• Posicionamento do Grupo de Trabalho Populações (In)Visibilizadas e Diversidades a Respeito das Violências contra a População Negra e do Racismo Estrutural EDITORIAL

    Raimondi, Gustavo Antonio; Souza, Lilian de Paula de; Moraes, Victor Hugo Araujo; Afonso, Denise Herdy; Borret, Rita Helena do Espírito Santo; Tourinho, Francis Solange Vieira; Miranda, Tatiane; Souza, Tchayra Tatiane; Ferreira, Verônica Clemente; Padilha, Wandson Alves Ribeiro; Pereira, Douglas Vinícius Reis
  • Análise da Percepção de Acadêmicos sobre o Ensino de Urgência e Emergência em Curso Médico ARTIGO ORIGINAL

    Sorte, Érica Manuela da Silva Boa; Silva, Jéssica Novais Fonseca da; Santos, Carlos Gabriel dos; Pinho, Paula Dandara Correia de; Nascimento, Jairo Evangelista; Reis, Claudiojanes

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O atendimento em urgência e emergência (UE) envolve situações de risco que exigem intervenção imediata para aumentar as chances de sobrevivência do paciente. O ensino dessa disciplina durante a graduação de Medicina não tem sido efetivo, e os alunos apresentam deficiência no atendimento, tornando-se importante realizar avaliação para conhecer a realidade sobre esse processo formativo. O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento e a satisfação pessoal dos acadêmicos de Medicina que se encontram no internato quanto à disciplina de Urgência e Emergência, em faculdade privada do norte de Minas Gerais. Método: Trata-se de um estudo transversal, quantitativo e descritivo, com aplicação de 185 questionários que abordaram dados demográficos, conhecimento da política de atenção à UE aplicada ao Samu, conhecimento da epidemiologia dos atendimentos pré-hospitalares do Samu, avaliação e conduta durante o atendimento, e percepção do ensino de UE. A população foi constituída por estudantes de Medicina, do oitavo ao 12º período, divididos em dois grupos em relação ao estágio em UE. Realizou-se análise estatística por meio do teste qui-quadrado de Pearson ou exato de Fisher com significância p < 0,05. Resultados: A população foi predominantemente do sexo feminino. Quanto à opção de trabalho, 123 (66,5%) dos estudantes optaram por consultório médico, 35,1% escolheram os serviços de UE, e 95 (51,4%) citaram a saúde da família. Quanto aos profissionais que compõem a ambulância básica ou avançada, 40,5% e 54,1% acertaram a composição da básica e avançada, respectivamente, sendo estatisticamente significante com p-valor 0,001 e 0,002. Dos participantes do estudo, 15,7% marcaram corretamente todas as causas de atendimento pelo Samu, e 36,2% acertaram a natureza clínica como a maior demanda de atendimento. Não houve diferenças estatísticas quanto à percepção da importância do conhecimento do médico generalista sobre UE. Quanto à percepção dos acadêmicos em relação à própria formação, foi identificada diferença estatística nas questões relacionadas às temáticas triagem - Protocolo de Manchester, monitorização, suporte básico e avançado de vida, e emergências pediátricas. Conclusões: O ensino de UE, na percepção dos alunos, mostra-se efetivo nessa avaliação, mas com lacunas em urgências pediátricas e toxicológicas. Os alunos formam-se inseguros quanto ao atendimento nessa área. Há a necessidade de discutir mais essa temática por causa da relevância dela para a prática profissional.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Urgency and emergency service involves risk situations that require immediate intervention to increase the patient’s chances of survival. The teaching of this discipline during undergraduate medical school has not been effective and the students show deficient training; thus, carrying out an evaluation aiming to know the reality about this formative process becomes important. Objectives: to evaluate the knowledge and personal satisfaction of the undergraduate medical students attending internship regarding the discipline of Urgency and Emergency, in private medical schools in the North of Minas Gerais. Method: transversal, quantitative, descriptive study, which applied 185 questionnaires addressing demographic data; knowledge of the Urgency and Emergency care policy applied to SAMU; knowledge of the epidemiology of pre-hospital care at SAMU, assessment and conduct during care; and perception of UE education. The population consisted of medical students, from the 8th to the 12th periods of medical school, divided into two groups in relation to the internship in UE. The statistical analysis was performed using Pearson’s Chi-square test or Fisher’s exact test, with significance set at p <0.05. Results: The population was predominantly female. As for the job option, 123 (66.5%) chose working at a doctor’s office, 35.1% chose UE services, and 95 (51.4%) cited family health. As for the professionals who work at the basic or advanced ambulance, 40.5% and 54.1% agreed on the composition of the basic and advanced ambulances, respectively. Being statistically significant with a p-value of 0.001 and 0.002. 15.7% correctly answered all causes of care provided by SAMU, and 36.2% correctly answered the clinical nature as the highest demand for care. There were no statistical differences regarding the perception of the importance of the general practitioner’s knowledge of urgency and emergency. Regarding the perception of students in relation to their training, a statistical difference was identified in questions related to the topics Screening - Manchester protocol, Monitoring, Basic and advanced life support, Pediatric emergencies. Conclusions: the urgency and emergency teaching, according to the students’ perception, is effective in this evaluation, but has gaps in pediatric and toxicological emergencies. Students are unsure of how to work in this area. It is necessary to further discuss this topic, due to its relevance to professional practice.
  • Estudantes de Medicina em Roda: os Diálogos da Extensão Popular com os Indígenas Potiguara ORIGINAL ARTICLE

    Luna, Willian Fernandes; Nordi, Aline Barreto de Almeida; Rached, Karolina Saad; Correia, Marcella Barros Alencar; Carvalho, Alice Ribeiro Viana de; Morais, Lenildo Filho Dias De

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A extensão universitária com populações excluídas socialmente pode ser uma estratégia na formação de profissionais sobre a diversidade cultural e social brasileira. A perspectiva da Educação Popular em Saúde (EPS) nesse contexto é uma das possibilidades para fomentar interações dialógicas entre ensino e comunidade, favorecendo espaço para o desenvolvimento da formação em saúde com compromisso social. O Projeto de Extensão Îandé Gûatá surge em 2013, na Paraíba, a partir dos princípios da EPS e da Extensão Popular, com foco no encontro entre indígenas Potiguara e estudantes de Medicina. Esta pesquisa objetivou avaliar os aprendizados construídos pelos extensionistas desse projeto em sua formação médica. Método: Para tanto, desenvolveu-se uma pesquisa com abordagem qualitativa a partir dos referenciais teórico-metodológicos das práticas discursivas. Utilizou-se a técnica da roda de conversa para construção de dados, realizada no momento de encerramento do ciclo do projeto. Para análise do material, foram identificados repertórios linguísticos a partir das falas dos sujeitos com construção de três conjuntos de sentidos: a extensão universitária como espaço contra-hegemônico de formação médica; o desenvolvimento de competências gerais para o futuro profissional de saúde; o encontro entre diferentes culturas nas vivências da extensão. Os repertórios linguísticos foram discutidos com base em referenciais teóricos de EPS, saúde indígena e competências na educação médica. Resultados: Nas falas dos estudantes, o projeto permitiu ganhos nos seguintes atributos: conhecimento, porque permitiu reflexões, identificação de lacunas e maior entendimento sobre o processo saúde-doença no contexto da população indígena; habilidades de fazer e receber críticas, de trabalho em equipe e de diálogo entre culturas diferentes; e atitudes, ampliando a postura do profissionalismo, a compreensão e a ação perante as questões éticas e sociais. Conclusões: Dessa forma, destacam não somente o desenvolvimento de competências gerais para o futuro médico, mas também as mais específicas, como a competência cultural. Além disso, enfatizam o desafio de dialogar na polaridade, de modo a diminuir as distâncias dentro do mesmo espaço institucional e do conflito cultural, e promover a compreensão e ação numa educação emancipatória. Esse coletivo de estudantes esperançou com a comunidade indígena a aproximação dessas distâncias, num compromisso coletivo de produzir mudança e transformação social.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: University extension projects with socially excluded populations can be a strategy for the training of professionals in the cultural and social diversity of the Brazilian population. The practice of Popular Health Education (PHE) through university extension is one of the possibilities to foster dialogic interactions between teaching and the community and has been a space for the development of health education with social commitment. The Îandé Gûatá Extension Project was created in Paraíba in 2013, based on the principles of PHE and Popular Extension, focusing on the meeting between Potiguara indigenous people and Medical students. This study aimed to evaluate the learning built by this project students’ for their medical education. Method: Therefore, a qualitative approach research was developed through the analysis of discursive practices, using the talking circle technique at the end of the project cycle. To analyze the material, linguistic repertoires were identified from the subjects’ speech and three sets of meanings were built: extension university as a counter-hegemonic space of medical education; building skills for the future doctor; relations between health and culture in care. The linguistic repertoires were discussed based on theoretical references, such as popular health education, indigenous health and competences in medical education. Results: According to the students, this project allowed them gains in the attributes of: knowledge, as it allowed reflections, identification of gaps and greater understanding about the health-disease process in the context of the indigenous population; allowed gains in the ability of making and receiving criticism, teamwork and dialogue between different cultures; and allowed gains in attitudes, broadening the attitude of professionalism, the comprehension and performance on ethical issues and the construction of social commitment. Conclusion: Therefore, they highlight both the development of general competences for the future doctor, but also more specific ones, such as cultural competence. Moreover, the challenge of dialoguing in the polarity: aiming to reduce the distances within the same institutional space; cultural conflicts; and understanding and acting in an emancipatory education. This group of students wished, with the indigenous community, that these distances would be lessened, in a collective commitment aimed at producing change and social transformation.
  • Características de um Professor Exemplar: Percepções de Estudantes e Professores ARTIGO ORIGINAL

    Távora, Lara Gurgel Fernandes; Amorim, Laila Teixeira; Teixeira, João Pedro Brasil; Mota, Heitor Moita; Costa, Thais Barroso Vieira; Costa, Victor Fernandes Távora Vieira

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: Na área médica, a forma de ensinar e aprender vem mudando com o tempo. Dessa forma, a investigação dos atributos que tornam um professor exemplar é importante para formular novas estratégias de ensino na educação médica. O presente estudo objetiva avaliar a percepção dos discentes e docentes do curso de Medicina sobre quais qualidades o docente deve ter para ser considerado um modelo. Método: Trata de um estudo quantitativo, transversal, com estudantes e professores do curso de Medicina da Universidade de Fortaleza (Unifor). Foi aplicado aos participantes um questionário elaborado pelos autores sobre os atributos mais importantes para ser considerado um bom professor. Cada atributo deveria receber peso de 1 a 5 caso o participante o julgasse menos ou mais importante. Resultados: Participaram do estudo 74 professores e 344 alunos. As maiores médias nos dois grupos foram para a “atitude no ambiente de ensino” e “interação com os alunos e colegas”, embora os professores tenham valorizado mais esses domínios (p = 0,03 e p = 0,006, respectivamente). O domínio “características pessoais” foi menos valorizado pelos alunos (p = 0,02). No domínio “atitude no ambiente de ensino”, facilitar a aprendizagem e ter uma atitude ética com o paciente foram as características mais valorizadas, embora os professores tenham valorizado ainda mais este último (p = 0,001). No domínio “interação com os alunos e colegas”, a capacidade de estimular a participação do aluno foi considerada menos importante pelos alunos (p = 0,001). No domínio “características pessoais”, ter entusiasmo pelo ensino foi bastante valorizado, entretanto os professores tenderam a dar um peso maior que os alunos (p = 0,001). A avaliação do domínio “desenvolvimento profissional” mostrou que o envolvimento com pesquisa foi o menos valorizado pelos participantes. Conclusões: Esses resultados sugerem que, para a identificação de um professor exemplar, os dois grupos valorizaram não apenas as atitudes relacionadas à docência, mas sobretudo as atitudes no ambiente de ensino e na interação com alunos e colegas. Sugerem ainda a necessidade de desenvolver estratégias de valorização da pesquisa científica, inclusive com incentivos para uma maior participação dos docentes e discentes, ressaltando a sua a importância na formação médica.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Learning and teaching methods have changed over time in medical education. Therefore, there is a strong case for investigating the attributes of a model professor in order to formulate new teaching strategies in medical education. This study aimed to ascertain which character traits are viewed in the eyes of medical students and teachers as essential to the profile of a model teacher. Methods: This is a quantitative, cross-sectional study conducted with medical students and teachers of the University of Fortaleza (UNIFOR) School of Medicine. Participants were invited to respond to a questionnaire, developed by the authors, addressing the most important characteristics of a model teacher. The respondents were asked to score each characteristic from 1 to 5 to reflect its respective importance. Results: A total of 418 people were surveyed, of whom 74 were teachers and 344 students. The highest scoring characteristics in both groups were “Attitude in the teaching environment” and “Interaction with students and colleagues”, although teachers placed more value on these attributes (p = 0.03 and p = 0.006 respectively). “Personality traits” was the least appreciated by the students (p = 0.02). In the “Attitude in the teaching environment” category, facilitating learning and maintaining an ethical attitude with the patient were the most valued characteristics in both groups, although the latter was more appreciated by the teachers (p = 0.001). In the “Interaction with students and colleagues” category, the ability to stimulate student participation was considered least important by the students (p = 0.001). Enthusiasm for teaching scored highly in both groups in the “Personality traits” category, though teachers tended to give rate it more highly than the students (p = 0.001). The analysis of the “Professional development” category showed that, for both groups, involvement in research was the least valued characteristic. Conclusions: These results suggest that not only attributes associated with teaching practice, but also teachers’ attitudes in the teaching environment and their interaction with students and colleagues were considered by both groups as important to their identification of a model teacher. They also suggest the necessity for developing strategies to value scientific research and stimulate greater participation of both students and teachers, underlining its importance in medical training.
  • Condicionantes Motivacionais Escolha Residência Multiprofissional Atenção Básica ARTIGO ORIGINAL

    Sardá, Jamir; Dias, Israel Domingos; Ros, Marco Aurélio Da; Oliveira, Gabrielly Bos de

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A residência multiprofissional (RM) é uma modalidade de pós-graduação que agrega graduados de diversas áreas da saúde. Trata-se de uma modalidade de aprendizado em serviço. O objetivo deste estudo foi investigar os condicionantes motivacionais para a escolha do programa de RM de uma universidade situada no Vale de Itajaí, em Santa Catarina, por seus candidatos. Método: Para a realização desta pesquisa, adotou-se uma abordagem mista, quantitativa e qualitativa, em que se aplicaram questionários aos alunos da graduação do ensino superior e realizaram-se entrevistas com residentes do segundo ano. O número de participantes da pesquisa foi estipulado considerando o número total de alunos em sala de aula e, dentre estes, aqueles que tinham interesse em ingressar na RM. Participaram da amostra 123 alunos, dos quais 81 não tinham interesse em realizar a RM e 42 gostariam de participar do programa. Na análise dos dados oriundos dos questionários, utilizou-se a estatística descritiva (frequência simples e relativa). Os conteúdos da entrevista foram submetidos à análise de conteúdo. Participaram da aplicação de questionários 123 alunos dos últimos períodos dos cursos de Psicologia, Educação Física, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina, Enfermagem e Nutrição; além disso, foram entrevistados oito residentes. Resultados: Constatou-se que 62% dos participantes buscam a residência como uma forma de capacitação profissional, dois quais 21% têm interesse em atuar em saúde coletiva/SUS, e outros 19% referem ter interesse em participar da residência em função da atuação multiprofissional. Conclusões: A análise de conteúdo indica que os residentes percebem como desafios a tarefa de atuar no sistema público devido a falta de mão de obra, dos aparelhos instrumentais e saturação de demanda e relações interpessoais com os colegas de outras especialidades. Entre os fatores motivacionais para entrada dos estudantes no programa de RM, destacam-se a experiência profissional, o interesse em saúde coletiva/SUS e o comprometimento social. A presença de profissionais que são referência na saúde coletiva também emergiu como um aspecto motivador importante na escolha dos profissionais por essa área de atuação. Os resultados deste estudo reforçam o importante do papel da RM na formação profissional visando atendimento em saúde coletiva.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Multiprofessional residency (MR) is a postgraduate program which brings together graduates from diverse areas of health. It is a model of in-service learning. The objective of this study was to investigate the motivational factors behind the candidates’ decision to choose the MR program of a university located in the Vale of Itajaí - SC. Method: For this research a mixed, quantitative and qualitative approach was used, applying questionnaires to undergraduate students and interviews with second year residents. The entire study sample was composed of 123 undergraduate students in the final semester of the Psychology, Physical Education, Physiotherapy, Speech Language Pathology, Medicine, Nursing and Nutrition courses: 81 respondents were not interested in MR and 42 were interested in participating in the program. Data from the questionnaires were analyzed using descriptive statistics (simple and relative frequency). A further eight student residents were interviewed. The contents of the interviews were submitted to content analysis. Results: It was found that 62% of the participants seek the residency program as a form of professional training, 21% are interested in working in Collective Health/SUS (Unifed Health Service), another 19% of the participants reported an interest in participating in the residency because of multiprofessional work. Conclusion: The content analysis indicates that residents perceive the task of operating within the public health system as a challenge due to the lack of manpower, instrumental devices coupled with saturated demand and interpersonal relationships with colleagues in other specialties. As motivational factors for their entry into the multiprofessional residency program students cited the professional experience, interest in Collective Health/SUS and social commitment. The presence of professionals who are a reference in collective health also emerged as an important motivational aspect in professional choosing to move into this field. The results of this study reinforce the importance of the role of the multiprofessional residency in vocational training aimed geared toward collective health care.
  • Tratamento Psíquico Prévio ao Ingresso na Universidade: Experiência de um Serviço de Apoio ao Estudante ARTIGO ORIGINAL

    Rocha, Andreia Maria Camargos; Carvalho, Maria Bernadete de; Cypriano, Cristina Petersen; Ribeiro, Maria Mônica Freitas

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: Dados da literatura apontam para um aumento da frequência de sofrimento mental entre estudantes de Medicina. Entretanto, os fatores responsáveis ou que têm contribuído para isso ainda não estão completamente esclarecidos. Conhecê-los é fundamental para o planejamento de um serviço de apoio que acolha, identifique, acompanhe e, se necessário, encaminhe o estudante com sofrimento mental. Método: Avaliamos, neste trabalho, o relato de tratamento psíquico, anterior ao ingresso na universidade, de estudantes do curso de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais que buscaram atendimento no Núcleo de Apoio Psicopedagógico aos Estudantes da Faculdade de Medicina (Napem). Os relatos, os dados sociodemográficos e os motivos que levaram o aluno a procurar o serviço foram obtidos de uma ficha de inscrição preenchida pelo estudante. Resultados: No ano avaliado, 87 estudantes (47 homens, média de idade 23,3 anos) procuraram os serviços do Napem. Desses alunos, 42 (48,3%) cursavam os dois primeiros anos; 24 (27,6%), o terceiro e quarto anos; e 21 (24,1%), o quinto e sexto anos. Tratamento psíquico antes do ingresso na universidade foi relatado por 53 (60,9%) alunos: 37 (42,5%) declararam ter feito uso de medicamentos psicoativos e 16 relataram tratamento com psicoterapia sem medicação. Os relatos de tratamento psíquico e de uso de medicamentos psicoativos antes do ingresso na universidade foram significativamente mais frequentes (p = 0,04 e p = 0,04, respectivamente) entre os estudantes que cursavam os dois primeiros anos do curso do que entre os dos demais anos. Não se observaram diferenças estatisticamente significativas em relação à média de idade (p = 0,06), à distribuição por sexo (p = 0,87), à procedência (p = 0,68) ou ao tipo de moradia em Belo Horizonte (p = 0,96) quando se compararam os grupos com e sem relato de tratamento psíquico. Dentre os motivos apontados para a busca de atendimento no Napem, “ansiedade”, “depressão/sintomas depressivos” e “instabilidade de humor” foram relatados por 59 (67,8%) estudantes. Problemas relacionados ao curso foram declarados por cinco (5,7%) alunos. Conclusão: Os resultados do estudo sugerem que o tratamento psíquico prévio ao ingresso na universidade pode ser um dos fatores que contribuem para o sofrimento mental do estudante de Medicina durante o curso.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Data published in literature point to an increased frequency of psychological distress among medical students. However, the causes or potentially contributory factors for this scenario are not completely understood. Understanding these factors is essential for planning a support service that welcomes, identifies, monitors and, if necessary, guides the student with mental suffering. Methods: We evaluated the pre-university admission mental health treatment report on medical students at the Federal University of Minas Gerais who sought care at the Psychopedagogical Support Center. These data, as well as demographic data and the reasons that led the student to seek the service were obtained from an enrollment form filled out by the student. Results: A total of 87 students (47 males, mean age 23.3 years) were received support from the NAPEM in the year under study. Of those, 42 (48.3%) were in the first two years of the course, 24 (27.6%) in the 3rd/4th year and 21 (24.1%) in the 5th/6th year. Mental Health treatment prior to university admission was reported by 53 (60.9%) students: 37 (42.5%) reported the use of psychoactive drugs and 16 reported psychotherapies without the use of medication. Mental Health treatment and medication prior to university admission were significantly more frequent (p = 0.04 and p = 0,04, respectively) among students in the first two years of the course than among those in other years. No statistically significant differences in relation to the average age (p = 0.06), distribution by sex (p = 0.87), origin (p = 0.68) or type of housing in Belo Horizonte (p = 0.96) were found when comparing those who had undergone psychic treatment with those who had not. Anxiety, depression/depressive symptoms and mood swings were reported by 59 (67.8%) students as reasons to seek help. Problems related to the course were reported by five (5.7%) students. Conclusion: The results of the present study suggest that Mental Health treatment prior to university admission may be one of the factors that contribute to the medical student’s mental suffering during the course.
  • Qualidade de Vida e Graduação em Medicina ORIGINAL ARTICLE

    Miranda, Isabela Maria Melo; Tavares, Helen Hana Fernandes; Silva, Heloísa Rodrigues Soares da; Braga, Monise Santana; Santos, Raquel de Oliveira; Guerra, Heloísa Silva

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: Nos últimos anos, tem-se questionado sobre a qualidade de vida dos estudantes de Medicina dado o contexto em que estão inseridos. O estresse como resultado do somatório de carga horária extensa, dificuldade de conciliar a vida acadêmica com a pessoal e exposição a situações de dor e sofrimento tem-se mostrado como o principal fator para a queda da qualidade de vida desses acadêmicos. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade de vida de acadêmicos de Medicina e seus fatores associados. Método: Trata-se de um estudo transversal realizado com 419 acadêmicos do curso de Medicina de uma fundação pública de Goiás. Foram incluídos alunos a partir de 18 anos e matriculados no curso do segundo ao oitavo período, de 2017 a 2018. Utilizaram-se os questionários sociodemográfico e de hábitos de vida e o World Health Organization Questionnaire for Quality of Life - Brief Form (WHOQOL-bref). Resultados: Os fatores relacionados com a baixa qualidade de vida foram: sexo feminino, utilizar estimulantes, pensar em desistir do curso e possuir comorbidade. Os relacionados com melhor qualidade de vida foram consumir frutas e hortaliças, praticar atividade física, mais tempo de sono e gestão do estresse. Conclusão: Este estudo encontrou um conjunto de fatores capazes de interferir na qualidade de vida desses estudantes, sugerindo a necessidade de intervenções direcionadas ao apoio pedagógico e psicológico.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: In recent years, the quality of life of medical students has been questioned, given the context in which they are inserted. Stress as a result of the number of long hours, difficulty in reconciling academic and personal life, exposure to situations of pain and suffering, have been shown to be the main factors for the decrease in quality of life of these students. The aim of this study was to assess the quality of life of medical students and its associated factors. Method: Cross-sectional study with 419 medical students from a public institution in Goiás. The study was carried out with students over 18 years old and enrolled in the second to the eighth semester of medical school, between 2017 and 2018. Sociodemographic and lifestyle questionnaires and the World Health Organization Questionnaire for Quality of Life - Brief Form (WHOQOL-BREF) were used. Results: The factors related to low quality of life were: female gender, the use of stimulants, thinking about giving up medical school and having comorbidities. Those related to a better quality of life were consuming fruits and vegetables, practicing physical activity, more sleeping time and stress management. Conclusion: This study found a set of factors capable of interfering with the quality of life of these students, suggesting the need for interventions aimed at pedagogical and psychological support.
  • A Empatia em Acadêmicos de Medicina em Relação ao Paciente Pediátrico: Estudo Transversal Unicêntrico, 2019 ARTIGO ORIGINAL

    Araújo, Naiara Silva Cosmo de; Toledo, Antonio

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A empatia envolve a capacidade de identificar e perceber os sentimentos e as experiências pessoais do paciente, assim como a capacidade de ver o mundo da perspectiva de outra pessoa. Em pediatria, existe o desafio de buscar o bom relacionamento com o paciente pediátrico e seus acompanhantes, os quais são peças fundamentais no atendimento e no resultado do tratamento. O objetivo desse estudo foi avaliar o nível de empatia dos estudantes de Medicina em relação ao paciente pediátrico. Método: Trata-se de estudo transversal, com amostra de conveniência, realizado com estudantes do quarto e sexto anos do curso de Medicina da Universidade José do Rosário Vellano, Campus Alfenas. Os níveis de empatia foram avaliados por meio da Escala de Empatia de Jefferson. Questionário sociodemográfico coletou dados sobre as possíveis variáveis independentes, como sexo, idade, estado civil, doença crônica pessoal ou familiar, distúrbio mental, especialidade pretendida, entre outros. Utilizaram-se o teste de t de Student, o teste exato de Fischer bicaudal e a regressão linear. O nível de significância foi de 0,05. Resultados: No período de fevereiro a abril de 2019, dos 196 estudantes elegíveis para o estudo, 159 concordaram em participar. Desses, 10 (6,2%) foram excluídos por preenchimento incompleto do questionário. A amostra final foi de 149 (76,0%) estudantes, sendo 74 (49,7%) do quarto ano e 75 (50,3%) do sexto ano do curso de Medicina. Não houve diferença entre o escore global de empatia entre o quarto e o sexto ano. O escore global de empatia foi maior no sexo feminino (pajustado = 0,011), assim como o escore do domínio “cuidado compassivo” (pajustado = 0,013). Os voluntários com relato de doença crônica familiar e os que tinham dificuldade de realizar exame físico pediátrico apresentaram escore significativamente mais elevado no domínio “cuidado compassivo” (pajustado = 0,038 e pajustado = 0,037, respectivamente). Conclusões: Os níveis de empatia (escore global e diferentes domínios) observados neste estudo foram elevados, com exceção do domínio “capacidade de se colocar no lugar do outro”. Não se observou relação entre escore global de empatia e seus diferentes domínios e o ano do curso médico.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Empathy involves the ability to identify and perceive a patient’s personal feelings and experiences, as well as the ability to see the world from another person’s perspective. In Pediatrics, there is the challenge of looking for a good relationship with the patient and their caregivers, who play a key role in both the care and the result of the treatment. The aim of this study was to evaluate the level of empathy of medical students related to pediatric patients. Methods: Cross-sectional study, with a convenience sample, conducted with 4th and 6th-year medicine students at Universidade José do Rosário Vellano, Campus Alfenas. Levels of empathy were assessed using the Jefferson Scale of Empathy. A sociodemographic questionnaire collected data on possible independent variables such as gender, age, marital status, chronic individual and familial diseases, mental disorders and intended medical specialty. Student’s T test, two-tailed Fischer exact test and linear regression were used in statistical analysis. The level of significance was 0.05. Results: From February to April 2019, 159 students, from a total of 196 eligible candidates, agreed to participate in the study. Of these, 10 were excluded due to incomplete questionnaires. The final sample was composed of 149 (76.0%) students, 74 (49.7%) from the 4th-year and 75 (50.3%) from the 6th-year. There was no difference between the overall empathy score between the 4th and 6th-year students. The overall empathy score was higher in females (padjusted=0.011), as was the Compassionate Care domain score (padjusted=0.013). Volunteers reporting chronic familial disease and those who had difficulty performing a pediatric physical examination reported a significantly higher score in the Compassionate Care domain (padjusted=0.038 and padjusted=0.037, respectively). Conclusion: The global empathy score and its different domains were high, except for the Ability to Stand in the Patient’s Shoes domain. No relationship was found between empathy and its different domains and the year of undergraduate medical training.
  • Effects of Mental Disorders on the Emotional Intelligence Levels of Brazilian Medical Students: a Single Center Cross-Sectional Study, 2017-2018 ORIGINAL ARTICLE

    Coury, Marayra Inês França; Duca, João Gabriel Menezes; Toledo, Antonio

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: Estudos recentes mostram os efeitos diretos da inteligência emocional (IE) na prática médica e, mais especificamente, no estabelecimento e na manutenção de boa relação médico-paciente. Os objetivos deste estudo foram comparar os níveis de IE entre estudantes de diferentes anos de um curso de Medicina e avaliar fatores que influenciam esses níveis. Método: Trata-se de estudo transversal com estudantes de Medicina do primeiro, terceiro e sexto anos de uma instituição privada em Belo Horizonte, Minas gerais, Brasil. Os níveis de IE foram medidos por meio de teste autoaplicado de inteligência emocional de Schutte. Coletou-se também dados pessoais e demográficos. Todos os voluntários assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido antes de sua inclusão no estudo. O teste t de Student, a ANOVA, o teste de correlação de Pearson e a regressão linear foram utilizados na análise estatística. Resultados: Foram recrutados 255 voluntários entre outubro de 2017 e abril de 2018. Dezesseis (7,1%) alunos foram excluídos porque os questionários estavam incompletos. A amostra final foi composta de 209 participantes (71 do primeiro ano, 69 do terceiro ano e 69 do sexto ano). A maioria era do sexo feminino (66,0%), 95,2% eram solteiros, 10,0% tinham graduação prévia e 16,3% relataram diagnóstico prévio de distúrbio mental. A idade média foi de 23,2 (±3,9) anos. Não houve diferença entre os escores total de IE e de seus diferentes domínios entre os 3 anos. O teste de Pearson mostrou correlação positiva fraca entre a idade e o escore total (r = 0,172; p = 0,013) e a “percepção das emoções” (r = 0,236; p = 0,001). A análise multivariada mostrou associação positiva significativa entre a idade e o escore total (pajustado= 0,040), a “percepção das emoções” (pajustado = 0,013) e o “gerenciamento das emoções dos outros” (pajustado= 0,020). Redução significativa do escore total (pajustado = 0,033), do “gerenciamento das próprias emoções” (pajustado < 0,001) e do “gerenciamento das emoções dos outros” (pajustado = 0,025) foi observada entre os voluntários que relataram distúrbio mental prévio. Conclusões: Níveis elevados de IE foram observados nos 3 anos. Houve correlação positiva entre a idade e o escore total, a “percepção das emoções”, o “gerenciamento das próprias emoções” e o “gerenciamento das emoções dos outros”. A presença de distúrbio mental foi associada à redução do escore total, do “gerenciamento das próprias emoções” e do “gerenciamento das emoções dos outros”.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Recent studies have shown the direct effects of emotional intelligence (EI) on medical practice and, more specifically, on establishing and maintaining a good doctor-patient relationship. The aim was to compare the EI levels of students from different years of medical school and to evaluate other factors that affect EI levels. Method: This was a cross-sectional study of medical students attending the 1st, 3rd and 6th years in a private institution in Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. A non-probabilistic convenience sample was used. EI levels were evaluated using the Schutte Self-Report EI Test, and demographic and personal data were collected. All volunteers signed the free and informed consent form prior to study inclusion. Statistical analysis used ANOVA, Student’s t-test, Pearson correlation and linear regression. A significance level of 0.05 was adopted. Results: Two hundred twenty-five volunteers were recruited between October/2017 and April/2018. Sixteen (7.1%) were excluded due to incomplete questionnaires. The final sample comprised 209 participants (71 from the 1st year, 69 from the 3rd year and 69 from the 6th year). Most were women (66.0%), 95.2% were single, 10.0% had previously graduated and 16.3% reported a previous mental disorder diagnosis. The mean age was 23.2 (±3.9) years. There was no difference in the EI overall score and in the different EI domains scores among the students from the three years. Pearson’s test showed a weak positive correlation between age and total score (r=0.172; p=0.013) and perception of emotion (r=0.236; p=0.001). Multiple regression showed a significant positive association between age and the total score (p=0.040), Perception of Emotion (padjusted=0.013) and Managing Others’ Emotions (padjusted=0.020). A significant reduction in the total score (padjusted=0.033), in Managing Own Emotions (padjusted<0.001) and in the Managing Others’ Emotions (padjusted=0.025) was found for volunteers who reported a previous mental disorder. Conclusion: High levels of EI were observed in the 3 years. No association was observed between different EI scores and the course year. There was a positive correlation between age and total EI score, Perception of Emotions, Managing Own Emotions and Managing Others’ Emotions. The presence of a mental disorder was associated with a reduction in the total score and the scores for Managing Own Emotions and Managing Others’ Emotions.
  • Fatores Associados à Escolha da Especialidade de Medicina de Família e Comunidade ARTIGO ORIGINAL

    Rodrigues, Lucia Helena Guimarães; Duque, Taciana Barbosa; Silva, Reneide Muniz da

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A Medicina de Família e Comunidade (MFC) é considerada a especialidade mais relacionada com os princípios de longitudinalidade, integralidade e coordenação do cuidado da atenção primária à saúde (APS). A escolha da especialidade de MFC pode ser considerada por aspectos pessoais, profissionais e do currículo médico. O objetivo deste estudo foi analisar o perfil dos médicos residentes e egressos dos programas de residência de MFC de Pernambuco e os fatores associados à escolha da especialidade. Método: Realizou-se um estudo de corte transversal envolvendo 129 médicos ingressantes nas residências de MFC de Pernambuco, de 2012 a 2017. A coleta de dados foi feita com a aplicação de questionário eletrônico do LimeSurvey em escala tipo Likert de cinco pontos, com perguntas sobre fatores que contribuíram para a escolha da especialidade. Fizeram-se análises descritivas das variáveis do estudo no Epi Info 7.0, apresentadas em distribuição de frequência e medidas de tendência central e dispersão. Avaliou-se a consistência interna dos dados pelo alfa de Cronbach. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade Pernambucana de Saúde. Resultados: Responderam ao questionário 104 médicos, com média de idade de 31 + 6,1 anos. Do total de participantes, 58,6% eram mulheres, 70% eram egressos de faculdades públicas e 66,3% escolheram a MFC após a conclusão da faculdade. Os aspectos pessoais analisados como influenciadores na escolha da especialidade de MFC foram: compromisso social, aptidão e afinidade com a especialidade, e circunstâncias da vida pessoal. Em relação às características da residência, a duração e a disponibilidade de vagas favoreceram a escolha. A maior parte dos aspectos relacionados com as caraterísticas próprias da especialidade exerceu influência positiva na escolha dos participantes. Os fatores do currículo da graduação que favoreceram a escolha da especialidade foram: influência de preceptores modelos e atividades práticas no contexto da MFC. O coeficiente alfa de Cronbach foi de 0,847. Conclusões: Entre os fatores referidos pelos residentes como influenciadores na escolha da especialidade de MFC, incluem-se os aspectos pessoais e as características do programa de residência e da especialidade. Por sua vez, os aspectos do currículo da graduação, de forma geral, não contribuíram para a essa escolha, entretanto houve concordância de que a vivência em cenário de prática de MFC e o exemplo de preceptores modelos influenciaram na decisão.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Family Medicine (FM) is considered the specialty which is most closely related to the primary health care (PHC) principles of longitudinality, comprehensiveness and coordination. The choice to specialize in FM can be related to personal, professional and curricular aspects. Objective: To analyze the profile of family medicine residents in Pernambuco and the factors associated with the choice of this specialty. Method: Cross-sectional study, involving 129 physicians entering FM residency in Pernambuco from 2012 to 2017. Data collection was performed by applying an electronic LimeSurvey questionnaire using a five-point Likert scale with questions about factors that may have contributed to their choice of the specialty. Descriptive analyses of the study variables were performed in EpiInfo® 7.0, presented in frequency distribution and measures of central tendency and dispersion. The internal consistency of the data was assessed using Alpha Cronbach. The study was approved by the Research Ethics Committee of the Faculdade Pernambucana de Saúde. Results: 104 physicians answered the questionnaire, with a mean age of 31 + 6.1 years, 58.6% women, 70% were graduates from public universities and 66.3% of the medics decided to specialize in FM after graduating. Personal aspects analysed in relation to influence on the physician’s choice to specialize in FM are social commitment, aptitude, affinity with the specialty and personal life circumstances. In terms of the characteristics of medical residency, both the duration and the availability of places in the state’s FM programs played a part in the choice. Most aspects related to the choice of following a career in FM were classed as a positive influence on that choice. Factors related to the undergraduate curriculum included model preceptors and practical activities in the family medicine setting. Cronbach’s alpha coefficient was 0.847. Conclusion: The factors cited by residents as influencing their choice to specialize in FM include personal aspects, characteristics of the residency program as well as characteristics of the specialty itself. On the other hand, aspects related to the undergraduate curriculum in general did not contribute to this choice. There was, however, agreement that practical experience in a FM setting and the example of model tutors influenced the decision.
  • Desempenhos na Área de Competência Educação em Saúde: Autoavaliação de Estudantes de Medicina ARTIGO ORIGINAL

    Santos, Frantchesca Fripp dos; Miranda, Camila Zamban de; Pertile, Karina Cenci; Barbosa, Mariane Silveira; Caldeira, Antônio Prates; Costa, Simone de Melo

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para o curso de Medicina, publicadas no ano de 2014, descrevem as competências esperadas para o egresso. O objetivo deste estudo foi investigar como os estudantes de Medicina se avaliam na área de competência educação em saúde. Método: Trata-se de um estudo transversal analítico com estudantes dos dois últimos anos de quatro escolas médicas de Minas Gerais, Brasil. Aplicou-se um questionário embasado nas DCN e fundamentado em três ações-chave: identificação de necessidades de aprendizagem individual e coletiva, promoção da construção e socialização do conhecimento e promoção do pensamento científico e crítico e apoio à produção de novos conhecimentos. Realizou-se a análise descritiva e bivariada pelo teste qui-quadrado de Pearson, com nível de significância 5%. O teste analisou desempenhos na área de educação em saúde conforme sexo, ano de graduação e autoavaliação da experiência na atenção primária à saúde (APS). Resultados: Participaram 524 estudantes, a maioria do sexo feminino (57,0%), com idade entre 21 e 25 anos (66,9%), matrícula no último ano da graduação (65,3%), com participação em liga acadêmica (55,6%) e experiência positiva no âmbito da APS (78,5%). A maioria dos estudantes considerou “ótimo” o próprio desempenho nos quesitos de aprendizado com as relações interprofissionais (69,0%), identificação das próprias necessidades de aprendizagem (63,5%) e promoção de ações de educação em saúde da mulher (66,5%). Os estudantes avaliaram que o desempenho deles é “ruim/regular” no uso de sistemas de informação (33,8%) e na adoção de metodologia científica na leitura crítica de artigos técnico-científicos (21,2%). Foram associados à “boa/ótima” experiência em APS os seguintes desempenhos: apoio à produção de novos conhecimentos, construção e socialização de conhecimentos para a comunidade e promoção de ações de educação em saúde da mulher (p < 0,05). Nesse último desempenho, destaca-se a diferença significante entre sexos: as estudantes do sexo feminino avaliaram-se melhor que os homens (p < 0,05). Conclusão: A experiência positiva na APS está associada com desempenhos de fundamental importância para atuação médica, tanto na abordagem individual como na coletiva.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: The National Curriculum Guidelines (NCGs) for the medical course, published in 2014, describe the expected competencies for graduating medical students. Objective: To investigate how medical students evaluate themselves in the area of Health Education. Method: Cross-sectional analytical study among student interns from four medical schools in Minas Gerais, Brazil. The questionnaire was based on the NGCs and substantiated by three key actions: ‘Individual and Collective Learning Needs Identification’; ‘Knowledge Construction and Socialization Promotion’; and ‘Scientific and Critical Thinking Promotion and Support for New Knowledge Production’. Descriptive and bivariate analysis was performed using Pearson’s Chi-square Test, with a significance level of 5%. The test assesssed performance in Health Education according to sex, year of undergraduate training and self-evaluation of experience in Primary Health Care (PHC). Results: A total of 524 students participated in the study, mostly females (57.0%), aged between 21 and 25 years (66.9%), in their final year of undergraduate training (65.3%), belonging to an academic league (55.6%) and having reported a positive experience in PHC (78.5%). The majority evaluate themselves as ‘very good’ at ‘learning with interprofessional relationships’ (69.0%), ‘identification of personal learning needs’ (63.5 %), and ‘promotion of education actions in Women’s Health’ (66.5%). Students evaluate themselves as ‘poor/satisfactory’ at ‘using information systems’ (33.8%), and ‘adoption of scientific methodology in critical reading of technical-scientific articles’ (21.2%). The following performances were associated to a ‘good/very good’ PHC experience: ‘support for new knowledge production’; ‘knowledge construction and socialization in the community’ and ‘promotion of education actions in Women’s Health’ (p < 0.05). For this last performance there is a significant difference in sex, where female students evaluated themselves better than male students (p < 0.05). Conclusion: A positive experience in PHC was associated with performances considered of fundamental importance to medical practice, both from an individual and collective perspective.
  • Perfil Socioeconômico e Racial de Estudantes de Medicina em uma Universidade Pública do Rio de Janeiro ORIGINAL ARTICLE

    Souza, Pedro Gomes Almeida de; Pôrto, Ana Carolina Carvalho de Araújo; Souza, Amanda de; Silva, Aluísio Gomes da; Borges, Fabiano Tonaco

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O Brasil continua sendo um país onde persistem muitas barreiras socioeconômicas e raciais para acesso à formação médica. Ainda que o Brasil seja equivocadamente considerado uma democracia racial, pessoas negras, povos indígenas e aqueles de baixo status social são os mais afetados por tais dificuldades de acesso à universidade. As faculdades de Medicina são tradicionalmente ocupadas por grupos brancos, ricos e de classe média alta, embora 54% dos brasileiros se considerem afro-brasileiros. Para lidar com esse cenário, há, desde 2013, a reserva de 50% de todas as vagas em universidades públicas para baixa classe social, povos indígenas e pessoas negras. Nosso objetivo foi descrever o perfil socioeconômico e racial dos ingressantes de uma faculdade de Medicina da Região Sudeste ao longo de cinco anos, analisando as relações entre a estrutura segregacionista brasileira e as políticas de inclusão. Método: Um estudo censitário foi realizado abrangendo todos os grupos que entraram entre 2013 e 2017 na Faculdade de Medicina de uma universidade do Estado do Rio de Janeiro. Optamos por aplicar um questionário autoadministrado que aborda aspectos sociais, raciais, econômicos e de admissão em universidades. Os dados foram analisados por uma descrição simples das frequências e por análise bivariada. Resultados: Constatou-se que o perfil majoritário é branco, com renda anual superior a US$ 8.640, proveniente de escola particular, com apoio financeiro da família, ambos os pais com ensino superior e sem diferença de gênero. Quanto à inserção de pessoas não brancas no curso, o atual sistema de cotas não aumentou significativamente a presença dessas pessoas. Conclusão: Políticas de inclusão racial subordinadas à econômica parecem ser uma barreira à entrada de não brancos na Faculdade de Medicina, o que contribui para a desigualdade racial.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: There are still many economic and racial barriers for black and indigenous peoples regarding access to a university degree in Brazil. Although Brazil is mistakenly considered a racial democracy, black people, indigenous peoples and those of low social status are the most affected by such difficulties regarding access to the university. Medical schools are traditionally attended by white, wealthy and upper-middle-class groups, although 54% of Brazilians consider themselves to be African descendants. To deal with this scenario, since 2013, 50% of all vacancies in public universities have been reserved for low social classes, indigenous peoples and African descendants. Our objective was to describe the socioeconomic and racial profile of those attending a public medical school in the state of Rio de Janeiro during a five-year period, analyzing the associations between the Brazilian segregationist structure and inclusion policies. Method: A census study was carried out, including all groups that entered the medical school at a public university in the state of Rio de Janeiro between 2013 and 2017. We applied a self-administered questionnaire that addressed social, ethnic, economic and university admission aspects. The data were analyzed by a simple description of the frequencies and by bivariate analysis. Results: The results show that the majority profile is white, with an annual income higher than US$ 8,640, coming from a private school, with financial support from the family, both parents with higher education and no gender difference. As for the inclusion of non-white people into the course, the current quota system has not significantly increased their presence. Conclusion: We conclude that racial inclusion policies subordinated to economic ones seem to be a barrier to the entry of non-whites to medical school, contributing to racial inequality.
  • Implementação da Campanha Choosing Wisely no Internato de Clínica Médica ORIGINAL ARTICLE

    Mendonça, Dilton Rodrigues; Aguiar, Carolina Villa Nova; Lins-Kusterer, Liliane; Correia, Luis Cláudio Lemos; Vieira, Adriane Veloso Andrade; Menezes, Marta Silva

    Resumo em Português:

    Resumo: Objetivo: avaliar a implementação de estratégias da campanha Choosing Wisely (CW) no internato de clínica médica. Métodos: Este estudo de intervenção envolveu professores e alunos do internato, por meio de questionários on-line na plataforma SurveyMonkey e atividades presenciais. Usando a técnica Delphi, os professores identificaram três situações desnecessárias que geralmente ocorrem na prática. As recomendações foram agrupadas por frequência e assunto e adaptadas ao formato CW. Utilizou-se uma escala Likert para classificar a opinião dos especialistas, obtendo-se a lista final de recomendações. Antes da introdução da campanha da CW, realizamos um Exame Clínico Objetivo Estruturado (OSCE). Foram comparados dois grupos de estudantes: um grupo que realizou a avaliação OSCE antes da implantação da campanha CW (110) e outro que participou de todas as ações educativas (n = 98). Implementamos a campanha da CW, desenvolvendo ações educativas usando as recomendações durante oficinas, banners e avaliação teórica, além de um Exame Clínico Objetivo Estruturado (OSCE). Resultados: após o agrupamento das recomendações, restaram 24 itens. Os especialistas selecionaram oito recomendações, abordando comportamentos desnecessários como solicitação de vários exames, uso excessivo de anti-inflamatórios não hormonais, indicação de endoscopia digestiva para pacientes mais jovens com dispepsia, excesso de radiografia de tórax em unidade de terapia intensiva, prescrição de profilaxia antibiótica por mais tempo do que o recomendado, indicação de rotina de testes alérgicos, triagem inicial inadequada para avaliação da tireóide e espirometria em pacientes assintomáticos. As ações educativas resultaram em conscientização e discussão entre os participantes, evidenciado por meio de avaliação teórica (> 95%), bem como no OSCE, onde o nível de sucessos foi maior no grupo exposto quando comparado ao grupo não exposto (p = 0,001). Conclusão: a implementação da campanha CW melhorou as habilidades clínicas dos estudantes do internato em clínica médica e permitiu discussões positivas sobre custo-consciência em saúde.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Objective: to evaluate the implementation of the Choosing Wisely (CW) campaign strategies at a medical clinic internship. Methods: This interventional study involved internship teachers and students, using online questionnaires on the SurveyMonkey platform, and face-to-face activities. Using the Delphi technique, teachers identified three unnecessary situations that commonly occur in practice. The recommendations were grouped by frequency and subject, adapted to the CW format. A Likert scale was used to classify the specialists’ opinion aiming to obtain the final list of recommendations. Before the introduction of the CW campaign, we conducted an Objective Structured Clinical Examination (OSCE). Two groups of students were compared: one group that underwent the same OSCE evaluation before the implementation of the CW campaign (110), and another group that participated of all educational actions (n = 98). The CW campaign was implemented by developing educational actions using the recommendations during workshops, banners, and theoretical evaluation, in addition to an Objective Structured Clinical Examination (OSCE). Results: after grouping the recommendations, 24 items remained. The specialists selected eight recommendations by frequency, addressing unnecessary behaviors such as requesting multiple exams, overuse of non-hormonal anti-inflammatory drugs, the indication of digestive endoscopy in younger patients with dyspepsia, excessive chest X-rays in intensive care unit, prescribing antibiotic prophylaxis for longer than recommended, routine indication of allergic tests, inadequate initial screening for thyroid assessment, and spirometry in asymptomatic patients. The educational actions resulted in a process of awareness and discussion among the participants, evidenced by theoretical evaluation (> 95%), as well as in the OSCE, where the level of successes was higher in the exposed group when compared to the nonexposed group (p = 0.001). Conclusion: the implementation of the CW campaign improved the clinical skills of medical clinic internship students and allowed positive discussions about cost-consciousness in health.
  • Análise das Percepções de Internos, Residentes e Preceptores por meio do Método de Avaliação Mini-CEX (Mini-Clinical Evaluation Exercise) ORIGINAL ARTICLE

    Marinho, Mayra Costa Baltazar; Castro, Euton Freitas de; Lauterbach, Gerhard da Paz; Nunes, Maria do Patrocínio Tenório; Augusto, Kristopherson Lustosa

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O Mini-CEX é um método de avaliação que abrange os seguintes domínios: anamnese, exame físico, aconselhamento, julgamento clínico, organização e profissionalismo. Foi testado e validado para utilização em qualquer cenário de prática. Com sua característica de fornecer feedback após uma avaliação clínica, o Mini-CEX também serve como um método de formação para guiar o desenvolvimento profissional de formandos e formadores, promovendo maior retenção de conhecimento no corpo discente e fornecendo, continuamente, informações para que o estudante perceba o quão distante está dos objetivos almejados. O objetivo deste estudo foi verificar a percepção de internos, residentes e preceptores da clínica médica (CM) sobre instrumento Mini-CEX. Método: Trata-se de um estudo qualitativo realizado pela técnica de grupo focal no período de fevereiro a julho de 2017. Participaram 20 internos, 13 residentes e cinco preceptores de CM. Constituíram-se seis grupos focais, dois com os internos, dois com residentes e dois com docentes, com perguntas semiestruturadas que identificaram as percepções, por meio da metodologia empregada, na qualidade da avaliação e eventuais repercussões para o processo de ensino-aprendizagem. Resultados: No grupo focal dos internos, o momento de feedback da avaliação foi considerado essencial para o processo de aprendizado embora a avaliação a beira-leito tenha se mostrado tensa pela presença do tutor. Os residentes relataram que a avaliação foi válida, pois os levou a revisar alguns pontos da literatura médica, além de estimular o raciocínio clinico diante de uma situação real. Os preceptores validaram a importância do feedback para os avaliados e identificaram a avaliação a beira-leito como momento de melhor análise das individualidades. Conclusão: Por meio das percepções dos grupos em foco, identificamos o Mini-CEX como ferramenta fundamental para o processo de ensino-aprendizagem de todos os envolvidos e a necessidade de estruturação do momento de feedback para um resultado mais eficaz. Durante a avaliação a beira-leito, foi identificado o estímulo ao raciocínio clínico como ponto positivo e o estranhamento, a ansiedade e a tensão como pontos negativos.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Mini-CEX is an evaluation method that covers the domains: anamnesis, physical examination, counseling, clinical judgment, organization, and professionalism. It has been tested and validated for use in any practice scenario. With its characteristic of providing feedback after a clinical assessment, the Mini-CEX can also be used as a training method to guide the professional development of students and teachers, promoting greater knowledge retention in undergraduate students and continuously providing information for students to realize how far they are from the desired objectives. The aim of this study was to assess the perception of interns, residents, and preceptors of Internal Medicine (IM) regarding the Mini-CEX instrument. Methods: Qualitative study, using the focus group technique, carried out from February to July 2017. Twenty interns, thirteen residents, and five IM preceptors participated. It consisted of six focus groups, two with interns, two with residents, and two with preceptors, using semi-structured questions that identified perceptions, through the methodology used, on the quality of the evaluation and possible repercussions for the teaching-learning process. Results: In the focus group of interns, the feedback moment of the assessment was considered essential for the learning process, although the bedside assessment was tense due to the preceptor’s presence. The residents reported that the evaluation was a valid one, as it led them to review some points in the medical literature, in addition to stimulating clinical reasoning in the face of a real situation. The preceptors validated the importance of the feedback for those who were evaluated and identified the bedside assessment as a moment for the best analysis of the individualities. Conclusion: Through the perceptions of the groups in focus, the mini-CEX was identified as a fundamental instrument for the teaching and learning process of all those involved and the need to structure the moment of feedback aiming to attain a more effective result. During the bedside assessment, the stimulus to clinical reasoning was identified as a positive point and the strangeness, anxiety, and tension as negative points.
  • Avaliação do Perfil dos Professores de Medicina de uma Universidade do Interior de Minas Gerais ARTIGO ORIGINAL

    Leite, Vinícius Torres; Vazzi, Paulo Ítalo Faria Lima; Moura, Marcos Barbosa Rodrigues de; Pereira, Larissa Santos; Caldas, Theóphilo de Paiva; Lima, Eduardo Henrique de Matos

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O ensino médico vem passando por grande reformulação nas últimas décadas, e um dos pontos considerados fundamentais nessa mudança é a atuação docente. Pesquisas indicam que os professores de Medicina usualmente possuem pouca formação didático-pedagógica, dividem-se entre as profissões de médico e professor, colocada em segundo plano, privilegiam a pesquisa em relação ao ensino e são resistentes a mudanças no seu modo de atuação. Segundo a literatura, essas características repercutiriam diretamente no ensino oferecido. Método: A presente pesquisa buscou analisar como características dos professores de Medicina de uma universidade no interior de Minas Gerais repercutem na forma como os alunos avaliam o ensino recebido. Para tanto, levantou-se o perfil dos professores a partir de documentação e entrevista semiestruturada. Posteriormente, os alunos avaliaram os professores participantes por meio de um questionário autoaplicado. Confrontaram-se avaliação e perfil, e utilizaram-se testes estatísticos para a análise da associação entre características e avaliação feita. Participaram 57 professores (83,8% dos elegíveis) e 203 alunos (84,5% dos elegíveis). Resultados: Foi identificado perfil de professores semelhante ao da literatura, com a maioria em dedicação parcial à universidade, renda proporcionada principalmente por outra profissão e preparação didática constituindo parte reduzida da formação. A comparação entre os grupos de características dos professores, com base nas avaliações dos alunos, por sua vez, mostrou resultados que rompem com a bibliografia. Os dados mostraram, com relevância estatística, que no curso professores mais jovens, com menos tempo de graduação, de atuação docente e de experiência em outra profissão, sem mestrado e que possuem como motivação para lecionar prazer e aptidão são mais bem avaliados. Maior tempo de preparação didática, cursos preparatórios, maior dedicação semanal ao ensino e maior identificação com a docência, entre outros aspectos, não se associam à melhor avaliação de forma estatisticamente significativa. Conclusões: A pior avaliação do docente mais experiente, associada a questões como conflitos geracionais e dificuldades de adaptação a novos currículos, mostra a importância de uma preparação docente contínua e reforçada com o tempo. Além disso, o melhor desempenho de professores mais satisfeitos demonstra a importância da valorização da carreira docente. Por fim, constata-se que quantidade de formação não é suficiente sem qualidade nessa formação.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Medical education has undergone a major overhaul over the last decades and one significant change is related to teaching performance. Research indicates that the medical faculty typically has little training in didactics, split their time between clinical practice and teaching, award less priority to the latter, privileging research to the detriment of teaching, and resist changing their ways. According to the literature, such traits and attitudes would directly affect educational quality. Method: This study assessed how traits and attitudes of the medical faculty at a university in Minas Gerais impact student assessment of the education they receive. For that purpose, teachers were profiled through semi-structured interviews and analysis of relevant documentation. Subsequently, students assessed their teachers’ performance through a self-applied questionnaire. Performance and profiles were then compared, and statistical tests were used to analyze the associations between teachers’ traits and performance assessment results. Overall, 57 faculty members (83.8% of those eligible) and 203 students (84.5% of those eligible) participated in this study. Results: A faculty profile similar to that found in the literature was identified, with a majority of teachers dedicating only part of their time to the university, and most of their income coming from another occupation and teacher training amounting to a small portion of their overall professional training. The analyses of relationships between groups of traits and teaching performance, however, contradicted the literature. The data showed, with statistical relevance, that younger teachers and those who graduated a shorter time ago, who are less experienced in teaching or have other occupations, who lack a master’s degree and whose motivation to teach comes from satisfaction and vocation are better evaluated. Longer didactical training, undergoing training courses, longer weekly dedication and greater identification with the teaching profession are not significantly associated with better evaluation. Conclusion: The worse evaluation of the most experienced faculty, associated with issues such as generational conflicts and difficulties adapting to new curricula, shows the importance of continuous faculty training and updating. Additionally, the better performance of more satisfied teachers, demonstrates the importance of valuing the teaching career and raising its status. Finally, it seems that more teacher training is not enough in itself and more attention must be paid to the training quality.
  • Fatores Associados à Suscetibilidade para o Desenvolvimento de Transtornos Alimentares em Estudantes Internos de um Curso de Medicina ARTIGO ORIGINAL

    Aidar, Mariana de Oliveira Inocente; Freitas, Rafaela Borges de; Bastos, Gabriela Cunha Fialho Cantarelli; Brasileiro, Aline Alves; Silva, Antonio Márcio Teodoro Cordeiro; Almeida, Rogério José de

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O objetivo deste estudo foi analisar os fatores associados à suscetibilidade para o desenvolvimento de transtornos alimentares em estudantes internos de um curso de Medicina. Método: Trata-se de um estudo transversal analítico com abordagem quantitativa, em que se aplicaram dois questionários: um com dados sociodemográficos e outro com o Teste de Atitudes Alimentares (EAT-26), que é um instrumento psicométrico para triar transtornos alimentares. Resultados: Foram incluídos na pesquisa 162 estudantes internos de Medicina. No gênero feminino, identificaram-se maiores escores no EAT-26 na escala da dieta (D) (p = 0,0079), que evidencia uma recusa patológica a comidas hipercalóricas e uma excessiva preocupação com a forma física, na escala de bulimia e preocupação com os alimentos (B) (p = 0,0014) e no escore geral da EAT-26 (p = 0,0005). Maior escore na escala D foi encontrado em estudantes que trabalham e estudam (p = 0,0278) e naqueles com sobrepeso (p = 0,0297). Aqueles que referiam estar seguindo alguma dieta tiveram maiores escores na escala D (p < 0,0001), na escala B (p = 0,0300) e no escore geral (p = 0,0001). Os que afirmaram ter preocupação quanto à quantidade de calorias obtiveram maiores escore na escala D (p < 0,0001), na escala B (p = 0,0010) e no escore geral (p < 0,0001). Os que referiram ter medo de engordar tiveram maiores escores na escala D (p < 0,0001), na escala B (p = 0,0001) e no escore geral (p < 0,0001), e, em contrapartida, aqueles que não tinham medo de engordar obtiveram maior escore na escala controle oral (CO) (p = 0,0149), que reflete o autocontrole associado aos alimentos e reconhece influências sociais do meio em que o indivíduo está inserido em relação à ingesta alimentar, assim como aqueles abaixo do peso (p = 0,0042). Os ansiosos obtiveram maiores escores na escala D (p = 0,0356), na escala B (p = 0,0266) e no escore geral (p = 0,0310). Conclusões: Ficaram evidenciados maiores escores na escala EAT-26 em estudantes internos de Medicina que são do sexo feminino, que trabalham e estudam e naqueles com sobrepeso. Além disso, seguir alguma dieta, possuir preocupação quanto à quantidade de calorias, ter medo de engordar, ser ansioso, triste e insatisfeito com próprio corpo também foram fatores associados com maiores escores. Todos esses fatores podem ser relacionados com um maior risco de esses estudantes desenvolverem distúrbios alimentares, como a anorexia e a bulimia.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: To analyze factors associated with susceptibility to the development of eating disorders in medical interns. Methods: This is an analytical cross-sectional study with a quantitative approach. Two questionnaires were applied, one with sociodemographic data and the other with the Eating Attitudes Test (EAT-26), which is a psychometric instrument to screen eating disorders. Results: A total of 162 internal students were included in the research. Higher EAT-26 scores were found in females on the diet scale (D) (p=0.0079), which shows a pathological refusal to hypercaloric foods and an excessive concern with fitness, bulimia scale and concern with food (B) (p=0.0014) and overall EAT-26 score (p=0.0005). Higher D-scores were found in working and studying students (p=0.0278) and overweight students (p=0.0297). Those who reported being on some form of diet had higher scores on the D scale (p<0.0001), the B scale (p=0.0300) and the overall score (p=0.0001). Those who said they were concerned about the number of calories had higher scores on the D scale (p<0.0001), B scale (p=0.0010) and overall score (p<0.0001). Those who reported being afraid of getting fat scored higher on the D scale (p<0.0001), B scale (p=0.0001), overall score (p<0.0001), whereas those not afraid of getting fat scored higher on the oral control (CO) scale (p=0.0149), which reflects self-control associated with food and recognizes social influences of the individual’s environment in relation to food intake, as well as those underweight (p=0.0042). Anxiety patients obtained higher scores on the D scale (p=0.0356), B scale (p=0.0266) and overall score (p=0.0310). Conclusion: Higher scores on the EAT-26 scale were evidenced in medical interns who are female, who work and study, and in overweight patients. Furthermore, following a specific diet, being concerned about the amount of calories consumed, being afraid of getting fat, being anxious, sad and dissatisfied with one’s own body were also factors associated with higher scores. All of these factors can be related to an increased risk of these students developing eating disorders, such as anorexia and bulimia.
  • Uma Estratégia de Redução do Estresse entre Estudantes Médicos ARTIGO ORIGINAL

    Catarucci, Fernanda Martin; Rossi, Talita Cardoso; Bruno, Vânia Hercília Talarico; Beteto, Ivan da Silva; Habimorad, Pedro Henrique Leonetti; Andrews, Madeline Susan; Burdmann, Emmanuel A.; Patrício, Karina Pavão

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O curso de graduação em Medicina expõe os alunos a uma quantidade significativa de estresse, o que pode gerar consequências negativas para o aprendizado, a motivação e o contato com os pacientes. Algumas técnicas e práticas têm sido indicadas para auxiliar no manejo e na redução do estresse, como é o caso da meditação que já é utilizada em escolas médicas. Este estudo avaliou os efeitos de um programa de redução do estresse e desenvolvimento da empatia em medicina (Redemed©) sobre a percepção de estresse de seus participantes e possíveis grupos de acolhimento. Método: Este é um ensaio quase experimental cuja amostra foi composta por 40 estudantes que compuseram o grupo controle e 47 alunos de um grupo de intervenção que participaram de oito encontros semanais de duas horas divididas em: 30 minutos de teoria sobre como o estresse influencia o estado de saúde, 60 minutos de vivências interpessoais e 30 minutos de ioga e meditação. Ambos os grupos, antes e depois do curso, responderam ao questionário sobre estresse percebido (PSS - Escala de Cohen). Resultados: Após os oito encontros semanais, o grupo intervenção apresentou melhora significativa (p = 0,030), demonstrando que a participação no curso Redemed© mostrou-se eficaz no controle do estresse entre os estudantes do presente estudo. Os alunos também foram questionados quanto à autopercepção sobre se sentirem ou não apoiados por outros grupos. Os três grupos de acolhimentos mais citados entre os alunos, tanto do grupo ativo como do controle, foram: amigos/família, centro acadêmico e a equipe do esporte que praticavam. Após as oito semanas, enquanto o grupo controle permaneceu com as mesmas indicações, no grupo intervenção foram citados: amigos/família, Redemed© e centro acadêmico. Conclusão: Este estudo mostrou que o programa Redemed©, com encontros durante oito semanas utilizando a meditação como sua técnica central, foi eficaz na redução do estresse percebido pelos estudantes de Medicina que participaram dessa intervenção quando comparado ao grupo controle (p = 0,000). As práticas integrativas e complementares podem ser uma ferramenta importante dentro das escolas médicas, de modo a levar os estudantes a lidar melhor com o estresse a que estão expostos ao longo do curso.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Undergraduate medical students experience a considerable amount of stress, which can negatively affect their learning, motivation and contact with patients. Some techniques and practices for stress management and reduction, such as meditation, have been recommended and used in medical schools. This study evaluated the effects of a Stress Reduction and Empathy Development Program in Medicine (REDEMED©) on participants’ perception of stress and possible support groups. Method: This is a quasi-experimental trial whose sample comprised 40 students in a control group and 47 students in an intervention group. The students in the intervention group participated in eight weekly sessions lasting two hours each. The course hours were divided into: 30 minutes of theoretical content on how stress influences one’s health, 60 minutes of interpersonal practices and 30 minutes of yoga and meditation practices. Both groups, before and after the program, answered the questionnaire on perceived stress (PSS - Cohen’s scale). Results: After the eight weekly meetings, the intervention group showed significant improvement (p = 0.030), showing that participation in the REDEMED© course proved to be effective in stress control among the students in the study. The students were also questioned about their self-perception of whether or not they felt they were supported by any other groups. The three support groups most often referred to by the students, in both the intervention and the control group, were: friends/family, the Students’ Union and their sports team. After eight weeks, while the control group still referred to the same groups, the intervention group mentioned friends/family, REDEMED© and the Students’ Union. Conclusion: This study showed that the REDEMED© program, meeting for eight weeks using meditation as its central technique, was effective in reducing the stress perceived by medical students who participated in this intervention when compared to the control group (p = 0,000). Integrative and complementary practices can be an important tool within medical schools, empowering students to better cope with the stress they are exposed to throughout the course.
  • A População Transgênero sob o Olhar da Bioética: Um Panorama dos Currículos de Graduação e dos Cursos de Bioética das Escolas Médicas do Estado de São Paulo ORIGINAL ARTICLE

    Barbosa, Matheus Ghossain; Silva, Magnus Régios Dias da; Seródio, Aluísio Marçal de Barros

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: Pessoas transgênero constituem um grupo sujeito a situações de discriminação e adoecimento por causa da marginalização social e da falta de acesso a direitos básicos, em especial a saúde. Sofrem com a inadequação do atendimento voltado a demandas básicas de saúde, com a alta incidência de doenças e com o não atendimento de demandas específicas. A vulnerabilidade dessas pessoas atinge um nível preocupante em razão das atitudes desrespeitosas que as levam a não buscar ajuda. Como uma educação médica voltada às necessidades das populações marginalizadas constitui a base para a melhoria do acesso e para uma assistência adequada, é essencial que as escolas médicas definam conteúdos e estratégias pedagógicas destinados a grupos vulnerados. Com base nisso, este estudo se propôs a investigar e discutir como (e se) a temática da assistência à população trans está inserida no currículo de graduação das escolas médicas do estado de São Paulo. Método: Trata-se de um estudo exploratório, de natureza descritiva-analítico, realizado com base em dados coletados de escolas médicas paulistas. O estudo foi conduzido em duas etapas: 1. fez-se uma análise documental sobre a inserção da temática trans nos currículos de graduação e 2. adotou-se um questionário destinado aos professores dos cursos de Bioética com o objetivo de avaliar como e se o tema é abordado como conteúdo programático. Os dados obtidos na primeira etapa foram analisados quantitativamente e são apresentados por meio das frequências relativas das características avaliadas. Na segunda fase, examinaram-se os dados por meio do método estatístico descritivo (perguntas fechadas) e da análise de conteúdo (perguntas abertas). Resultados: Identificamos menções à temática trans nos currículos formais de apenas duas das 32 escolas médicas pesquisadas, com um total de cinco citações referentes ao tema. Na análise dos questionários aplicados aos docentes da área de bioética, encontramos relatos de discussões sobre esse tema em 5/12 (42%) das escolas. Apesar de todos os participantes afirmarem que a temática é importante, somente 7/12 (58%) se consideram preparados para abordá-la. Conclusões: Postula-se que a evidente falta de conteúdo formativo voltado à temática trans nas escolas médicas pode dificultar a busca por um atendimento mais digno dentro da rede de atenção à saúde e o combate à transfobia. A partir de subsídios encontrados no referencial teórico da bioética de proteção, acreditamos que os currículos médicos e os cursos de Bioética deveriam criar espaços para abordar essa temática, empregando diferentes práticas pedagógicas efetivamente transformadoras e respeitando a diversidade de gênero em todos os ambientes.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Transgender people are subject to discrimination and illness due to social marginalization and lack of access to basic rights, especially health care. They suffer from the inadequacy of care directed to basic health demands, high incidence of diseases and non-fulfillment of specific demands. The vulnerability of these people reaches a disturbing level due to disrespectful attitudes that lead trans people to avoid seeking help. Understanding that medical education geared to the needs of marginalized populations is the basis for universal access and adequate care, it is essential that medical schools define contents and pedagogical strategies for vulnerable groups. The aim of this study was to investigate and discuss how (and if) the topic of transgender people healthcare is contemplated in the undergraduate curriculum of medical schools in the state of São Paulo. Method: Exploratory, descriptive-analytical study based on data collected from medical schools in São Paulo, conducted in two stages: 1st, documentary research on the inclusion of the topic of trans people health in the undergraduate curricula; 2nd, research with teachers of the Bioethics courses, where a questionnaire was applied to evaluate how and if the topic is approached as a programmatic content. The data obtained in the 1st stage were analyzed quantitatively and are presented as relative frequencies of the evaluated characteristics, while those of the 2nd stage were analyzed through the descriptive statistical method (closed questions) and content analysis (open questions). Results: We identified references to the trans topic in the formal curricula of only 2 of the 32 surveyed medical schools, with a total of 5 citations on the topic. Analyzing the questionnaires applied to teachers in the area of bioethics, we found reports of discussions on this topic in 5/12 (42%) schools. Although all participants consider the topic to be important, only 7/12 (58%) consider themselves prepared to address it. Conclusion: It is postulated that the evident lack of content aimed at trans health in medical schools can make it difficult to reduce transphobia and develop more dignified services within the healthcare network for these people. Based on the subsidies found in the Bioethics of Protection theoretical framework, we believe the medical curricula and Bioethics courses should create spaces to address this issue, using different and effectively transformative pedagogical practices, and respecting gender identity in all environments.
  • Carga Horária Total e de Pediatria de Escolas Médicas Brasileiras ORIGINAL ARTICLE

    Campos, Judah Benhur; Grosseman, Suely

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para os Cursos de Graduação em Medicina recomendam uma carga horária (CH) curricular mínima de 7.200 horas, e a Sociedade Brasileira de Pediatria preconiza que 10% dessa CH seja alocada na pediatria. O objetivo deste estudo foi analisar a CH curricular total e de pediatria de escolas médicas brasileiras. Método: Trata-se de um estudo transversal, descritivo. Das 294 escolas médicas existentes no Brasil em outubro de 2017, foram incluídas no estudo as que continham em sua página oficial da internet a matriz/grade curricular ou o projeto político-pedagógico do curso e a CH de pediatria. As variáveis incluíram o CH curricular do curso e de pediatria e o ano de inserção de pediatria no currículo. Os dados foram analisados por estatística descritiva. As variáveis categóricas foram analisadas com frequência relativa e absoluta e as contínuas com média e Desvio-Padrão (DP) e mediana e percentil 25-75 (P25-75). Resultados: Foram incluídas 151 do total de escolas (51,4% do total). A mediana da CH dos cursos foi de 7.975 horas (P25-75 = 7.440-8.550), com média de 4.665,7 horas (DP = 593,8) antes do internato e de 3.388,1 horas (DP = 430,3) no internato. A média da CH total de pediatria foi de 778,2 (181,6), e a mediana da CH antes do internato foi de 220 horas (P25-75 = 160-300) e no internato de 514 (P25-75 = 405-640). A mediana da CH prática de pediatria antes do internato (n = 70) foi de 123 (DP = 90-180). A média da proporção entre CH total de pediatria e do curso foi de 9,7% (DP = 2,2), tendo 68,5% das escolas uma CH acima de 720 horas. A mediana da proporção entre a CH no internato de pediatria e a do curso foi de 16% (P25-75 = 12,5-18,9), com limites entre 6% e 26%. A mediana da proporção entre a CH antes do internato de pediatria e a do curso foi de 4,7% (P25-75 = 3,6-6,5), com limites entre 1% e 13%. Duas escolas iniciam o ensino da pediatria no primeiro ano do curso (1,3%), 19 no segundo (12,6%), 63 no terceiro (41,7%) e 67 no quarto ano (44,4%). Conclusões: As escolas cumprem a CH mínima do currículo estabelecida pelas DCN, tendendo a excedê-la, e nem todas cumprem a CH de 720 horas de pediatria recomendada pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Brazilian guidelines for undergraduate medical courses recommend a minimum curricular course load (CL) of 7,200 hours and the Brazilian Society of Pediatrics recommends that 10% of this load be allocated to pediatrics. The aim of this study was to analyze the total course load and the course load in pediatrics of Brazilian medical schools’ curriculum. Method: Cross-sectional and descriptive study. Of the 294 existing medical schools in Brazil in October 2017, those with curricular matrix/grid or political-pedagogical project of the course and pediatrics CL available on their homepage were included. The studied variables included total curricular CL, pediatrics CL and year of inclusion of pediatrics in the curriculum. Data were analyzed using descriptive statistics, calculating absolute and relative frequencies for categorical variables and mean and Standard Deviation (SD) and median and 25-75 percentile (P25-75) for continuous variables. Results: One hundred and fifty-one medical schools were included (51.4% of the total). The curriculum CL median was 7,975 hours (P25-75=7,440-8,550), with a mean of 4,665.7 hours (SD=593.8) before clerkship and 3,388.1 hours (SD=430.3) during clerkship. The mean pediatrics’ CL was 778.2 hours (SD=180.8), with a median CL of 220 hours (P25-75=160-300) before clerkship and 514 (P25-75= 405-640) during clerkship. The median pediatrics practice course load before clerkship (n=70) was 123 (SD=90-180). The mean of the proportion between general pediatrics and the curricular CL was 9.7% (SD= 2,2), and 68.5% schools had a CL >720 hours. The median of the proportion between the CL in pediatrics clerkship and in the course was 16% (P25-75=12.5-18.9), ranging from 6% to 26%. The median of the proportion between pediatrics CL before pediatrics clerkship and course load was 4.7% (P25-75=3.6-6.5), ranging from 1% to 13%. Two schools started the teaching of pediatrics in the first year (1,3%), 19 in the second (12.6%), 63 in the third (41.7%) e 67 in the fourth year of the medical course (44.4%). Conclusions: The schools meet the minimum curricular course load established by the national guidelines, tending to exceed it, and not all of them meet the minimum pediatrics course load requirement of 720 hours recommended by the Brazilian Society of Pediatrics.
  • Prevalência de Sintomas Depressivos em Estudantes de Medicina com Currículo de Aprendizagem Baseada em Problemas ARTIGO ORIGINAL

    Maia, Heros Aureliano Antunes da Silva; Assunção, Ana Carolina Silva; Silva, Caroline Santos; Santos, Juliana Laranjeira Pereira dos; Menezes, Carla Jamile Jabar; Bessa, José de

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A depressão é um distúrbio heterogêneo, com etiologia, evolução e resposta terapêutica variadas, com relatos de aumento crescente na incidência entre os jovens. Dois objetivos nortearam este estudo: estimar a prevalência de sintomas depressivos entre acadêmicos de Medicina de uma universidade com métodos ativos de aprendizagem e investigar possíveis associações com variáveis sociodemográficas. Métodos: Trata-se de um estudo transversal descritivo. Aplicaram-se um questionário eletrônico com variáveis sociodemográficas e o Inventário de Depressão de Beck (BDI). Foram realizadas análise univariada e regressão logística multivariada. Resultados: Avaliamos 173 discentes, com discreta predominância de rapazes (n = 93, 53,7%) e idade mediana de 24 (22-26) anos. Verificaram-se sintomas depressivos em 46,2% (n = 80), dos quais 33,5% (n = 58) leves, 9,2% (n = 16) moderados e 3,4% (n = 6) graves. Sexo feminino (p = 0,032) e insatisfação com a Aprendizagem Baseada em Problemas - ABP (p < 0,001) se associaram de forma independente aos sintomas depressivos em regressão logística multivariada, com aumento na chance de sintomas depressivos de 2 e 3,5 vezes, respectivamente. Os fatores morar com os pais, ter outros diagnósticos psiquiátricos e praticar regularmente atividade física se associaram aos sintomas depressivos apenas em análise univariada. Conclusão: Os acadêmicos de Medicina apresentaram significativa prevalência de sintomas depressivos. A associação dos sintomas depressivos com insatisfação com o método ABP pode fomentar reflexões sobre a conduta pedagógica e as deficiências na aplicação da metodologia ABP na referida universidade. Ressaltamos a importância da implementação da atividade física no projeto pedagógico e curricular do curso de Medicina como estratégia para a promoção de saúde mental e física nos discentes.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Depression is a heterogenous disorder of diverse etiology, progression and therapeutic response. Increasing incidence of depression in young adulthood has been reported. The purpose of this paper was to evaluate the prevalence of depressive symptoms among medical students at a university which adopts an active learning method and to investigate possible associations to sociodemographic variables. Methods: Descriptive, cross-sectional study. An electronic questionnaire was applied to evaluate sociodemographic variables and depressive symptoms using the Beck Depression Inventory. Univariate and multivariate logistic regression analysis were performed. Results: A slight male predominance (n=93, 53.7%) was found among 173 students, along with an average median age of 24 [22-26]. Depressive symptoms were identified in 46.2% of the students (n=80): 33.5% (n=58) with mild symptoms, 9.2% (n=16) moderate, and 3.4% (n=6) severe. Female gender (p=0.032) and dissatisfaction with the active learning method (p<0.001) were independently associated with depressive symptoms in a multivariate logistic regression analysis with the chance of suffering from depressive symptoms increasing 2 and 3.5 fold, respectively. Living with one’s parents, additional psychiatric diagnosis, and lack of regular physical exercise were associated with depressive symptoms only in univariate analysis. Conclusion: The medical students presented a high prevalence rate of depressive symptons. Association between dissatisfaction with the active learning method and depressive symptoms may offer some insight regarding the pedagogical practices and deficiencies in the application of this method at the university in question. It is important to implement strategies that incorporate physical exercise into the pedagogical and curricular project to promote the mental and physical health of the students.
  • Corpos Anatomizados e Educação Médica: Identificando Intersecções entre Cultura, Formação e Prática Médica ARTIGO ORIGINAL

    Rodrigues, Vinícius Santos; Batista, Cássia Beatriz; Vecchia, Marcelo Dalla

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A prática médica é atravessada por um conjunto de ideais, valores e comportamentos compartilhados e transmitidos entre as especialidades e os diferentes perfis profissionais, exercendo influência significativa durante a graduação, especialmente por um currículo oculto. Método: Buscou-se levantar e caracterizar intersecções entre cultura, formação e prática médica no processo de anatomização do corpo. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com professores médicos de um curso de Medicina. Resultado: São apresentadas as discussões geradas a partir da análise do corpo anatomizado como habitus e suas repercussões para o entendimento da influência da cultura médica na formação. Conclusão: A anatomização do corpo humano está diretamente ligada ao modelo de saúde biologicista, e a perspectiva da saúde integral depende de mudanças na forma de se encarar e ensinar o corpo.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Medical practice is driven by a set of ideals, values, and behaviours shared and transmitted between specialties and different professional profiles, exerting significant influence during undergraduate training, especially by mean of a hidden curriculum. Method: We sought to identify and characterize the interactions between culture, medical education and medical practice in the process of body-anatomization. Semi-structured interviews were conducted with teachers at a medical school. Result: We discuss the analysis of the anatomized body as habitus, and its repercussions for the understanding of the influence of medical culture during undergraduate medical training. Conclusion: The anatomization of the human body is directly linked to the biological health model and the integral approach to health depends on changes in how we understand and teach students about the body.
  • Estratégias Didáticas Ativas de Ensino-Aprendizagem para Preceptores de Medicina de Família e Comunidade no EURACT ORIGINAL ARTICLE

    Barreiros, Bárbara Cristina; Diercks, Margarita Silva; Biffi, Maríndia; Fajardo, Ananyr Porto

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: O médico de família e comunidade (MFC) tem como campo de atuação a atenção primária à saúde, sendo preparado para atuar no cuidado das pessoas, famílias e comunidade. Sua formação ideal deve acontecer em Programas de Residência Médica em Medicina de Família e Comunidade (PRMMFC), campo de ensino em serviço em que um preceptor, também MFC, acompanha o residente. O preceptor pedagogicamente bem formado consegue atuar no processo de aprendizado do residente para que desenvolva as competências necessárias para seu futuro exercício profissional. As metodologias ativas de aprendizagem (MAP) ancoram-se na pedagogia crítica e trabalham com problemas para o desenvolvimento dos processos de ensino-aprendizagem. Partem da prática e, a partir dela, buscam a teoria; com isso, preparam o residente para tomar consciência de seu mundo e atuar na transformação dele. As MAP são concretizadas nos processos pedagógicos pelas estratégias didáticas ativas de ensino-aprendizagem, recursos pedagógicos efetivos utilizados pelos preceptores no cotidiano de formação do residente. São divididas em dois grupos: dinâmicas ativas de ensino-aprendizagem e ações para o ensino ativo. Este artigo relata os efeitos de um curso de formação para preceptores de MFC no uso de dinâmicas ativas de ensino e ações para o ensino ativo no processo de preceptoria em PRMMFC. Método: Pesquisa qualitativa, do tipo estudo de caso comparativo mediante o uso de formulário sociodemográfico, entrevista individual semiestruturada e diário de campo. As informações produzidas foram examinadas por análise de discurso, tendo participado dez preceptores de quatro PRMMFC do estado de São Paulo, Brasil (metade realizou o curso Leonardo EURACT nível 1 e metade não). Resultados: Os preceptores que fizeram o curso demonstraram maior conhecimento e uso de utilização de estratégias didáticas de aprendizagem, especificamente dinâmicas ativas de ensino-aprendizagem e ações para o ensino ativo. Conclusões: Foi possível perceber que a tecnologia de ensino Leonardo EURACT nível 1 modifica a prática de ensino dos preceptores que o cursaram, pois demonstram maior uso e domínio das ferramentas na sua prática pedagógica. Além disso, o curso possibilita maior compreensão das dinâmicas e ações apresentadas e, assim, promove o aprendizado dos residentes de forma crítica e estimulando a autonomia.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: The Family Doctor (FD), whose scope of action is Primary Health Care (PHC), is a professional trained to care for people, their families, and communities. The best FD training should be performed through Medical Residency Programs in Family Medicine (MRPFM), an in-service teaching field where a preceptor, also a FD, accompanies the resident. A pedagogically well-trained preceptor can work in the learning process of young doctors, who in turn are able to develop the necessary skills to work as a future FD. Active Learning Methodologies (ALM) are based on critical pedagogy and work with problems for the development of teaching-learning processes. They seek the theory from the practice, thus preparing the students to become aware of their environment and act aiming at its transformation. ALMs are achieved in the pedagogical processes through Active Teaching-Learning Strategies (ATLS), which are effective pedagogical resources used by the preceptors in the residents’ daily training. They can be divided into two groups: Active Teaching-Learning Dynamics and Active Teaching Actions. This article reports on the effects of a training course for Family Medicine preceptors on the use of Active Teaching-Learning Dynamics and Active Teaching Actions. Method: Qualitative comparative case study using sociodemographic survey, individual semi structured interview and field notes. The information was examined under content analysis, having participated ten preceptors from four MRPFM from the state of São Paulo, Brazil (half having attended the Leonardo EURACT level 1 course and half not having done so). Results: Those preceptors who attended the course expressed having more knowledge and use of Active Teaching-Learning Strategies, specifically of Active Teaching-Learning Dynamics and Active Teaching Actions. Conclusions: It was observed that the Leonardo EURACT level 1 teaching technology modifies the teaching practice of those who took the course, as they demonstrate a greater use and domain of its tools in their pedagogical practice. Moreover, the course allows a greater understanding of the presented dynamics and activities, thus promoting the residents’ critical learning and encouraging autonomy.
  • Estratégias de Ensino-Aprendizagem para Formação Humanista, Crítica, Reflexiva e Ética na Graduação Médica: Revisão Sistemática REVISÃO

    Moura, Ananda Cristine Amador de; Mariano, Lucas de Ávila; Gottems, Leila Bernarda Donato; Bolognani, Cláudia Vicari; Fernandes, Sérgio Eduardo Soares; Bittencourt, Roberto José

    Resumo em Português:

    Resumo: Introdução: A medicina é uma área do conhecimento diretamente associada às relações humanas e influenciada por elas. A prática médica requer mais que conhecimento técnico, necessita de habilidades que possibilitem a aplicação adequada da técnica para a recuperação e promoção da saúde de um indivíduo. As Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) atuais trazem em seu texto as competências necessárias à formação médica, que vão além do campo técnico. As DCN orientam que a graduação médica deve ser pautada em uma formação generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Nesse contexto, buscou-se com esta revisão identificar estratégias de ensino-aprendizagem utilizadas para o alcance das referidas competências psicossociais na graduação médica. Método: Foi realizada revisão sistemática, em que se pesquisaram artigos que apresentassem intervenções e/ou métodos pedagógicos para a aquisição, durante a graduação médica, de competências necessárias a uma formação médica generalista, humanista, crítica, reflexiva e ética. Os estudos selecionados foram sintetizados e analisados com base nos critérios do sistema Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (Grade). Resultados: A estratégia de busca inicialmente resultou em 98 artigos elegíveis, dos quais, após segunda avaliação, 11 artigos primários foram selecionados. Inicialmente, agruparam-se os artigos conforme a competência segundo a qual foram pesquisados e reorganizados de acordo com o critério conceitual em que se enquadraram. Assim, dos 11 artigos selecionados com a estratégia de busca, seis foram classificados como formação humanista, dois como formação crítica, dois como formação reflexiva e um como formação ética. Conclusões: Os estudos encontrados mostram que dimensões importantes da formação médica, muitas vezes deixadas de lado durante a graduação, podem ser abordadas de maneira sistemática e com métodos pedagógicos já validados na literatura, pois trata-se de métodos de ensino-aprendizagem efetivos que agregam habilidades fundamentais ao graduando em Medicina, retirando do currículo oculto competências fundamentais ao médico em formação. Com a passagem dessas competências para um currículo formal, torna-se possível avaliá-las e melhorar a qualidade da formação médica. Dessa forma, essas estratégias de ensino-aprendizagem incorporam atitudes que podem significar o sucesso ou insucesso profissional médico.

    Resumo em Inglês:

    Abstract: Introduction: Medicine is an area of knowledge directly related to and influenced by human relationships. Medical practice requires not only technical knowledge but also skills that enable one to properly apply techniques for the recovery and promotion of an individual’s health. The current Brazilian National Curricular Guidelines (DCN) outline the essential skills for medical training, which extend beyond the technical field. According to the DCN, undergraduate medical training should be based on a generalist, humanistic, critical, reflective and ethical formation. In view of this, the aim of this review was to identify teaching-learning strategies used to achieve these psychosocial competences in undergraduate medical training. Method: A systematic review of articles that present pedagogical interventions and/or methods used to teach the necessary competences for a generalist, humanistic, critical, reflexive and ethical medical training at undergraduate level. The selected studies were synthesized and analysed using the Grading of Recommendations Assessment, Development and Evaluation (GRADE) system. Results: The research strategy initially resulted in 98 eligible articles, of which, after a second evaluation, 11 primary articles were selected. The articles were initially grouped by the competence in relation to which they were researched and reorganized according to the conceptual criterion by which they were framed. Thus, of the 11 articles selected with the search strategy, six articles were classified as addressing humanist formation, two critical formation, two reflective formation and one ethical formation. Conclusion: The studies reviewed show that important dimensions of medical education, often disregarded during undergraduate training, can be approached in a systematic way and with validated pedagogical methods. These effective teaching-learning methods provide the medical student with fundamental skills that may have previously been part of the hidden curriculum. Incorporating such competencies into a formal curriculum allows for their evaluation and for improvement in the quality of medical training, thus leading to the adoption of attitudes key to success in the medical profession.
  • Implementation of the Brazilian National Network for Practices and Research with Progress Testing - BRAZ-NPT LETTER TO THE EDITOR

    Hamamoto, Pedro Tadao; Bicudo, Angélica Maria
  • SHOULD MEDICAL STUDENTS KEEP THEIR CLINICAL ACTIVITIES DURING THE COVID-19 PANDEMIC? LETTER TO THE EDITOR

    Fontenelle, Leonardo Ferreira; Brandão, Diego José; Sarti, Thiago Dias
  • THE WORKS OF HERCULES AND COVID-19 LESSONS FOR MEDICAL EDUCATION LETTER TO THE EDITOR

    Martelli, Hercílio; Machado, Renato Assis; Swerts, Mário Sérgio Oliveira; Martelli, Daniella Reis Barbosa; Caldeira, Antônio Prates
  • Covid-19 e a Necessidade de Ressignificação do Ensino de Epidemiologia nas Escolas Médicas: O Que Nos Ensinam as Diretrizes Curriculares Nacionais? CARTA AO EDITOR

    Souza, Carlos Dornels Freire de; Machado, Michael Ferreira; Correia, Divanise Suruagy; Ferreira, Olavo Franco
Associação Brasileira de Educação Médica SCN - QD 02 - BL D - Torre A - Salas 1021 e 1023 | Asa Norte, Brasília | DF | CEP: 70712-903, Tel: (61) 3024-9978 / 3024-8013, Fax: +55 21 2260-6662 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: rbem.abem@gmail.com