Revista Brasileira de Educação Médica, Volume: 42, Issue: 3, Published: 2018
  • Artificial Intelligence, the Future of Medicine and Medical Education Editorial

    Lobo, Luiz Carlos

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Inteligência artificial (IA) é um ramo da ciência da computação que usando algoritmos definidos por especialistas é capaz de reconhecer um problema, ou uma tarefa a ser realizada, analisar dados e tomar decisões, simulando a capacidade humana. Sistemas computadorizados de apoio à decisão já existem há décadas, mas o aumento da velocidade de processamento e de armazenamento de informação dos computadores, permitiu analisar um grande volume de dados em nanosegundos propondo soluções de problemas, orientando a proposta e tomada de decisões, realizando tarefas sem receber instruções diretas de humanos. Já utilizadas em um grande número de atividades em áreas como o comércio, bancos, transporte, atendimento a usuários e, mesmo, gestão de recursos materiais e do capital humano, IA tem ampliado significativamente a sua aplicação em saúde. Em saúde IA analisa dados disponíveis em bases de dados de nascimentos, mortalidade, hospitalizações, doenças de notificação compulsória e de dados de pacientes registrados em prontuários eletrônicos. Busca, seja indicar a prevalência e evolução de enfermidades, possibilitando antecipar surtos epidêmicos e propor medidas preventivas com oportunidade, seja analisar, por exemplo, a coerência entre uma hipótese diagnóstica de um paciente e exames solicitados e terapia prescrita. IA reconhece imagens, permite interações computadorizadas em linguagem aberta, escrita e falada, percebe relações e nexos, entende conceitos e não apenas processa dados, segue algoritmos e cria sua própria experiência (“machine learning”). A constatação de que 32% dos erros médicos no Estados Unidos decorrem de problemas na relação médico-paciente, de um exame clínico deficiente, ou falha na avaliação de dados e de resultados de exames complementares, tem ressaltado a necessidade de se redefinir a prática médica, visando reservar tempo numa consulta para garantir uma boa comunicação e orientação do paciente. O uso de linguagem natural no registro de dados em prontuários eletrônicos, melhoria do relacionamento através da internet, emprego de computadores na comunicação médico-paciente, emprego de dispositivos vestíveis e corporais na obtenção de dados (“wearable devices”), telemedicina, trabalho em equipes multiprofissionais, visam otimizar o desempenho do médico no atendimento de seu paciente. A redefinição da prática médica resultará, necessariamente, em mudanças na formação do médico. Essa preocupação se refletiu no estabelecimento de um consórcio de escolas, estabelecido pela Associação Americana de Medicina, para discutir mudanças curriculares, ajustando a formação profissional a uma época caracterizada pelo uso intensivo de tecnologias e inteligência artificial. O autor faz considerações sobre a formação médica, propondo um núcleo de conhecimento que deverá alicerçar uma maior flexibilidade do aprendizado, ajustando-o às motivações e orientações dos alunos.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Artificial Intelligence (AI) is a branch of computer science that using algorithms defined by specialists can recognize a problem, or a task to be performed, analyzing data and taking decisions simulating the human being. Decision support systems were developed decades ago but were reemphasized as a consequence of the incredible increase in computer storage and data processing, creating the concept of “big data”. AI is already part of a large number of activities in sectors like commerce, banking, transportation, communication, and administration of human and material resources. The impact of AI in health allows the analysis of data banks such as birth, death, diseases of compulsory declaration, hospitalization of patients and data registered in electronic health records, indicating the prevalence and evolution of diseases, anticipating epidemic outbreaks and proposing preventive measures to be taking by the population. Picture analysis and pattern recognition of radiologic, dermatologic and ophthalmologic images is being now widely used. The processing of medical records is being also done to discuss cases and detect inconsistencies between diagnosis, complementary tests requested, and treatment prescribed. The indication that 32% of medical errors in the USA were due to inadequate time for patient assessment, resulting in less accurate diagnosis, not recognition of a problem, or the urgency of the case, has made urgent a reappraisal of the patient-physician relationship, trying to reserve time in the consultation for the physician hear, discuss the case and orient the patient. The use of natural language in the registration of patient data in electronic medical records, employment of computers and internet to communicate with patients, use of data collected in wearable devices, telemedicine, multi-professional team work in the delivery of health care, are proposals to optimize the medical attention to patients. The redefinition of medical practice will result, consequently, in the reform of the medical graduation. The American Medical Association established in 2013 a medical school consortium (“the work of the AMA accelerating change in medical education”) to foster these curricular changes needed to graduate physicians able to cope with innovation and artificial intelligence. The author makes considerations on medical graduation, proposing a core curriculum that will provide the competencies of a general practitioner, which will be complemented by flexible courses to take into consideration students’ orientations.
  • Healthcare and Professional Medical Training Artigo Original

    Gonçalves, João Victor; Silva, Roseli Ferreira da; Gonçalves, Renata de Cássia

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO O curso de Medicina da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) apresenta um currículo inovador, com processos metodológicos e pedagógicos inovadores, adequados às novas Diretrizes Curriculares Nacionais. Das Unidades Educacionais que compõem seu currículo, merece destaque a Unidade Educacional de Prática Profissional (UEPP), que simboliza os ideais de transposição dos muros da universidade pela graduação, proporcionando aos alunos a aprendizagem em cenários reais da prática profissional, com o envolvimento de docentes e estudantes no cuidado à saúde das populações. O objetivo deste estudo foi analisar o cuidado à saúde prestado pelos estudantes no contexto da UEPP nas Unidades de Saúde da Família (USF). Os sujeitos da pesquisa foram os pacientes acompanhados pelos estudantes da segunda série do curso de Medicina da UFSCar em 2014. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas, e os dados foram analisados pela técnica de análise de conteúdo temática. Na análise, foram construídas duas categorias temáticas: “uma relação estudante-paciente cuidadosa” e “abordagem dialógica na elaboração da história clínica”. Na primeira categoria, os pacientes destacam: a atenção e dedicação dispensadas a eles como importantes no processo longitudinal de cuidado, com sensível diferença na percepção do serviço ofertado pela USF nos períodos de ausência dos estudantes; a facilidade no acesso aos acadêmicos e as ações destes em relação aos pacientes cuidados, as quais se refletiram numa aproximação maior entre o usuário e o sistema de saúde, bem como na melhora da percepção individual de autocuidado. A aprovação dos usuários é demonstrada, entre outras formas, na sugestão de que o modelo de visita dos acadêmicos fosse adotado em outras unidades de saúde. Na segunda categoria, o estabelecimento de uma relação dialógica entre o estudante e os pacientes possibilitou construir histórias clínicas de conteúdo ampliado, que refletiam um acompanhamento regular e acessível. Em sua abordagem, os estudantes realizavam ações de promoção e prevenção de saúde direcionadas a cada faixa do ciclo de vida e, em troca, dispunham de um cenário prático rico e satisfatório para a aquisição de habilidades previstas academicamente para a expertise de um estudante de Medicina em seus dois primeiros anos de graduação. Com os resultados apurados e a discussão realizada, verificou-se que esta Unidade Educacional proporcionou a construção de um aprendizado sobre a clínica desde os primeiros anos da graduação. Inferem-se as múltiplas possibilidades que a atenção básica fornece à formação do profissional médico e os valores positivos destacados a partir de uma relação de atenção continuada do estudante em relação ao paciente. Além disso, destaca-se que a experiência dos estudantes de Medicina permite a construção de relações interpessoais no processo de cuidado em saúde, servindo como base para toda a graduação e vida profissional, e como modelo para outras instituições.

    Abstract in English:

    ABSTRACT The Medicine course of the Federal University of São Carlos (UFSCar) presents an innovative curriculum, with pioneering methodological and pedagogical processes, adapted to the new National Curricular Guidelines. Of the educational modules that compose the syllabus, the Educational Professional Practice Unit (UEPP) can be highlighted. This unit symbolizes the ideals of an undergraduate training that transposes the University walls, providing apprenticeship to students in real practical settings, with teacher and student participation in public healthcare actions. The objective of the study was to analyze the care provided by the students at Family Health Centers (USF) in the context of the UEPP. The research subjects were the patients attended to by UFSCar student medics in 2014. The data was collected through individual interviews and analyzed using thematic content analysis. The analysis involved the formation of two major thematic categories: “a caring student-patient relationship” and “dialogical approach to preparing the patient’s medical history”. In the first category, patients highlighted the following topics: the attention and dedication afforded them as important aspects of the longitudinal care process, with a significant difference in how they perceived the service offered by the center when the students were not present; the students’ accessibility and their actions in relation to the patients under their care, which resulted in the user feeling closer to the health system, as well as in an improved individual perception of self-care. One way in which the users’ approval is demonstrated is in the suggestion that the academics’ visiting model be adopted in other centers. In the second category, the establishment of a dialogical relationship between the student and the patients allowed for an expanded construction of the patients’ medical histories, reflected in regular and accessible follow-ups. In their approach, the students carried out health promotion and prevention actions directed at each stage of the life cycle; in exchange, they were able to make use of a rich and fulfilling practical setting in order to acquire skills foreseen as part of the skillset to be taught in the first two years of undergraduate medical training. Having checked and discussed the results, the researchers ascertained that this Educational Unit provided a learning opportunity in relation to clinical care from the first years of undergraduate training onwards. Multiple possibilities for the provision of professional medical training through basic care are inferred, in addition to the positive values highlighted and derived from an ongoing care relationship between student and patient. It should also be noted that this experience allows the student medics to build interpersonal relationships within the healthcare process, serving as a foundation for their entire undergraduate and professional life, as well as a model for other institutions.
  • Family medicine interns’ experience conducting McGill illness narrative interview with non-compliant chronic patients Artigo Original

    Bastos, Daniela Freitas; Cunha, Antônio Jose Ledo Alves da; Souza, Alicia Navarro de

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A formação médica no Brasil, apesar das várias políticas indutoras governamentais objetivando sua mudança é, ainda, predominantemente hospitalocêntrica, sendo o processo de aprendizagem centrado na doença. Em uma escola médica tradicional, realizamos uma pesquisa na qual o aluno do Internato conduziu uma entrevista voltada para experiência de adoecimento com pacientes crônicos com dificuldades de adesão ao tratamento de hipertensão e/ou diabetes na Atenção Primária. Quatorze Internos em Medicina de Família e Comunidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro foram treinados a aplicar a Entrevista McGill MINI Narrativa de Adoecimento para identificar os modos de compreensão e atribuição de sentidos da experiência de adoecimento e tratamento. Antes e depois da realização do conjunto de 35 entrevistas McGill MINI, os alunos foram individualmente ouvidos quanto a sua compreensão do fenômeno adesão e à experiência com a entrevista McGill MINI. As 35 entrevistas realizadas pelos alunos foram analisadas quanto ao alcance dos objetivos de cada seção da entrevista McGill MINI, além do objetivo geral do entrevistador ser capaz de ofertar um lugar de expertise ao paciente no relato de sua experiência de adoecimento. Buscamos investigar a consistência da experiência do aluno com este roteiro para a obtenção da narrativa de adoecimento, utilizando para tal os temas conceituais desta entrevista – protótipos e modelos explicativos – e os temas emergentes identificados através da análise de conteúdo realizada conforme a técnica descrita por Bardin. Na análise das entrevistas realizadas pela pesquisadora com os Internos ao início e final do Internato, a análise temática foi feita a partir de dois grandes temas: compreensão e experiência clínica com o fenômeno da adesão, e apreciação da experiência de realização da entrevista McGill MINI no contexto da formação médica. Os alunos reconheceram a entrevista McGill MINI como útil para compreender e explorar a experiência de adoecimento e tratamento de um indivíduo no seu contexto socioeconômico e cultural. Ao reconhecerem esta importância da entrevista McGill MINI, os Internos frequentemente referiam as poucas oportunidades de aprendizagem na abordagem de pacientes em geral. Apesar de previamente reconhecerem a importância da escuta e do desenvolvimento do vínculo, desconheciam como isto poderia ser construído, e a experiência aumentou a autoconfiança no cuidado às pessoas no cotidiano médico. Os alunos perceberam que a não-adesão envolve múltiplos fatores, que normalmente não aparecem durante uma consulta médica habitual, e houve de fato uma ampliação na compreensão do fenômeno da adesão.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Despite several governmental policies with the purpose of changing medical training in Brazil, it is still predominantly hospital-centered, and the learning process is focused on diseases. We conducted a study in a traditional medical school, in which the students carried out an interview focused on the illness experience assessing chronic patients with compliance difficulties in the treatment of hypertension and/or diabetes in primary care. Fourteen medical students during Family Medicine Internship at the Federal University of Rio de Janeiro were trained to carry out the McGill Illness Narrative Interview (MINI) and identify the modes of understanding and attribution of meaning to the illness and treatment experience. Before and after the completion of the set of 35 interviews, the students were listened to individually regarding their understanding of the compliance phenomenon and the experience with the MINI. The 35 interviews conducted by the students were analyzed with respect to the objectives of each section, in addition to interviewer’s general objective of offering a position of expertise to the patient in their report of the case. We sought to investigate the consistency of the student’s experience with this script to obtain the narrative of illness using the conceptual topics – prototypes and explanatory models – and the emerging topics identified according to the technique described by Bardin for content analysis. In the analysis of the interviews conducted by the researcher with the interns at the beginning and the end of the internship, the thematic analysis consisted of two main themes: clinical understanding and experience with the non-compliance phenomenon, and the appreciation of performing the MINI in the context of medical training. The students considered the MINI a useful tool for understanding and exploring the individuals’ illness and treatment experiences in their socioeconomic and cultural context. By recognizing the importance of the MINI, the interns usually reported few learning opportunities while providing care for patients. Although the students had previously recognized the importance of listening and the development of bonds, they did not know how these issues could be built, and the experience increased their confidence in the healthcare provided to patients in their medical daily life. The students noticed that non-compliance involved multiple factors, which did not usually emerge during regular medical appointments. In fact, there was more understanding about the compliance phenomenon.
  • Curricular Integration from Analysis of a Discipline in a Medical Course Artigo Original

    Barboza, Jaqueline Santos; Felício, Helena Maria dos Santos

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A análise de práticas curriculares tem sido uma atividade cada vez mais presente nas produções científicas no campo do currículo, sobretudo porque nelas se coadunam as relações estabelecidas entre o conhecimento, o currículo prescrito e sua concretização no cotidiano educacional. No campo da educação médica, esta análise adquire especial valor, haja vista a incipiente produção de trabalhos que avaliam as práticas pedagógicas do ponto de vista curricular. Assim, apresentamos a análise crítica de uma prática curricular realizada numa disciplina de um curso de Medicina, que se faz pertinente por apresentar novos olhares sobre a prática enquanto expressão viva do currículo em ação. Com base na análise temática de conteúdo de uma disciplina teórico-prática, evidenciamos elementos que se aproximam do paradigma curricular integrador, segundo os referenciais teóricos de Gimeno Sacristán, James Beane e Luíza Alonso. Indicadores como contextualização da prática e integração das áreas curriculares e dos professores são alguns dos elementos que compõem uma concepção integrada de currículo, cuja interdisciplinaridade, em coerência com o eixo central do desenvolvimento curricular – necessidades de saúde dos indivíduos e populações, identificadas pelo setor saúde –, é apontada pelas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Medicina como possibilidade de desenvolver aprendizagens significativas e contextualizadas, centradas no aluno como sujeito da aprendizagem. Essas recomendações são de fundamental importância na área da saúde, quando a articulação daquilo que se aprende com os cenários e as práticas profissionais fundamentam (ou pelo menos devem fundamentar) a formação. A análise possibilitou perceber como o ensino em saúde pode se beneficiar de uma organização curricular integrada, que oferta diversificação e diálogo entre saberes distintos, relevantes na investigação e resolução de problemas no processo saúde-doença, bem como a construção de conhecimentos teórico-práticos pertinentes a uma formação humanista, crítica e reflexiva.

    Abstract in English:

    ABSTRACT The analysis of curricular practices has been an increasingly present activity in scientific production in the field of curriculum, mainly because in them the relations established between the knowledge, the prescribed curriculum and its accomplishment in the educational routine are aligned. In the field of medical education this analysis acquires special value, given the incipient production of works that evaluate pedagogical practices from a curricular point of view. Thus, we present the critical analysis of a curricular practice carried out in a discipline of a Medicine school, which is pertinent for presenting new looks about practice as a living expression of the curriculum in action. From the thematic content analysis about a theoretical-practical discipline we show elements that approach the integrative curricular paradigm, according to the theoretical references of Gimeno Sacristán, James Beane and Luíza Alonso. Indicators like contextualization of practice, integration of curricular areas and teacher integration are some of the elements that make up an integrated conception of curriculum, whose interdisciplinary in coherence with the central axis of curriculum development (health necessities of persons and populations identified by the health system) are pointed out in the Curricular Guidelines National for Medicine Courses as a possibility to develop meaningful and contextualized learning, focusing on the student as a subject of learning. These recommendations are of fundamental importance in the area of health, when the articulation of what one learns with the scenarios and the professional practices base (or at least must substantiate) the formation. The analysis made it possible to understand how health education can benefit from an integrated curricular organization that offers diversification and dialogue between different knowledge, relevant in the investigation and resolution of problems in the health-disease process, as well as the construction of theoretical-practical knowledge pertinent to a humanistic, critical and reflexive formation.
  • Influence of Affirmative Action Policies on Socio Demographic Profile of Medical Students from a Brazilian University Artigo Original

    Silva, Maria Laura Alves de Melo; Amaral, Eliana; Machado, Helymar da Costa; Passeri, Silvia Maria Riceto Ronchim; Bragança, Joana Fróes

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A adoção de políticas públicas de inclusão pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) desde o processo seletivo de 2005, atrelada às modificações nos vestibulares de 2014 e, mais recentemente, no de 2016, possivelmente trouxe grandes mudanças no perfil do estudante de Medicina dessa universidade. Desse modo, o objetivo do presente estudo é avaliar o perfil sociodemográfico desses acadêmicos, bem como suas pretensões na escolha da carreira médica e da futura especialidade. O estudo de corte transversal foi realizado com 290 acadêmicos do primeiro, terceiro e sexto ano da graduação médica da Unicamp por meio de um questionário anônimo aplicado após aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa. Houve coleta de dados sociodemográficos, além dos fatores de influência para a escolha da profissão e da especialidade médica. A análise dos dados revelou uma amostra com idade média de 20-24 anos, predominantemente composta por mulheres (63,2%), da etnia branca (77,5%), procedentes do Estado de São Paulo (84,8%) e de regiões interioranas (62,3%). Para o primeiro ano, houve presença de negros (6,6%) e diferença estatística para pardos (22,6%), comparativa com o terceiro e sexto ano, egressos de ensino fundamental (42,5%) e médio (73,6%) públicos, com menor escolaridade materna (ensino médio) e renda familiar inferior (p < 0,001). Por sua vez, o terceiro e sexto ano eram compostos majoritariamente por alunos brancos (76,7% e 90,3%, respectivamente), oriundos de escola privada no ensino fundamental e médio, com maior escolaridade materna (ensino superior ou pós-graduação) e renda familiar mais elevada. Ainda, verificou-se variação das opções de especialidade ao longo do curso (p < 0,001). No primeiro ano, as especialidades mais pretendidas foram Cirurgia/Ortopedia (37,7%), Clínica Médica/Neurologia (23,6%) e Psiquiatria (11,3%). Para o terceiro ano, as especialidades mais desejadas foram Clínica Médica/Neurologia (40%), Cirurgia/Ortopedia (13,4%) e Ginecologia/Obstetrícia (13,3%). Entre os alunos do sexto ano, as especialidades mais escolhidas foram Clínica Médica/Neurologia (24,5%), Ginecologia/Obstetrícia (20,2%) e Cirurgia/Ortopedia (17%). Acadêmicos do primeiro ano também apresentaram diferentes aspirações abrangendo o local de trabalho futuro, com mais desejo de atuar somente no SUS ou em programas internacionais. Nesse contexto, os resultados apontam que a política de bonificação da Unicamp e suas alterações ao longo do tempo, em especial no vestibular de 2016, mostraram-se efetivas em democratizar o acesso à graduação médica, com maior pluralidade demográfica, social, econômica e étnica atreladas a variações na escolha da carreira e da especialidade médica ao longo das turmas analisadas.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Affirmative action policies adopted by University of Campinas (Unicamp) in 2005 entrance exams, added to 2014 modifications, and more recently in 2016, lead to a big profile change of University of Campinas medical students. Therefore, this paper aims to describe academics’ sociodemographic profile, as well as their aspirations in choice of medical career and future specialty. The cross-sectional study included 290 undergraduate years 1, 3 and 6 (Y1, Y3 and Y6) medical students from Unicamp who answered an anonymous questionnaire applied after approval by the Institutional Review Board. Socio demographic data and factors potentially influencing decisions on medical career and specialty choices were analyzed. Data analysis showed a sample composed mostly of white (77.5%), female (63.2%), 20-24 years population, from the State of São Paulo (84.8%) and interior (62.3%). For Y1, there was statistically significant difference for ‘pardo’ (22.6%) – it can be translated as brown – and black (6.6%) – there wasn’t black in Y3 and Y6 – ethnic groups, public school provenience – both elementary school (42.5%) and high school (73.6%) –, lower maternal schooling (high school, p < 0.001) and lower family income (p < 0.001). Years 3 and 6 majority was composed of white academics (76.7% and 90.3%, respectively), coming from private schools (basic education and high school), with further maternal education (higher education/post-graduation) and bigger average income. The influence factors leading to choice for medical specialty modified (p < 0,001) among graduation years. Y1 students opted more frequently for ‘surgery/orthopedics’ (37.7%), ‘medical clinic/neurology’ (23.6%) and ‘psychiatry’ (11.3%). To Y3, the most desired specialties were ‘medical clinic/neurology’ (40%), ‘surgery/orthopedics’ (13.4%) and ‘obstetrician-gynecologist’ (13.3%). Amongst Y6 undergraduates, the most chosen specialties were ‘medical clinic/neurology’ (24.5%), ‘obstetrician-gynecologist’ (20.2%) and ‘surgery/orthopedics’ (17%). Y1 academics also revealed different aspirations regarding intended future workplace, with larger desire to practice only on SUS or on international programs. In this context, results indicate that Unicamp inclusion policy and its modifications over the years, particularly in 2016 entrance exams, have been effective in broadening access to medical education, such as greater socio demographic, economic and ethnic plurality coupled with variations in reasons for choice of medical career and specialty among graduation years analyzed.
  • A study of the behaviour of medical students towards alcoholic patients as a result of their knowledge and self drinking patterns Artigo Original

    Aguiar, Aline Silva de; Catelli, Rafael; Toledo, Leticia; Ubaldo, Leticia; Silva, Cláudio Jerônimo da; Fonseca, Vilma Aparecida da Silva

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Objetivo Avaliar a atitude frente ao paciente alcoolista e o conhecimento sobre uso do álcool do estudante de Medicina em função do seu padrão de beber. Métodos Estudo transversal realizado com estudantes matriculados no terceiro, sexto e décimo primeiro período dos cursos de Medicina de três universidades federais da Região Sudeste do Brasil (UFF, UFJF e Unifesp). Foram coletados dados sociodemográficos e aplicadas escalas de avaliação da atitude médica diante do paciente alcoolista. Os dados foram complementados por uma avaliação do conteúdo científico sobre alcoolismo e pelo Audit para avaliar o padrão de ingestão de álcool dos alunos. Resultados Participaram do estudo 371 estudantes. Os consumidores de bebidas alcoólicas no padrão binge representaram 60,4% (n = 223), e 113 estudantes (30,7%) apresentaram comportamento de risco para o consumo de álcool (Audit ≥ 8). O padrão de consumo alcoólico não diferiu entre as universidades e nem entre os períodos avaliados (Kruskal Wallis, p > 0,05). Os alunos das três universidades aumentaram a pontuação na escala de conhecimentos com o progredir do curso. Entretanto, não houve correlação significativa entre conhecimento e padrão de beber (Spearman > 0,05). Quanto à atitude, foi observado que já é satisfatória no terceiro período e melhora no sexto período. Exceção foi observada entre os alunos da Unifesp, que já apresentaram atitude positiva quase máxima no terceiro período e que foi mantida até o final do curso. Conclusão Embora a atitude dos alunos melhore ao longo do curso, assim como seu conhecimento sobre adição a substâncias, o comportamento de beber permanece o mesmo, sem correlação com os conhecimentos transmitidos a respeito dos riscos de beber.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Objective To evaluate the attitude toward the alcoholic patient and the knowledge about the use of alcohol by the medical student according to his drinking pattern. Method It was a cross-sectional study involving at random selected students enrolled on the third, sixth and eleventh semester in three federal universities of southeastern Brazil (UFF, UFJF and Unifesp). Method Sociodemographic data were collected and the following instruments were applied: attitude evaluation scale, knowledge of scientific information scale on alcohol and management of the alcoholic patient and Audit for evaluation of alcohol problems. Results The study included 371 students. Alcohol users in the binge pattern accounted for 60.4% (n = 223) and 113 students (30.7%) presented a risk behavior for alcohol consumption (Audit ≥ 8). The alcohol consumption pattern did not differ between the universities nor between the evaluated periods (Kruskal Wallis, p > 0.05). Students from the three universities increased the score on the knowledge scale as the course progressed. However, there was no significant correlation between knowledge and drinking pattern (Spearman > 0.05). As for the attitude, it was observed that it is already satisfactory in the third period and improvement in the sixth period. Exception was observed among the students of Unifesp, who already presented near positive attitude in the third period that was maintained until the end of the course. Conclusion Although the university increases knowledge of risk problems of drinking this does not protect students of binge drinking. On the other hand, student’s positive attitude towards alcoholic patients improves over the course, regardless of drinking and the acquired scientific knowledge.
  • The Medical Student’s view about the Unified Health System: the influence of education Artigo Original

    Pereira, Guilherme Antoniacomi; Stadler, Amanda Mayumi Umezawa; Uchimura, Kátia Yumi

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Após o fim do regime militar e a consequente democratização do País, com a realização da VIII Conferência Nacional de Saúde e a criação do Sistema Único de Saúde (SUS), passam a surgir propostas de mudanças para o ensino médico no intuito de adaptá-lo a esse novo sistema. Nesse processo, destaca-se a formação da Comissão Interinstitucional Nacional de Avaliação do Ensino Médico (Cinaem), em 1991, com a proposta de realizar, em diferentes fases, uma autoavaliação do ensino médico àquela época, o que culminou, em 2001, na elaboração das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para o curso de Medicina. Entendendo que a educação médica proposta pelas DCN visa formar profissionais de perfil generalista, humanista, crítico e reflexivo, que contemplem o sistema de saúde vigente e cuja formação deve se dar por meio do vínculo com as necessidades sociais da saúde, com ênfase no SUS, este trabalho buscou identificar, mediante uma análise qualitativa, a influência exercida pela formação em Medicina em uma instituição de ensino sobre as percepções de seus acadêmicos e egressos acerca do SUS. Os dados foram coletados em grupos focais, compostos por alunos do terceiro ao décimo segundo período de Medicina, seguindo um roteiro norteador flexível. A leitura transversal e horizontal dos dados, baseada na metodologia de “Estrutura, Processo e Resultados” de Donabedian 24 , permitiu identificar os seguintes temas centrais presentes nas narrativas, sobre os quais foi construída a discussão: corpo docente, adequação teórica e prática, e saúde coletiva. Por fim, foi compreendida a visão que os estudantes têm do SUS, suas intenções de utilização e inserção profissional no sistema e algumas evidências de currículo oculto. O estudo concluiu que a formação médica tem forte influência sobre estes fatores. Grande parte dos estudantes não tem interesse em trabalhar no SUS nem em sua utilização, motivada pelas experiências práticas, pelo discurso e pelo exemplo dos docentes.

    Abstract in English:

    ABSTRACT From the context of the end of the military regime and the consequent democratization of the country, with the accomplishment of the VIII National Conference of Health and the creation of the Unified Health System (SUS), proposals for changes to medical education begin to emerge in order to adapt it to this new system. Within this process, the formation of the National Interinstitutional Commission for the Evaluation of Medical Education (Cinaem) was highlighted in 1991, with the proposal to carry out a self-assessment of medical education at that time in different phases, which culminated in 2001, with the elaboration of the National Curricular Guidelines (DCN) for the medical education. Understanding that the medical education proposed by the DCN aims to train professionals with a generalist, humanist, critical and reflective profile, which contemplate the current health system, and whose formation must take place through the link with the social needs of health, with emphasis on SUS, this work aimed to identify, through a qualitative analysis, the influence exerted by the medical education in a teaching institution on the perceptions of its students and excipients about the Unified Health System. Data were collected from focus groups, carried out with students from the third to the twelfth medical period, following a flexible guiding script. The cross-sectional and horizontal reading of data based on Donabedian’s 24 “Structure, Process and Results” methodology allowed the identification of central themes present in the narratives, on which the discussion was built. Among them, the following themes were highlighted: faculty, theoretical and practical adequacy and public health. Finally, the students’ vision about the SUS system, their intentions of utilization and professional insertion in it, and some evidence of a hidden curriculum were understood. The study brought to the conclusion that medical training has a strong influence on these factors. Most of the students do not have the interest of working in the SUS nor of its use, motivated by practical experiences, by the discourse and example of the teachers.
  • Criterion-Referenced Measurement in Medicine and Nursery: Different Understandings of Teachers and Students at a Public College of Brasília, Brazil Artigo Original

    Miranda Junior, Ubirajara José Picanço de; Tatsch, João Fellipe Santos; Braga, Catarina Serra; Spengler Júnior, Sandro Luiz; Novaes, Maria Rita Carvalho Garbi

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Introdução A avaliação critério-referenciada analisa o desempenho acadêmico sem comparar um estudante com outro, diferindo, assim, da avaliação normo-referenciada, que objetiva determinar os melhores e os piores desempenhos. A Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) do Distrito Federal adota a avaliação critério-referenciada como único sistema avaliativo, buscando analisar o desempenho dos estudantes de forma integral e sem estimular a competitividade. Objetivo Analisar a concepção de docentes e estudantes de Medicina e Enfermagem acerca destes tipos avaliativos. Metodologia Estudo quali-quantitativo, descritivo, com delineamento transversal, por aplicação de questionários semiestruturados ao corpo acadêmico da primeira à quarta série da ESCS, realizado em 2013. Foram comparados estudantes, docentes e cursos utilizando-se o teste Qui-Quadrado. Resultados e Discussão: Obteve-se uma amostra de 413 participantes (n = 55,9%), totalizando 54 docentes e 344 estudantes. Observou-se fragilidade do conceito de avaliação critério-referenciada em todo o corpo acadêmico e insatisfação quanto aos critérios avaliativos adotados na escola (323 ou 79,6%). Entre os motivos apontados, destacam-se a subjetividade na correção dos exames empregados e dificuldades ao concorrer em concursos de residência. Outros autores relatam que o método critério-referenciado tende a inflacionar as menções dos estudantes, embora os avalie de maneira mais integral. Por isso, recomendam a adoção dos sistemas critério e normo-referenciado para, respectivamente, aferir melhor o desempenho dos estudantes e compará-los entre si. Conclusão A comparação entre estudantes é necessária para processos seletivos dentro e fora da instituição de ensino superior estudada. Por isso, a avaliação critério-referenciada isoladamente não supre as necessidades desta instituição, gerando problemas durante e após a formação acadêmica. Diante disso, propõe-se a adoção de ambos os modelos (normo e critério-referenciado), com a aplicação de padrões de desempenho. Os instrumentos avaliativos também necessitam de critérios mais objetivos para uma correção de testes mais uniforme e justa. Para isso, propõe-se o incremento na capacitação dos docentes com discussões sobre a elaboração de instrumentos avaliativos, como a Teoria de Resposta ao Item.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Introduction Criterion-referenced tests measure academic performance without comparing one student to another, therefore differing from the norm-referenced tests, which are designed to determine the highest and the lowest scores. The Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) of Federal District, Brazil, uses criterion-referenced measurement as its only evaluative method, attempting to assess students in a more integrative way and to avoid stimulating competitiveness among students. Objective To analyze the interpretation students and teachers of Medicine and Nursery courses about this measurement. Material and Methods Cross-sectional, descriptive, quali-quantitative study, performed by application of semi-structured questionnaires to teachers and students from first to fourth year of Medicine and Nursery courses. We compared courses, students and professors using the Chi-Square test. Results and Discussion: The sample size was of 413 subjects (n = 55.9%), composing 54 teachers and 344 students. We observed fragility in the concept of criterion-referenced measurement, as well as dissatisfaction regarding the method of evaluation adopted by the Institution (323 or 79,6%). Most answers point subjectivity in the correction of exams and difficulties in competing for residency programs after graduation as the major problems. Other authors state that criterion-referenced measurement tends to inflate grades of students, although it also evaluates them in a more integrative way. They recommend the adoption of both measurements (criterion and norm-referenced) in order to respectively: obtain best assessment and to compare students’ performances. Conclusion Comparison of academic performance is necessary for selective processes inside and outside the studied institution. Therefore, criterion-referenced measurement alone cannot meet the needs of the institution, generating problems during and after graduation. We suggest the adoption of both methods (criterion and norm-referenced measurement) as well as the application of standard setting concepts for classification of students. Evaluative instruments also need objective criteria for correction of tests, in order to provide a uniform and fairer correction. For that, we propose an increase in teacher training by adding new discussions about elaboration of tests, like Item Response Theory.
  • Palliative Care: Importance of the Subject for Medical Students Artigo Original

    Correia, Divanise Suruagy; Bezerra, Maria Erigleide da Silva; Lucena, Thatiane Silva de; Farias, Maria Stella Jakeline Alves de; Freitas, Daniel Antunes; Riscado, Jorge Luis de Souza

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Introdução Cuidados paliativos são ações que buscam atuar na qualidade de vida de pessoas doentes e de seus familiares, aliviando e prevenindo o sofrimento diante de uma doença terminal. A inserção da temática dos cuidados paliativos no currículo da graduação em Medicina auxiliaria futuros médicos a enfrentar as limitações/implicações a que serão submetidos em sua vida profissional e até mesmo durante a graduação. Objetivo Identificar a importância da temática dos cuidados paliativos para discentes da graduação em Medicina. Metodologia Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo e transversal. Foi utilizada uma versão adaptada do instrumento PEAS – Physicians’ End-of-Life Care Attitude Scale. Foram usadas 37 questões do tipo Likert, buscando atender às finalidades do estudo. A coleta ocorreu em 2015, em amostra aleatória, não probabilística, composta por 134 estudantes que cursavam os dois últimos anos (internato) da graduação de Medicina de uma universidade federal brasileira. Os dados foram analisados pelo programa SPSS. Resultados Dos 134 participantes, 59,7% eram do sexo feminino, com idades entre 22 e 37 anos. Os resultados apontam que 85,84% dos estudantes necessitam de alguma supervisão ou instrução básica para discutir a respeito de cuidados paliativos e sobre a retirada de tratamento com pacientes e familiares. Com relação ao manejo clínico do paciente terminal, 78,35% se consideram capazes de manejar sozinhos, ou sob supervisão mínima, sintomas como constipação ou vômitos, entretanto apenas 19,05% se consideram capazes de manejar sintomas como delirium ou dispneia terminais. Apesar de 41,8% dos estudantes não se preocuparem com sua própria morte, 88,1% se sentem ansiosos ou desconfortáveis diante da morte do seu paciente. A inclusão, no currículo de Medicina, de habilidades de comunicação em cuidados paliativos e em ética sobre o fim da vida foi considerada importante ou muito importante por 95,5% dos estudantes entrevistados. Conclusão Os dados demonstraram que os discentes identificam as deficiências ocasionadas pela ausência ou limitação do ensino de cuidados paliativos na graduação e têm interesse em ver a temática incluída como disciplina no currículo médico, o que sugere a realização de mais estudos sobre o tema.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Introduction Palliative care are actions that seek to act on the quality of life of sick people and their families, alleviating and preventing suffering in the face of a terminal illness. The insertion of the palliative care theme in the undergraduate medical curriculum offers possibilities for future physicians to face the limitations / implications that they will undergo in their professional life and even during graduation. Objective To identify the importance of the Palliative Care theme for undergraduate students in Medicine. Methodology This is a quantitative, descriptive and cross-sectional study. An adapted version of the Instrument “PEAS – Physicians’ End-of-Life Care Attitude Scale” was used as instrument. 37 Likert-type questions were used to meet the aims of the study. The collection was made in 2015, in a random, non-probabilistic sample, composed of 134 students who were attending the last two years (internship) of Medicine School of a Brazilian Federal University. Data were analyzed in the SPSS program. Results Of the 134 participants, 59.7% were female, aged between 22 and 37 years. The results indicate that 85.84% of students need some supervision or basic instruction to discuss palliative care and withdrawal of treatment with patients and their families. Regarding the clinical management of the terminal patient, 78.35% consider themselves capable of handling alone or under minimal supervision, symptoms such as constipation or vomiting, but only 19.05% consider themselves capable of handling symptoms such as terminal delirium or dyspnea. Although 41.8% of students do not care about their own death, 88.1% feel anxious or uncomfortable about the death of their patient. The inclusion in the medical curriculum of communication skills in Palliative Care and end-of-life ethics was considered important or very important by 95.5% of the students interviewed. Conclusion Data showed that the students identify the deficiencies caused by the absence or limitation of the Palliative Care teaching during graduation and are interested in seeing the theme included as a discipline in the medical curriculum, which suggests further studies on the topic.
  • Health professionals: a view on death and dysthanasia Artigo Original

    Ferreira, Julia Messina Gonzaga; Nascimento, Juliana Luporini; Sá, Flávio César de

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Para o profissional da saúde, a morte é um tema que se apresenta corriqueiramente, ao depararem-se com a certeza da morte de seus pacientes. O cuidado com o paciente terminal é uma questão de grande relevância, uma vez que o aprimoramento das técnicas e da qualidade da assistência permitem o prolongamento de muitas vidas. A partir desse fato, buscamos conhecer se existe preparo prévio do ponto de vista técnico e emocional do profissional de saúde para evitar a distanásia. Nosso estudo busca analisar qual a percepção dos profissionais diante desse processo de morte e também qual o seu preparo para a promoção de cuidados no fim da vida. Para este fim, foram entrevistados profissionais de saúde que cuidaram de pacientes em estado grave ou terminal, selecionados dentre os trabalhadores de um hospital-escola na cidade de Campinas, buscando contemplar as diferentes categorias profissionais do serviço. Trata-se de um estudo qualitativo que empregou como técnica a entrevista semi-estruturada, abordando a percepção do profissional diante da iminência da morte de seu paciente ou da sua sobrevivência com sequelas e limitações. O material coletado foi analisado pela técnica de análise de conteúdo e a amostra foi limitada por saturação. Foram entrevistados profissionais de diversas categorias da equipe multiprofissional, sendo observados algumas questões em comum em seus discursos, sistematizadas em três eixos temáticos baseados nas percepções do profissional: quanto a própria formação profissional, quanto à dinâmica equipe multiprofissional e quanto ao contato com os familiares, sinalizando para as respectivas conclusões: (1) o desconforto em conversar sobre a morte com o paciente e seus familiares e a sensação de despreparo para abordar o tema, (2) a falta de integração dentro da equipe multiprofissional e (3) a dificuldade de lidar com famílias que muitas vezes não aceitam o processo de morte de seu familiar, além do (4) desconhecimento por parte do profissional dos conceitos envolvidos em cuidados paliativos como “distanásia”, “ortotanásia” e “eutanásia”. Diante dos resultados obtidos, ficou clara a necessidade de uma formação profissional voltada para a discussão do tema da morte, de forma que terminalidade seja um assunto discutido com maior frequência e menos desconforto com pacientes e familiares. Além disso, faz-se necessário o direcionamento da formação das diversas categorias de profissionais de saúde para a integração da equipe multiprofissional, com relações horizontais e discussões dos casos entre todos os profissionais envolvidos no cuidado, a fim de melhorar a sua qualidade.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Death is a subject that frequently presents itself to the health professional when facing the certainty of their patients’ death. Caring for the terminally ill patient is a matter of great relevance, since quality care and it’s techniques make it possible to prolong many lives. Therefore, we seek to evaluate if any previous preparation for the caregiver exists, from a technical and emotional point of view, in order to avoid dysthanasia. Our study seeks to analyze the professionals’ perception of this death process and also their preparation to promote end-of-life care. For that, we interviewed health professionals who took care of patients in severe or terminal conditions. The participants were selected among all employees of a university hospital in the city of Campinas – SP (Brazil), seeking to include different professional categories from the institution. This qualitative study was based on semi-structured interviews, in order to better approach each professional’s perception when facing the verge of the patient’s death or even their survival with severe complications or limitations. The content of each answer was analyzed with content analysis and the sample was limited by saturation. Professionals from different categories of the multiprofessional team were interviewed, and there were some commom topics among their speeches, We interviewed professionals from several categories of the multiprofessional team, and observed some common issues in their speeches, systematized in three thematic axes based on the professionals’ perceptions: regarding the professional formation itself, the multiprofessional team dynamic and the contact with family members, signaling to the respective conclusions: (1) the discomfort of talking about death with the patient and with his/her relatives and the feeling of lacking preparation to address the issue (2) the little engagement within the multiprofessional team and (3) the difficulty of dealing with families that often do not accept the relative’s death process, , in addition to (4) the professional’s lack of knowledge of the concepts involved in palliative care such as “dysthanasia”, “orthanasia” and “euthanasia”.. After analysing the results, it is clear that there is an important need to discuss the subject of death throughout the professional’s education, in order to make terminality a subject that is more familiar and more comfortable, and to improve communication with patients and their relatives. In addition, it is necessary to guide the education of all different health professionals towards greater engagement within the multiprofessional team, while mantaining horizontal relationships, in order to allow discussing each patient’s case among all professionals involved in their care, and thus improve it’s quality.
  • Prevalence of Burnout among Medical Residents of a University Hospital Artigo Original

    Bond, Marina Macedo Kuenzer; Oliveira, Michele Salibe de; Bressan, Bruno Júnior; Bond, Marisa Macedo Kuenzer; Silva, André Luis Ferreira Azeredo da; Merlo, Álvaro Roberto Crespo

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Introdução A medicina é uma atividade laborativa conhecida por elevados padrões de exigência. O período de formação do profissional médico inclui a residência médica, etapa em que fatores estressores podem ser magnificados. Assim, essa população poderia estar mais suscetível a síndrome de exaustão emocional, despersonalização e reduzida realização profissional, conhecida como burnout. Objetivo Determinar a prevalência de burnout e de cada uma de suas dimensões na população de médicos residentes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) e investigar características sócio-ocupacionais associadas. Métodos Estudo transversal com médicos residentes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), realizado no período de dezembro de 2015 a janeiro de 2016, mediante aplicação de um instrumento informatizado que contém dois questionários: um com variáveis sociodemográficas e o questionário Maslach Burnout Inventory (MBI). Análise estatística foi realizada pelo software SPSS versão 18, sendo utilizado o teste exato de Fisher e o teste do Qui-Quadrado de Pearson para as correlações. Resultados Dos 506 médicos residentes do HCPA, 151 participaram voluntariamente do estudo. Burnout esteve presente em 123 participantes (81,5%). “Exaustão emocional” foi a mais frequente dimensão (53%), seguida por “despersonalização” (47,7%) e “falta de realização profissional” (45%). Gênero masculino e residentes do segundo ano apresentaram maior possibilidade estatística de desenvolver burnout, sendo que os últimos também apresentaram menor realização profissional e maior despersonalização. Residentes do quarto ano estiveram menos associados à despersonalização e ao burnout de maneira global. Residentes de especialidades cirúrgicas estiveram menos associados à exaustão emocional. Cursar Psiquiatria mostrou-se um fator protetor para despersonalização, enquanto Radiologia apresentou ser um risco para essa dimensão. Conclusão A alta prevalência de burnout entre médicos residentes, especialmente entre aqueles que cursam o segundo ano, suscita preocupação, uma vez que pode levar ao risco de desenvolver depressão, ao abandono profissional e à diminuição na qualidade assistencial prestada aos pacientes. Assim, medidas preventivas contra seu desenvolvimento, associadas ao diagnóstico precoce e manejo clínico adequado, são fundamentais para a redução de sua prevalência.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Introduction Medicine is a labor activity known for high standards of demand. The medical professional’s training period includes medical residency, a step in which stressors factors can be magnified. Thus, this population could be more susceptible to the syndrome of emotional exhaustion, depersonalization and reduced professional accomplishment, known by burnout. Objective To determine the prevalence of burnout and of each of its dimensions in the population of medical residents of the Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) and to investigate associated socio-occupational characteristics. Methods A cross-sectional study was carried out with medical residents of the Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) conducted from December 2015 to January 2016, using a computerized instrument containing two questionnaires: one with sociodemographic variables and the Maslach Burnout Inventory (MBI).Statistical analysis was performed by SPSS Software version 18, using Fisher’s exact test and Pearson’s chi-square test. for correlations. Results Of the 506 HCPA medical residents’, 151 participated voluntarily in the study. Burnout was present in 123 participants (81.5%). “Emotional exhaustion” was the most frequent dimension (53%), followed by “depersonalization” (47.7%) and “lack of professional achievement” (45%). Male gender and residents of the second year had a higher statistical possibility of developing Burnout, and the latter, also presented lower professional achievement and greater depersonalization. Fourth-year residents were less associated with depersonalization and burnout overall. Residents of surgical specialties were less associated with emotional exhaustion. Studying psychiatry was shown to be a protective factor for depersonalization, while radiology presented a risk to this dimension. Conclusion The high prevalence of burnout among medical residents especially among those attending the second year, raises concern, since it can lead to the risk of developing depression, to professional abandonment, to a decrease in the quality of care provided to patients. Thus, preventive measures against its development associated to the early diagnosis and adequate clinical management are fundamental for the reduction of its prevalence.
  • Which Communication Guide for Medical Visits is the Most Appropriate for Teaching Communication Skills in Primary Health Care in Brazil? Artigo Original

    Campos, Carlos Frederico Confort; Rios, Izabel Cristina

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Introdução O uso de habilidades de comunicação está associado a desfechos positivos na consulta médica e no cuidado à saúde, como melhora da adesão aos tratamentos, da satisfação de médicos e pacientes, e da relação entre eles. Isto é ainda mais significativo na Atenção Primária à Saúde (APS), que é um espaço de cuidado integral de saúde. Uma comunicação efetiva é aquela em que todos os participantes interagem de modo a trocar informações e em que, ao final, todas as partes tenham o mesmo entendimento sobre o problema, acordem sobre as medidas a tomar e se sintam entendidas em suas necessidades. Para que este tipo de comunicação aconteça, o ensino dessas habilidades deve ocorrer de forma adequada e contínua, durante toda a formação médica. Até o momento, não existe um instrumento brasileiro que cumpra esta finalidade. No Brasil, têm-se utilizado guias internacionais para este ensino. No entanto, dos guias mais usados internacionalmente e mais citados na literatura da área, nenhum é completamente adequado à realidade da APS brasileira. Objetivo Comparar quatro instrumentos de habilidades de comunicação frequentemente utilizados, tendo em vista os aspectos que caracterizam a APS nacional. Metodologia Os guias foram descritos, analisados qualitativamente e comparados quanto às seguintes categorias: estrutura do guia, criação do guia, etapas importantes da consulta e foco no médico. Análise: Os instrumentos diferem quanto a facilidade de uso, foco no ensino de APS, discussão de etapas importantes da consulta e foco no médico; todos discutem a construção de planos compartilhados e nenhum tem uma tradução validada para português do Brasil. Conclusão Dos quatro guias estudados, “A Consulta em 7 em Passos” tem o melhor perfil de uso para a APS nacional. No entanto, recomenda-se a criação de um guia brasileiro para estruturar, homogeneizar e facilitar o ensino das habilidades de comunicação nas escolas médicas do País.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Introduction the use of communication skills is associated with positive outcomes in medical visits and health care, such as better adherence to treatments, satisfaction of doctors and patients and the relationship between them. This is even more significant in Primary Health Care, which is a space of comprehensive health care. An effective communication happens whenever all participants interact to exchange information and, in the end, everyone has the same understanding about the problem, everyone agrees about the actions to be taken and everyone feels they are being understood in their needs. In order for this kind of communication to happen, these skills must be taught appropriately e continually, during the whole medical training. Up until now, there is no Brazilian instrument that fulfills this purpose. In Brazil, international guides are being used to achieve that. However, amongst the most internationally used guides and those most cited in specific literature, none is completely suitable to Brazil’s reality. Objective To compare four frequently used communications skills instruments, under the perspective of Brazilian Primary Care characteristics. Methodology The guides were described, qualitatively analyzed and compared according to the following categories: guide structure, guide creation, important steps of the visit and focus on the doctor. Analysis: The instruments differ in easiness of use, focus in Primary Care teaching, discussion of important steps of the visit and focus on the doctor. They all discuss the construction of shared plans and none has a validated translation to Brazilian Portuguese. Conclusion “A Consulta em 7 Passos” has the most suitable profile for Brazil’s Primary Care, among the studied guides. However, the creation of a Brazilian guide is recommended to help structure, homogenize and facilitate the teaching of communication skills in Brazil’s medical schools.
  • Resenha do livro “Let me Heal: The Opportunity to Preserve Excellence in American Medicine” Artigo Original

    Oliveira, Francisco Arsego de
  • Perception of Interns and Doctors Recently Graduated from the Medicine Course of PUC-SP on Their Training to Work in Primary Health Care Artigo Original

    Poles, Tatchia Puertas Garcia; Oliveira, Raquel Aparecida; Anjos, Rosana Maria Paiva; Almeida, Fernando Antônio

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Introdução A Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde (FCMS) da PUC/SP campus Sorocaba (SP) iniciou, em 2006, uma reforma curricular do curso de Medicina e um novo projeto pedagógico baseado nas Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina de 2001 (DCN). Nesta organização curricular, a Prática em Atenção à Saúde é um módulo horizontal com seus eixos desenvolvidos do primeiro ao sexto ano, realizado em vários cenários de prática, mas priorizando a atenção primária à saúde do Sistema Único de Saúde (SUS) e tendo a aprendizagem baseada na prática e a problematização como estratégias centrais de ensino-aprendizagem. Objetivo Avaliar se o aluno de Medicina no final do curso e o recém-egresso se julgam preparados para atuar na atenção primária à saúde, identificando os pontos positivos e negativos da sua formação de modo a propor os ajustes necessários no sentido de contribuir para o aprimoramento do curso de Medicina e da formação dos egressos da FCMS da PUC/SP. Métodos Questionário com quatro questões abertas e cinco de múltipla escolha em escala Likert, respondido por 66 internos e oito recém-formados. Resultados Mais de 70% dos participantes se sentem bem preparados ou muito bem preparados para atuar na atenção primária como generalistas, de maneira humanista, crítica e reflexiva, com competências para desenvolver ações de prevenção, promoção e reabilitação de saúde, de acordo com as DCN e a hierarquização do SUS e valorizando o trabalho multiprofissional. Foram considerados pontos positivos: a inserção do aluno na atenção primária desde o início do curso, favorecendo a humanização da relação médico–paciente, e o conhecimento e manejo das doenças mais prevalentes. Os pontos mais negativos relatados foram: pouco atendimento médico ao longo do módulo, visitas domiciliares sem a presença dos preceptores e desvalorização da atenção primária à saúde na vida profissional. Conclusões Os internos ao final do curso e recém-egressos do curso de Medicina da FCMS da PUC/SP se sentem preparados e seguros para atuar na atenção primária à saúde do SUS da forma preconizada nas DCN e oferecem sugestões críticas para melhorar o ensino/aprendizagem neste cenário.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Background The School of Medical Sciences and Health (FCMS – Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde) at the Sorocaba campus of the Pontifical Catholic University of São Paulo (PUC/SP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) began to reform the curriculum of the Medical course in 2006, introducing a new educational project based on the 2001 Brazilian National Curricular Directives (DCN – Diretrizes Curriculares Nacionais) for Medical Degree Courses. In this curriculum, Health Care Practice is a horizontal module with its six disciplines studied from the first to the sixth year, in various practical scenarios, but with a focus on primary health care in the Unified Health System (SUS – Sistema Único de Saúde), with learning based on practice and problem solving as central educational strategies. Objective To assess whether medical students and new graduates consider themselves prepared to work in primary health care, identifying the strengths and weaknesses of their training in order to propose the adjustments required to improve the Medical course and training of graduates from the FCMS of PUC/SP. Methods A questionnaire with four open questions and five multiple choice questions using the Likert scale was answered by 66 interns and 8 new graduates. Results More than 70% of the participants consider that they are well prepared or very well prepared to work in primary health care as general practitioners, in a person-centred, critical and reflective manner, with the skills to perform activities in health prevention, promotion and rehabilitation in accordance with the DCN and the priorities of the SUS, while valuing multiprofessional work. Participants consider as curriculum strengths: involving the student in primary health care from the beginning of the course, favouring a person-centred approach in the doctor/patient relationship, and the understanding and management of the most prevalent diseases. The weakest points reported were: little medical care was provided to patients during the course, home visits were conducted without the tutor, and Primary Health Care is undervalued in professional life. Conclusions Interns at the end of the course and new graduates from the Medical course of FCMS at PUC/SP feel themselves prepared and confident to work in primary health care as general practitioners in the SUS in the way specified in the DCN and offer critical suggestions to improve teaching/learning in this scenario.
  • Training and Professional Activities of Medical Graduates from a Private Institution of Pará: Profile and Compliance with the National Curricular Guidelines Artigo Original

    Maués, Cristiane Ribeiro; Barreto, Bruno Acatauassu Paes; Portella, Márcia Bitar; Matos, Haroldo José de; Santos, Julio Cristovão Carvalho dos

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO O estudo objetivou conhecer o perfil sociodemográfico, de formação e atuação profissional de médicos egressos de uma instituição privada, observar a conformidade deste perfil com o preconizado pelas Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) e contribuir para o Programa de Acompanhamento de Egressos. O instrumento de coleta de dados foi um questionário validado, adaptado e enviado online aos egressos das primeiras quatro turmas. A maioria era composta por mulheres, jovens, solteiras, com renda mensal de até dez salários mínimos. O curso contribuiu totalmente ou em grande parte para a formação na atenção básica e uma formação humanista, generalista, crítico-reflexiva e ética. Os egressos são atuantes no SUS, como generalistas, alocados na Região Norte, sentindo-se razoavelmente preparados para o mercado de trabalho e competentes. Houve tendência de conformidade deste perfil com o preconizado pelas DCN, e a contribuição para o Programa de Acompanhamento de Egressos se deu por meio da elaboração da Revista do Egresso.

    Abstract in English:

    ABSTRACT The objectives of this study were to know the socio-demographic profile, training and professional performance of physicians graduates of a private institution, to observe the compliance of this profile with the one advocated by the DCN and to contribute to the Program of Accompaniment of Graduates. The instrument of data collection was a questionnaire validated, adapted and sent online to the graduates of the first four classes. Most were women, young, single, with monthly income up to 10 minimum wages. The course contributed wholly or largely to training in basic Attention and humanistic training, generalist, critical-reflexive and ethical. The graduates are active in the SUS, as generalists, allocated in the North region, feeling reasonably prepared for the job market and competent. There was a tendency of compliance of this profile with the one recommended by the DCN and the contribution to the Program of Accompaniment of Graduates was given through the elaboration of Revista do Egresso.
  • Comprehensiveness: Some Reflections Artigo Original

    Oliveira, Inajara Carla; Cutolo, Luiz Roberto Agea

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A integralidade pode ser considerada um dos temas mais recorrentes nas discussões acerca da formação profissional em saúde, especialmente na área médica. Entretanto, mesmo frente a estes movimentos, observam-se controvérsias sobre o termo devido a seu caráter polissêmico. Desta forma, tem-se como objetivo deste estudo a discussão dos sentidos da integralidade tendo por base um resgate bibliográfico na literatura existente, suscitando reflexões de cunho epistemológico, hermenêutico e prático no contexto da formação em saúde. Parte-se da compreensão de que a integralidade traz em si a percepção da complexidade de nossos objetos. Objetos complexos exigem olhares plurais. Dicotomias vinculadas ao modo de pensar moderno, por consequência, devem ser sistematicamente abandonadas. Fala-se de integralidade como superação de dicotomias clássicas no âmbito da saúde: indivíduo e coletivo; saúde e doença; corpo e mente; clínica e saúde pública; teoria e prática. Ou seja, na perspectiva da integralidade, considera-se a saúde como o resultado de aspectos múltiplos da vida de um indivíduo, que não pode ser reduzido a meras díades conceituais, ou mesmo, de relação causa-efeito. Esta ideia fundamenta-se no fato de que, a partir da integralidade, quando se fala de saúde, ela nunca estará alienada da complexidade da vida de sujeitos e de suas contingências. Já a integralidade enquanto articulação de políticas públicas sociais e econômicas baseadas na determinação social do processo saúde-doença em nosso contexto, além de desejável, torna-se fundamental. Porém, é preciso reconhecer que, por se tratar de uma visão contra-hegemônica, sofrerá resistências, e talvez seja esta característica que permita a existência da ideia de integralidade como uma prática utópica. Assim, a integralidade se expressa como uma imagem-objetivo e, mais do que isso, se apresenta como orientadora e guia das ações em saúde, sobretudo como um processo contínuo de lutas e buscas por transformações de nossa sociedade.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Comprehensiveness can be considered as one of the most recurrent themes in the discussions about professional training in health, especially in the medical field. However, even in the face of these movements, we can observe confusion about the term, due to its polysemic character. Thus, the purpose of this study is to discuss the meanings of comprehensiveness based on a bibliographical retrieval in the existing literature, provoking epistemological, hermeneutic and practical reflections in the context of health education. It starts from the understanding that wholeness brings with it the perception of the complexity of our objects. Complex objects require plural looks. Dichotomies linked to the modern way of thinking, therefore, must be systematically abandoned. There is talk of Comprehensiveness as an overcoming of classical dichotomies in health. Overcoming dichotomies: 1. Individual and Collective; 2. Health and Disease; 3. Body and Mind; 4. Clinic and Public Health; 5. Theory and Practice. In other words, from the perspective of Comprehensiveness, health is considered as the result of multiple aspects of an individual’s life, and cannot be reduced to mere conceptual dyads, or even cause-and-effect relationships. This idea is based on the fact that from wholeness, when one speaks of health, it will never be alienated from the complexity of the life of subjects and their contingencies. On the other hand, completeness as the articulation of social and economic public policies based on the social Determination of the health-disease process in our context, besides being desirable, becomes fundamental. However, it must be recognized that because it is a counter-hegemonic view, it will suffer resistance, and perhaps it is this characteristic that allows the existence of the idea of Comprehensiveness as a utopian practice. Thus, comprehensiveness is expressed as an objective image, and more than that, it presents itself as guiding and guiding action in health, above all, as a continuous process of struggles and searches for transformations of our society.
  • Effectiveness of Medical Student Programmatic Assessment: A Case Study Based on Experiences of Students and Teachers from a British Medical School Artigo Original

    Troncon, Luiz Ernesto de Almeida

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A avaliação programática do estudante é uma abordagem relativamente nova, que tem como objetivo principal o aperfeiçoamento das condições de utilização dos diferentes métodos de avaliação, com vistas ao melhor cumprimento das funções da avaliação: somativa, formativa e controle da qualidade do currículo. A introdução de um sistema de avaliação programática do estudante em uma instituição do ensino superior constitui tarefa complexa e consumidora de recursos humanos e materiais, mas as informações sobre a efetividade desses sistemas são escassas. Embora a literatura especializada registre vários estudos sobre avaliação no ambiente de trabalho (estágios profissionalizantes e aperfeiçoamento profissional) em diferentes profissões da área da Saúde, são poucas as investigações sobre o tema em cursos de graduação em Medicina. Neste artigo, relata-se a experiência de uma escola médica britânica que adotou recentemente a avaliação programática. Trata-se de um estudo de caso baseado nas percepções de estudantes e professores, que concordaram em se submeter a entrevistas semiestruturadas gravadas. Os arquivos de áudio foram transcritos, fornecendo textos nos quais se realizou análise qualitativa de conteúdo. Essa análise produziu visões sobre pontos fortes do programa de avaliação e permitiu identificar aspectos que requerem aperfeiçoamento. Os resultados mostraram que, embora expressando diferentes perspectivas e criticando vários pontos da avaliação programática, estudantes e professores compartilham uma visão predominantemente positiva do programa de avaliação. Os estudantes valorizam muito a abundância de oportunidades de receber devolutivas construtivas, sobretudo nas atividades clínicas, bem como a realização periódica de exames estruturados de habilidades clínicas com finalidades somativa e formativa. Os professores valorizam muito a organização global do programa e a sua efetividade na detecção de estudantes com dificuldades. Valorizam, também, a diversidade de oportunidades de treinamento e desenvolvimento docente na temática da avaliação. Estes achados permitem concluir que estudantes e professores de Medicina, ainda que ressaltem a necessidade de aperfeiçoamentos, vêm tendo experiências predominantemente positivas de um sistema de avaliação programática recentemente introduzido na instituição. Assim, é possível inferir que a complexidade e os custos de implementação de um sistema de avaliação programática do estudante de Medicina podem ser compensados por seus efeitos positivos, como indicam as opiniões de estudantes e professores.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Programmatic student assessment is a novel educational approach aiming at optimizing the utilization of different methods for better attaining the main functions of student assessment: summative, formative and assurance of curriculum effectiveness (quality control of educational activities). Introduction of a programme for student assessment in institutions devoted to higher education in the health sciences professions isa time and resource consuming enterprise, which should be rewarded with gains in assessment quality. However, information on this is scarce. Although a few studies have yield data on various systems for work-based assessment in different health professions, the effectiveness of programmatic assessment in undergraduate settings has not been much evaluated. We therefore aimed at exploring the perceptions of selected samples of students and teachers from a single British medical school where a programmatic assessment system was recently introduced. In this case study, medical students and faculty members agreed to undergo a semi-structured, anonymously recorded interview. Audio-files were transcribed into texts, which were submitted to content analysis for identifying strengths and areas for improvement related to the current student programmatic assessment system. Our results showed that, although expressing different perspectives and criticizing a few aspects, students and teachers shared a predominant positive view on the local system for programmatic assessment. Students valued most the wealth of opportunities to receive constructive feedback from supervisors in clinical years and the multiple formative and summative objective structured exams of clinical skills. Teachers valued most the overall assessment organization and effectiveness in detecting poor performing students and praised the many training opportunities for them to be trained to play different roles in assessment. These findings allowed us to conclude that medical student and faculty experiences on a recently introduced system for programmatic assessment are predominantly positive. These results may be taken as an indication that complexity and costs associated to implementing such systems may be rewarded by improvements in student assessment overall quality.
  • Peer-Assisted and Team-Based Learning: A new hybrid strategy for Medical Education Original Article

    Pinho, Giovanna Carvalho; Miranda, Eduardo Pontes; Tavares, Mariana de Araújo Barros; Alves, Débora Victor Aragão; Morais, Rafael Ximenes Bandeira de; Sobreira, Thaysa Monteiro; Almeida, Sinara Mônica Vitalino de

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A educação médica tem mudado bastante nos últimos anos, principalmente pelo surgimento de novos conceitos relacionados aos processos de ensino-aprendizagem que preconizam o emprego de métodos ativos, tais como a Aprendizagem Baseada em Equipes (ABE), do inglês Team-Based Learning (TBL). A monitoria é uma estratégia bem estabelecida para atividades de ensino que tem sido utilizada em vários cursos de graduação. Esse artigo descreve o teste piloto de um novo modelo de monitoria desenvolvido por meio da adaptação do ABE, então denominado método “PAL-TBL”. O método foi aplicado durante as aulas de Fisiologia Humana com os estudantes do primeiro ano do curso de Medicina da Universidade de Pernambuco – campus Garanhuns, Brasil. O método PAL-TBL foi delineado como uma modalidade de ensino-aprendizagem para contribuir para a formação acadêmica dos estudantes de Medicina. Nesse sentido, a dinâmica organizacional e o desenvolvimento das atividades deram-se durante os anos de 2016 e 2017. A metodologia utilizada foi a seguinte: (i) momento I ou de preparação de material (contexto/cenário) e estudo/análise desse material pelos participantes; (ii) momento II de verificação do conhecimento prévio (teste individual e em equipe), levantamento de dúvidas e feedback e (iii) momento III de aplicação dos conceitos. Vale ressaltar que o momento II contou com momento avaliativo do trabalho das equipes e do material preparado. A produção do material, contexto, questões e devolutiva, foi realizada por meio da interação entre os estudantes monitores e o professor, com o intuito de inserir as experiências vividas previamente, bem como elucidar a importância do uso de métodos ativos durante a formação acadêmica para o desenvolvimento de competências úteis para a prática médica. O desenvolvimento da metodologia proposta levou os estudantes a refletirem mais sobre os problemas apresentados durante as discussões em sala de aula, permitindo uma rica experiência de aprendizagem. Aplicações futuras do PAL-TBL com estudantes de anos mais avançados do curso serão realizadas para ampliar os benefícios da estratégia desenvolvida para a formação médica.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Medical education has been significantly changing in the last years, mainly due to new conceptions of the teaching-learning processes that advocate the employment of active methods of learning, such as Team-Based Learning (TBL). Peer-Assisted Learning (PAL) is a long-established strategy that has been used in several undergraduate courses. This study describes a pilot test of a new model of PAL developed with an adapted TBL strategy, that was called “PAL-TBL method”. The test occurred during Human Physiology classes with first-year Medical undergraduate students from Universidade de Pernambuco - Garanhuns Campus, Brazil. The PAL-TBL was designed as a teaching-learning methodology to improve academic education. Here, the organizational dynamics and the design of the activities carried out from 2016 to 2017 are reported. The resulting PAL-TBL methodology is characterized as the following: (i) timing I or material preparation (context/scenario) and study/analysis of the material by the participants; (ii) timing II or verification of prior knowledge (individual and team test), questioning and feedback and (iii) timing III or applying the concepts learned. It is worth mentioning that the end of timing II consisted of a moment for evaluating the team’s work and the materials used. Material production happened through the interaction between student-tutors and the (supervising) professor, aiming to share experiences as well as to elucidate the importance of using active methods during the academic development of useful competencies for medical practice. The methodology developed allowed students to reflect extensively on the problems presented in the class discussions, allowing for a richer learning experience. Further applications of PAL-TBL in advanced years of the course will be done to confirm the benefits of this hybrid strategy for medical education.
  • Pedagogical Preparation for Physicians and their Performance in the Medical Course Original Article

    Oliveira, Teógenes de; Medeiros, Renata Lívia Silva Fonseca Moreira de; Pires, Marina Pereira Brocos; Pinto, Maria Jamily de Macêdo

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A formação de um perfil médico resolutivo das principais necessidades de saúde da população é um desafio para as escolas médicas contemporâneas. Nesse processo, o docente médico destaca-se, visto que a prática docente na formação médica se baseia na reprodução de modelos considerados válidos, aprendidos anteriormente, e na experiência prática. Questiona-se, então, a aptidão pedagógica do médico ao exercício docente, uma vez que a relação professor-acadêmico se dá em esferas diferentes da relação médico-paciente, partindo da necessidade de entender quais caminhos os docentes buscam para adquirir habilidades específicas à docência. Objetivo Realizar uma revisão integrativa acerca da formação pedagógica dos médicos no contexto da docência. Métodos Revisão integrativa da literatura, não observacional, descritiva. Inicialmente, buscaram-se estudos nas bases de dados Scientific Electronic Library Online (SciELO), Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (Lilacs), US National Library of Medicine e National Institutes of Health (PubMed) e na Cochrane Library com auxílio do operador booleano e dos seguintes descritores: Health Human Resource Training; Faculty, Medical e Education, Medical, Continuing. Os critérios de inclusão foram: artigos gratuitos, completos, publicados entre 2012 e 2016, em português, espanhol e inglês. Resultados Nas quatro bases de dados, encontraram-se 24 artigos relacionados ao tema da pesquisa. Após leitura exaustiva dos artigos encontrados, apenas cinco convergiam e respondiam à questão norteadora levantada na reflexão inicial. As estratégias e metodologias de ensino e a avaliação dos processos de supervisão clínica na construção do saber técnico dos estudantes aparecem como tópicos importantes no aprender e exercer a docência. Além disso, emerge, nessas discussões, a necessidade de programas de educação continuada na formação docente, bem como a construção de instrumentos avaliativos dos professores, tutores e preceptores. Conclusões Nesse modo, ressalta-se o aprimoramento contínuo na formação pedagógica dos docentes e no desenvolvimento de programas de educação permanente e o aprimoramento do corpo docente pela escola.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Qualifying the medical profile to meet the population’s main health needs is a challenge for contemporary medical schools. In this process, the medical professor has a prominent place, since medical teaching practice is based on the production of models considered valid, previously learned, and the experience of medical practice. One questions, thus, the physician’s pedagogical aptitude to teach, since the professor-academic relationship occurs differently from the physician-patient relationship, starting from the need to understand which ways professors seek to acquire the teaching-specific skills. Objective To carry out an integrative review on the pedagogical training of physicians in the teaching context. Methods This is a non-observational, descriptive integrative review of the literature. Initially, we searched the databases at the Scientific Electronic Library Online (SciELO), Latin American and Caribbean Literature in Health Sciences (Lilacs), the US National Library of Medicine and the National Institutes of Health (PubMed) and the Cochrane Library with the help of the Boolean operator and the following descriptors: Health Human Resource Training; Faculty, Medical and Education, Medical, Continuing. The inclusion criteria were free, complete articles, published from 2012 to 2016, in Portuguese, Spanish and English. Results The search resulted in 24 articles those discuss the research theme. After exhaustive reading of the articles found, only five converged and answered the guiding question raised in the initial reflection. Teaching strategies and methodologies, as well as the evaluation of clinical supervision processes to construct the students’ technical knowledge appear as important topics on learning and teaching. In addition, these discussions raise professors’ need for continuing education programs, as well as the construction of evaluation tools for professors, tutors and preceptors. Conclusions This study highlights the continuous improvement in the professors’ pedagogical training and the development of permanent education programs and improvement of the faculty by the school.
  • The Experience of Family Medicine Interns Conducting McGill ILLNESS Narrative Interview with Non-Compliant Chronic Patients Original Article

    Bastos, Daniela Freitas; Cunha, Antônio Jose Ledo Alves da; Souza, Alicia Navarro de

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A formação médica no Brasil, apesar das várias políticas indutoras governamentais objetivando sua mudança é, ainda, predominantemente hospitalocêntrica, sendo o processo de aprendizagem centrado na doença. Em uma escola médica tradicional, realizamos uma pesquisa na qual o aluno do Internato conduziu uma entrevista voltada para experiência de adoecimento com pacientes crônicos com dificuldades de adesão ao tratamento de hipertensão e/ou diabetes na Atenção Primária. Quatorze Internos em Medicina de Família e Comunidade da Universidade Federal do Rio de Janeiro foram treinados a aplicar a Entrevista McGill MINI Narrativa de Adoecimento para identificar os modos de compreensão e atribuição de sentidos da experiência de adoecimento e tratamento. Antes e depois da realização do conjunto de 35 entrevistas McGill MINI, os alunos foram individualmente ouvidos quanto a sua compreensão do fenômeno adesão e à experiência com a entrevista McGill MINI. As 35 entrevistas realizadas pelos alunos foram analisadas quanto ao alcance dos objetivos de cada seção da entrevista McGill MINI, além do objetivo geral do entrevistador ser capaz de ofertar um lugar de expertise ao paciente no relato de sua experiência de adoecimento. Buscamos investigar a consistência da experiência do aluno com este roteiro para a obtenção da narrativa de adoecimento, utilizando para tal os temas conceituais desta entrevista – protótipos e modelos explicativos – e os temas emergentes identificados através da análise de conteúdo realizada conforme a técnica descrita por Bardin. Na análise das entrevistas realizadas pela pesquisadora com os Internos ao início e final do Internato, a análise temática foi feita a partir de dois grandes temas: compreensão e experiência clínica com o fenômeno da adesão, e apreciação da experiência de realização da entrevista McGill MINI no contexto da formação médica. Os alunos reconheceram a entrevista McGill MINI como útil para compreender e explorar a experiência de adoecimento e tratamento de um indivíduo no seu contexto socioeconômico e cultural. Ao reconhecerem esta importância da entrevista McGill MINI, os Internos frequentemente referiam as poucas oportunidades de aprendizagem na abordagem de pacientes em geral. Apesar de previamente reconhecerem a importância da escuta e do desenvolvimento do vínculo, desconheciam como isto poderia ser construído, e a experiência aumentou a autoconfiança no cuidado às pessoas no cotidiano médico. Os alunos perceberam que a não-adesão envolve múltiplos fatores, que normalmente não aparecem durante uma consulta médica habitual, e houve de fato uma ampliação na compreensão do fenômeno da adesão.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Despite several governmental policies with the purpose of changing medical training in Brazil, it is still predominantly hospital-centered, and the learning process is focused on diseases. We conducted a study in a traditional medical school, in which the students carried out an interview focused on the illness experience assessing chronic patients with compliance difficulties in the treatment of hypertension and/or diabetes in primary care. Fourteen medical students during the Family Medicine Internship at the Federal University of Rio de Janeiro were trained to carry out the McGill Illness Narrative Interview (MINI) and identify the modes of understanding and attribution of meaning to the illness and treatment experience. Before and after the completion of the set of 35 interviews, the students were listened to individually regarding their understanding of the compliance phenomenon and the experience with the MINI. The 35 interviews conducted by the students were analyzed with respect to the objectives of each section, in addition to interviewer’s general objective of offering a position of expertise to the patient in their report of the case. We sought to investigate the consistency of the student’s experience with this script to obtain the narrative of illness using conceptual topics – prototypes and explanatory models – and the emerging topics identified according to the technique described by Bardin for content analysis. In the analysis of the interviews conducted by the researcher with the interns at the beginning and the end of their internship, the content analysis consisted of two main themes: clinical understanding and experience with the non-compliance phenomenon, and the appreciation of performing the MINI in the context of medical training. The students considered the MINI a useful tool for understanding and exploring the individuals’ illness and their treatment experiences in their socioeconomic and cultural context. By recognizing the importance of the MINI, the interns usually reported few learning opportunities while providing care for patients. Although the students had previously recognized the importance of listening and the development of bonds, they did not know how these issues could be built, and the experience increased their confidence in the healthcare provided to patients in their medical daily life. The students noticed that non-compliance involved multiple factors, which did not usually emerge during regular medical appointments. In fact, there was more understanding about the compliance phenomenon.
  • The Importance of Identifying Learning Styles in Medical Education Original Article

    Caetano, Cynthia; Luedke, Roseli; Antonello, Ivan Carlos Ferreira

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO A aprendizagem é uma construção complexa que envolve diversos fatores, principalmente a interação entre professores e alunos no processo de ensino/ aprendizagem. Entender como os alunos aprendem e quais fatores influenciam o desempenho acadêmico são informações essenciais para o planejamento das aulas, além de permitir um melhor aproveitamento do potencial de aprendizado e desempenho dos alunos. A capacidade de modificar construtivamente o comportamento de uma pessoa depende de quão bem combinamos nossas experiências, reflexões, conceituações e estratégias para desenvolver o processo de mudança. Isso parece particularmente relevante na educação médica, na qual se espera que os alunos retenham, processem e apliquem grandes quantidades de informação durante todo o período de treinamento. Ao longo dos anos tem havido uma mudança gradual na educação médica de uma abordagem de aprendizagem passiva para uma abordagem de aprendizagem ativa. Para fortalecer o ambiente de aprendizado, os educadores precisam estar cientes dos diferentes estilos de aprendizado de seus alunos e, desta forma, adaptar estratégias e metodologias pedagógicas que aprimoram o processo de aprendizagem. No entanto, o espaço de reflexão sobre o processo de ensino ainda é incipiente nas instituições de ensino superior no Brasil. O presente artigo propõe uma revisão crítica sobre a importância da identificação dos estilos de aprendizagem dos alunos no ensino médico de graduação. Existem diferentes ferramentas para avaliar estilos de aprendizagem. Diferentes estilos podem coexistir em equilíbrio (estilo multimodal) ou predominar (estilo unimodal) no mesmo indivíduo. Avaliar os estilos de aprendizagem dos alunos pode ser uma ferramenta útil na educação, uma vez que é possível analisar as vias sensoriais mais favoráveis para assimilar e processar os conhecimentos, influenciando positivamente o processo de aprendizagem. No último século, a educação médica vem postulando novos desafios para melhorar o processo de aprendizagem através da reforma curricular. Além disso, impulsionou mudanças cruciais no campo da educação médica, transformando um modelo de ensino passivo, previsível e centrado na figura do professor em um modelo de aprendizagem ativo, centrado no aluno, interativo e baseado em problemas.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Learning is a complex construct that involves several factors, mainly the interaction between teachers and students in the process of teaching and learning. Understanding how students learn and which factors influence academic performance is essential information for lesson planning and evaluation, in addition to allowing a better use of students’ learning potential and outcomes. The ability to constructively modify one’s behavior depends on how well we combine our experiences, reflections, conceptualizations, and planning to make improvements. This seems particularly relevant in medical education, where students are expected to retain, recall, and apply vast amounts of information assimilated throughout their training period. Over the years, there has being a gradual shift in medical education from a passive learning approach to an active learning approach. To support the learning environment, educators need to be aware of the different learning styles of their students to effectively tailor instructional strategies and methods to cater to students’ learning needs. However, the space for reflection on the process of teaching is still incipient in higher-education institutions in Brazil. The present article proposes a critical review of the importance of identifying students’ learning styles in undergraduate medical education. Different models exist for assessing learning styles. Different styles can coexist in equilibrium (multimodal style) or predominate (unimodal style) in the same individual. Assessing students’ learning styles can be a useful tool in education, once it is possible to analyze with what kind of learning students can better develop themselves, improving their knowledge and influencing positively in the process of learning. Over the last century, medical education experienced challenges to improve the learning process and curricular reform. Also, this has resulted in crucial changes in the field of medical education, with a shift from a teacher centered and subject based teaching to the use of interactive, problem based, student centered learning.
  • Was there a change in perception of medical students of what good doctors are and what it would take to train them across a 14-year span? A mixed methods panel Original Article

    Wahba, Liliana; Lotufo, Francisco

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Fundamentação Existem importantes diferenças culturais entre os indivíduos das gerações x e Y. Entretanto, poucos estudos compararam as percepções dessas duas gerações em relação ao que são bons médicos, e também quanto ao seu processo de treinamento. Objetivo Conduzir um estudo explorando as percepções sobre o que significa ser um bom médico e sobre o processo de formação em uma amostra de estudantes de medicina da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, comparando grupos de 2000 e de 2014. Buscamos fornecer informações que possam guiar o desenvolvimento curricular em escolas médicas. Método Foi conduzido um estudo misto por meio de questões abertas dirigidas a estudantes de Medicina da Universidade de São Paulo em 2000 e 2014. A análise qualitativa focou em temas emergentes ligados à percepção dos estudantes sobre o que seriam bons médicos e sobre o treinamento que os estudantes devem receber. Em seguida, foi realizada uma análise quantitativa por meio de Processamento de Linguagem Natural. Resultados A frequência de homens e mulheres estava balanceada entre os grupos de 2000 e 2014. A maior parte dos estudantes tinha ao redor de 20 anos de idade. Os principais conceitos emergentes encontrados envolveram os quatro temas seguintes: Habilidades e qualidades de um bom médico, aspectos positivos e aspectos negativos do currículo, expectativas relacionadas à carreira futura. Do ponto de vista qualitativo, o grupo de 2014 focou suas críticas na escola médica em si e na excessiva carga de estudo, enquanto o grupo de 2000 criticou os professores e a competitividade. Outrossim, o grupo de 2014 denotou maior criticismo e menor idealização em relação à Escola e ao processo de treinamento. Não houve diferenças estatísticas significativas entre os grupos de 2000 e de 2014, nem entre gêneros. Conclusão Os estudantes de medicina da FMUSP desta amostra demonstraram pouca mudança no decorrer dos anos em relação ao que consideram ser bons médicos e como eles devem ser treinados. As preferências dos estudantes por uma educação prática e centrada nos pacientes deveriam guiar o futuro desenvolvimento curricular nas escolas médicas.

    Abstract in English:

    ABSTRACT Background Although overall cultural differences exist between individuals from the X and Y generations, to our knowledge few previous studies have contrasted their expectations regarding what good doctors are, and their perceptions on the training processes they undergo. Aims To conduct a study exploring perceptions on what good doctors are and their perceptions about training among a sample of Brazilian medical students at the University of Sao Paulo Medical School, comparing groups from 2000 and 2014. We aimed to provide information that can be used to guide curriculum development in medical schools. Methods We conducted a mixed methods study of a series of open questions asked to medical students from the University of São Paulo, Brazil, in 2000 and 2014. This qualitative analysis focused on uncovering emerging themes related to students’ perceptions regarding what good doctors are and how they see their training process. A subsequent quantitative analysis through Natural Language Processing was undertaken. Results Gender distribution was balanced between the 2000 and 2014 groups, with most students being in the early 20s. Our main emerging concepts involved four themes: Skills and qualities of a good doctor, positive and negative aspects of the curriculum, as well as expectations related to students’ future career. From a qualitative perspective, the 2014 group focused their criticisms on the School of Medicine itself and the study overload, while the 2000 group focused its criticism on the faculty and competition. Therefore, the 2014 group experienced more criticism and less idealization in relation to the School and the medical training process. There were no statistically significant differences between the 2000 and 2014 groups, as well as across genders. Discussion Students in this sample have demonstrated little change over time in relation to their characterization of what good doctors are and how they should be trained. Their preferences for a practical, patient-centered education should guide future curriculum development in medical schools.
  • Mental Health of First-Year Academics in the Medical School: a Gender Approach Artigo Original

    Medeiros, Mirna Rossi Barbosa; Camargo, José Fernando; Barbosa, Luiza Augusta Rossi; Caldeira, Antonio Prates

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO O curso de Medicina possui elevada carga horária e habitualmente demanda grande envolvimento dos estudantes. Em consequência, acadêmicos de Medicina podem apresentar alta prevalência de estresse, Síndrome de Burnout e sintomas depressivos, que podem comprometer a qualidade de sua vida. Tais aspectos demonstram a necessidade de estudos mais profundos deste grupo populacional, especialmente em um novo contexto de acesso ao ensino superior. O presente estudo teve por objetivo avaliar globalmente a saúde mental dos acadêmicos ingressantes no curso médico, com ênfase em qualidade de vida, Transtornos Mentais Comuns, sintomas depressivos, nível de sonolência diurna e Burnout, segundo o sexo. Trata-se de estudo transversal, realizado com acadêmicos do primeiro período de graduação em Medicina, oriundos de três instituições do Norte de Minas. Foram aplicados questionários de avaliação de sonolência diurna, sintomas depressivos, Transtornos Mentais Comuns, Burnout e qualidade de vida, além de um questionário com informações sociodemográficas. Os acadêmicos foram abordados na própria faculdade onde estudam, no início ou no término da aula. Na análise dos dados utilizou-se o Teste Qui-Quadrado e o t de Student para amostras independentes, na comparação entre os sexos. Foram avaliados dados de 101 estudantes ingressantes. O estresse esteve presente em 45,5% dos estudantes. A prevalência de sintomas depressivos em grau variado também foi significativa, afetando 43,6% dos estudantes. Houve diferença estatisticamente significante no componente mental da qualidade de vida e na presença de Transtornos Mentais Comuns entre homens e mulheres. Uma parcela bastante significativa apresentou níveis patológicos de sonolência diurna, sintomas de Transtornos Mentais Comuns, sintomas depressivos de graus variados, exaustão emocional e despersonalização. Mais de um terço dos acadêmicos considera sua qualidade de vida ruim, tanto no domínio físico, quanto no mental. A qualidade do curso e da assistência à saúde requer um profissional humanizado e que busque boas condições de saúde. Por isso, é essencial que as universidades discutam estratégias que visem à promoção de saúde e à prevenção de sintomas que comprometem a saúde mental dos acadêmicos.

    Abstract in English:

    ABSTRACT The medical school has a high academic load and usually demands a great student involvement. As a result, medical students may experience high prevalence of stress, Burnout syndrome and even depressive symptoms. Such factors can compromise the students’ quality of life. All of these aspects emphasize the need of deeper studies of this population group, especially in a new context of access to higher education. The objective of this study was to evaluate the overall medical students’ mental health entering the medical school, with emphasis on quality of life, Common Mental Disorders, depressive symptoms, daytime sleepiness level and Burnout, according to the gender. This is a cross-sectional study, performed with first-year undergraduate medical students from three institutions from the north of Minas Gerais. Questionnaires were applied to evaluate daytime sleepiness, depressive symptoms, Common Mental Disorders, Burnout and quality of life, as well as a questionnaire with sociodemographic information. Academics were approached at the college where they study, at the beginning or at the end of the class. Data were analyzed using the chi-square test, and Student’s t-test for independent samples, in the comparison between genders. Data from 101 incoming students were evaluated. Stress was present in 45.5% of the students. The prevalence of depressive symptoms of varying degrees was also significant, affecting 43.6% of the students. There was a statistically significant difference in the mental component of quality of life and in the presence of Common Mental Disorders between men and women. It was possible to observe that a significant portion had pathological levels of daytime sleepiness, symptoms of Common Mental Disorders, depressive symptoms of varying degrees, emotional exhaustion and depersonalization. More than a third of the academics consider their quality of life bad when it comes to the physical and mental domain. The quality of the course and health care requires a humanized professional who seek good health, that’s why it is essential that universities discuss strategies that promote health and the prevention of symptoms that compromise the mental health of academics.
Associação Brasileira de Educação Médica SCN - QD 02 - BL D - Torre A - Salas 1021 e 1023 | Asa Norte, Brasília | DF | CEP: 70712-903, Tel: (61) 3024-9978 / 3024-8013, Fax: +55 21 2260-6662 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: rbem.abem@gmail.com