descendente, para correção da coarctação do arco aórtico é uma operação segura, com baixa morbidade e mortalidade. Os bons resultados a longo prazo mostram que esta técnica pode ser uma alternativa segura e menos invasiva, para a correção de coarctação do arco aórtico ou recoarctação em adultos.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE: We analyzed late results of extra-anatomic aortic bypass technique with Dacron graft from the ascending aorta to the descending aorta for repair of aortic arch coarctation in adults. MATERIAL AND METHODS: From 1979 to 2000, a total of 15 adult patients, aged 18 years to 61 years (mean 30.8 ± 12.1 years) underwent extra-anatomic bypass graft for surgical repair of aortic arch coarctation. Operative exposure was median sternotomy with posterior pericardial approach in 13 (86.7%) patients and left thoracotomy in 2 (13.3%). Associated procedures were performed in 3 (20.0%) patient and there were 4 (26.7%) reoperations. The patients had clinical evaluation, echocardiographic and angiographic studies, the latter with magnetic resonance post-operative. Follow-up was 6.9 ± 6.7 years (range 30 days to 21 years). RESULTS: There was neither early or late mortality nor neurologic complications. There was no late complications with the Dacron graft neither reoperations. All patients were asymptomatic with patent Dacron graft confirmed by echocardiography. Five (33.3%) patients had mild hypertension. The magnetic resonance was done in 11 (73.3%) patients and the Dacron graft were long-term patent in all. CONCLUSIONS: The extra-anatomic bypass aortic technique with Dacron graft from the ascending aorta to the descending aorta for repair of aortic arch coarctation in adults is a safe operation with low morbidity and mortality. The good long-term results proved to be safe and less invasive technique to repair the aortic arch coarctation or recoarctation in adults.
  • Fatores prognósticos da revascularização na fase aguda do infarto agudo do miocárdio Artigos Originais

    JATENE, Fabio B.; NICOLAU, José Carlos; HUEB, Alexandre Ciappina; ATIK, Fernando Antibas; BARAFIOLE, Luciano M.; MURTA, Cláudio B.; STOLF, Noedir A. G.; OLIVEIRA, Sérgio Almeida de

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: Determinar os fatores preditores de má evolução nos pacientes submetidos a revascularização do miocárdio (RM) na fase aguda do infarto do miocárdio (IAM). CASUÍSTICA E MÉTODOS: No período de março de 1998 a novembro de 1999, 49 pacientes foram submetidos a RM na fase aguda do IAM. Foram excluídos pacientes portadores de complicações mecânicas do IAM e submetidos a procedimentos associados a RM. Os pacientes foram divididos em: Grupo I - 29 casos que não apresentaram complicações decorrentes do IAM e Grupo II - 20 casos com uma ou mais complicações. As complicações consideradas foram: isquemia recorrente (18 pacientes), insuficiência cardíaca congestiva (11), choque cardiogênico (9), hipotensão (7), reinfarto (4), taquicardia ventricular sustentada (4) e fibrilação ventricular (3). Os grupos foram considerados comparáveis em relação às características pré-operatórias, exceto pela idade mais avançada no grupo II. No intuito de identificar os fatores determinantes de pior prognóstico pós-operatório, foram correlacionadas e analisadas as características dos pacientes e as complicações do IAM, estudados pelo teste de variância e análise multivariada. RESULTADOS: A mortalidade global foi de 6,12% (3 pacientes), sendo somente no grupo II. A análise multivariada identificou como fatores preditores de mortalidade hospitalar a hipotensão arterial (p=0,045), o choque cardiogênico (p=0,001) e a fibrilação ventricular (p=0,012). CONCLUSÕES: A RM na fase aguda do IAM é um procedimento seguro em pacientes sem complicações, sem mortalidade operatória. A presença de complicações pré-operatórias como choque cardiogênico, fibrilação ventricular e hipotensão são considerados fatores de mau prognóstico nesta condição.

    Abstract in English:

    OBJECTIVES: To determine the predictors of bad evolution in patients submitted to myocardial revascularization (MR) in the acute myocardial infarction (AMI). MATERIAL E METHODS: Between March 1998 and November 1999, 49 patients were submitted to MR in AMI. Patients with mechanical complications of the AMI and those submitted to associated procedures to MR were excluded. The patients were divided into two groups: Group I - 29 cases without AMI related complications and Group II - 20 cases with one or more complications. The later ones included persistent ischemia (18 patients), congestive heart failure (11), cardiogenic shock (9), hypotension (7), recurrent AMI (4), sustained ventricular tachycardia (4) and ventricular fibrillation (3). Both groups were considered comparable in terms of preoperative demografics, except for older patients in Group II. In order to determine the prognostic factors for early mortality, the patients profiles and AMI complications were analysed by multivariate and variance tests. RESULTS: The overall mortality was 6.12% (3 patients), all of them in Group II. The multivariate analysis identified as predictors of hospital mortality arterial hypotension (p=0.045), cardiogenic shock (p=0.001) and ventricular fibrillation (p=0.012). CONCLUSIONS: MR in AMI is a safe procedure in patients without preoperative complications, with no deaths. The presence of preoperative complications such as cardiogenic shock, ventricular fibrillation and hypotension were considered predictors of bad evolution in this condition.
  • Tratamento da insuficiência cardíaca terminal através da correção da insuficiência mitral secundária e remodelação ventricular Artigos Originais

    BUFFOLO, Enio; PAULA, Ivan Machado de; BRANCO, João Nelson R.; CARVALHO, Antônio Carlos C.; MANTOVANI, Cyrillo; CAPUTI, Guido; AGUIAR, Luciano Figueiredo

    Abstract in Portuguese:

    INTRODUÇÃO: A sobrevida de pacientes com miocardiopatia e insuficiência mitral secundária em classe funcional IV é muito pequena em curtos períodos de observação, apesar dos progressos consideráveis obtidos com o tratamento médico. Tem sido demonstrado que o aparecimento de insuficiência mitral secundária piora o prognóstico e a qualidade de vida e que a correção da insuficiência mitral permite melhor controle do paciente. OBJETIVO: O presente trabalho propõe o implante de uma prótese em posição mitral que elimina a insuficiência mitral e remodela a base do ventrículo esquerdo e o seu eixo longitudinal. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Analisamos 33 pacientes com insuficiência cardíaca refratária sob terapêutica máxima operados entre dezembro/95 e setembro/99. O grupo etário variou de 25 a 78 anos (mediana 58) sendo 57,7% do sexo masculino. O período de observação variou de 4 meses a 4 anos (mediana 22 meses). Quanto à etiologia, em 15 pacientes era isquêmica, em 13 dilatada, em 3 chagásica, em 1 pós-parto e em 1 viral. RESULTADOS: Ocorreram 3 óbitos na fase hospitalar (3/33) e 2 na tardia (2/30), estando 28 pacientes em observação. Neste intervalo de seguimento, 88% dos pacientes melhoraram 1 ou 2 classes funcionais, a fração de ejeção subiu de 20 a 36%, apesar da eliminação da fração regurgitante, o volume efetivo melhorou consideravelmente (58 para 80 ml) entre a aferição pré-operatória e a última evolução. CONCLUSÃO: A insuficiência cardíaca refratária com insuficiência secundária moderada a severa pode sofrer efetiva paliação com a eliminação de regurgitação e remodelação do ventrículo esquerdo, implantando-se prótese valvar no anel atrioventricular esquerdo.

    Abstract in English:

    INTRODUCTION: The survival of patients in end-stage and secondary mitral insufficiency is very poor in short periods of follow-up in spite of the progress that has been made in clinical management. The occurrence of secundary mitral regurgitation compromises survival and quality of life and recent papers have suggested that mitral intervention could improve functional classes. OBJECTIVE: This paper describes a techniques of valvular prostheses implantation in the left A-V annulus, to correct mitral regurgitation and remodelling the basis of the left ventricle with shortening of the longitudinal axis. MATERIAL AND METHODS: We analyze 33 patients in end-stage cardiomyopathies (15 ischemic, 13 dilated, 3 Chagas' disease, 1 puerperal, 1 viral) operated on from December 85 to September 99. The ages varied from 25 to 78 years (mean 58), 57.7% males. The period of follow-up was from 4 months until 4 years (mean 22 months). RESULTS: During hospital stay, 3 deaths (3/33) occurred and 2 others occurred after hospital discharge (2/30). In this period of follow-up 88% of patients improved 1 or 2 functional classes, the echocardiographic ejection fraction improved from 30 to 36% despite elimination of regurgitant flow and the stroke volume increased from 58 to 80 ml. CONCLUSION: Refractory cardiac insufficiency with mitral regurgitation can be palliative with valvular prosthesis implantation and remodelling of left ventricle in this period of follow-up.
  • Remodelação cirúrgica da valva aórtica Artigos Originais

    FONTES, Ronaldo D.; SALERNO, Herbert D.; HIJO, Alfredo V. E. E.; NAJJAR, Alberto; SCALA, Luiz César N .; FARAH, Maria Cecília K.; COUTO, Gustavo J. V.

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: Os autores analisam os resultados por eles obtidos com a utilização de técnica específica para a preservação da valva aórtica. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Esse método consiste no emprego habitual da circulação extracorpórea com uso de hipotermia moderada e infusão de solução cardioplégica nos óstios coronários. Realiza-se ressecção da válvula não coronariana e une-se as comissuras correspondentes utilizando-se fio de Mersilene 2-0 ancorado em feltro de teflon, tornando a valva "bivalvulada". Procede-se por fim à aortorrafia convencional. Foram operados 15 pacientes, 9 do sexo masculino. A idade variou entre 12 e 78 anos. Quatro pacientes tinham diagnóstico de insuficiência aórtica isolada, 2 com dupla disfunção aórtica associada à insuficiência coronária, 2 com doença da aorta ascendente, 4 com insuficiência aórtica e mitral, 1 com dupla disfunção aórtica e mitral, e 2 com insuficiência aórtica e insuficiência coronária. RESULTADOS: Em 12 pacientes não houve insuficiência aórtica residual pós-operatória, e em 3 identificou-se insuficiência aórtica leve ou moderada. Três pacientes foram reoperados no pós-operatório tardio devido a insuficiência aórtica, tendo sido substituída a valva aórtica em 2. Quatro pacientes foram submetidos a estudo hemodinâmico e em 1 deles havia gradiente supravalvar de 20 mmHg. Nos outros 3 pacientes, o gradiente sistólico transvalvar foi de 0, 9 e 12 mmHg, respectivamente. Os 11 pacientes restantes foram avaliados somente através de ecocardiografia, a qual não demonstrou estenose. Não houve óbito imediato e houve 1 óbito tardio, após reoperação. Quatorze pacientes tiveram melhora da classe funcional, tanto imediata quanto tardiamente, e foram acompanhados durante período entre 30 dias e 24 meses, encontrando-se em classe funcional I ou II (NYHA). CONCLUSÃO: Os autores acreditam que o método seja uma alternativa para o tratamento cirúrgico conservador da doença valvar aórtica.

    Abstract in English:

    PURPOSE: The authors report a method of surgical treatment of the aortic valve disease, called "Surgical Remodeling of Aortic Valve". MATERIAL AND METHOD: The method consisted of the utilization of the habitual extracorporeal circulation, moderated hipothermia and the infusion of cardioplegic solution in the coronary ostia. The non-coronary valvula is resected and stitches anchored in the aortic valva anulus are given in a way to approximate the resected valvula commissures, in order to turn the trivalvular valva into a bivalvulate one. The Valsalva sinus corresponding to the resected valva stays situated below the commissure and the remaining aortic wall is sutured with a few separated stitches, followed with the conventional aortorraphy. Between March of 1996 and July of 1999, 15 patients were operated with the described technique. Nine were male and the age ranged from 12 to 78 years. Four patients had aortic valve insufficiency, 4 with aortic and mitral insufficiency, 2 with double aortic lesion and coronary artery disease, 2 with ascending aortic disease, 2 with aortic insufficiency and coronary artery disease, and 1 with double dysfunction of aortic and mitral valves. RESULTS: Three patients developed aortic insufficiency on the post-operative and 3 of them were operated on in the late post-operative. Four patients were submitted to hemodynamic study and one of them had a supravalvar gradient estimated at 20 mmHg. Eleven patients were studied by echocardiogram and did not have stenosis. There were neither immediate obits and one occurred in the late post-operative period. Fourteen patients were followed during 30 days to 24 months, and had a good evolution (Functional Class I or II of the NYHA). CONCLUSION: This method for the aortic valve preservation is an alternate option for the surgical treatment of the aortic valve disease.
  • Tratamento das afecções da aorta com a primeira geração de stents auto-expansíveis Artigos Originais

    PEREIRA, Wagner Michael; LOBO, Roberto; SALES, Marcela; TANAKA, Nicásio; PORTUGAL, Luís Enrique V.; FLORES, Luís Antônio V.; KUHNEN, Élcio R.; PEREIRA, Patrícia Q.; LUCCHESE, Fernando A.

    Abstract in Portuguese:

    INTRODUÇÃO: O emprego de stents auto-expansíveis no tratamento das afecções da aorta descendente apresenta-se como uma nova alternativa, e o objetivo deste trabalho é avaliar o seu desempenho. CASUÍSTICA E MÉTODOS: No período de abril de 1998 a novembro de 2000 (32 meses), foram operados 144 pacientes com doenças da aorta, sendo 66 (45,83%) dissecções, 50 (34,72%) aneurismas e 28 (19,44%) outros procedimentos com operação da aorta associada. Implantamos 37 stents auto-expansíveis na aorta descendente com acesso transesternal, circulação extracorpórea, hipotermia profunda (18°C-20°C) e parada circulatória com perfusão cerebral retrógrada. Foram 21 (56,76%) dissecções agudas tipo B, 9 (24,32%) aneurismas e dissecções crônicas tipo B e 7 (18,92%) dissecções agudas tipo A. A idade média dos pacientes era de 57,95 ± 11,66 anos, sendo 64,86% do sexo masculino. O acompanhamento foi de 32 meses (16,36 ± 10,29 meses) em 87,5% dos pacientes com entrevistas aos médicos assistentes de regiões distantes, ecocardiograma e tomografia computadorizada a cada 12 meses no ambulatório da Santa Casa. RESULTADOS: A mortalidade cirúrgica (30 dias) foi de 13,51%, sendo 9,52% nas dissecções agudas tipo B, 28,57% nas dissecções agudas do tipo A e 11,22% nos aneurismas e dissecções crônicas tipo B. As curvas de sobrevivência em 12, 24 e 33 meses são, respectivamente, 87,92%, 82,75% e 74,48%. Estão livres de eventos 70,15% dos pacientes, ao final de 33 meses. Dois óbitos hospitalares não foram relacionados ao procedimento, se fossem excluídos teríamos uma mortalidade hospitalar de 8,10%, o mesmo acontecendo a 1 óbito tardio. O implante de stent isolado ocorreu em 40,5% dos pacientes, 3 apresentaram vazamentos distais pára-protéticos e vêm sendo acompanhados. CONCLUSÃO: Os implantes de stents intraluminais auto-expansíveis apresentaram uma mortalidade hospitalar de 13,51%, mortalidade em 12, 24 e 33 meses de 9,37%, 3,44% e 3,57%, com 70,15% dos pacientes livre de eventos em 33 meses de seguimento, tornando o método factível e diminuindo a mortalidade no tratamento cirúrgico das dissecções agudas e crônicas do tipo B.

    Abstract in English:

    INTRODUCTION: The authors describe the implantation of an endovascular self-expanding stents grafts at 33 months of follow-up. The use can be a new alternative for the treatment of descending aortic dissections and aneurysms disease. MATERIAL AND METHODS: From April 1998 to November 2000 (32 months), 37 endovascular stent grafts were implanted, 21 in acute dissections type B, 7 in acute dissections type A and 9 in chronic dissections type B and aneurysms ones. The age varied between 39 and 79 years (mean=57.94 ± 1.91 years), considering that 64.86% were male patients. The patients were submitted to median esternotomy, extracorporeal circulation (ECC), with deep hipothermia (18-20ºC), total circulatory arrest (TCA), and retrograde cerebral perfusion (RCP). The transverse aorta was incised and the stent was implanted in the descending proximal aorta with the aid sometimes of aortoscopy. The times of ECC, aortic clamping, TCA, RCP, rewarming, mechanic ventilation, hospitalization, trans and post-operative bleeding, blood replacement, events curve and survival curve were analyzed. RESULTS: The hospital mortality (30 days) was 13.51%; 32 have been followed up from 1 to 33 months, 70.7% are free of events and survival curve with 63.19% (33 months). CONCLUSIONS: The implant of self-expanding intraluminal stent grafts presented has lower hospital mortality in the acute phase and follow-up in acute aortic dissections type B (10%) than clinical treatment (IRAD). In spite of the small sample the procedure is promising and needs longer follow-up.
  • Substituição do arco aórtico sem parada circulatória total: técnicas, táticas e resultados Artigos Originais

    REIS FILHO, Fernando Antônio Roquette; LIMA, Luiz Cláudio Moreira; SILVEIRA, Ernesto Lentz da; BERNARDES, Rodrigo de Castro

    Abstract in Portuguese:

    INTRODUÇÃO: A despeito dos avanços da cirurgia cardiovascular, das técnicas de circulação extracorpórea e dos métodos de proteção cerebral, a mortalidade nas operações de substituição ou reparo do arco aórtico permanece elevada. As alterações decorrentes da hipotermia profunda e as lesões neurológicas ainda são a maior causa de morbi-mortalidade. OBJETIVO: Demonstrar um conjunto de técnicas e táticas cirúrgicas que permite realizar a substituição do arco aórtico sem a necessidade de hipotermia e parada circulatória total e apresentar os resultados alcançados em um grupo de 10 pacientes. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Dez pacientes do sexo masculino, com idade média de 48,7 anos, foram submetidos a substituição do arco aórtico, utilizando-se hipotermia moderada, canulação arterial em artéria subclávia direita e femoral esquerda, perfusão cerebral seletiva pela artéria subclávia e confecção da anastomose dos vasos arco no primeiro tempo. RESULTADOS: O tempo médio de perfusão cerebral seletiva foi de 14,1 minutos, de isquemia miocárdica 39,6 minutos e de circulação extracorpórea 98,9 minutos. A temperatura esofágica média foi de 26,6º C (24º C a 30º C). O tempo médio de internação foi de 18,4 dias (8 a 40). Não ocorreram óbitos imediatos ou tardios. Dois pacientes apresentaram confusão mental temporária e um apresentou hemiparesia que foi revertida. CONCLUSÕES: A combinação de técnicas e táticas empregadas permitiu uma efetiva correção das lesões em um campo cirúrgico amplo e seco. Ofereceu uma excelente proteção cerebral sem a necessidade de hipotermia profunda o que diminuiu substancialmente as complicações pós-operatórias.

    Abstract in English:

    INTRODUCTION: Despite the development in cardiovascular techniques such as in cardiopulmonary bypass and cerebral protection the mortality in the correlations of the diseases of the aortic arch remains high. Deep hypothermic circulatory arrest and cardiopulmonary bypass times as well as neurological lesions are the major causes of morbi-mortality. OBJECTIVE: To show some techniques and tactics that allow the complete substitution of the aortic arch without the need of total circulatory arrest and deep hypothermia, and the results obtained in 10 consecutive patients. MATERIAL AND METHODS: Ten consecutive patients, all male, with a mean age of 48.7 years, had their aortic arch totally substituted using moderate hypothermia, selective cerebral perfusion via subclavian artery and an arch vessels anastomose performed isolatedly as the first stage. RESULTS: The mean selective cerebral perfusion time was 14.1 minutes with 39.6 minutes of myocardial ischaemia and 98.9 minutes of cardiopulmonary bypass. The mean esofagic temperature was 26.6º C (24º C to 30º C). The mean time of hospital stay was 18.4 days (8 to 40). There were no immediate or late deaths. Two patients had temporary cerebral dysfunction (confusion) and one had hemiparesis, completed recover with time. CONCLUSION: The combination of these techniques and tactics allowed an effective correction of the diseases in a wide and dry surgical field. They promoted an excellent cerebral protection without the need of deep hypothermia which decreasing substantially the postoperative complications and mortality.
  • Reconstrução da artéria pulmonar na operação de Jatene Artigos Originais

    GONTIJO FILHO, Bayard; FANTINI, Fernando A.; LORA, Harold M.; MARTINS, Cristiane; LOPES, Roberto Max; HAYDEN, Eliane; VRANDECIC, Mario O.

    Abstract in Portuguese:

    FUNDAMENTOS: A operação de Jatene é a técnica de escolha para correção da transposição das grandes artérias (TGA). A estenose da via de saída do ventrículo direto é a principal complicação encontrada no pós-operatório destas crianças. OBJETIVOS: Avaliar os resultados obtidos em uma série de pacientes portadores de TGA submetidos a operação de Jatene, nos quais a reconstrução da artéria pulmonar (AP) foi realizada com dois remendos de pericárdio autólogo, procurando-se preservar ao máximo a parede aórtica nativa. CASUÍSTICA E MÉTODOS: No período de Janeiro de 1998 a Fevereiro de 2000, foram operadas consecutivamente 52 crianças portadoras de TGA (38 TGA simples/14 TGA + CIV) pela técnica de Jatene, com idade variando de 3 dias a 17 meses (m=30,3 dias). Houve predomínio do sexo masculino (n=30 ou 57,7%) e peso variou de 2,400 kg a 7,400 kg (m=3,377 kg). Todos os pacientes foram operados com CEC em hipotermia moderada, normofluxo e com dose única de cardioplegia sangüínea para proteção miocárdica. O tempo médio de CEC foi de 110,6 min e o tempo médio de pinçamento aórtico de 72,5 min. A transferência coronária foi realizada em "botão", retirando-se o mínimo possível de parede aórtica nativa. A reconstrução foi realizada com dois remendos de pericárdio autólogo, ampliando-se a neo-artéria pulmonar. A avaliação da técnica foi feita através de estudo ecocardiográfico em 20 crianças com seguimento pós-operatório superior a 5 meses(m=12,7 meses). RESULTADOS: Houve 3 (5,8%) óbitos hospitalares, sendo 2 causados por infecção pulmonar (16º e 29º DPO) e 1 por obstrução do tubo endotraqueal (8º DPO). Em todos os casos a técnica foi efetiva para ampliação da neopulmonar, mesmo nos casos de TGA + CIV com importante desproporção dos vasos. O estudo ecocardiográfico pós-operatório apresentou evidências de estenose pulmonar supravalvar em apenas 1 (5%) criança e evidência de crescimento uniforme da AP em todas as outras. CONCLUSÃO: A técnica de reconstrução da AP, preservando-se ao máximo a parede aórtica nativa foi capaz de igualar as artérias mesmo na presença de desproporção significativa, além de propiciar resultados hemodinâmicos satisfatórios em período de até 2 anos de evolução pós-operatória.

    Abstract in English:

    INTRODUCTION: We describe our experience with Jatene's operation in the surgical treatment of transposition of great arteries (TGA) where pulmonary artery reconstruction was performed with two autologous pericardial patches in order to spare the maximum amount of native aortic tissue. MATERIAL AND METHODS: There were 52 children (38 simple TGA, 14 TGA + VSD) and their age ranged from 3 days to 17 months. Body weight ranged from 2.400 to 7.400 kg (m=3.377 kg). All patients were operated under moderate hypothermia with a single infusion of blood cardioplegia. Average extracorporeal circulation time was 110.6 min and average aortic cross-clamping time was 72.5 min. RESULTS: There were 3 (5.8%) early deaths caused by pulmonary infection in 2 of them and by obstruction of the endotracheal tube in 1. There were 2 late deaths; one in a reoperation of severe coronary ostial stenosis (6 months p.o.) and another owing to pneumonia (1 year p.o.). Late echocardiography was performed in 20 children who were operated in the neonatal period and had a minimum of 5 months follow-up (m=12.7). Supravalvular pulmonary stenosis was found in only 1 (5%) patient and results were consistent with an uniform pulmonary artery development. CONCLUSION: Reconstruction of the pulmonary artery in Jatene's operation for TGA should be carried out with maximal preservation of the native aortic tissue.
  • Fibrilação atrial e flutter após operação de revascularização do miocárdio: fatores de risco e resultados Artigos Originais

    LIMA, Marco Aurélio Vilela Borges; SOBRAL, Marcelo Luiz Peixoto; MENDES SOBRINHO, Claúdio; SANTOS, Gilmar Geraldo; STOLF, Noedir A. G.

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: Determinar a incidência de fibrilação atrial e flutter (FAF) no pós-operatório de revascularização do miocárdio (RM), bem como os fatores preditivos e a influência destas arritmias sobre o período de internação hospitalar. CASUÍSTICA E MÉTODOS: Foram analisados 275 pacientes submetidos à operação de revascularização do miocárdio isolada ou associada à correção de aneurisma de ventrículo esquerdo. A idade variou de 26 a 83 anos, com média de idade de 58,7 ± 9,5 anos. Cento e noventa e seis pacientes (71,3%) eram do sexo masculino. RESULTADOS: A incidência total de fibrilação atrial e flutter pós-operatórios foi 16,4% com pico de incidência ocorrendo no segundo e terceiro dia de pós-operatório. Idade avançada, sexo masculino e história de fibrilação atrial ou flutter no pré-operatório foram identificados como fatores preditivos independentes de fibrilação atrial ou flutter no pós-operatório. Os pacientes que apresentaram FA ou flutter no pós-operatório em média 36 horas a mais na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 4,8 dias a mais hospitalizados. CONCLUSÃO: A FA e flutter são arritmias comuns no pós-operatório de revascularização do miocárdio, tendo efeito significativo sobre os tempos de permanência na UTI e de internação hospitalar.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE: The aim of this study was to determine the overall incidence and predictors of atrial fibrillation and flutter (AFF) following CABG, as well as the influence of these arrhythmia on the hospital length of stay. MATERIAL AND METHODS: Two hundred and seventy-five patients, who had undergone coronary artery bypass graft (CABG) surgery at the Beneficência Portuguesa Hospital in São Paulo, had their data collected and analyzed. The age range was from 26 to 83 years old with mean age of 58.7 and standard deviation of 9.5 years. One hundred and ninety six patients (71.3%) were male. RESULTS: The outcomes of this analysis were: the overall incidence of postoperative AFF was 16.4%, with the peak rate in the second and third postoperative days. Advanced age (p < 0.0001; 95% confidence interval [CI], 3, 140 to 9.046 ); male sex (p = 0.0126; odds ratio [OR], 3.022; relative risk = 2.380; 95% CI 1.103 to 5,135) and a history of AFF (p = 0.0235, OR = 15.54, relative risk = 1.023, 95% CI 0.6225 to 387.9) were identified as independent predictors of postoperative AFF. Those patients with postoperative AFF remained an average of 36 hours longer in the intensive care unit and 4.8 days longer in the ward when compared with patients without AFF. CONCLUSIONS: The AFF are very common arrhythmia after CABG and have a significant effect on both intensive care unit and overall hospital length of stay.
  • Circulação extracorpórea com desvio veno-arterial e baixa pressão parcial de oxigênio Artigos Originais

    MORAES, Mário Coli Junqueira de; MORAES, Domingos Junqueira de; BASTOS, Eduardo Sérgio; MURAD, Henrique

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: Esse trabalho divide-se em 2 partes, um estudo experimental para fundamentar a técnica de circulação extracorpórea com baixa pressão parcial de oxigênio e um estudo clínico, para mostrar a viabilidade de sua utilização em seres humanos. MATERIAL E MÉTODOS: No estudo experimental empregou-se a circulação extracorpórea em 20 cães divididos em 2 grupos de 10 animais. No grupo I, canulou-se separadamente a veia cava superior e, a seguir, a veia cava inferior, mantendo-se normais os batimentos cardíacos e a respiração, controlada com respirador e oxigênio puro. O sangue de cada veia cava depois de passar por um permutador de calor foi injetado na artéria femoral. A cada 30 minutos foram retiradas amostras de sangue da aorta acima do diafragma para determinação da gasometria. No grupo II, foi drenado o átrio direito e metade do sangue foi injetada na artéria pulmonar com outra bomba e recolhida pelo ventrículo esquerdo ao reservatório que é ao mesmo tempo, permutador de calor. O sangue, misturado na proporção de 50% venoso e 50% arterial foi reinjetado pela outra bomba na circulação arterial. O coração foi mantido fibrilando e a respiração controlada pelo respirador. No estudo clínico, os pacientes foram divididos em 2 grupos (Grupo A e B). O grupo A de 20 pacientes foi perfundido com sistema convencional, isto é, usando-se ar comprimido e oxigênio no oxigenador de membrana e alto pO2 arterial. No grupo B, também com 20 pacientes, foi utilizado o oxigenador de membrana, oxigênio puro e desvio veno-arterial, mantendo-se o desvio em torno de 40% a 50%. RESULTADOS: No estudo experimental, em ambos grupos, do ponto de vista fisiológico, houve desvio de 50% do sangue venoso para a circulação arterial e fluxo de perfusão mantido alto (100 ml/kg/min). Observou-se que o pO2 arterial em ambos grupos manteve-se entre 50 mmHg e 100 mmHg e a saturação venosa entre 50% e 70%. Todos os animais acordaram no final da perfusão. No estudo clínico verificou-se baixo pO2 arterial e fluxo de perfusão normal. Comparando-se os resultados clínicos constatou-se que não houve diferença de mortalidade nos 2 grupos, porém no grupo com baixo pO2 e desvio veno-arterial o sangramento pós-operatório foi significativamente menor, utilizando-se três vezes menos hemoderivados. Além disso, não foi necessário o uso de misturador de gases.

    Abstract in English:

    PURPOSE: This study is divided into 2 parts, an experimental study to establish a technique of extracorporeal circulation with low oxygen partial pressure and a clinical study to show the feasibility in humans. MATERIAL AND METHODS: Experimental surgery with extracorporeal circulation was performed in 20 dogs divided into 2 groups of ten. In group I, cannulation was done first in the superior vena cava, then in the inferior vena cava, keeping normal heartbeat and breathing, controlled by a respirator and pure oxygen. After passing through a heat exchanger, the blood of each vena cava was injected in the femoral artery. Blood samples from the aorta were taken above the diaphragm in every 30 minutes to check gasometric values. In group II, the right atrium was drained and half of the blood injected in the pulmonary artery with another pump and picked up through the left ventricle to the reservoir that also works as a heat exchanger. The mixed blood (50% arterial and 50% venous) was re-injected by another pump in the arterial circulation. The heart was maintained fibrillating and the breathing controlled by the respirator. In the clinical study, 40 patients were divided into 2 groups of 20 each. In group A the patients were bypassed in the conventional manner, that is, compressed air and oxygen in the oxigenator with high arterial pO2. In group B, pure oxygen was used in the membrane oxigenator and venous-arterial shunt, performed between 40% to 50%. RESULTS: In both groups, from a physiologic point of view there was shunting of 50% of venous blood to the arterial circulation and arterial blood flow was maintained high (around 100 ml\kg\min). It was observed that the arterial pO2 in both groups remained between 50 and 100 mmHg and venous saturation between 50 and 70%. All animals woke up at end of the experiment. In the clinical study, the arterial pO2 was a low 60 mmHg. Comparison of the clinical results showed there was no mortality difference between both groups, but in the group B, with the low pO2 and venous-arterial shunt, the post-operative bleeding was significantly smaller, having been used three times less blood and no need to use the blender.
Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular Rua Afonso Celso, 1178 Vila Mariana, CEP: 04119-061 - São Paulo/SP Brazil, Tel +55 (11) 3849-0341, Tel +55 (11) 5096-0079 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: bjcvs@sbccv.org.br