Sintomas Depressivos em Estudantes de Medicina e sua Relação com Variáveis Hormonais e Socioeconômicas

Gabriel Marcelo Rêgo de Paula Vanessa Izidoro Alves Silva Mariane Soriano Duarte Prado Tenorio Daniela Queiroz Pinto Camila Calado de Vasconcelos Ana Soraya Lima Barbosa Sobre os autores

Resumo:

Introdução:

A depressão incapacita e causa comprometimento da qualidade de vida, de modo que a alta prevalência desta em estudantes de Medicina é problema relevante. Sabe-se que variáveis hormonais, como cortisolemia, e fatores socioeconômicos podem estar relacionados ao surgimento de sintomas depressivos. Este estudo teve como objetivos verificar a prevalência de sintomas depressivos em estudantes de Medicina de um centro universitário de Maceió e analisar sua correlação com os níveis de cortisol sérico, os hábitos de vida e o perfil socioeconômico.

Método:

Trata-se de estudo quantitativo, analítico e de caráter transversal com estudantes de Medicina de uma faculdade privada de Maceió. Uma amostra de 122 acadêmicos aderiu à pesquisa, na qual se aplicaram o Inventário de Depressão de Beck e um questionário socioeconômico. Realizou-se ainda a dosagem do cortisol sérico.

Resultados:

Dentre 78 mulheres e 44 homens participantes, foram identificados 40 casos de sintomas depressivos (32,9%), sendo três casos de sintomas depressivos graves (2,5%), nove casos de sintomas depressivos moderados (7,4%) e 28 com sintomas depressivos leves (23,0%). Quanto à dosagem de cortisol, o valor médio obtido foi de 12,72 µg/dL, obtendo-se um valor máximo e um mínimo de 29,7 µg/dL e 0,9 µg/dL, respectivamente. Não foi constatada nenhuma correlação entre os sintomas depressivos e os níveis de cortisol sérico matinal neste estudo. Entre as variáveis explicativas analisadas, apenas religião obteve uma correlação estatisticamente significativa com os sintomas depressivos, com prevalência de escores de maiores valores entre os estudantes que não possuem uma religião.

Conclusões:

Ressalta-se a alta prevalência de depressão entre os estudantes de Medicina. Os resultados obtidos denotam que a alteração do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal não é a única etiologia associada ao desenvolvimento da depressão. Por sua vez, a prática religiosa revelou-se como um provável fator protetor do seu desenvolvimento.

Palavras-chave:
Depressão; Hidrocortisona; Estudantes de Medicina; Educação Médica; Religião

Associação Brasileira de Educação Médica SCN - QD 02 - BL D - Torre A - Salas 1021 e 1023 | Asa Norte, Brasília | DF | CEP: 70712-903, Tel: (61) 3024-9978 / 3024-8013, Fax: +55 21 2260-6662 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: rbem.abem@gmail.com