Frações e Qualidade da Matéria Orgânica da Camada Superficial de um Solo Construído e Vegetado, após Mineração de Carvão. II - Compartimentos Físicos e Índice de Manejo de Carbono

Otávio dos Anjos Leal Rosa Maria Vargas Castilhos Eloy Antonio Pauletto Luiz Fernando Spinelli Pinto Clenio Nailto Pillon Letiane Helwig Penning Daiane Carvalho dos Santos Sobre os autores

Solos construídos após mineração frequentemente apresentam baixos estoques de carbono (C) e baixa qualidade de matéria orgânica (MO). As plantas de cobertura são cruciais para o processo de recuperação desses estoques, melhorando a qualidade do solo construído. Este trabalho objetivou avaliar o efeito de coberturas vegetais sobre o estoque de C orgânico total (COT), a distribuição do C em frações físicas da MO e o índice de manejo de C (IMC) de um solo construído após mineração de carvão. O experimento foi instalado em 2003 e seis tratamentos foram implementados: Hemarthria altissima (T1), Paspalum notatum (T2), Cynodon dactilon (T3), Urochloa brizantha (T4), solo construído descoberto (T5) e solo natural (T6). Amostras de solo foram coletadas em 2009, na camada de 0,00-0,03 m, onde foram determinados o estoque de COT e o de C nas frações físicas granulométricas (carbono da fração grosseira - CFG; e carbono associado aos minerais - CAM) e densimétricas (fração leve livre - FLL; fração leve oclusa - FLO; e fração pesada - FP) da MO do solo. Os componentes do IMC: índice de estoque de carbono (IEC), labilidade (L) e índice de labilidade (IL) foram estimados a partir de ambos os métodos de fracionamento. Não foram observadas diferenças nos estoques de COT, CFG e CAM, e os menores estoques de C nas frações FLL (0,86 Mg ha-1) e FLO (0,61 Mg ha-1) foram apresentados pelo T2. Todos os tratamentos apresentaram valores intermediários de estoque de COT, C nas frações físicas e IMC, maiores que T5 e menores que T6, indicando a recuperação parcial da qualidade do solo. Em decorrência da maior adaptação das espécies Hemártria e Brizanta, resultando em maior acúmulo de material orgânico lábil, esses tratamentos apresentaram maior IEC, L, IL e IMC, sugerindo maior potencial dessas espécies para recuperação do solo construído.

recuperação de área degradada; plantas de cobertura; estoques de carbono; labilidade


Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Secretaria Executiva , Caixa Postal 231, 36570-000 Viçosa MG Brasil, Tel.: (55 31) 3899 2471 - Viçosa - MG - Brazil
E-mail: sbcs@ufv.br