A PLANTA REVIVESCENTE TRIPOGON SPICATUS (POACEAE) ABRIGA UMA DIVERSIDADE DE BACTÉRIAS PROMOTORAS DE CRESCIMENTO VEGETAL NA CAATINGA, REGIÃO NORDESTE DO BRASIL

Paulo Ivan Fernandes-Júnior Saulo de Tarso Aidar Carolina Vianna Morgante Carlos Alberto Tuão Gava Jerri Édson Zilli Layane Silva Barbosa de Souza Rita de Cássia Nunes Marinho Rafaela Simão Abrahão Nóbrega Marivaine da Silva Brasil Sirando Lima Seido Lindete Míria Vieira Martins Sobre os autores

As espécies vegetais que ocorrem naturalmente na Caatinga brasileira apresentam diversas adaptações às condições adversas que podem ser exploradas para aumentar a produção vegetal. Entre essas estratégias adaptativas para o enfrentamento da baixa disponibilidade hídrica, a tolerância à dessecação pode ser destacada. Até o momento, a associação entre essas espécies e os microrganismos benéficos do solo não é bem entendida. Os objetivos deste trabalho foram caracterizar bactérias diazotróficas de Tripogon spicatus e avaliar a capacidade de promoção do crescimento delas em plantas de arroz. Dezesseis isolados bacterianos foram estudados quanto a seu posicionamento taxonômico por meio do sequenciamento parcial do gene 16S rRNA, potencial diazotrófico, produção de ácido indol acético (AIA) e solubilização de fosfato de cálcio in vitro, metabolismo de nove diferentes fontes de C em meio semissólido, tolerância a diferentes concentrações de NaCl a pHs e resistência intrínseca a nove antibióticos. A habilidade em promover o crescimento vegetal foi avaliada utilizando o arroz (Oryza sativa) como planta-modelo. Dentre os 16 isolados avaliados, oito foram classificados como pertencentes à família Enterobacteriaceae, relacionados aos gêneros Enterobacter e Pantoea. Seis outros isolados foram relacionados a Bacillus e outros dois a Rhizobium e Stenotrophomonas. A avaliação da incorporação do N ao meio semissólido demonstrou o potencial diazotrófico de todos os isolados. Duas bactérias produziram mais AIA do que a estirpe BR 11175T de Herbaspirillum seropedicae. Isolados bacterianos foram capazes de formar película em meio semissólido suplementado com concentrações de NaCl de até 1.27 mol L-1. A resistência intrínseca a antibióticos e o metabolismo de diferentes fontes de C indicaram um perfil fisiológico muito variável. Sete isolados foram capazes de aumentar o crescimento das plantas de arroz, mais eficientemente do que a estirpe de referência Ab-V5 de Azospirillum brasilense. Os resultados indicaram o potencial de T. spicatus como uma espécie nativa fonte de bactérias promotoras de crescimento vegetal.

fixação biológica do nitrogênio; inoculante; bactérias diazotróficas; Semiárido; plantas tolerantes à dessecação


Sociedade Brasileira de Ciência do Solo Secretaria Executiva , Caixa Postal 231, 36570-000 Viçosa MG Brasil, Tel.: (55 31) 3899 2471 - Viçosa - MG - Brazil
E-mail: sbcs@ufv.br