Longe dos Olhos, Perto do Coração

Far from Eyes, Close to Heart

Loin des Yeux, Auprès du Couer

Edelcio Mostaço Sobre o autor

RESUMO

O artigo especula sobre diferenças entre culturas de presença e culturas de sentido, apontando as primeiras como atadas a certas configurações cósmicas e as segundas caracterizadas pela cisão do eu que engendra a separação do mundo. Destaca o papel do cristianismo como preparação mental para o advento do regime de ficção nas culturas ocidentais, ao enfatizar a presença através da ausência.

Palavras-chave:
Presença; Representação; Signo

ABSTRACT

The article speculates about differences between presence cultures and sense cultures, indicating the former as attached to certain cosmological frames and the latter characterized by the division of the self which engenders the separation of the world. It highlights the role of Christianity as a mental preparation for the advent of the fiction regime on western cultures, emphasizing the presence through the absence.

Keywords:
Presence; Representation; Sign

RÉSUMÉ

L'article spécule sur les différences entre les cultures de la présence et les cultures de sens, pointant les premiers comme attachés a certain cosmologies et les seconds caracterérisé par le clivage du moi qui donne lieu à la separation du monde. Souligne le rôle du christianisme comme la préparation mentale pour l'avènement du régime de fiction dans les cultures occidentales, qui reinforce la présence par l'absence.

Mots-clés:
Présence; Representation; Signe

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Referências

  • DIDI-HUBERMAN, Georges. O que Vemos, o que nos Olha. Tradução de Paulo Naves. São Paulo: Editora 34, 1998.
  • FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Tradução de Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
  • GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de Presença - o que o sentido não consegue traduzir. Tradução de Ana Isabel Soares. Rio de Janeiro: Editora Contraponto/PUC Rio, 2010.
  • HEIDDEGER, Martin. Ser e Tempo. Tradução de Márcia Sá Cavalcante Schuback. Rio de Janeiro: Ed. Vozes-São Francisco, 2008.

  • 1
    Vejamos como Heiddeger examina essa questão: "A presença é um ente em que, sendo, está em jogo seu próprio ser. Na constituição de ser do compreender, o "estar em jogo‟ evidenciou-se como o ser que se projeta para o poder-ser mais próprio. Esse poder-ser é o em virtude de, onde a presença é sempre como ela é. Em seu ser, a presença já sempre se conjugou com uma possibilidade de si mesma" (Heiddeger, 2008, p. 258).
  • 2
    A tipologia aqui esboçada foi sugerida por Hans Ulrich Gumbrecht, mas segui apenas seus pontos centrais, modificando exemplos e argumentos. Ver Gumbrecht (2010).
  • 3
    Ver, a esse respeito, a percuciente análise de Didi-Huberman (1998, p. 40).
  • 4
    "A partir do século XVII, todo o domínio do signo se distribui entre o certo e o provável: isso quer dizer que não seria mais possível haver signo desconhecido, marca muda. Mas, sim, que só há signo a partir do momento em que se acha conhecida a possibilidade de uma relação de substituição entre dois elementos já conhecidos. O signo não espera silenciosamente a vinda daquele que pode conhecê-lo: ele só se constitui por um ato de conhecimento. É aqui que o saber rompe seu velho parentesco com a divinatio", conforme sustenta Foucault (1992, p. 74).

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Dez 2011

Histórico

  • Recebido
    Out 2011
  • Aceito
    Dez 2011
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Paulo Gama s/n prédio 12201, sala 700-2, Bairro Farroupilha, Código Postal: 90046-900, Telefone: 5133084142 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: rev.presenca@gmail.com
Accessibility / Report Error