Bioplastia na lipodistrofia de pacientes com HIV/AIDS

Marilho Tadeu Dornelas Marília de Pádua Dornelas Corrêa Gabriel de Mendonça Netto Felipe Marcellos Lemos Barra Saulo Gontijo Siqueira Alves Marcília de Cássia Dornelas Lívia Dornelas Corrêa Lucas Amaral Carvalho Cunha Carlos Eduardo Soares Gazzinelli Cruz Sobre os autores

INTRODUÇÃO: O início do tratamento da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS) com a terapia antirretroviral de alta atividade (HAART), na década de 1990, aumentou, consideravelmente, a longevidade e a qualidade de vida dos portadores da doença. A redução da morbidade e da mortalidade associadas a doenças infecciosas e neoplásicas oportunistas, porém, tem sido acompanhada pelo aumento da prevalência de outras doenças, entre elas a lipodistrofia associada ao vírus da imunodeficiência humana (HIV). A lipodistrofia decorre da toxicidade de drogas utilizadas na terapia antirretroviral, sendo atribuída aos inibidores de protease e aos inibidores da transcriptase reversa análogos do nucleosídeo. Este trabalho aborda a lipoatrofia facial, que confere um aspecto de envelhecimento precoce e traz de volta o velho estigma da "facies da AIDS", podendo impactar negativamente na qualidade de vida dos portadores de HIV. MÉTODO: Neste estudo foram incluídos 41 pacientes apresentando lipoatrofia facial, que foram submetidos a preenchimento com polimetilmetacrilato (PMMA) no Hospital Universitário da Universidade Federal de Juiz de Fora (HU-UFJF) e na clínica Plastic Center, Clínica de Cirurgia Plástica em Juiz de Fora, no período entre janeiro de 2010 e fevereiro de 2012. RESULTADOS: O número de procedimentos realizados em cada paciente variou de 1 a 4, sendo respeitado um intervalo mínimo de 90 dias entre eles. A quantidade de PMMA utilizado variou de acordo com o grau e a região a serem corrigidos, ficando entre 3 ml e 18 ml por procedimento. Em todos os pacientes, o resultado obtido foi favorável esteticamente. CONCLUSÕES: Os resultados obtidos pela bioplastia com PMMA foram considerados satisfatórios pelos pacientes. O material utilizado possui alta adaptabilidade às áreas receptoras, necessitando apenas da modelagem e da quantidade adequada para que apresente bom padrão estético.

Síndrome de lipodistrofia associada ao HIV; Síndrome de imunodeficiência adquirida; HIV; Lipodistrofia


Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica Rua Funchal, 129 - 2º Andar / cep: 04551-060, São Paulo - SP / Brasil, Tel: +55 (11) 3044-0000 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: rbcp@cirurgiaplastica.org.br